"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
15/09/2020
Inferno de Moria. Grécia está repleta de imigrantes
 

Inferno de Moria. Grécia está repleta de imigrantes

15-09-2020

Foram as medidas para testar e rastrear os imigrantes positivos para Covid que desencadearam a rebelião no campo de Moria, na ilha Egeu de Lesbos (Grécia). O incêndio deixou mais de 10 mil refugiados desabrigados tentando chegar ao continente. Inferno, o mais recente sinal de imigração ilegal que a Grécia não pode se dar ao luxo de tolerar por muito tempo

O incêndio no acampamento de Moria (Grécia)

O incêndio no acampamento de Moria (Grécia)

por Anna bono

Os irresponsáveis ​​benfeitores de "portos abertos", de "viagens de esperança", de migrantes "vítimas da cultura do desperdício", "visitas de Deus" são co-responsáveis ​​por imensas e irreparáveis ​​tragédias humanas. "Europa? Não acredito mais que exista. Isso é o inferno ". Dizer que é Scotti Kele, natural da República Democrática do Congo. Ele perdeu tudo o que tinha no incêndio que destruiu o maior campo de imigrantes da Europa, o de Moria, na ilha grega de Lesbos, na noite de 8 de setembro. Ele escapou do incêndio com as roupas que vestia e nada mais: como ele, mais de 12 mil pessoas, forçadas a dormir ao ar livre, no campo, nos estacionamentos e nas margens das estradas, esperando socorro.  

Já a vida em Moria era extremamente incômoda devido à superlotação - até 13.500 convidados em uma estrutura destinada para 3 mil - que o novo governo grego, vencedor das eleições de julho de 2019, tentava remediar com um projeto de redistribuição que, no entanto, era suspenso no início da emergência COVID-19. Agora, devido ao incêndio, parece ainda mais difícil, embora as autoridades gregas tenham imediatamente activado enviando um ferry capaz de acolher mil pessoas seguidas de dois navios que vão acolher temporariamente outros mil, começando a instalar estruturas provisórias nas proximidades do acampamento devastado e, a partir de 14 de setembro, iniciando os procedimentos sanitários para admitir o maior número possível de pessoas no acampamento Kara Tepe nas proximidades.

Para complicar a situação é a necessidade de conter a propagação do COVID-19 na ilha. Muitos emigrantes tentaram chegar às cidades e portos mais próximos na esperança de poderem deixar Lesbos. A polícia interveio para impedi-lo, obrigada também a usar gás lacrimogêneo. Agora é necessário identificar as pessoas infectadas e colocá-las em quarentena em um contexto de pouca colaboração e até mesmo hostilidade aberta. A recusa da quarentena parece estar na origem dos incêndios, que eclodiram em diferentes partes do acampamento poucas horas depois de 35 pessoas testarem positivo. O governo grego afirma que os emigrantes foram os responsáveis ​​por eles, em protesto contra as medidas de isolamento decididas pelas autoridades do campo. Alguns emigrantes, por outro lado, culpam os habitantes da ilha, exasperados pelo facto de Lesbos sofrer durante anos as consequências económicas e sociais negativas da crise migratória. Neste clima tenso, o projeto do governo grego de construir um novo centro permanente de recepção e identificação, mais equipado e funcional, não agrada a ninguém. Os habitantes de Lesbos são contra porque a consideram insustentável para sua pequena ilha. Os emigrantes não querem porque pedem para serem realocados para outros países da UE, destino final das suas viagens.

“Os gregos não querem refugiados - diz um emigrante afegão entrevistado pela BBC - eles nos obrigam a viver como animais”.Claro que isso não é verdade. Como na Itália, mesmo na Grécia ninguém se recusa a acolher refugiados. O problema é que, assim como na Itália, os refugiados em Lesbos são poucos, mesmo que todos sejam requerentes de asilo, expediente usual para não serem rejeitados e repatriados. Cerca de 70% dos atuais requerentes de asilo vêm do Afeganistão, os demais pertencem a dezenas de nacionalidades diferentes. A maioria são jovens do sexo masculino. O parlamento grego aprovou em 31 de outubro passado uma lei de proteção internacional que acelera os procedimentos de análise de pedidos - até então cinco ou seis anos de espera para saber o resultado - a fim de integrar mais rapidamente aqueles que obtêm o status de refugiado . Mas os tempos são longos: os casos, também como na Itália, são dezenas de milhares e os controles não são simples. “O tempo não está do nosso lado - disse o Ministro da Proteção Civil Michalis Chrysohoidis em outubro, explicando que com a nova lei os pedidos de asilo podem ser concluídos em 60 dias - os barcos chegam cruzando o Mar Egeu, mais e mais chegam cada dia que passa ". Quase 68.000 migrantes irregulares desembarcaram na Grécia em 2019: o mesmo número de casos a serem examinados, somados aos 68.000 atrasos. O primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis disse ao parlamento antes da votação que a lei pretendia enviar uma mensagem clara: “A medida acabou. Chega de gente que sabe muito bem que não tem direito ao asilo e ainda tenta entrar e ficar no nosso país ”. Desde o início de 2020, chegaram mais 11.971 migrantes irregulares.

A Grécia, como a Itália, está pedindo em vão a intervenção da UE. Por enquanto, a pedido da Alemanha e da França, 10 estados europeus concordaram em acolher 400 menores desacompanhados de Moria, já transferidos para o continente, de onde deverão em breve chegar aos respectivos destinos. Fala-se também da reafectação de refugiados em países da UE: de refugiados, na verdade, não de requerentes de asilo. Mas a Grécia, como a Itália, pode fornecer seus próprios meios aos refugiados e certamente está disposta a fazê-lo, como tem feito até agora.

Fonte:https://lanuovabq.it/it/linferno-di-moria-la-grecia-scoppia-di-immigrati

 
 
 

Artigo Visto: 188 - Impresso: 0 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.302.437 - Visitas Únicas Hoje: 1.266 Usuários Online: 219