"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
03/04/2021
A RECUSA DE RESGATE
 

A RECUSA DE RESGATE

02-04-2021

Ele veio para sua casa e seu próprio povo não o recebeu. Por que Cristo é expulso novamente e os cristãos perseguidos? Adormecemos na hora da prova e do perigo: por isso deixamos o inimigo agir sem ser perturbado.

por Francesco Lamendola 

"Ele veio para sua casa e a sua não o recebeu"

Releiamos a maravilhosa e abismal abertura do Evangelho de São João (1: 1-11):

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.

Ele estava no princípio com Deus.

Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.

Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.

E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.

Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João.

Este veio para testemunho, para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele.

Não era ele a luz, mas para que testificasse da luz.

Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo.

Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu.

Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.

Se, do ponto de vista teológico e doutrinal, a Encarnação do Verbo é o maior mistério de todos (junto com o da unidade e da trindade de Deus), do ponto de vista histórico e humano o maior mistério é, sem dúvida , o do não reconhecimento, na verdade da recusa irada, levada ao ponto do ódio mortal, do Redentor por aqueles mesmos entre os quais Ele veio, e que foram escolhidos como o povo escolhido e preparado para isso por um longo série de profetas divinamente inspirados e intervenções especiais do próprio Deus no curso de sua história. A Palavra veio entre os seus, ele veio para a sua casa, mas a sua não o acolheu: podemos imaginar um drama maior, mais trágico, histórico e metafísico do que este? É realmente um mistério muito profundo e terrível:o mistério da recusa da Redenção , que não diz respeito apenas aos judeus, mas a todos aqueles que, desde então até hoje, na verdade especialmente hoje, na sociedade contemporânea, apesar de terem recebido o anúncio do Evangelho, taparam os ouvidos e, rangendo os dentes, eles não queriam saber.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/ULTIME/00000-super_quadro_papa_devil_cristo.jpg

Por que Cristo é expulso novamente e os cristãos perseguidos? Adormecemos na hora da prova e do perigo: portanto, deixamos o inimigo agir sem ser perturbado!

E agora deixemo-nos ser tomados pela mão e acompanhados na leitura e meditação por um grande exegeta dos primeiros séculos da Igreja, Giovanni Crisostomo ("Bocca d'oro"), arcebispo de Constantinopla por temor do Imperador Arcadius , venerado como um santo e reconhecido como um dos 36 Doutores, em seu Comentário sobre o Evangelho de João (na tradução de Alfredo Del Zanna, Roma, Città Nuova Editrice, 1974, vol. 1, pp. 86-89):

O evangelista havia dito que "o mundo não o conheceu", falando dos tempos antigos. Em seguida, ele fala sobre a pregação do ganso e diz: “Ele veio para sua casa, mas os seus não o receberam” (Jo 1,11). Aqui ele chama os judeus de "seus", como povo eleito, ou também todos os homens, visto que foram criados pelo próprio Cristo. E, como antes, maravilhado com a ignorância de tantos homens e quase envergonhado da natureza comum, ele disse que o mundo, que havia sido criado pela Palavra, não conhecia seu criador, portanto, nesta passagem, mal suportando os ingratos alma dos judeus e de muitos outros, ele faz uma acusação mais grave contra eles, dizendo que "os seus não o receberam", embora ele tivesse vindo para sua casa.

Não só o evangelista, mas também os profetas mostraram seu espanto com esses fatos, com expressões análogas, e Paulo fez o mesmo. (...)

Há algo de realmente espantado e perplexo, considerando que aqueles que foram educados nos livros proféticos e todos os dias ouviam Moisés, de quem tantas coisas foram preditas sobre a vinda de Cristo, bem como os profetas de períodos posteriores , e que viu Cristo enquanto ele fazia milagres diariamente e se divertia apenas entre eles - ainda não permitindo que os discípulos tomassem o caminho dos outros povos ou entrassem no território dos samaritanos, o que ele mesmo não fez, repetindo, de fato, muitas vezes que ele foi enviado apenas para as ovelhas perdidas da casa de Israel -; precisamente eles, depois de tantos prodígios, trabalharam a seu favor, apesar de ouvirem a leitura diária dos profetas e da voz viva do próprio Cristo que os ensinou sem se permitir o descanso, eram cegos e surdos a ponto de não se permitirem ser levado por qualquer uma dessas coisas à fé em Cristo.

