"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
17/10/2020
PAI NOSSO DOS "PAMPAS"
 

PAI NOSSO DOS "PAMPAS"

18 de outubro de 2020

Pai nosso que estás nos pampas: "Todos irmãos, mas no nada"? Hoje para a nova Igreja haveria um Deus "velho", um juiz mal-humorado e um "novo", um brincalhão que perdoa a todos com um tapinha no ombro: mistérios dos pampas.

Por Roberto Pecchioli

Decidimos silenciar definitivamente sobre os assuntos da Igreja Católica. Muito complicado para acompanhar as mudanças, reviravoltas da hierarquia; triste demais para um crente "filho", seguidor da fé dos pais, ver desaparecer um a um os vestígios do "depositum fidei " de dois mil anos . Porém, as mudanças na liturgia da Missa , a encíclica Fratelli tutti e as mudanças introduzidas na oração do Pai Nosso "nos levam à tentação", por isso tentamos uma boa reflexão, sem nos fingir de teologia. Não usamos a expressão por acaso: aliás, a variação mais significativa que entrará em vigor a partir de 29 de novembro, primeiro domingo do Advento, diz respeito a uma passagem crucial do Pai-Nosso.  Não pediremos mais a Deus que "não nos deixe cair em tentação", mas "que não nos abandoneis às tentação". Além disso, a Conferência Episcopal inseriu a palavra "também" no texto, na parte relativa à remissão de dívidas. Os inovadores, para não perder nada, modificaram também o ato penitencial, cujo início, em deferência ao modo de inclusão ", serão " irmãos e irmãs " , provavelmente para não incorrer no pecado do sexismo por causa do solitário" irmãos ". Por fim, na oração da elevação, depois de ter dado "glória a Deus nas alturas do céu", a paz na terra não será mais pedida aos homens de boa vontade, mas aos "homens amados pelo Senhor".

Quem tem um mínimo de familiaridade com os assuntos da igreja sabe que as notícias não são justas. A característica mais profunda das religiões é tender para o Eterno, o Absoluto. Eles têm um substrato que não pode ser alterado sem sérias consequências doutrinárias e práticas. Isso se aplica em primeiro lugar ao Alcorão dos muçulmanos, que é considerado não criado, anterior ao tempo, trabalho intangível e vontade de Allah. O Cristianismo distingue entre Palavra, tradição e doutrina, mas os Evangelhos são "a palavra de Deus", como o sacerdote repete solenemente a cada leitura durante os ritos. Para simplificar, os textos “sagrados” devem ser manuseados com cuidado. A oração do Pai Nosso foi ditada pelo próprio fundador, Jesus Cristo, recolhida do Evangelho de Mateus (6,9-13) e do de Lucas (11: 2-4). Em ambas as versões, existe um fundamento relativo à tentação. Na Vulgata dos textos do Evangelho, a expressão grega kài mé eisenènkes é traduzida em latim como “ et ne nos inducas in tentationem. As versões hebraica e aramaica são traduzidas respectivamente como "não nos leve às mãos do Inimigo" e "não nos deixe cair em tentação" (fonte: <nostreradici.it>).

O trabalho de interpretação é muito delicado e de capital importância, pois há testemunhos da Palavra, mas não gravações (Padre Sosa Abascal, Servus Jesus dixit). Além do significado literal, parece para o crente culto médio que o significado é a invocação a Jesus para ajudar o homem em face do mal, do pecado, das "tentações". Se for verdade, como afirma o protagonista das inovações, o bispo e teólogo Bruno Forte, que "Deus nos ama, não nos lança armadilhas para cair no pecado", é perene a doutrina que permite provas para verificar se somos dignos da vida eterna, que é a comunhão com Ele. Além disso, Forte admite, “o grego original usa um verbo que significa literalmente conduzir-nos, conduzir-nos, referido na versão latina. No entanto, em italiano induzir significa empurrar, em essência, para fazer isso acontecer. E é estranho que possamos dizer a Deus para não nos empurrar para cair em tentação. "

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-0-0-NUOVI/0000-PAROLIN_PAPA.jpg

Pai nosso que estás nos pampas: "Todos irmãos, mas no nada"? Hoje, é  todo o sistema da igreja contemporânea que causa perplexidade!

