"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
18/02/2021
Não, Deus não "se fez pecado"
 

Não, Deus não "se fez pecado"

18-02-2021

Algumas palavras ditas pelo Papa Francisco durante o Angelus de domingo, 14 de fevereiro, suscitaram perplexidade. A passagem é aquela em que o papa argumenta que Deus "se fez pecado".

Salvo em: Blog por Aldo Maria Valli

Aqui estão as palavras exatas: “Cada um de nós pode experimentar feridas, fracassos, sofrimentos, egoísmo que nos fecham a Deus e aos outros, porque o pecado nos fecha em nós mesmos, por vergonha, por humilhação, mas Deus quer abrir o coração . Diante de tudo isso, Jesus nos anuncia que Deus não é uma ideia ou doutrina abstrata, mas Deus é Aquele que se "contamina" com a nossa humanidade ferida e não tem medo de entrar em contato com as nossas feridas. 'Mas pai, o que você está dizendo? Que Deus está contaminado? '. Não digo, São Paulo disse: se fez pecado (cf. 2 Cor 5, 21). Aquele que não é pecador, que não pode pecar, fez-se pecado. Veja como Deus se contaminou para se aproximar de nós, para ter compaixão e para fazer compreender a sua ternura ”.

Os críticos observam que uma coisa é dizer que Jesus "levou sobre si os nossos pecados", para vencer o Mal que está na sua raiz na cruz, outra coisa é dizer que Deus "se fez pecado".

Então, o papa estava errado?

Vamos ver o que a passagem de 2Cor 5,2 diz nas diferentes traduções italianas.

"Aquele que não conheceu o pecado, ele o fez pecado por nós, para que nos tornássemos justiça de Deus nele" ( Nova Revisão ).

“Aquele que não conheceu pecado, Deus o tratou como pecado em nosso favor, para que pudéssemos nos tornar justiça de Deus por meio dele” ( NVI ).

"Pois aquele que não conheceu pecado, tornou-se pecado por nós, para que nele pudéssemos nos tornar justiça de Deus" ( Nova Lei Bíblica ).

“Deus derramou os nossos pecados sobre Cristo, sobre aquele que nunca pecou, ​​para que, por ele, nos tornemos justos” ( Bíblia da alegria ).

"Aquele que não conheceu pecado, Ele o fez pecado por nós, para que nos tornássemos justiça de Deus nele" ( Revisado ).

“Pois ele fez aquele que não conheceu pecado, pecado por nós; para que possamos ser feitos justiça de Deus nele "( Diodati ).

Estas são as palavras da Bíblia. Que conclusões tirar?

A este respeito, pedi uma opinião ao P. Alberto Strumia, e aqui está a sua contribuição.

*

Em Cristo não há pecado. Obviamente, não existe tal coisa como a Palavra é uma pessoa divina, mas também não existe como um homem, uma vez que Jesus é destituído de pecado original e, portanto, também de qualquer outro pecado real. Portanto, a interpretação correta é que "Deus o tratou como um pecado em nosso favor", de acordo com a doutrina de todos os tempos. E certamente não que ele o fizesse pecar no sentido de que isso o tornava um pecador como um de nós!

Para completar o discurso, podemos refletir sobre a abordagem da teologia medieval a respeito da redenção operada por Cristo.

Uma vez que se trata de uma questão de justiça, a teologia dogmática tradicional (cf. Santo Tomás de Aquino) explicou-a em termos jurídicos tendo o mesmo direito romano como modelo. Aqui estão as etapas.

1) O pecado original é a ruptura da justiça entre o homem e Deus ( defectus originalis iustitiae ), pelo homem, tentado por Satanás (cf. Santo Tomás, Summa theologica , I-II, q. 82, a. 3co)

2) Deus que é ofendido tem uma dignidade infinita e, portanto, a ofensa do homem contra Deus tem um alcance infinito.

3) Para reparar uma ofensa de infinito significado, é necessário que aquele que repara tenha infinita capacidade de reparação.

4) Só Deus pode ter tal capacidade infinita por ser infinitamente poderoso (onipotência divina). Portanto, quem repara o pecado deve ser o próprio Deus.

5) Mas o ofensor é o homem e, portanto, aquele que tem o dever de reparar o mal infligido a Deus também deve ser um homem verdadeiro.

6) Portanto, só um Deus-Homem pode reparar a ofensa e, portanto, só o Verbo feito homem, que é Jesus Cristo, pode ser reparador (redentor), capaz de restaurar aos homens o acesso à justiça para com Deus que teve perdido com o pecado (Graça).

7) Consequentemente, o homem Jesus deveria ser acusado do pecado da humanidade, responsabilizando-se pela culpa dos outros homens, em seu lugar (substituição vicária) e sendo condenado apesar de ser inocente. Algo semelhante, dadas as devidas proporções, por assim dizer, o Padre Kolbe fez ao ocupar o lugar de outro homem condenado (que entre outras coisas, neste caso, nem mesmo ele teve outra culpa senão aquela que lhe foi ilegalmente atribuída pelo fato de ser judeu).

Fonte: https://www.aldomariavalli.it/2021/02/18/no-dio-non-si-e-fatto-peccato/

 
 
 

Artigo Visto: 349 - Impresso: 3 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.525.077 - Visitas Únicas Hoje: 1.164 Usuários Online: 235