Os gentios, por outro lado, não gozavam de nenhuma dessas vantagens, nunca tínhamos ouvido revelações divinas, nem mesmo em sonhos, mas estavam acostumados a encher a cabeça de fábulas compostas de loucos (assim chamo, na verdade, seus filosofia profana) e com delírios de seus poetas, eles adoravam árvores e pedras e não sabiam nada de certo e de bom, nem da doutrina, nem da ética, pois a vida era tão impura quanto a sua doutrina e mais do que isso detestável. E o que mais se poderia esperar deles, visto que viram seus deuses se deleitarem em todos os tipos de pecados e sendo adorados com palavras obscenas e com atos ainda mais obscenos, tais atos celebrando festas em sua honra; e também ser venerado mesmo com sacrifícios humanos, isto é, com a matança de crianças (com a qual nada fizeram senão imitar seus próprios deuses)? Mesmo tendo caído em tal abismo de perversidade, como se tivessem sido erguidos de repente por uma misteriosa máquina teatral, eles apareceram para nós no ápice mais alto do céu estendido. Como então e por que causa isso pode acontecer? Ouça Paulo, que nos dá a explicação. Este homem abençoado, investigando diligentemente este fato, não desistiu até que encontrou a verdadeira causa, para manifestá-la a todos. O que é, então, e por que outras pessoas foram afetadas por tamanha cegueira? Ouça aquele a quem esta tarefa foi confiada. O que, então, ele diz para dissipar as dúvidas de muitos? "Ignorar a justiça de Deus e tentar estabelecer a própria justiça, não se submeteram à justiça de Deus ”(Rm 10,3). É por isso que sofreram tantos desastres.

E ainda, explicando a mesma coisa de outra forma, diz: «O que diremos então? Que os povos, que não buscaram a justiça, alcançaram a justiça, isto é, a justiça que vem da fé. Israel, por outro lado, que buscava a lei da justiça, não buscou a lei da justiça. Porque? Porque não esperaram pela fé, mas quase pelas obras, encontraram pedra de tropeço ”(Rm 9,30-32), ou seja, a incredulidade foi a causa de seus males; a descrença era fruto de seu orgulho e obstinação.

Na verdade eles, que antes estavam em condição privilegiada com respeito aos gentios, tendo recebido a lei, conhecendo a Deus e todas as outras coisas que Paulo enumera, depois da vinda de Cristo viram que os gentios, pela fé, foram chamados junto com eles a uma honra igual e, uma vez que eles tivessem abraçado a fé, aqueles que pertenciam aos circuncidados não tinham nada mais do que aqueles que vinham dos gentios. Então, por orgulho, eles caíram na inveja e não puderam suportar essa imensa e inefável bondade do Senhor; que surgiu de nada além de arrogância, perversidade e ódio implacável.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/00-CARTOLINE/0-VIA-VITA-JESUS-aforismi.jpg

Um mysteriun tremendum , portanto, abismal, desconcertante: o do Messias há muito esperado, desejado, invocado e que por muito tempo se fez anunciar com sinais e maravilhas de poder, mas que então, quando finalmente chega, não é reconhecido , não é aceito, na verdade ele é ridicularizado, insultado, odiado e condenado à morte por aclamação popular. O maior mistério em torno do qual gira o mistério da história humana, suspensa entre o céu e o inferno, e com a humanidade que por um lado aspira a Deus como meta final de sua existência terrena, por outro é continuamente seduzida pelos membros do maligno , e desce, passo a passo, em direção ao abismo. E é também o mistério da salvação reservado a poucos: não porque Cristo queira salvar alguns, porque, pelo contrário, veio sacrificar-se por todos, mas porque poucos o reconhecem, poucos o acolhem, poucos se confiam a ele, enquanto a maioria, tendo chegado à hora da prova , escolhe as trevas e rejeita a luz, visto que a luz veio ao mundo, mas o mundo preferiu as trevas à luz. Tínhamos nos esquecido deste grande e terrível mistério, vivíamos como se não o soubéssemos, enquanto o Evangelho de Joãoele nos lembra isso desde o primeiro capítulo, desde os primeiros versos: e este é o sinal mais evidente do que nos tornamos, por falta de fé: crentes de água de rosas, católicos com camomila. Enganados e traídos, como se não bastasse, por falsos pastores, empenhados mais do que nunca em nos bajular em nossos erros, em nos acariciar em nossas fraquezas humanas: falsos pastores que dizem e repetem que todos se salvam, ou quase todos; que Judas Iscariotes também foi salvo, embora se enforcou sem pedir perdão a Deus, após o horrendo crime de ter vendido o Filho enviado pelo Pai por dinheiro; que todos os homens são, automaticamente, filhos de Deus, e não aqueles que dizem sim ao chamado, e aqueles que pelo Baptismo entram na comunhão dos santos, isto é, o Corpo místico de Cristo.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-0-BIS2020/000-jesus_77.jpg

