"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
13/08/2017
Eis o que está por trás da irritação no Vaticano sobre o artigo do conflito entre Bergoglio/Parolin
 

Eis o que está por trás da irritação no Vaticano sobre o artigo do conflito entre Bergoglio/Parolin

11 ago 2017 -  02:44 PDT

http://www.antoniosocci.com/wp-content/uploads/2017/08/bergy-copia-6-768x432.jpg

Até a descoberta, nesse horário, pelo Cei sobre a questão ONG/migrante a partir do Cardeal. Bassetti parece estar por trás da inspiração da Secretaria de estado do Cardeal Parolin. Na última terça-feira, o Ministro, o Sr. Minniti foi confidencialmente explicar a sua posição.(ver abaixo) É claro que a declaração de Bassetti representa uma distância do extremismo migracionista de Bergoglio e Galantino. Esperamos que seja permanente. No ambiente Bergogliano já negam que houve uma descoberta, mas apenas comparam as palavras do Cardeal Bassetti com os do Ultrabergogliano Mons. Perego (Fondazione migrantes da CEI) entrevistado na última segunda-feira por "Repubblica". (ver abaixo)

---------

Por trás da irritação do Vaticano do meu artigo sobre os temas que se opõem Bergoglio e Parolin (primeiro o ditador maduro), há o projeto do "partido Curial" que aponta para a sucessão de Bergoglio precisamente para seu secretário de estado. É por isso que o tema "Parolin-Bergoglio" é hoje um tabu indescritível. Eu vou voltar.

Primeiro, deve-se dizer que para o Papa a história do tirano vermelho Maduro não é apenas um slide desastroso que desacredita um pontificado já afundado no Castrismo Sulamericano. É também o evento que marca o naufrágio da ideologia política bergogliana.

Com todo o respeito da improvisada defesa do Ofício de Luigi Bisignani, a oposição entre Bergoglio e Parolin aqui é flagrante.

Maduro repetiu domingo que o Papa Bergoglio é bom e amigo dos companheiros, enquanto o Cardeal Parolin é ruim e está com os Bispos venezuelanos.

O "Wall Street Journal", em 7 de agosto, saiu com um editorial claro: " Papa Francisco fala pela Venezuela”. Legenda: "O primeiro pontífice latino-americano é mais duro contra Trump que contra o déspota de Caracas".

O colunista William McGurn recorda a injúria de Bergoglio contra o Presidente dos EUA e compara-o ao seu silêncio "quando se trata da brutalidade do governo da Venezuela contra o seu povo."

Enquanto os Bispos da Venezuela rezam pela "libertação da nossa pátria das garras do comunismo e do socialismo", Bergoglio fica silencioso.

Quão diferente o tom do Papa - observa o WSJ - quando ele lança contra o Presidente Trump, dizendo "que o Sr. Trump não é cristão, e faz uma advertência - no dia da posse do Sr. Trump - que o populismo pode levar a Hitler ou afirmando que a nossa é uma economia que "mata".

Para dizer a verdade, ironiza o WSJ, se você olhar para "um exemplo de populismo que leva ao totalitarismo ou uma economia que mata, é difícil vencer a Venezuela rica em petróleo e minerais, cujos cidadãos foram agora reduzidos a revirar em lixeiras, enquanto suas vestes são mantidas com repressão. Sem mencionar o colonialismo militar-socialista de Cuba."

O WSJ relata a insistência dos Bispos venezuelanos para que Bergoglio deixe de ser "Soft com nosso tirano". Mas o problema reside em sua ideologia, a da esquerda Sulamericana.

Samuel Gregg, do Instituto Acton observa que a tragédia da Venezuela afugenta toda "a maneira padrão do Papa Francisco para explicar os problemas políticos e econômicos contemporâneos." Porque não pode acusar o Ocidente, a especulação financeira ou os traficantes de armas.

Em vez disso, deve acusar o chavismo, fruto da esquerda sul-americana como o Castrismo. Mas ele não quer.

O WSJ recorda que, antes de ser eleito Papa, Bergoglio foi acusado de não criticar a ditadura militar Argentina na década de 1970, quando ele estava na cabeça dos jesuítas. "hoje os padres e bispos católicos desafiam corajosamente o regime venezuelano", escreve o WSJ, mereceriam o apoio do Papa sul-americano. Mas infelizmente eles não têm.

Com todo o respeito a Bisignani, ontem, também um dos principais especialistas em América Latina, Professor Loris Zanatta, um professor da Universidade de Bolonha, na "Folha", confirmou o que eu tinha escrito nestas colunas.

