"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
10/01/2020
"Eles estão matando a Igreja na China." Vamos ouvir Zen.
 

"Eles estão matando a Igreja na China." Vamos ouvir Zen.

09/01/2020

A publicação da carta que o cardeal chinês Joseph Zen enviou a seus confrades do Colégio Sagrado em setembro passado abre uma janela sobre a dramática crise da Igreja chinesa, iniciada com a assinatura dos acordos entre a Santa Sé e a China. A dele é a voz de quem chora no deserto.

https://lanuovabq.it/storage/imgs/zen-large-0-large-0.jpg

Cardeal Zen

Por Marco Tosatti

Em setembro passado, o cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong, escreveu uma carta a todos os cardeais. Um apelo dramático e uma maneira de tentar conscientizá-los - e conscientizá-los - da situação da Igreja na China. A carta foi divulgada ontem; até onde sabemos, não pela vontade do próprio cardeal, mas provavelmente foi enviado à imprensa - em sua formulação em italiano (aparentemente há também uma versão em inglês) por um dos numerosos destinatários.

O documento consiste na carta de apelação, na ampla citação das Diretrizes Pastorais publicadas pela Santa Sé e nas observações precisas feitas pelo próprio cardeal em vários pontos das Diretrizes. O incipit apresenta todo o drama do problema:

“Desculpe-me pelo inconveniente que isso causará a você. É que, em consciência, acredito que o problema que apresento não diz respeito apenas à Igreja na China, mas a toda a Igreja, e nós, cardeais, temos uma séria responsabilidade de ajudar o Santo Padre a liderar a Igreja ".

Assim começa a mensagem do cardeal, uma crítica muito severa acima de todas as diretrizes pastorais emitidas pelo Vaticano e que, nas palavras de Zen, encorajaria "os fiéis na China a entrar em uma igreja cismática independente do Papa e sob as ordens do Partido Comunista".

A carta foi escrita em setembro de 2019. Nela, Zen afirma que, na reunião de julho de 2019 com o Papa Bergoglio, na qual Zen lhe entregou suas observações escritas, que Zen define com um toque de humor seu "Dubia", o pontífice prometera que ele se interessaria pelo assunto. Mas ele não tem notícias disto desde então. "Ele prometeu se interessar, mas até agora não ouvi nada ainda." O Zen evidentemente espera provocar alguma mobilização no colégio; ou, se nada mais, ele quer estar ciente de que experimentou todas as maneiras possíveis.

Uma coincidência, talvez não por acaso, significa que nesses dias a AsiaNews noticiou a iminente entrada em vigor de regulamentos para associações religiosas (clique aqui). Na prática, são as regras que decidem sobre a organização, funções, escritórios, supervisão, planos de trabalho e administração econômica de comunidades e grupos em nível nacional e local. Todos os aspectos da vida das comunidades religiosas - de ensinamentos, comícios a projetos anuais e diários - estarão sujeitos à aprovação do Departamento de Assuntos Religiosos do governo. E o regulamento exige que o pessoal religioso apóie, promova e implemente a submissão total ao Partido Comunista Chinês entre todos os membros de suas comunidades.

De fato, afirma-se que "as organizações religiosas devem aderir à liderança do Partido Comunista Chinês, observar a constituição, leis, regulamentos, sistemas e políticas, aderir ao princípio da independência e autogoverno, aderir às diretrizes sobre religiões na China, implementando os valores do socialismo ... ". E novamente: "As organizações religiosas devem espalhar os princípios e políticas do Partido Comunista Chinês, educando funcionários religiosos e cidadãos religiosos para apoiar a liderança do Partido Comunista Chinês, apoiando o sistema socialista, e seguindo o caminho do socialismo com características chinesas. ...".

O cardeal chinês em sua carta e em seus comentários apresenta fortes críticas contra o secretário de Estado, cardeal Parolin, e o acusa, entre outras coisas, de manipular o pensamento de Bento XVI. “Também me dá nojo que eles frequentemente declarem que o que estão fazendo está em continuidade com o pensamento do papa anterior, enquanto o oposto é verdadeiro. Tenho as bases para acreditar (e espero um dia poder demonstrar com documentos de arquivo) que o acordo assinado é o mesmo que o Papa Bento XVI, na época, se recusou a assinar ". E ele conclui, dirigido aos confrades: “Prezada Eminência, podemos testemunhar passivamente esse assassinato da Igreja na China por aqueles que devem protegê-la e defendê-la dos inimigos? Imploro de joelhos, vosso irmão, cardeal Joseph Zen ".

É claro que, à luz dos regulamentos que estão prestes a entrar em vigor e das declarações de alguns bispos pró-partidos, temos a impressão de que a Santa Sé, ao assinar o acordo provisório, caiu em uma situação em que as margens de manobra e saída estão longe de ser fáceis.

Fonte: https://lanuovabq.it/it/stanno-uccidendo-la-chiesa-in-cina-ascoltiamo-zen

 
 
 

Artigo Visto: 364 - Impresso: 3 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.123.231 - Visitas Únicas Hoje: 288 Usuários Online: 132