Certo, mas o significado italiano do verbo induzir é antigo, consolidado ao longo do tempo. A Igreja elegeu papas de nacionalidade italiana e língua materna durante séculos, até 1978, sem qualquer objeção ao Pater Noster. A razão certamente não é a ignorância lingüística, mas, imaginamos, o legítimo medo de adulterar o "depositum fidei" por meio de alterações no texto do Evangelho., a tradição perene. Mover uma pedra pode prejudicar todo o edifício. Na verdade, foi o próprio Bergoglio quem levantou a questão em várias ocasiões, talvez porque a versão em espanhol ore a Deus "para não nos deixar cair em tentação". Em 2017 ele proferiu uma das raras frases em consonância com a fé usual: “aquele que te leva à tentação é Satanás, este é o ofício de Satanás. “Conforte que o papa acredita na obra do Maligno. Certamente não é Deus quem leva à tentação, mas, pelo livre arbítrio, responsabilizou o homem pelos seus atos, aos quais se opõe a sua justiça combinada com a misericórdia. A nova Igreja encobre a justiça - que julga o bem e o mal - e enfatiza a misericórdia. Haveria um Deus "velho", um juiz mal-humorado, e um "novo" Deus, um brincalhão que perdoa a todos com um tapinha nas costas. Mistérios dos pampas. A doutrina advertia que a misericórdia deve ser pedida com humildade após o reconhecimento do mal feito. Para o protestantismo, por outro lado, a pessoa é salva pela graça e pela fé ( sola fide, sola gratia, sola scriptura ).

Especificamente, a mudança se justifica pela distância entre o significado original de “ser carregado, conduzido” e o significado italiano de induzir (provocar, empurrar para algo). Nenhum fiel - e nenhum pastor, acreditamos - foi "enganado" pela sutileza linguística. Mudamos para mudar, para nos adaptarmos aos "sinais dos tempos", para irmos atrás da modernidade deixando-se ditar até a linguagem da liturgia. Uma posição defensiva e perdedora que desconcerta.

A adição de "também" na passagem do perdão da dívida não é totalmente convincente. A oração tradicional em italiano negligenciou o "et" latino e o "kài" grego como redundantes. Vamos dizer "perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também perdoamos aos nossos devedores." Uma modificação desnecessária, um pedantismo inútil decorrente da ânsia de novidades a qualquer custo que não fortaleça os fiéis e deixe indiferentes os adversários da Igreja. As novas formulações não trarão mais fiéis aos serviços e à recitação do Rosário. Mas já, o objetivo da nova Igreja não é mais o apostolado, apressadamente descartado como proselitismo.

A impressão negativa diz respeito à corrida frenética e sem fôlego pela mudança daqueles que se sentem atrasados, inadequados, desatualizados. A Igreja perdeu o seu verdadeiro poder: é uma opção entre muitas. Na competição de desconstrução, destaca-se a inclusão das irmãs ao lado dos irmãos: vã cautela politicamente correta, “ excusatio non petita ”, justificativa não solicitada para evitar denúncias de machismo.

A intenção, que já tem dois mil anos, conta: os cristãos, com o termo irmãos, nunca pretenderam se dirigir apenas aos fiéis homens, excluindo a outra metade do céu. Pesa ter que repetir. Em termos de conteúdo, a inovação do “Gloria” é marcante. A velha fórmula é muito antiga, elegante e venerável, dirigida a homens "de boa vontade". Gloria 2.0 (a linguagem é deliberadamente não muito clerical) corre para uma maior protestantização da Igreja. A referência aos homens (e mulheres, repitamos em benefício do feminismo) "de boa vontade" nos lembra que a adesão ao desígnio divino é uma escolha pessoal, uma resolução à qual o homem adere com o coração e o intelecto, concretizando-a nas ações e na conduta de vida. Eliminar esse vínculo parece um passo na direção de um ecumenismo unilateral que torna suas as teses alheias.

