"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
07/04/2021
O sangue de crianças por nascer assassinadas clama a Deus pelas vacinas e medicamentos contaminados pelo aborto
 

O sangue de crianças por nascer assassinadas clama a Deus pelas vacinas e medicamentos contaminados pelo aborto

Qui, 1º de abril de 2021 - 17:44 EST

Bispo Athanasius Schneider sobre vacinas contaminadas pelo aborto e a cultura da morte.

Featured Image

Por Bispo Athanasius Schneider

1º de abril de 2021 (LifeSiteNews) - As potências mundiais anticristãs que promovem a cultura da morte estão tentando impor à população mundial uma implícita - embora remota e passiva - colaboração com o aborto. Essa colaboração remota, por si só, é também um mal devido às circunstâncias históricas extraordinárias em que essas mesmas potências mundiais estão promovendo o assassinato de crianças em gestação e a exploração de seus restos mortais. Quando usamos vacinas ou medicamentos que utilizam linhagens celulares originárias de bebês abortados, nos beneficiamos fisicamente dos “frutos” de um dos maiores males da humanidade - o cruel genocídio do nascituro. Pois, se uma criança inocente não tivesse sido cruelmente assassinada, não teríamos essas vacinas ou remédios concretos. Não devemos ser tão ingênuos a ponto de não ver que essas vacinas e medicamentos não só oferecem um benefício à saúde, mas também prometem promover a cultura da morte. Claro, alguns argumentam que mesmo que as pessoas não tomem essas vacinas, a indústria do aborto continuará. Podemos não reduzir o número de abortos se pararmos de tomar essas vacinas ou medicamentos, mas esse não é o problema. O problema está no enfraquecimento moral de nossa resistência ao crime de aborto e ao crime de tráfico, exploração e comercialização de partes do corpo de crianças por nascer assassinadas. O uso de tais vacinas e medicamentos de alguma forma moral - embora indiretamente - apóia essa situação horrível. Observando a resposta da Igreja Católica, os abortistas e os responsáveis pela pesquisa biomédica concluirão que a hierarquia concordou com essa situação, que inclui toda uma cadeia de crimes contra a vida e, de fato, pode ser apropriadamente descrita como uma "cadeia de morte". Temos que despertar para os perigos, consequências e circunstâncias reais da situação atual.

Teorias que justificam o uso de vacinas contaminadas por aborto

Os documentos da Santa Sé (de 2005, 2008 e 2020) que tratam das vacinas desenvolvidas a partir de linhagens celulares provenientes de crianças por nascer assassinadas não são decisões infalíveis do Magistério. Os argumentos apresentados nos documentos mencionados sobre a licitude moral do uso de vacinas contaminadas pelo aborto são, em última análise, muito abstratos. Precisamos abordar este problema de uma forma mais profunda, e não permanecer em um positivismo jurídico e formalismo de teorias abstratas de cooperação com o mal, beneficiando-se das más ações alheias, duplo efeito ou como se queira chamar tais teorias justificativas.

Temos que ir mais fundo, até a raiz, e considerar o aspecto da proporcionalidade. Esta cadeia concreta de crimes horríveis - de assassinato, coleta de tecido e partes do corpo de crianças por nascer assassinadas e comercialização de seus restos mortais por meio da fabricação e teste de vacinas e medicamentos - é desproporcional a outros crimes, por exemplo, beneficiar-se do trabalho escravo, pagar impostos, etc. Mesmo os exemplos históricos mais aparentemente impressionantes, que às vezes são aduzidos para justificar a licitude moral do uso de vacinas contaminadas pelo aborto, são incomparáveis com a questão diante de nós. Na verdade, devido à gravidade do aborto e à realidade atual de um aborto em constante expansão e da indústria de pesquisa biomédica, que envolve o tráfico e a exploração de partes do corpo de bebês abortados, o princípio da cooperação material, ou outras teorias semelhantes, não podem ser aplicados nesse caso. É, portanto, altamente antipastoril e contraproducente permitir o uso de vacinas contaminadas pelo aborto nesta hora histórica. As almas dos bebês assassinados, de cujas partes do corpo as pessoas agora se beneficiam por meio desses remédios e vacinas, estão vivas e têm um nome diante de Deus.

Quando alguém usa uma vacina contaminada por aborto, está diretamente e muito pessoalmente diante da seringa da vacina. Ao pagar impostos, a pessoa não está enfrentando direta e pessoalmente o processo de um aborto específico. Um governo não está pedindo concretamente que você dê seu dinheiro para “este” ato concreto de aborto agora. O governo costuma usar nosso dinheiro contra nossa vontade. Portanto, o uso de uma vacina contaminada pelo aborto é um confronto muito mais pessoal, e um encontro muito mais próximo, com os crimes monstruosos envolvidos em sua produção, do que, por exemplo, pagar impostos ou se beneficiar dos atos perversos de outra pessoa. Caso o governo diga a um cidadão direta e pessoalmente: “Estou pegando seu dinheiro para pagar por este aborto concreto”, a pessoa deve recusar, mesmo que isso signifique o confisco da casa e a prisão.

