"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
18/10/2020
DEPOIS DE JESUS, SÃO PAULO O HEBREU?
 

DEPOIS DE JESUS, SÃO PAULO O HEBREU?

18 de outubro de 2020

E depois de Jesus, o hebreu, poderia faltar São Paulo, o hebreu? A transformação camaleônica do judeu Paulo: uma operação ideológica para "judaizar" o cristianismo? Depois do Concílio Vaticano II, não há mais nada para maravilhar-se. 

por Francesco Lamendola

Essas coisas, até o Concílio Vaticano II, seriam simplesmente impensáveis: por isso afirmamos que com o Concílio acaba o catolicismo e começa uma nova religião , que parasita a verdadeira Igreja para forjar uma nova "igreja", que só tem o nome de católica, enquanto seu coração é pró-judaico, maçônico e, em última instância, globalista e até pró-islâmico, de modo a estabelecer igualdade de condições entre as outras duas "religiões do Livro" ou, como dizem, as religiões abraâmicas. É uma pena que o terceiro, que é o nosso, tenha sido totalmente sacrificado no altar de um “diálogo” que não é diálogo, nem poderia ser (você já tentou dialogar com um judeu, ou com um islâmico, sobre suas respectivas crenças e doutrinas?), mas uma rendição incondicional, completa com uma bandeira branca, como pode ser visto, além da declaração herética de Abu Dhabi , da escandalosa e falsa encíclica Fratelli tutti , onde no § 3 São Francisco é apontado como o suposto campeão de uma "doce" submissão ao Islã, em sinal da paz e do amor fraterno entre todos os homens. Irmãos na Maçonaria , que fique claro, e certamente não na Verdade de Cristo e na Redenção realizada por Ele, da qual, na dita encíclica, não há nem sombra. Essas pessoas, de fato, não hesitam em falsificar nem mesmo a linguagem, dando a entender que a "fraternidade" desejada por Bergoglio é a mesma de que fala Jesus, embora não seja de todo. Da mesma forma, falando das "religiões do Livro" entende-se que as três religiões monoteístas se referem ao mesmo livro, e isso também não é verdade: porque o Judaísmo pós-exílio se refere ao Talmud , no qual blasfemam contra Cristo e Nossa Senhora e os Cristãos são amaldiçoados, mais do que a Torá , que faz parte do Antigo Testamento; e quanto ao Islã, o Alcorão não tem absolutamente nada a ver com a Bíblia e os Evangelhos , pois afirma explicitamente que Jesus é um simples profeta e que considerá-lo como Deus é, como para os judeus, um escândalo e uma blasfêmia intoleráveis, merecedor das mais severas penas. E, finalmente, falar das “religiões de Abraão” sugere que há uma unidade original, então dilacerada pelas disputas entre os descendentes do patriarca; enquanto Abraão para os muçulmanos é um precursor de Maomé e para os judeus é outro Abraão comparado ao Abraão dos cristãos: não aquele que anuncia a vinda do Messias, isto é, Cristo, mas aquele que estabelece a Lei irrevogável, com a qual, de acordo com as palavras de São Paulo, ninguém pode ser salvo, nem mesmo os judeus, porque diante de Deus ninguém é irrepreensível nos termos da Lei e, portanto, ninguém está livre do pecado e por isso justificado.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/GALLERY/0-durer.jpg

Para os cristãos, parece que o fundador do Cristianismo foi Jesus Cristo e ninguém menos que Ele: para argumentar que o Cristianismo foi fundado por Paulo estavam alguns autores não católicos e anticatólicos, mas nenhum autor e nenhum leitor católico digno desse nome poderia aceitar tal interpretação do nascimento do Cristianismo!