É toda a estrutura da igreja contemporânea que causa perplexidade. Conhecemos a preferência de Bergoglio pela pastoral em relação à doutrina. Os resultados não correspondem aos esforços: quanto mais a igreja se abre (e se assemelha) ao mundo, mais o rebanho se dispersa e se dilui. Além disso, no plano teórico, é uma rendição ruinosa à mais abrangente das culturas modernas, o marxismo , baseado no primado da "práxis". O termo define a ação prática em oposição à atividade teórica ou especulativa. A distinção introduzida por Aristóteles atribuía a busca da verdade exclusivamente à atividade teórica. Foi controversamente derrubado por Hegel e especialmente por Karl Marx, significando a atividade humana transformando a realidade e produzindo história. Nada poderia estar mais longe da religião e de sua pretensão à verdade definitiva. Bergoglio caminhou decididamente na direção da práxis - velada pela pastoral - sobretudo com as encíclicas Laudato Sì e com o muito recente e falante Fratelli tutti , além de colocar o cerne de seu pontificado na questão da migração.

Com Laudato Sì, casou as teses ecológicas com uma defesa feroz não da ordem e da lei natural, mas do meio ambiente, com referências mínimas a Deus e ao destino do homem. Em Fratelli tutti , aprofunda o sulco com o passado em longas digressões em matizes paramarxistas impregnados de um populismo ao estilo sul-americano . Em particular, parece que identificamos uma dívida cultural do papa argentino com um de seus compatriotas, o intelectual neomarxista (foi ele quem introduziu o termo) Ernesto Laclau, quase a sua idade - era de 1935 - que faleceu em 2014. Para Laclau, autor da conhecida razão populista, não há objetividade do povo, considerada uma construção artificial e não orgânica, mesmo uma invenção. O povo é para Laclau um "vazio universal" que se ocupa e se ressignifica na luta pela hegemonia entre os diversos populismos. O povo não existe, ele se constrói como identidade política. Significativamente, no parágrafo 158 de Fratelli tutti afirma-se que “as pessoas não são uma categoria lógica. (...) É uma categoria mítica. ” 

Portanto, apenas a humanidade única e equívoca existiria. Bergoglio se apressa em se distanciar do populismo de direita , que “termina em nacionalismo expulsivo, uma noção fechada do povo como algo homogêneo e dado”. Atinge o slalom em torno da doutrina social da igreja no que diz respeito ao tema da propriedade privada. Para a Igreja, deve ter uma “função social”, mas nunca negou a sua legitimidade. Vamos pensar na tentativa generosa de aplicar a doutrina social de GK Chesterton e Hilaire Belloc, o "distributismo" que propunha uma organização social constituída pela propriedade privada generalizada, acusando o capitalismo e o comunismo de se apropriarem da propriedade, o primeiro nas mãos de uma oligarquia, o segundo de uma burocracia. Bergoglio parece avançar - ou melhor, retroceder - em direção a uma espécie de destinação universal dos bens, uma vez que os dons da criação foram conferidos à humanidade como um todo.

Ele o expressa no parágrafo 120, com o escudo de uma declaração de São João Paulo II , "Deus deu a terra a todo o gênero humano para sustentar todos os seus habitantes, sem excluir ninguém nem privilegiar ninguém". Sobre esta base teoricamente irrepreensível, Bergoglio lembra que o princípio do uso comum dos bens é “o primeiro princípio de toda a ordem ético-social, direito natural originário e prioritário”. A propriedade privada é apenas um "direito natural secundário derivado do princípio da destinação universal dos bens criados". Disto se segue que os recursos devem ser usados sem consideração pelas fronteiras para “fornecer uma base para o direito dos migrantes de serem recebidos em condições dignas dos países de acolhimento”.

