"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
15/10/2020
ONU: China eleita guardiã dos direitos humanos
 

ONU: China eleita guardiã dos direitos humanos

15-10-2020

Um dos principais violadores dos direitos humanos é eleito para o Conselho de Direitos Humanos da ONU. Na terça-feira, 13, a República Popular da China foi eleita entre os 15 novos países que farão parte do Conselho de Direitos Humanos, juntamente com o Uzbequistão (com seus escravos) e o Paquistão (sob a lei negra). É improvável que um regime repressivo investigue seus próprios crimes.

Manifestação dos Uigures

Manifestação dos Uigures

por Stefano Magni

Você faria um incendiário apagar o fogo? Certamente não. Em vez disso, é normal que um país que é o maior violador dos direitos humanos seja eleito para o Conselho de Direitos Humanos da ONU. Bem, na terça-feira, 13, a República Popular da China foi eleita entre os 15 novos países que farão parte do Conselho de Direitos Humanos. Portanto, é improvável que realize inspeções ou proponha sanções contra seus próprios crimes.

O regime comunista de Pequim, entre os países da Ásia juntamente com os do Oriente Médio, competia diretamente com a Arábia Saudita, outro regime que tudo menos respeitava os direitos. Em uma lógica midiática, e também política, a monarquia de Riade foi finalmente rejeitada devido às objeções levantadas sobre o caso Jamal Khashoggi, o jornalista da oposição (próximo à Irmandade Muçulmana) morto e literalmente despedaçado no consulado saudita em Istambul em 2018. A Arábia Saudita nega qualquer responsabilidade pelo que aconteceu, mas o príncipe Mohammad bin Salman é o principal suspeito. A China venceu então a competição asiática para entrar no prestigioso órgão com sede em Genebra. Mas com quais credenciais?

A China está cometendo um crime em massa cada vez mais documentado: a deportação em massa de uigures e outras minorias muçulmanas de língua turca de Xinjiang. Segundo estimativas das próprias autoridades chinesas , a "reeducação" dos cidadãos da região oeste atinge 1,3 milhão de pessoas por ano. No Tibete, a população é submetida a tratamento semelhante, com deportações para campos de reeducação (leia-se: trabalhos forçados). Desse sistema, tanto no Tibete como em Xinjiang, acabam todos aqueles que são considerados muito fiéis à sua cultura ou religião, que não se adaptam aos costumes chineses modernos e mantêm características distintas das da maioria Han. Eles são, portanto, considerados "atrasados" e reeducados contra a sua vontade, com métodos de campo de concentração dos quais há cada vez mais testemunhos. Ao mesmo tempo que o soco forte em Xinjiang, uma verdadeira perseguição também começou na Mongólia Interior: a língua mongol está sendo eliminada dos currículos escolares e os protestos são suprimidos à força. Pode ser o próprio início do processo repressivo: os mongóis podem ser os próximos a serem "reeducados".

Além da perseguição étnica em massa , a China não desiste da perseguição religiosa, como este jornal vem documentando há anos quase semanalmente, porque essa é a frequência de episódios de perseguição que também são noticiados no Ocidente. Desde 2018, com a introdução da nova legislação para assuntos religiosos (que, curiosamente, antecipou em alguns meses os acordos entre a China e o Vaticano), Pequim lançou uma forte campanha de "sinização" das religiões, que inclui também a destruição sistemática de locais de culto não alinhados, restrições de todos os tipos à liberdade de religião (incluindo a proibição de atividades religiosas para menores) e o controle sistemático de cada comunidade de fiéis, até a reescrita de sermões e dos mesmos textos sagrados ao longo das linhas ditadas pelo Partido Comunista. Fora das religiões reconhecidas, confissões não reconhecidas, incluindo católicos "clandestinos" (leais ao Papa e não ao Partido) e o movimento Falun Gong, sofrem uma repressão ainda mais brutal, com prisão arbitrária, tortura, confissões forçadas de renunciar a uma crença e muitas mortes.