Por falar em São Paulo.  São Paulo, como o próprio Jesus e como todos os outros apóstolos, era judeu : disso não há dúvida. Falando materialmente, ele era ainda mais judeude Jesus, por ser fariseu observador e até fanático, dada a fúria com que perseguiu, quando jovem, os primeiros seguidores de Cristo, pelo que a sua conversão foi, literalmente, um milagre operado pelo próprio Jesus, que ele apareceu para ele, fazendo-o cair do cavalo e deixando-o em estado de cegueira por alguns dias, durante os quais ocorreu sua transformação radical. Jesus, por outro lado, nunca foi fariseu e de fato toda a sua pregação teve, do início ao fim, uma forte conotação antifarisaica, pois identificou no fariseu o máximo vício da hipocrisia e a distorção sistemática e legalista da fé autêntica em Deus. No entanto, insistir no judaísmo de Paulo mesmo depois de sua conversão, bem como insistir no judaísmo de Jesus mesmo após sua manifestação na vida pública,a falsa ideia de que o Cristianismo, afinal, nunca saiu dos limites de um cisma inteiramente interno ao Judaísmo; e que a Aliança - isto é dito abertamente, precisamente depois do Concílio, mas não antes - ainda é válida para os circuncisos, como se a vinda de Jesus, sua rejeição violenta pelos judeus, sua Paixão, Morte e A ressurreição não trouxe nenhuma novidade substancial ao plano da Salvação divina. Em suma, com Jesus ou contra Jesus, todos teriam sido salvos: uns porque acreditaram nele, outros porque são em todo caso os herdeiros da Aliança e de Deus, dizem os teólogos pós-conciliares, distorcendo o pensamento de São Paulo com malícia refinada., não renegue suas promessas. Já havíamos tratado desse tema na época, destacando o que há de sutilmente tendencioso em um livro como O Jesus Judeu de Riccardo Calimani, publicado em 1990 por Rusconi e reimpresso em 1998 por Mondadori (veja nosso artigo: Jesus Judeu? Não, obrigado , publicado no site da Arianna Editrice em 20/09/10 e republicado no site da Accademia Nuova Italia em 29/02/18). Posteriormente, outro livro daquele autor, Paulo, a história de um santo, chegou às nossas mãos . Conversão, viagens e cartas , publicado em 2010 como o vigésimo primeiro volume da série Grandes Livros da Fé Cristã , na verdade impressa pela Mondadori, mas com a redação da capa Grandes Livros da Fé Cristã, como se esta fosse a editora; e, internamente, especificando que a publicação foi feita em colaboração com a Electa (que sempre faz parte do grupo Mondadori). Mas então, folheando-o, percebe-se que se trata apenas da reedição de um livro de Calimani de onze anos antes, com um título muito diferente e muito mais significativo: Paolo, o judeu fundador do cristianismo , também publicado pela Mondadori em 1999, no Colar Le Scie. Trata-se, portanto, de uma operação comercial, talvez ideológica, um tanto inescrupulosa: é apresentada a um público certamente católico, no contexto de uma série de livros dedicados às figuras-chave da fé cristã, uma biografia de São Paulo que agora se apresenta como “ um santo ”, enquanto onze anos antes era apresentado como um judeu fundador do cristianismo.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-VATICANO/0000000-SAN_PAOLO.jpg

E depois de Jesus, o hebreu, poderia faltar São Paulo, o hebreu?  A transformação camaleônica do judeu Paulo: uma operação ideológica para "judaizar" o cristianismo!

Estranho, porque parece aos cristãos que o fundador do Cristianismo foi Jesus Cristo e ninguém menos que Ele: argumentar que o Cristianismo foi fundado por Paulo foram alguns autores não católicos e anticatólicos , mas nenhum autor e nenhum leitor católico digno desse nome jamais poderia aceitar tal interpretação do nascimento do Cristianismo, então é evidente que há uma malícia sutil nesta transformação camaleônica do judeu Paulo, fundador do cristianismo, em São Paulo, viajante apostólico convertido e escritor. A contradição entre as duas interpretações de Paulo emerge do próprio título da segunda edição, aquela feita e estudada para agradar ao público católico (desavisado): se na base da santidade de Paulo está a sua conversão, obviamente é uma questão de conversão. a Cristo; e então qual é o ponto de enfatizar o fato de que ele era um judeu? Ninguém lembra que Santo Agostinho era do Norte da África, ou que Santo Tomás de Aquino era italiano, ou Santo Antônio de Pádua era, de fato, português. E que sentido tem a dizer, no título da primeira edição, que Paulo (sem o santo) e não Jesus Cristo fundou o Cristianismo, se então, no título da nova edição, diz que ele se converteu, e portanto deixou o Judaísmo para ingressar na nova religião de Jesus Cristo? E como ele poderia ter se convertido a uma religião que ainda não existia? Não o poderia ter feito, se realmente o tivesse fundado, pela contradição que não admite : o que vem primeiro não pode ser posterior ao que vem depois, assim como o fundador não pode vir depois do que foi fundado por ele. . Sem sofisma, sem contorção intelectual: isso é lógico.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/ULTIME/0000-MONTINI_BERGOGLIO.jpg

