"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
09/01/2021
Impulso perturbador da Igreja aos objetivos da ONU
 

Impulso perturbador da Igreja aos objetivos da ONU

06-01-2021

Ao abandonar definitivamente a sua presença em defesa da humanidade e de princípios inegociáveis, a Igreja acolheu a agenda das Nações Unidas para 2030 com objetivos a favor da contracepção, do aborto e da promoção de uma educação contrária à natureza humana. A pressão inimiga e a fraqueza do Vaticano explicam o ponto de viragem que começou em 2015.

por Stefano Fontana

Não há dúvida: a Igreja Católica participa com convicção na busca dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU para 2030. Em 15 de outubro de 2020, o Papa Francisco lançou seu Pacto Global pela Educação e em 17 de dezembro de 2020 disse ver “É com satisfação que os governos se comprometeram mais uma vez a colocar essas ideias em prática por meio da adoção da Agenda 2030 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, em sinergia com o Pacto Global pela Educação”.

Já em setembro de 2015, por ocasião da aprovação dos Objetivos de 2030 pela Assembleia Geral da ONU, o Papa Francisco havia descrito a adoção da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável como um "importante sinal de esperança, se esta for realmente implementada local, nacional e internacionalmente ". Em 8 de março de 2019, falando em uma conferência no Vaticano, o Papa Francisco observou que "a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, aprovados por mais de 190 nações em setembro de 2015, foram um grande passo para o diálogo global, em sinal de uma necessária nova solidariedade universal ”.

A Igreja está, portanto, totalmente em jogo. No entanto, nessas metas muitas coisas não vão nem para a moralidade natural nem para a católica. Deixando de lado muitas coisas importantes, mas não centrais, como clima ou migração, vamos nos deter no ponto 3.7 do objetivo de saúde que diz: "Garantir o acesso universal aos serviços de saúde sexual e reprodutiva, incluindo o planejamento familiar, 'informação, educação e integração da saúde reprodutiva nas estratégias e programas nacionais ”. O objetivo é então repetido no ponto 5.6 sobre igualdade de gênero.

Todos nós sabemos que por trás dessas palavras melífluas está o aborto universalizado, a contracepção financiada ou imposta, a negação da vida e da família. Esta última palavra - família - nunca aparece em todos os 169 objetivos da ONU. Como é possível, então, que a Santa Sé se entusiasme e colabore com isso?

Alguém pode dizer: mas a Igreja também pode selecionar os objetivos e fazer seus os bons e não colaborar com os maus. Isso, entretanto, é impossível. O documento aprovado pela Assembleia Geral da ONU afirma que os Objetivos são “interligados” e “indivisíveis”, ou seja, são tidos como um único “pacote”. Não pode haver dúvidas, já que a atuação dos atores dos “direitos sexuais e reprodutivos” - o então secretário-geral Ban Ki-moon e as diversas Comissões de alto nível gradativamente instituídas - têm trabalhado para garantir a transversalidade destes. direitos, vinculando-os à saúde, educação, pobreza, clima, saúde do adolescente e do jovem, escola, etc. Portanto, é absolutamente impossível separá-los dos demais e os Observadores da Santa Sé na ONU sabem disso muito bem. Portanto, não há nenhum álibi.

Tudo começou no Cairo, mas vamos ver uma coisa muito importante que aconteceu depois. Na Cúpula da ONU sobre População e Desenvolvimento no Cairo em 1994, os conceitos de "saúde reprodutiva", "direitos reprodutivos", "direitos sexuais e reprodutivos" foram cunhados e uma plataforma de ação fortemente financiada foi aprovada. Em 2015, este programa foi unificado com o dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio que, entretanto, foram estendidos de 2000 a 2015. Dessa forma, os direitos sexuais e reprodutivos foram incluídos entre outros direitos humanos, como o acesso à educação, água potável, saúde ... Assim foram consagrados e universalmente propostos como direitos humanos. Esse era o ponto onde a Igreja Católica deveria ter se feito ouvir em voz alta, mas não o fez. Na verdade, ele aprovou essas metas "unificadas" e declarou que estava comprometido com elas.

Em 1994, no Cairo e em 1995 em Pequim, a Igreja , cuja delegação era então representada pelo Arcebispo (posteriormente Cardeal) Renato Martino, Observador da Santa Sé na ONU, havia se oposto veementemente aos objetivos contrários à vida e à família. que ali se propuseram, propondo-se como guia dos numerosos países em desenvolvimento que se opõem a este novo colonialismo. Por que diabos em 2015 não era mais assim e agora, dez anos depois de 2030, a Igreja Católica apoia o que então se opôs?

Pode haver muitas explicações. A Dra. Belga Marguerite Peeters, Diretora da Dialogues Dynamics em Bruxelas, documentou que os defensores internacionais dos direitos sexuais e reprodutivos prepararam um plano de ação pós-2015 que incluía quatro linhas de ação: ampliar o acesso a estes direitos, favorecer a sua aprovação pelos Estados, aumentar a sua transversalidade com os outros e - este é o ponto central - mudar as religiões por dentro. Este último ponto pode ser uma explicação.

Fonte:https://lanuovabq.it/it/inquietante-spinta-della-chiesa-agli-obiettivi-onu

 
 
 

Artigo Visto: 193 - Impresso: 0 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.481.720 - Visitas Únicas Hoje: 910 Usuários Online: 255