"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
10/01/2020
Crepaldi e a verdade: uma normalidade que faz notícia
 

Crepaldi e a verdade: uma normalidade que faz notícia

10/01/2020

Agora, é preciso muito pouco na Igreja para atrair a atenção da web e da imprensa: basta dizer algo normal e até óbvio. O arcebispo Crepaldi estigmatizou os numerosos ataques ao cristianismo nos últimos dias. E os jornais foram à loucura. A questão a ser feita, portanto, não é tanto por que o bispo Crepaldi falou, mas por que outros não falaram.

https://lanuovabq.it/storage/imgs/crepaldi-ognisanti-02-large.jpg

Por Stefano Fontana

Agora, é preciso muito pouco na Igreja para atrair a atenção da web e da imprensa: basta dizer algo normal e até óbvio. Algo desse tipo aconteceu em Trieste no dia da Epifania.

Breve histórico do poema: em Roma, um pôster - posteriormente retirado - apresentava um  Cristo pedófilo. Uma imagem divulgada por Roberto Saviano mostrava São José tirando o menino Jesus do ventre de Maria com as pernas abertas. Dacia Maraini escreveu que, se Jesus tivesse vindo ao mundo hoje, seria uma "sardinha". Depois houve o incêndio dos presépios em várias igrejas, os danos e as profanações. Esse é o prólogo, o poema começa quando no templo triestino de Sant'Antonio Taumaturgo, em Porto Rosso, em frente ao espetacular canal aberto pela rainha Maria Teresa, o bispo Giampaolo Crepaldi desce ao ambo e faz sua homilia.

Depois de recordar e honrar as verdades salvadoras reveladas por Deus ao homem na Epifania com a realeza e o senhorio da Criança no centro venerada pelos Magos, o bispo diz que essas verdades sofreram um "ataque sem precedentes" que ocorreu "durante as festividades do Natal "que" se desenrolou de várias formas vulgares e blasfemas ": da" identificação da pessoa [de Cristo] com ser gay, pedófilo e "sardinha", até interpretações mais sofisticadas dos textos das escrituras que o privaram da natureza divina ", por" intelectuais liberais convencidos de que eles são os guardiões de ninguém sabe qual verdade misteriosa "," sempre eles e sempre aqueles, todos os anos para aumentá-la, transmitindo manchas cristológicas em nome do progresso ".

À primeira vista, essas palavras francas voltaram ao Facebook, jornais seculares como Il Gazzettino, Il Giornale e Libero os aceitaram e comentaram, juntamente com muitos blogs e agências de informação. Se Il Giornale diz que "Monsenhor Crepaldi se destacou por ser um dos poucos consagrados a responder aos ataques sofridos pelos fiéis nas últimas semanas", em seu blog Aldo Maria Valli fala dele como "um bispo que não se esconde".

Lembre-se de que em 13 de junho de 2019, o arcebispo Crepaldi, em outra homilia famosa, criticou fortemente o orgulho gay que a FVG mantinha naqueles dias em Trieste: "Esta nossa reunião de oração quer reparar as ofensas que foram feitas a Deus e aos Povo cristão no sábado, 8 de junho, em nossa cidade de Trieste, durante o evento chamado "Pride FVG". Acima de tudo, com sinais aludindo às orações do Pai Nosso e do Salve Rainha, o núcleo mais precioso de nossa fé em Cristo Senhor e nossa devoção à Virgem Maria foi atingido no coração. Além das línguas vulgares usadas, é bom ressaltar um ponto: o que queria ser um evento para combater a discriminação, resultou em um evento discriminatório contra o povo cristão ".

Os holofotes se voltaram para o ambiente onde Mons. Crepaldi realizou a homilia da Epifania, e não em todos os outros bispos italianos dos quais não houve uma palavra sobre os trágicos eventos. Mesmo que a Netflix planeje um filme com Jesus gay, os bispos se expõem? Fazer coisas normais na Igreja de hoje se torna notícia. É tão estranho que um bispo diga essas coisas que é certamente tão verdadeira e tão bom quanto ele diz.

A questão a ser feita, portanto, não é tanto por que o bispo Crepaldi falou, mas por que outros não falaram. A primeira resposta é que eles provavelmente não querem aborrecimentos: bandeiras tricolores sob o bispado, artigos de condenação por intolerância nos jornais locais, acusações de insensibilidade pastoral, críticas ao medievalismo. Hoje se diz que é necessário manter as portas abertas para todos, para que ninguém se sinta excluído do amor materno da Igreja. De fato, porém, os fiéis que não são protegidos nas coisas em que acreditam se sentem excluídos. Crepaldi defendeu as verdades da fé e da moral e, ao fazê-lo, defendeu o povo católico, uma vez que a Igreja não é um grupo qualquer e indiferente à verdade das coisas.

Evitar aborrecimentos não significa apenas evitar problemas pessoais, mas também impedir impedimentos pastorais ao anúncio. Um fator que imobiliza um bispo hoje é que, sem assumir uma posição na conferência episcopal regional, ele não se arrisca a dizer nada. Outro impedimento é que nada deve ser colocado diante do diálogo, nem mesmo o respeito pelas "coisas supremas" nas quais a Igreja acredita e que ela deve guardar e defender como um depósito precioso. Nada pode parar o diálogo, pois qualquer verdade deve emergir dele e não precedê-lo. Um terceiro impedimento é que nada prejudique a reconciliação idílica com o mundo. Há uma tendência de ficar calado ou denunciar as coisas que até mesmo o Repubblica, TG1 ou Fabio Fazio denunciam. No entanto, isso significa rendição incondicional. E sem aplausos, porque o mundo, quando você se ajoelha, não o aplaude, mas vai em seu caminho.

Fonte: https://lanuovabq.it/it/crepaldi-e-la-verita-una-normalita-che-fa-notizia

 
 
 

Artigo Visto: 238 - Impresso: 1 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.123.322 - Visitas Únicas Hoje: 379 Usuários Online: 173