"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
31/08/2014
Por que a esposa do fundador da Microsoft promove a distribuição de anticoncepcionais no mundo?
 


Por que a esposa do fundador da Microsoft promove a distribuição de anticoncepcionais no mundo?

30.08.2014

http://www.aleteia.org/image/pt/article/por-que-a-esposa-do-fundador-da-microsoft-esta-levantando-bilhoes-de-dolares-para-injetar-anticoncepcionais-em-milhoes-de-mulheres-5869205022834688/web-ap070430016082_pt/topic

Melinda Gates se declara católica, mas está apoiando a distribuição de um medicamento que provoca sérios efeitos colaterais

Steven W. Mosher


Será que Melinda Gates conhece os graves riscos do anticoncepcional injetável Depo-Provera?

Será que nem os seus pais católicos, nem os professores católicos da escola das ursulinas em que ela estudou em Dallas, nem os seus párocos de Medina, em Washington, explicaram a ela a profética encíclica Humanae Vitae, escrita pelo papa Paulo VI em 1968, que reafirma a doutrina atemporal da Igreja sobre a santidade da vida humana e que rejeita os métodos artificiais de controle dos nascimentos?

Ou será que, assim como muitos outros católicos contemporâneos, Melinda Gates simplesmente rejeita essa doutrina?

Melinda Gates é a força motriz por trás de uma campanha multibilionária de controle populacional baseada principalmente em injetar Depo-Provera em mulheres de cor. Entre os parceiros do projeto estão as principais empresas e grupos focados em reduzir a fertilidade humana, como a Pfizer, a International Planned Parenthood Federation (IPPF), a USAID e o Fundo das Nações Unidas para a População.

A campanha começou com a Cúpula de Planejamento Familiar de Londres, realizada em julho de 2012. Melinda Gates prometeu doar 560 milhões de dólares. Depois, angariou mais de 2 bilhões adicionais em compromissos assumidos por vários países (como os EUA) e organizações (como a IPPF). Os delegados presentes se comprometeram com a estratégia de contracepção a ser aplicada em 120 milhões de mulheres do mundo inteiro até 2020.

É fácil entender por que a Pfizer está envolvida. Como fabricante do Depo-Provera, a gigante farmacêutica deve lucrar milhões e mais milhões com uma campanha que comprará praticamente toda a sua produção ao longo dos próximos anos.

O diretor da Pfizer na Nigéria, Enrico Liggeri, anunciou, naquela mesma cúpula, que a empresa está expandindo a capacidade de produção de Depo-Provera em 50%. "Já produzimos um bilhão de doses de Depo-Provera até agora e estamos empenhados em produzir mais um bilhão de doses até 2020".

Nada como ter um mercado subsidiado pelo governo em favor dos seus produtos!

Não foi feita na cúpula nenhuma menção ao fato de que os contraceptivos hormonais, como o Depo-Provera, comprometem o sistema imunológico da mulher e a tornam mais suscetível a contrair HIV/Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis, que, aliás, já têm proporções epidêmicas em muitos países africanos.

Quanto à IPPF, à USAID e ao Fundo das Nações Unidas para a População, o seu envolvimento dispensa explicações. Eles estão focados no controle da população há décadas. O fundo da ONU e a IPPF, aliás, devem a própria existência ao pavor que havia no pós-Segunda Guerra Mundial de que o planeta chegasse a uma superpopulação. A USAID se uniu ao grupo mais tarde, mas tem feito o seu máximo esforço para compensar o “tempo perdido”, especialmente sob o governo de Barack Obama.

Mas por que o envolvimento de Melinda Gates, que não guarda segredo algum sobre o fato de ser católica?

Na abertura da Cúpula de Londres, ela declarou que o evento era "um marco importante na história do planejamento familiar. Estamos assumindo este compromisso com muito mais recursos do que nunca antes. Estamos colocando as mulheres no centro absoluto da questão".

Ela chegou a dizer que o desejo universal de que as mães possam dar aos seus filhos "todas as coisas boas" só pode ser realizado com o acesso universal aos contraceptivos e que "é por isso que estamos todos aqui". Ela não fez menção nenhuma ao Planejamento Familiar Natural, nem à abstinência, nem a qualquer ensinamento da sua própria Igreja.

Melinda Gates declarou, em vez disso:

"Eu sou católica, mas as mulheres precisam ter acesso aos contraceptivos".

Ao longo dos anos, eu tentei me encontrar com Melinda para conversarmos sobre estas questões. Queria contar a ela que há mulheres na África e na Ásia recebendo injeções de Depo-Provera sem o seu consentimento. Que as informações sobre os efeitos colaterais, inclusive de risco de vida, estão sendo escondidas delas. Que há mulheres africanas que estão morrendo por causa desse contraceptivo.

Eu queria dizer a Melinda que, de acordo com a FDA, as mulheres que ela está tentando ajudar "podem perder a densidade mineral óssea em grau significativo"; podem sofrer "eventos trombóticos graves (coágulos de sangue)", "parada cardíaca e acidente vascular cerebral", "câncer de mama", "gravidez ectópica", "depressão, irritabilidade e alterações de humor", "irregularidades menstruais", "ganho de peso excessivo"... E a lista ainda vai longe.

Eu queria dizer a ela que as próprias mulheres que ela quer ajudar preferem água potável e auxílio para combater as doenças tropicais que estão matando os seus filhos sem necessidade de contraceptivos.

Eu queria dizer a ela que o Depo-Provera, assim como todos esses poderosos hormônios artificiais à base de esteroides, é abortivo, de modo que ela não está apenas impedindo almas de virem a existir, mas também as está mandando prematuramente de volta ao Pai tão logo elas são concebidas.

Eu queria dizer a ela que o planejamento familiar natural funciona de forma brilhante, é um método totalmente natural, não tem efeitos colaterais e é praticado por um número crescente de mulheres africanas. Um quarto das mulheres em idade fértil em Burkina Faso adotam o planejamento familiar natural.

E eu quase consegui falar com Melinda Gates!

Por meio de um amigo sacerdote, eu cheguei até o pároco de Melinda, esperando ser apresentado à sua mais famosa paroquiana. Mas ele se recusou a nos colocar em contato quando soube do assunto sobre o qual eu queria falar com ela: a ​​Humanae Vitae e os perigos da contracepção hormonal.

Por quê?

"Porque eu não concordo com você nem com o Sr. Mosher no tocante ao controle da natalidade", respondeu o pároco ao meu amigo sacerdote.

O problema do pároco –e de Melinda Gates, parece– não era comigo nem com meu amigo padre. O problema deles é com a Igreja católica, que já declarou com toda a clareza que a contracepção artificial e a esterilização são imorais.

 

Fonte:http://www.aleteia.org/pt/saude/artigo/por-que-a-esposa-do-fundador-da-microsoft-esta-levantando-bilhoes-de-dolares-para-injetar-anticoncepcionais-em-milhoes-de-mulheres-5869205022834688?

 
 
 

Artigo Visto: 780 - Impresso: 32 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.634.419 - Visitas Únicas Hoje: 1.027 Usuários Online: 173