Zanatta recordou as reuniões calorosas de Bergoglio com Maduro, utilizado para fins de propaganda pelo ditador (e fotos!): De fato "o Papa permanece unido a Maduro" e "sobre a Venezuela gagueja".

"Mas", diz Zanatta "felizmente há Pietro Parolin para salvar as castanhas do fogo, contendo os danos, prendendo o relâmpago: um diplomata da grande escola que o governo de Chávez de fato cobriu com insultos num momento em que era núncio na Venezuela se opondo ao Papa. Ele foi o responsável pelo documento com o qual a Santa Sé tenha baixado por um bom tempo Maduro "no entanto" esse documento é um remendo improvisado debaixo do qual espreita uma cadeia de derrotas em que o papado tenha incorrido ".

No naufrágio do Bergoglismo o papel de Parolin cresce cada vez mais. Mesmo o Felpatissimo John Allen agora chega a escrever que Parolin parece "o mais poderoso Secretário de estado do Vaticano, talvez desde os tempos do Cardeal Pacelli" e esta analogia "poderia sugerir que o mesmo é um futuro candidato papal".

Eu, meses atrás, escrevi que o papado a Parolin é o objetivo do partido curial "e" meu artigo foi tirado do "Times".

Lentamente todos estão voltando, evidencia esse jogo de poder e irrita oltretevere. Mas "esta é a imprensa, beleza." Pelo menos a verdadeira.

Antonio Socci

De "líbero", 11 de agosto de 2017

-----------

Prós e contras de uma mudança de rumo. Marco Minniti vai para o Vaticano e convence a Igreja na estratégia para migrantes.

10/08/2017 20:27 PM BST | Atualizado 10/08/2017 20:27 AEST

Comparação com o Secretariado de estado, informou Bergoglio. Assim, nascem as palavras do CEI e da pacificação nas fileiras do governo.

https://o.aolcdn.com/images/dims3/GLOB/crop/4251x2126+0+361/resize/630x315!/format/jpg/quality/85/http%3A%2F%2Fo.aolcdn.com%2Fhss%2Fstorage%2Fmidas%2F57e0936c5ce24c6b596585ed0fae792b%2F205557268%2FAGF_EDITORIAL_1994871.jpg

Jornalista Maria Antonietta Calabrò

O porta-voz da Conferência Episcopal Italiana, Dom Ivan Maffeis, não acrescenta uma vírgula às palavras muito claras do presidente Gualtiero Bassetti sobre os migrantes. Mas essa frase - "Não podemos correr o risco de fornecer o pretexto, mesmo que falso, de colaborar com os traficantes de carne humana" - após vários dias de controvérsia da frente Católica contra a estratégia posta em campo pelo ministro do interior Marco Minniti, tem apenas um significado: a linha de rigor sobre as atividades no mar de ONGs, promovido pela Viminale , encontra o apoio dos Bispos.

A saída de Bassetti não vem completamente inesperada. Nestas semanas, na verdade, apenas se sentindo alvo de órgãos da igreja, e também por expoentes católicos no governo - como Graziano Delrio e Mario Giro - de acordo com o que informa HuffPost de fontes bem informadas, ele foi para o Vaticano e teve conversas com a terceira Loggia, isto é, com o Secretariado do estado do Vaticano. O ministro queria fazer a Santa Sé ciente de suas preocupações sobre o agravamento da situação de desembarque, salientando que a intenção de medidas governamentais destina-se a afetar os contrabandistas e tráfico de seres humanos, certamente não migrantes. Não foi uma iniciativa imprópria, nem uma invasão de campo, uma vez que o Papa é o Bispo de Roma e Primaz da Igreja na Itália. E o próprio Papa Francis foi informado da visita de Minniti.

O ministro recebeu garantias e certificados de apreciação pela Santa Sé, em nome dos repetidos apelos do Papa no dever de não dar trégua aos traficantes. Contra o tráfico de seres humanos, o Vaticano tem sido, com Francisco, na liderança na denúncia. E isso também tem sido reconhecido pelo último relatório do Departamento de Estado dos EUA, divulgado no mês passado.

Destas conversas Oltretevere nasceu a postura pública do Cardeal Bassetti, esta manhã, por ocasião da missa para a festa do Santo padroeiro de Perugia, São Lourenço. Não será em breve que a Igreja italiana dificultará as medidas consideradas necessárias, enquanto os católicos e os operadores das várias associações voluntárias são instados a combinar a caridade e a responsabilidade.