Uma coisa que podemos e devemos fazer: prostrar-nos de joelhos perante o Cordeiro, confessar os nossos pecados e implorar o seu perdão, dizendo: Pai, pecamos contra o céu e contra ti: não somos dignos de ser chamados teus filhos; mas basta dizer uma palavra e seremos salvos!

Quantos erros, quanta preguiça, quanta ignorância e quanta má-fé, por parte do crente simples e por parte do falso pastor, por ter caído tão baixo, e ter perdido a consciência dos conceitos fundamentais da católica doutrina. O crente perdeu a fé, enquanto permanece, em palavras, crescendo; em muitos casos, ele recusou a fé de seus pais, emancipou-se dela, jogou-a fora como uma roupa velha, inútil e ridícula. Na França, uma nação que já se considerou a filha favorita da Igreja Romana, dois por cento da população se declarou católica: por católica queremos dizer o fato de assistir à Santa Missa algumas vezes por mês, e aceitar, em teoria, os pontos de qualificação da doutrina católica. Na Espanha, outra nação que se dizia particularmente devota, igrejas estão indignadas, cruzes são demolidas, não por um canalha desconhecido, mas por autoridades públicas. E em todos os lugares as leis anticatólicas são promulgadase anticristos, divórcio e aborto são legalizados, a exibição de símbolos religiosos em público é proibida, canções de natal são proibidas, crucifixos são removidos das salas de aula, locutores de televisão temem aparecer na frente do público usando até mesmo uma pequena cruz no pescoço ; e isto enquanto as igrejas são fechadas por falta de padres, são demolidas, colocadas à venda, são transformadas em ginásios, teatros, lugares públicos, e enquanto isso não pára a construção de mais e mais novas mesquitas, e as autoridades máximas entram em ação deplorar a menor ofensa trazida por algum desconhecido a uma sinagoga. Cristo é novamente expulso , ridicularizado, rejeitado; há países, mesmo não muito longe da Europa, como a Síria, ondeOs cristãos são perseguidos até a morte por causa de sua fé, eles são crucificados, eles são decapitados; tudo isso enquanto as nações cristãs estão assistindo ou, pior, enquanto seus governos, ou seus serviços secretos, financiam as gangues de assassinos, animados por um ódio cego e antigo contra o nome cristão, fazendo-os passar - suprema ironia - por "lutadores da liberdade "