Nos primeiros séculos, os cristãos pagavam impostos a um governo pagão, sabendo que usaria uma parte da receita dos impostos para financiar a adoração de ídolos. No entanto, quando o governo pediu aos cristãos pessoal e individualmente para participar do crime de idolatria, queimando apenas um pequeno grão de incenso diante da estátua de um ídolo, eles se recusaram, mesmo ao preço de serem martirizados por darem testemunho do Primeiro Mandamento de Deus.

O caráter excepcionalmente grave e único das vacinas e medicamentos contaminados pelo aborto

Como podemos, com o máximo de determinação, ser e proclamar ser contra o aborto, quando aceitamos vacinas contaminadas pelo aborto - quando sua origem está no assassinato de uma criança? Tanto a lógica quanto o bom senso exigem que não aceitemos tais vacinas ou medicamentos. Em tempos difíceis e de grande confusão, Deus costuma usar os simples e os pequenos que falam a verdade, enquanto a maioria nada com a maré. Infelizmente, muitas pessoas na Igreja, e até mesmo algumas organizações católicas pró-vida, estão nadando com a maré na questão específica das vacinas e medicamentos contaminados pelo aborto. Parece que muitos teólogos, e mesmo a Santa Sé, bem como a grande maioria dos bispos, também estão nadando com a maré, e resta apenas uma minoria na Igreja de nossos dias que está dizendo: “Pare. Isto não é bom. Isso é um perigo! ” Como cristãos, é nosso dever dar testemunho ao mundo, não aceitando essas vacinas e medicamentos.

Pode-se perguntar aos proponentes da licitude moral do uso de vacinas ou medicamentos contaminados pelo aborto a seguinte pergunta: "Se você viajou no tempo e testemunhou o horrível assassinato de um feto, o desmembramento de seu corpo, a colheita de seu tecido, e suas células então processadas no laboratório, mesmo que houvesse centenas de processos químicos envolvidos com aquela vacina ou medicamento específico, você poderia, com a consciência limpa, receber tal vacina ou medicamento em seu corpo? É difícil imaginar que você pudesse, pois teria diante de seus olhos a cena de uma criança sendo desmembrada e você agora se beneficiando fisicamente com o uso de suas células. ”

Vacinas que utilizam linhagens celulares originárias de fetos abortados apenas para teste

A distinção é feita entre a presença direta de linhagens de células fetais originadas do assassinato de um nascituro em uma vacina e seu uso em testes, e certamente este último é objetivamente menos grave. Mas ainda não podemos aceitar o uso dessas linhas celulares mesmo para testes, pois nos aproxima do crime de comercialização de células de bebês assassinados. Nesse caso, também, há um acúmulo de crimes horríveis. O primeiro crime é ter matado uma criança. A segunda é ter usado e processado essas linhas de células. Usar essas linhas de células para testes é outro crime. Não podemos colaborar neste acúmulo de crimes e não podemos nos beneficiar de qualquer forma de seus “subprodutos”.

A obrigação de resistir

Vamos imaginar a possibilidade de o aborto ser totalmente proibido em todo o mundo. Nesse caso, as indústrias médica e farmacêutica teriam que buscar alternativas para desenvolver uma vacina, e Deus as proverá se observarmos Sua lei, especificamente o Quinto Mandamento. Porém, Deus nos punirá se usarmos as linhagens celulares originadas de bebês assassinados para fabricar e testar vacinas e remédios! Temos que nos abrir para uma perspectiva mais sobrenatural. Temos que resistir ao mito de que não há alternativa - e usando essas vacinas ou medicamentos, cooperamos para propagar ainda mais esse mito. No entanto, existem alternativas! As potências mundiais anticristãs certamente não admitirão que existem alternativas e continuarão a promover vacinas contaminadas pelo aborto. Mas devemos resistir. Mesmo que haja apenas uma pequena minoria de fiéis, padres e bispos que o façam, em última análise, a verdade prevalecerá. A história vai olhar para trás e dizer que mesmo alguns bons católicos cederam, até mesmo prelados de alto escalão responsáveis pela governança da Santa Sé cederam a uma expansão da indústria biomédica e farmacêutica que usava linhagens celulares originadas do assassinato de crianças em gestação para produzir e testar vacinas e medicamentos. A história dirá que eles se deixaram cegar por teorias abstratas de cooperação material remota, beneficiando-se dos atos perversos de outros ou de outras teorias semelhantes.