Com o Concílio, acaba o catolicismo e começa uma nova religião, que parasita a verdadeira Igreja para forjar uma nova "igreja", que tem apenas o nome de católica, enquanto seu coração é pró-judeu, maçônico e, em última instância, globalista e também pró-islâmica!

Porém, basta folhear o volume de 2010 para perceber que a suspeita de uma operação não só comercial, mas também e sobretudo ideológica, visando judaizar o cristianismo desde as suas origens, era infelizmente mais do que fundada. De São Paulo, mesmo depois de sua conversão, o autor sempre e infalivelmente fala como Shaul Paul, para destacar, se por acaso alguém se esquecer, que Paulo era originalmente o judeu Saulo, melhor ainda o judeu Shaul: apesar do fato de que nenhum cristão sonharia em chamar São Paulo de Shaul, como ninguém sonha em chamar Jesus de Yehosua, e por razões muito válidas.Jesus, Paulo, Pedro, são os nomes que a Tradição Católica estabeleceu para indicar o Filho de Deus e os Apóstolos; chamá-los por nomes judeus é ignorar a passagem do judaísmo ao cristianismo, assim como chamar, digamos, um frade ou uma freira, após seu ingresso nas respectivas ordens religiosas, com o nome que tinham quando viveram no século, equivale a ignorar deliberada e desrespeitosamente, e portanto desprezar, sua escolha de morrer para a vida antes e renascer única e exclusivamente em Cristo. Portanto convocar, por dezenas e dezenas de vezes, São Paulo com o nome de Shaul Paolo é querer colocar o chapéu do Judaísmo em uma pessoa que pertence total e indiscutivelmente à história do Cristianismo, aliás, ao maior autor do Novo Testamento depois dos evangelistas, e ao primeiro e mais profundo teólogo da Igreja nascente. Se esta não é uma operação deliberada de ideologia, então não sabemos realmente o que se quer dizer quando se trata de ideologia.É como se o autor quisesse deixar bem claro que Jesus, São Paulo e os Apóstolos pertencem à história do Judaísmo e, apenas secundariamente, talvez à do Cristianismo. Mas como pode uma discussão ser aberta com aqueles que escreveram uma enxurrada de livros com títulos deste conteúdo: Judeus e preconceito. Yellow Star (1994); Não é fácil ser judeu. Judaism Explained to Non-Jewish (2004); História de preconceito contra judeus. Antijudaísmo, antissemitismo, antissionismo (2007), este último particularmente insidioso porque sugere que qualquer um que seja antijudaico no sentido religioso ou anti-sionista no sentido político é quase certamente também anti-semita no sentido racial. Para parafrasear, pode-se argumentar queNão é fácil não ser judeu e parecer criticar essa abordagem: em face de tal enxurrada de títulos de vitimização, corre-se o risco de parecer indelicado, bem como politicamente incorreto, se não pior. Veja quanta cautela Sergio Romano teve que ter em sua carta a um amigo judeu: antes mesmo de começar a discutir, ele teve que concordar com ele em tudo, e naturalmente jurar e perjúrio que os Protocolos são uma falsidade abominável e que não existe o mais ínfimo pedaço de verdade. Apenas nos perguntamos: é sensato, correto, correto, apresentar a biografia de São Paulo, em uma série de clássicos da fé cristã, escritos a partir de uma perspectiva como esta?O que um crente judeu, ou um crente islâmico, diria se a biografia das figuras-chave de suas respectivas religiões fosse escrita por um autor cristão que queria apresentar suas origens como algo dentro do Cristianismo e fingia colocar seu chapéu nisso? É de se perguntar se uma única editora, em Israel ou em qualquer país islâmico, concordaria em publicar tal livro, apresentando-o como um texto exemplar para seus respectivos crentes. Mas na esfera católica, após o Concílio Vaticano II,já não é de admirar: até porque o tão alardeado diálogo acabou por ser um monólogo masoquista e autoacusador, em que os católicos, aos poucos, desistiram de tudo e curvaram-se, desculpando-se, diante de para todos; enquanto os outros, os judeus, os muçulmanos, os próprios protestantes, não cederam a nada, mantiveram seu ponto de vista intacto e continuaram a ver nos católicos, exatamente como antes, os seguidores de uma falsa religião, tão pouco convencidos de sua fé a serem extremamente complacentes. O que interpretaram como um sinal de fraqueza e rendição e certamente não como uma vontade de construir pontes fraternas.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/SATIRA/0-GALLERY-gesu-morto-madonna.jpg