Mas que tipo de cristão, que tipo de católico são aqueles que aprovam o aborto, que declaram ser legítimo e até obrigatório tomar uma vacina produzida com células de fetos humanosespecificamente abortados, que exigem e exigem a bênção eclesiástica para o casamento de casais "diferentes", como se Deus fosse um dispensador de bênçãos para tudo o que os homens desejam, mesmo para as coisas mais distantes de Sua santa vontade, mesmo para as coisas que ofendem o evangelho ensinado por Jesus Cristo? Aqui: este é o mistério da iniqüidade: a luz está entre nós há dois mil anos, mas o mundo não a aceita; parecia, a certa altura, que lhe dava as boas-vindas, mas depois pensou melhor, percebeu que a cruz é pesada, é cansativa, e quis jogá-la fora, longe de si, preferiu ouvir a bajulação do inimigo, aquele inimigo que o próprio Jesus enfrentou abertamente no deserto, e que usou toda a sua capacidade de sedução para tentá-lo, mas não teve sucesso e que, derrotado, espumando de raiva, foi forçado a partir, sem contudo renunciar, nem por um momento, ao seu desígnio de afastar os homens de Deus; sem nunca desistir de seu esforço para enganar as almas e frustrar os efeitos da Redenção. Ele sempre continuou a fazer seu triste trabalho, por todos esses dois mil anos, de fato, após a vinda de Cristo, ele dobrou e multiplicou seus esforços, sabendo muito bem que a vinda de Cristo anunciava o início do fim de seu reino de trevas. Somos nós que não conseguimos fazer o nosso trabalho, somos nós que não fomos capazes de vigiar e orar, mas nos comportamos como os discípulos no jardim das oliveiras: sem nunca desistir de seu esforço para enganar as almas e frustrar os efeitos da Redenção. Ele sempre continuou a fazer seu triste trabalho, por todos esses dois mil anos, de fato, após a vinda de Cristo, ele dobrou e multiplicou seus esforços, sabendo muito bem que a vinda de Cristo anunciava o início do fim de seu reino de trevas. Somos nós que não conseguimos fazer o nosso trabalho, somos nós que não fomos capazes de vigiar e orar, mas nos comportamos como os discípulos no jardim das oliveiras: sem nunca desistir de seu esforço para enganar as almas e frustrar os efeitos da Redenção. Ele sempre continuou a fazer seu triste trabalho, por todos esses dois mil anos, de fato, após a vinda de Cristo, ele dobrou e multiplicou seus esforços, sabendo muito bem que a vinda de Cristo anunciava o início do fim de seu reino de trevas. Somos nós que não conseguimos fazer o nosso trabalho, somos nós que não fomos capazes de vigiar e orar, mas nos comportamos como os discípulos no jardim das oliveiras:adormecemos na hora da prova , na hora do maior perigo, e assim deixamos o inimigo agir quase imperturbável, contra nós e contra Ele, valendo-nos da severidade do Juízo que virá infalivelmente, para selar a Justiça de Deus e no final da história humana, a nossa história.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/ULTIME/00000-bis_cristo.jpg

O mistério da recusa da Redenção, que não diz respeito apenas aos judeus, mas a todos aqueles que, desde então até hoje, na verdade especialmente hoje, na sociedade contemporânea, apesar de terem recebido o anúncio do Evangelho, taparam os ouvidos e, rangendo os dentes, eles não queriam saber!

Portanto, não nos perguntemos que mistério se esconde por trás da parábola dos inquilinos assassinos, ou por trás da parábola do bom semeador. O Bom Semeador veio e semeou, oferecendo a própria vida por nós; mas deixamos essa semente murchar, não a aceitamos, não permitimos que ela desse fruto. Pior: nos comportamos como arrendatários assassinos, queríamos matar o Filho do Dono da vinha, pensando que assim a vinha seria nossa, de uma vez por todas. E quando, você pergunta, eles fizeram essas coisas? Quando eles permitem que leis como a que legaliza o aborto passem, ou nós mesmos votamos nelas; quando deixamos as igrejas queimarem, sem quebrar; quando testemunhamos o martírio de nossos irmãos de fé, e nos afastamos; quando os falsos pastores se soltaram como javalis furiosos na vinha, destruindo os ramos e pisoteando as uvas; quando aplaudimosos filhos das trevas , nós os elogiamos, honramos e, entretanto, permitimos que os filhos da luz fossem ridicularizados, marginalizados, expulsos como leprosos, enquanto eles, poucos e isolados, mantinham a lâmpada acesa para a vinda de o Noivo, e assim fazendo, eles mantiveram vivo um fio de esperança para nós também. Portanto, somos culpados e merecemos tudo o que agora nos acontece; na verdade, há anos que o preparamos, comportando-nos como aqueles cujo pai é o diabo (cf. Jo 8,44) e não o Altíssimo. O que nós vamos fazer agora? Com que direito reclamaremos, de quem iremos reclamar? Uma coisa que podemos e devemos fazer: ajoelharmo-nos perante o Cordeiro, confessar os nossos pecados e implorar o seu perdão, dizendo:Pai, pecamos contra o céu e contra ti: não somos dignos de ser chamados de teus filhos; mas basta dizer a palavra e seremos salvos.

Fonte: http://www.accademianuovaitalia.it/index.php/cultura-e-filosofia/teologia-per-un-nuovo-umanesimo/10024-il-rifiuto-della-redenzione

 
 
 

Artigo Visto: 311 - Impresso: 0 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.612.583 - Visitas Únicas Hoje: 764 Usuários Online: 164