"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
07/01/2020
Rumo ao niilismo da fé, em quatro etapas.
 

Rumo ao niilismo da fé, em quatro etapas.

07/01/2020

O caminho que alguns homens da Igreja têm seguido para nós fiéis há algum tempo é um processo revolucionário que vai muito além da heresia e aponta diretamente para a reversão do plano de Deus.

https://lanuovabq.it/storage/imgs/san-pietro-con-gente-large.jpg

Trivial dizer que descrever um fenômeno - social, econômico, político, etc. - por dentro e enquanto ainda está em andamento, é muito difícil. O fenômeno eclesial não é uma exceção, isto é, desenvolvimentos e regressões recentes da Igreja.

Portanto, diante desse obstáculo, vamos tentar traçar o caminho que alguns homens da Igreja têm seguido para nós fiéis há algum tempo. Existem essencialmente quatro dinâmicas em andamento: destrutivas, conservadoras, omissivas e inovadoras. Vamos começar com o primeiro, listando, em ordem dispersa e sem a intenção de ser exaustivo, alguns assuntos que foram afetados por intervenções em contraste com a sã doutrina: a indissolubilidade do casamento e preserva o significado do sacrifício eucarístico e do sacramento da reconciliação; nulidade matrimonial, absolutos morais, sacramento das ordens, celibato eclesiástico, evangelização, ecumenismo, valor salvífico do sacrifício de Cristo presente apenas na Igreja Católica, graça e justificação, realeza social de Cristo, a figura e o papel de Maria, a primazia petrina, a liturgia, as virtudes teológicas, a pena de morte, a homossexualidade, a contracepção.

Depois, há uma segunda categoria de assuntos que estão sujeitos a intervenções e discussões, mas aparentemente não foram manipulados. Por exemplo, aborto, eutanásia, vida eterna, Trindade, o sacramento do batismo, família, as bem-aventuranças. Escrevemos "aparentemente", porque na doutrina tudo é mantido ou tudo está perdido: todo princípio de fé ou moralidade está intimamente unido aos outros, eles são como vasos comunicantes. Poluir uma área, como descrito quando nos referimos à primeira dinâmica, também significa poluir as outras áreas. Rejeitar um aspecto doutrinário leva a rejeitar muitos outros. Por exemplo, qualificar o afeto homossexual como moralmente positivo leva necessariamente a minar o mesmo conceito de família. E, portanto, essas materias, mais cedo ou mais tarde, se enquadram na primeira categoria indicada acima.

Finalmente, na quarta categoria, encontramos a elaboração de uma nova doutrina: imigração, pobreza, igualdade entre homens e mulheres, ambientalismo, filantropia, etc. Lembre-se: esses não são assuntos próprios da justiça social que atualmente são interpretados à luz do pensamento católico ortodoxo, mas são assuntos separados do significado doutrinal e cultural católico e adquiridos com os paradigmas do pensamento moderno e modernista. Em resumo, para que possamos nos expressar, eles constituem um novo credo que, no entanto, é transmitido como compatível com o católico.

Esta quarta categoria marca - e o julgamento é deliberadamente hiperbólico - uma nova fase na vida da Igreja: da heresia ao niilismo da fé. Ou seja, e sempre nos expressando de uma maneira um tanto hipertrófica, hoje a categoria de heresia parece estar quase desatualizada (mas, na realidade, não é assim porque não poderia ser assim), como se apelar para a negação de verdades de fé e moral não fosse. mais suficiente para descrever a situação atual.
Colocando no centro a pregação, a investigação doutrinária, o cuidado pastoral, o ensino, o derretimento das geleiras, os barcos de imigrantes, os jovens desempregados, a biodiversidade etc. quase não significa mais ser herege, mas niilistas, porque não falamos de nada, aspectos da vida que certamente seriam muito significativos se interpretados à luz da doutrina católica, mas, quando essa luz é apagada, eles se tornam minutaglia insignificante, fervoroso bocejo, banalidades insones, estereótipos e clichês de bar.

E, assim, está em andamento um processo de esvaziar o conteúdo da verdade católica de dentro para tornar a Igreja oca, como se fosse um tronco do qual só resta a casca. Será este o ponto final do processo de descristianização? Provavelmente não. Porque onde há um vazio, ele deve ser preenchido: a natureza abomina um vácuo. Agora chegamos a cultos pagãos e animismo - é assim que podemos definir ambientalismo em batina - mas então, em um futuro não certo, teremos que adorar a Besta porque, como os Evangelhos nos dizem quando falam das tentações dirigidas a Cristo por Satanás , o último quer ser nosso verdadeiro deus.

O resultado pode ser a conclusão lógica de um certo caminho que começou alguns séculos atrás. Como ensina Plínio Corrêa de Oliveira em sua Revolução e Contra-Revolução, as fases da revolução prevêem uma reversão progressiva da ordem natural e sobrenatural desejada por Deus: de uma única Igreja Católica fundada por Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, passa-se do protestantismo para outra realidade em que há mais igrejas e onde a Igreja Católica é uma das muitas. Simultaneamente ao humanismo, Cristo não é mais o centro do universo, mas o homem. A Revolução Francesa fez de Deus uma entidade anônima - o Grande Arquiteto - e não é mais o Deus de Jesus Cristo, um Deus com um nome e sobrenome precisos. A revolução comunista também apaga o conceito de deus, espalhando o ateísmo em massa. Em 1968, foi a vez do ataque à lei moral natural. Todos os processos revolucionários se infiltraram também na Igreja.

Portanto, a lei de Deus foi morta na pátria interior, ou seja, no coração do homem, fomos adorar, não mais do que o homem como aconteceu no Renascimento, mas de animais e coisas.

É o marco zero da fé e da moral mencionados anteriormente. Neste deserto, uma nova planta se enraizará perfeitamente, cujo DNA é o oposto da Árvore do Conhecimento, a planta de Satanás. É a inversão perfeita da hierarquia desejada por Deus: do culto a Deus presente na Igreja Católica, ao culto a um deus que é tão cristão, mas não católico, para depois seguir para o culto ao homem e, finalmente, ao culto aos animais e finalmente às coisas ( geleiras, Mãe Terra, Pachamama). Tudo está pronto para a chegada do anticristo.

Em suma, as verdades da Igreja devem ser demolidas, e uma maneira também de se dizer conspiratório em certas verdades, e depois de concluída a demolição, construir o culto da Besta. Talvez seja um cenário erroneamente distópico, com traços excessivamente exagerados. Ou talvez não.

Fonte: https://lanuovabq.it/it/verso-il-nichilismo-di-fede-in-quattro-tappe

 
 
 

Artigo Visto: 432 - Impresso: 6 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.131.413 - Visitas Únicas Hoje: 1.070 Usuários Online: 236