Temos que seguir a verdade. Mesmo que percamos todos os nossos amigos, devemos seguir a nossa consciência, como fizeram São Tomás Mais e São João Fisher. É também um sinal do fim dos tempos que até mesmo pessoas boas estejam confusas sobre este importante assunto. Recordemos as palavras de Nosso Senhor, que disse que também os eleitos serão seduzidos (cf. Mt 24, 24). Chegará o tempo em que Deus revelará às pessoas na Igreja, que agora defendem a moralidade do uso de vacinas contaminadas pelo aborto, algumas das consequências dessa escolha. Seus olhos serão abertos, porque a verdade é tão poderosa. Temos que viver para a verdade e para a eternidade.

Permanecer em silêncio e concordar com o uso já difundido de partes do corpo de bebês abortados para pesquisas biomédicas e argumentar contra essa injustiça com uma teoria abstrata de "cooperação material remota", ou o que quer que se possa chamar de teoria justificativa, é espiritual cegueira e grave omissão em um momento histórico dramático em que os cristãos deveriam se levantar e proclamar ao mundo inteiro: “Jamais consentiremos com esta injustiça, mesmo que já seja tão difundida na medicina! Não é permitido tratar os nascituros, as vidas das pessoas mais fracas e indefesas em todo o mundo, de forma tão degradante, para que os mais fortes, os já nascidos, recebam um benefício temporal para a saúde de seu uso. ”

Ivan Karamazov, no famoso romance de Dostoievski, “Os Irmãos Karamazov”, faz a pergunta fatal: “Diga-me francamente, eu te chamo - responda: imagine que você mesmo está construindo o edifício do destino humano com o objetivo de fazer as pessoas felizes no final, de dar-lhes paz e descanso finalmente, mas para isso você deve inevitavelmente e inevitavelmente torturar apenas uma minúscula criatura, a mesma criança que estava batendo no peito com seu pequeno punho, e erguer seu edifício sobre a base de suas lágrimas não correspondidas - você concordaria em ser o arquiteto nessas condições? “

Memoráveis são as palavras com as quais o Papa João Paulo II condenou vigorosamente qualquer experimentação em embriões, declarando: “Nenhuma circunstância, nenhum propósito, nenhuma lei pode jamais tornar lícito um ato intrinsecamente ilícito, visto que é contrário à Lei de Deus que está escrito em cada coração humano, reconhecível pela própria razão e proclamado pela Igreja. Esta avaliação da moralidade do aborto deve ser aplicada também às formas recentes de intervenção em embriões humanos que, embora realizadas para fins legítimos em si mesmas, envolvem inevitavelmente a morte desses embriões. É o caso da experimentação em embriões, cada vez mais difundida no campo da pesquisa biomédica e legalmente permitida em alguns países. Embora 'se deva defender como lícitos procedimentos realizados no embrião humano que respeitem a vida e integridade do embrião e não envolvam riscos desproporcionais para ele, mas antes sejam direcionados para a sua cura, a melhoria de sua condição de saúde, ou sua sobrevivência individual ', deve-se, no entanto, afirmar que o uso de embriões ou fetos humanos como objeto de experimentação constitui um crime contra sua dignidade de ser humano que tem direito ao mesmo respeito devido a uma criança nascida, assim como a todo pessoa. Essa condenação moral também diz respeito a procedimentos que exploram embriões e fetos humanos vivos - às vezes especificamente "produzidos" para esse fim por fertilização in vitro - para serem usados como "material biológico" ou como fornecedores de órgãos ou tecidos para transplantes no tratamento de certos doenças. O assassinato de criaturas humanas inocentes, mesmo que realizado para ajudar os outros, constitui um ato absolutamente inaceitável. ” (Encíclica Evangelium vitae, 62-63)

O sangue de crianças por nascer assassinadas clama a Deus por vacinas e remédios que utilizam seus restos mortais de qualquer maneira. Temos que reparar os crimes acumulados envolvidos em sua produção. Devemos pedir perdão não só a Deus, que sonda as rédeas e os corações (cf. Ap 2, 23), mas também às almas de todos os nascituros assassinados, que têm nome diante de Deus. Devemos pedir perdão especialmente às crianças cujas partes do corpo são usadas de maneira tão degradante para o benefício da saúde dos vivos. É incompreensível como os clérigos, com o auxílio de teorias abstratas da teologia moral, podem tranqüilizar a consciência dos fiéis, permitindo-lhes usar tais vacinas e remédios.

O sangue das crianças por nascer assassinadas clama a Deus pelas vacinas e remédios contaminados pelo aborto! Que o Senhor tenha misericórdia de nós! Kyrie, eleison!

+ Athanasius Schneider, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Santa Maria de Astana.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/opinion/the-blood-of-murdered-unborn-children-cries-to-god-from-abortion-tainted-vaccines-and-medicines

 
 
 

Artigo Visto: 253 - Impresso: 5 - Enviado: 3

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.612.549 - Visitas Únicas Hoje: 730 Usuários Online: 203