"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
28/06/2020
Abaixo a máscara: o inimigo número um é a Eucaristia
 

Abaixo a máscara: o inimigo número um é a Eucaristia

28-06-2020

Por Andrea Zambrano

Temos o grande estado litúrgico que indica a Eucaristia como o inimigo público número um e os bispos mandarins o que fazem? Eles concordam. Tire sua máscara e admita: o inimigo é o Pão Angélico. Era necessário salvar a semente, expor, adorar, confiar a ele. Em vez disso, o removemos da vista de todos, presos no altar e agora o apontamos como um veículo de contágio, inimigo público número um. Tendo perdido sua credibilidade no momento do teste, com que autoridade você pode falar de suas cadeiras ensinando e advertindo?

Não fiquemos sob ilusões e não adoçamos: esta longa e exaustiva temporada pandêmica nos deixou com um grande legado a enfrentar: um ataque sistemático à eucaristia. Chamamos as coisas pelo nome e reconhecemos que quando tudo está voltando ao normal, embora com dificuldade, a vítima é precisamente o Corpo de Cristo. Costumávamos vê-lo atacado no sacrilégio, nas procissões blasfemas dos LGBT, mas elas eram muito notórias e causavam uma impressão, fomos mais longe e não reparamos.

Nós o temos acostumado a vê-la sob ataque em doutrinas progressistas, nas concessões casuísticas para divorciado "casado" ou homossexual coabitando e bênçãos, em "o que você sempre quer que o pecado seja", mas aqui também a Igreja sobrepôs, tagarelando com "misericórdia" e rigidez.

E agora a vemos sob ataque diabólico e escondido na forma de sanitarismo. E ainda assim os bispos não percebem, cegos como estão pelo medo de irritar um estado do qual agora se tornaram oficiais em batina.

Na sexta-feira à noite, o Comitê Técnico Científico chegou a escrever essa bestialidade: "O momento litúrgico da Eucaristia que o oficial primeiro se volta para si mesmo e, posteriormente, distribui aos fiéis representa um dos estágios mais críticos para a possibilidade de propagação entre humanos do vírus".

Temos o Grande Estado Litúrgico, que agora pode pagar em preto e branco para "recomendar" a distribuição da Comunhão na mão.

Ainda não entendemos? A Eucaristia é o risco, o maior perigo. É a crise da Hóstia. O Pão Celestial é o inimigo público número um, e esta convenção expressa com sicumera por um comitê de pseudocientistas - dos quais não sabemos os nomes ou sobrenomes - de um governo ateu é aceito sem uma resposta pelos bispos que permitem que isso seja dito do Corpo de Cristo. Com essa lógica, a eucaristia também representará um perigo para todos os outros vírus do futuro. Chegará o vírus vattelapesca ou a bactéria pinco pallino: o primeiro a perder será você, e com você, nós.

É evidente que, para escrever tal bestialidade, que, entre outras coisas, não tem base científica, porque até as crianças agora sabem que, desde que não tossam diante dos fiéis ou espirram à sua frente, a transmissão do vírus não acontece, o CTS teve carta branca e mão livre. Uma concessão que conseguiu, porque os bispos e cardeais italianos renunciaram a seu papel de guia, fornecendo precisamente o guia a um comitê de saúde pública que ditou as regras à vontade.

Mas, no final, esses bispos fizeram pouco esforço para aceitar esses tapas ministeriais que desrubrificam o Corpo de Cristo como mero alimento de despensa e reduzem sua autoridade à dos mandarins, capazes agora apenas de pedir até mesmo permissão ao Estado para tirar o par de luvas. : eles já haviam aceitado os tapa na Eucaristia com os desvios doutrinários, com as heresias mais ou menos mascaradas da Eucaristia como um direito. Chegar a esse ponto foi fácil e, para poder escrever que a Eucaristia representa o momento de maior risco e impor a Comunhão na mão com um carimbo da polícia, o caminho foi enviado.

Em fevereiro, com o confinamento ainda longe, na comunhão de missas distribuída em mãos já era prática padrão. E todo mundo calou a boca. Então veio a quarentena, a parada nas missas com o povo e então nos disseram que tínhamos que nos consolar com a comunhão espiritual: nós a fizemos domesticada. Enquanto isso, fomos proibidos de ir à igreja para que possamos recebê-la fora da missa. Alguém pensou em enviá-la como um pacote postal para os fiéis em casa: e aqui também ficamos em silêncio.

O ponto mais baixo que experimentamos foi com a invasão dos carabinieri na igreja durante a missa, justamente no momento em que o pão dos homens se tornou pão divino. Prendeu a Eucaristia, multou o padre e aqui também: todos calados. Nenhum bispo indignado, ninguém que levantou a voz para um sacrilégio que só Vittorio Sgarbi - você entende? - sentiu que tinha que trazê-lo à justiça.

Com a retomada das missas em maio, revisamos a Eucaristia, mas ela nos foi dada com luvas de látex sacrílegas e obrigatórias na mão. Os padres paroquiais mais ousados até aconselharam não se ajoelhar, obviamente sem explicar como a infecção seria transmitida. E agora, anteontem, poderemos recebê-la novamente sem luvas, mas não na boca. Enquanto isso, eles saltaram sem um golpe, ferindo as devoções eucarísticas mais amadas, como a Procissão de Corpus Christi.

Em abril e maio, bispos e lacaios clericais idolatravam os cientistas como heróis, independentemente do que muitos deles estavam patrocinando. Honras semi-divinas também foram pagas ao professor Massimo Galli, de Milão, mas ninguém lhe respondeu de cara quando ele disse que "a missa não é necessária nem prioritária", reduzindo o anfitrião a qualquer pão. Ninguém lhe respondeu pelas rimas, ninguém defendeu a Eucaristia.

O resultado é o seguinte: a Eucaristia como o inimigo público número um.

Tire sua máscara e admita: o inimigo é o Pão dos Anjos. Era necessário salvar a semente, expor, adorar, confiar a ele. Em vez disso, o removemos da visão de todos e agora o apontamos como um veículo de contágio, inimigo público número um. Tendo perdido sua credibilidade no momento do teste, com que autoridade você pode falar de suas cadeiras ensinando e advertindo?

Fonte: https://lanuovabq.it/it/giu-la-mascherina-il-nemico-numero-uno-e-leucarestia

 
 
 

Artigo Visto: 504 - Impresso: 2 - Enviado: 3

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.188.457 - Visitas Únicas Hoje: 866 Usuários Online: 198