Hoje, falando das "religiões do Livro" entende-se que as três religiões monoteístas se referem ao mesmo livro, e isso não é verdade: porque o Judaísmo pós-exílio se refere ao Talmud e quanto ao Islã, o Alcorão não tem nada a ver com a Bíblia e os Evangelhos, uma vez que afirma explicitamente que Jesus é um mero profeta!

Na edição de Paulo de 2010, o autor, além de inserir um capítulo inteiro intitulado Jesus judeu ( repetita iuvant ), esforça-se por demonstrar que Paulo é um sofista habilidoso quando, na Carta aos Romanos , tenta conjugar o nascimento da Nova Aliança do Novo Israel (os gentios) com a permanência do antigo; por sua vez, sugere que é apenas um expediente retórico para não exacerbar os judeus, enquanto clama pelo repúdio de Cristo por parte deles ao cisma de Israel , para reiterar o conceito de que Jesus, Pedro, Paulo, Nossa Senhora, tudo é coisa dos judeus , não cristãos (compare esta tese com os mestiços e refugiados Gesu e Maria do Sr. Bergoglio). Então ele escreve (pp. 274-75):

O cisma de Israel, portanto, de acordo com Shaul Paul, nada mais é que um fato anômalo e não contradiz o plano divino, mesmo que as distinções apropriadas sejam necessárias. A descendência de Jacó não é suficiente para pertencer ao verdadeiro Israel, assim como a descendência de Abraão também não foi suficiente. Parece evidente para o apóstolo que a verdadeira descendência só pode ser espiritual e não carnal e, claro, a presunção dos judeus, seu desejo de possuir direitos especiais, tudo isso deve ser colocado em jogo. Se é verdade que o povo judeu continua sendo o depositário da promessa, é igualmente verdade que esta promessa também tem valor para os gentios, que podem ser recebidos na sagrada comunidade de Israel .

http://www.accademianuovaitalia.it/images/SATIRA/0-GALLERY-PILATO.jpg

Após a virada conciliar, a sentença de morte de Jesus, desejada pelos judeus, torna-se um simples fato anômalo que não contradiz o plano divino!

Está claro? A sentença de morte de Jesus, desejada pelos judeus, torna-se um simples fato anômalo que não contradiz o plano divino . Portanto, Deus perdeu suas contas, mas foi rápido em remediar o pequeno inconveniente sem precisar mudar seu plano. O importante é que o povo judeu continue sendo o depositário da promessa; os gentios são acrescentados de forma subordinada, sendo bem-vindos na casa de Israel. Não comentamos. Limitamo-nos a observar: se Paulo recorre à retórica habilidosa (ver pp. 269-70), como definir essa interpretação da teologia paulina?

Fonte:http://www.accademianuovaitalia.it/index.php/cultura-e-filosofia/teologia-per-un-nuovo-umanesimo/9584-dopo-gesu-san-paolo-ebreo

 
 
 

Artigo Visto: 358 - Impresso: 4 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.399.791 - Visitas Únicas Hoje: 1.288 Usuários Online: 273