Mesmo fora da perseguição política a minorias e religiões , a China continua sendo o país com registro de pena de morte, a primeira do mundo em número de execuções, imposta por 46 tipos de crimes, muitos dos quais são atos não violentos. Além disso, advogados de direitos humanos, cidadãos que manifestam divergência (talvez por serem vítimas das inúmeras requisições de casas e terrenos) e recentemente também médicos e jornalistas que não se adaptaram à narrativa do regime sobre a epidemia de coronavírus estão sempre na mira do regime. . E ainda resta o macroproblema de Hong Kong, que constitui, além de uma repressão aos direitos humanos (a nova Lei de Segurança Nacional está fora de qualquer padrão legal aceitável), também uma violação de um tratado internacional, com o Reino Unido no específico, que previa o respeito à plena autonomia da ex-colônia britânica.

Essas violações contínuas de direitos estão lá para todos verem , não são segredo. Graças aos contínuos protestos em Hong Kong, a questão chinesa também atraiu a atenção da mídia ocidental. Mesmo os casos menos conhecidos de repressão por parte do público em geral são certamente conhecidos no âmbito da ONU, especialmente no Conselho de Direitos Humanos. Mas tudo isso não foi suficiente para impedir que uma maioria de representantes elegesse a China, novamente, entre os novos membros do Conselho de Direitos Humanos, com 139 votos. A única nota positiva: são menos votos do que os da própria China em 2016 (foram 180). O caso da China não é único: também foi eleito o Uzbequistão, país que bate o triste recorde em número de escravos, obrigados a trabalhar na lavoura de algodão. O Paquistão foi eleito, outro lugar de perseguição generalizada aos cristãos, que de forma alguma aboliu a "lei negra", pela qual crimes de blasfêmia também são punidos com pena de morte, muitas vezes apenas um pretexto para encarcerar ou linchar cristãos. Isso é apenas para ficar na Ásia. Para os representantes dos outros continentes, problemas semelhantes são encontrados: mais uma vez o regime comunista de Cuba é eleito nas Américas.

São necessárias pelo menos duas reflexões, após esta enésima demonstração de manifesta insensibilidade da ONU na questão dos direitos humanos. O primeiro diz respeito ao critério de composição do Conselho. Por razões incompreendidas de “representação democrática”, os países escolhidos com base em sua mera localização geográfica, em caráter rotativo, inscrevem-se em um órgão de fiscalização dos direitos humanos. Independentemente de respeitarem ou não os direitos humanos. Se o critério fosse meritocrático (quem zela pelos direitos humanos, pelo menos esses direitos os respeitam em sua própria casa), descobrir-se-ia que os representantes seriam quase todos europeus e americanos, enquanto a África e a Ásia estariam sub-representadas. O segundo aspecto, ainda mais curioso, é que a China tem se destacado nos últimos anos pela perseguição aos uigures, um povo muçulmano. Mas neste caso, nenhuma solidariedade islâmica foi observada. A mesma motivação que empurra os países muçulmanos a se unirem contra a "islamofobia" ocidental está estranhamente ausente quando se trata de um regime quereeducar milhões de muçulmanos para o ateísmo , queimar centenas de milhares de cópias do Alcorão (pogroms anticristãos estouram no Paquistão por uma única carga de uma cópia queimada), sistematicamente destruir mesquitas e esterilizar mulheres uigures . Por causa desta autêntica perseguição aos muçulmanos na República Popular da China, a comunidade islâmica está em silêncio. Obviamente, a acusação de islamofobia é uma corrente alternada apenas para as democracias ocidentais e para os cristãos.

Fonte: https://lanuovabq.it/it/onu-la-cina-eletta-fra-i-custodi-dei-diritti-umani

 
 
 

Artigo Visto: 174 - Impresso: 0 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.336.210 - Visitas Únicas Hoje: 1.263 Usuários Online: 239