O parágrafo 124 diz: “A convicção do destino comum dos bens da terra exige que se aplique também aos países, seus territórios e suas possibilidades. Se o observarmos não apenas pelo lado da legitimidade da propriedade privada e dos direitos dos cidadãos de uma dada nação, mas pelo princípio primordial da destinação comum dos bens, então podemos dizer que todo país pertence também ao estrangeiro , já que os bens do território não são eles que devem ser negados a uma pessoa necessitada de outro lugar. “A agenda da nova esquerda, embora Bergoglio tente se distanciar de forma sutil, é a mesma.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-0-BIS2020/000-gesu_montagna.jpg

Os textos “sagrados” devem ser manuseados com cuidado? A oração do Pai Nosso foi ditada pelo próprio Fundador, Jesus Cristo, recolhida do Evangelho de Mateus (6: 9-13) e do de Lucas (11: 2-4)!

Bergoglio está comprometido de corpo e alma com a agenda anti-racista (seria pelo menos apropriado definir o que se entende por racismo) e no parágrafo 23 reclama que ainda há muito a ser feito no campo da igualdade entre homens e mulheres. No 102, ele alerta que as políticas de identidade não têm outro resultado a não ser tirar a força da unidade da "classe trabalhadora" e acabar enfraquecendo-a em sua busca pela equidade máxima. A Unidade de ontem e o Manifesto de hoje não poderiam ter dito melhor. “Constantemente aparecem grupos sociais que se apegam a uma identidade que os separa dos demais, e tendem a se organizar de maneira a impedir qualquer presença estranha que possa perturbar essa identidade e essa organização protetora e autorreferencial. "

Com efeito, o parágrafo 13 ataca a tentativa de quem “alargar o campo da liberdade até à determinação da sua própria identidade [individual] torna-se funcional à lógica de um mercado que quebra todos os limites. (...) É estimulada uma perda do sentido da história que se desintegra cada vez mais. Há uma penetração cultural de uma espécie de desconstrucionismo em que a liberdade humana pretende construir tudo do zero. Deixa de pé apenas a necessidade de consumir sem limites e a acentuação de muitas formas de individualismo sem conteúdo ”.

Reconstrução exemplar dos últimos trinta anos, mas o que é a terapia, material e espiritual? A lei natural ainda está em vigor? Deus entra em tudo isso ou não? Qual é a resposta concreta do catolicismo, além do apelo genérico - certamente não novo - à fraternidade universal? É difícil entender como essa irmandade difere da "fraternidade " maçônica e revolucionária. Um expoente sênior das lojas francesas afirma que a irmandade enunciada na encíclica é a mesma teorizada pelos "veneráveis irmãos". 

No meio de tanta confusão, no meio da confusão, temos o direito de discordar e criticar profundamente a nova Igreja como defensora "política" de uma ideia de vida e de sociedade que pouco nos pertence. No entanto, gostaríamos de ouvir novamente a sua voz sobre o sentido final da vida, sobre o destino do homem. Queremos ela de volta como mãe e mestra. Numa época em que desafios dramáticos nos tornam vítimas do medo, da tristeza e do desespero, a palavra de Deus deve ser conforto, exemplo e bússola.

Fale de Deus, Santidade, por favor. Não se perca em traduções evangélicas, espírito dos tempos (irreligioso) e intemerato a Greta Thunberg . Deixe a direita e a esquerda para a política e fale, finalmente, ao coração de uma humanidade mais inquieta do que nunca. Nosso coração está inquieto até que descanse em ti, orou a Deus um padre da Igreja, Agostinho de Hipona . Um grande poeta cristão do século XX, Thomas S. Eliot , nos Coros da Rocca se perguntou se a humanidade havia abandonado a Igreja ou vice-versa, e colocado a terrível alternativa na boca de um homem "moderno": menos igrejas e mais tabernas . Menos igrejas e mais gel higienizador, missão cumprida.

Todos irmãos, mas no Nada. 

Fonte: http://www.accademianuovaitalia.it/index.php/cultura-e-filosofia/la-contro-chiesa/9583-padre-nostro-della-pampa

 
 
 

Artigo Visto: 233 - Impresso: 2 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.336.216 - Visitas Únicas Hoje: 1.269 Usuários Online: 242