Não podemos correr o risco -nem mesmo para uma idealidade pura que é dramaticamente transformada em ingenuidade - para fornecer o pretexto, mesmo que falso, para cooperar com os traficantes de carne humana "Cardeal Gualtiero Bassetti.

As palavras de Bassetti, em suma, expressam grande responsabilidade para os migrantes e para um país como o nosso que empenhará este ano (de acordo com dados oficiais do DEF 2017) cerca de 4.000.000.000 de euros para a recepção. Em diversas línguas foram gravadas preferencialmente na entrevista publicada no Osservatore Romano nos últimos dias pelo padre Joseph Baggio, secretário-adjunto da seção de migrantes do Dicastério para o desenvolvimento humano integral (aquele cuja direção é mantida por um período de tempo especificado pelo próprioo Papa Francisco), enquanto condenando os traficantes de seres humanos, é avisada por políticas restritivas que ameaçam criar canais alternativos e, portanto, ilegal. Jornal Avvenire e Caritas Episcopal italiana expressaram preocupações sobre "" código de conduta elaborado por Minniti para ONGs.

Fonte: http://www.huffingtonpost.it/2017/08/10/retroscena-di-un-cambio-di-rotta-marco-minniti-va-in-vaticano-e_a_23073878/

----------------

O Bispo de Ferrara "Basta dizer não às armas a bordo." Entrevista com Giancarlo Perego

Segunda-feira, 7 de agosto, 2017

https://3.bp.blogspot.com/-ZEz6GUjhG8I/WYhBaBdt0BI/AAAAAAACa4Y/Uw3st2Dl0vYhtgAUX0bfIkdib8jTCFRwwCLcBGAs/s1600/perego.JPG

La Repubblica/Paolo Rodari

É um fato que as ONG salvaram entre trinta e 40 por cento das pessoas dispersas no Mediterrâneo e que, após o fim de "Mare Nostrum", eles têm fortalecido a nova operação "Triton", que infelizmente foi subdimensionada em comparação com as necessidades reais. Se não começar a partir daqui todos os discursos permanecem sem sentido: o salvamento no mar pelas ONG não só deve ser defendido, mas também deve ser elogiado."

Defende o trabalho de ONGs no mar, monsenhor Giancarlo Perego, ex-diretor da Fundação Migrantes da Conferência Episcopal Italiana e arcebispo de Ferrara, especialmente seu papel subsidiário', realmente essencial dada a inação da Europa".

Roberto Saviano sobre "República" tem defendido algumas ONGs, especialmente os Médicos Sem Fronteiras, que se recusaram a aceitar a presença de policiais armados do Estado italiano em seus navios no Mediterrâneo. O que você acha?

"Eu acho que o código de ética que o Estado quer inscrever as ONGs ainda está para ser revisto. Nesta, como em tantos outros lugares no código, você deve ainda trabalhar, refletir. Em particular, eu acho que uma eventual presença militar em barcos nas ONGs só iria enfraquecer, não facilitar, o salvamento no mar continua a ser a primeira coisa a ser protegido neste momento difícil."

Ernesto Galli della Loggia no "Corriere della Sera" escreveu, em resumo, que as ONGs devem escolher entre os italianos e os contrabandistas.

"Me parece que esta escolha radical não é realmente a questão subjacente. O ponto principal é outra coisa, ou seja, o fato do Mediterrâneo, à espera de novas soluções e de melhores acordos com a Líbia, deve ser aguardado para proteger as pessoas que não têm outras rotas de fuga. É errado, na minha opinião, relacionar as ONG à ação dos contrabandistas, é uma equação que me parece absolutamente incorreta ".

Por que todo esse alvoroço hoje sobre ONGs?

"Temo que tudo tenha nascido por causa do fato de que não há acordo forte com a Líbia. O acordo é demasiado fraco e vai em detrimento do salvamento no mar que, em vez disso, deve permanecer central; Há muitas pessoas para salvar e ser acolhido também a situação dramática que vive em terra a Líbia”.

Hoje, na verdade, o fluxo de migrantes é regulamentado apenas pela própria Líbia, o que você acha?

"A maioria dos imigrantes que decolam no Mediterrâneo fazem isso para fugir das prisões líbias, da violência, do abuso cada vez mais terrível. É um grande problema humanitário. As ONG, honrosamente, salvam essas pessoas de uma repatriação que seria devastadora para eles, para suas vidas. "

La República, 7 de agosto de 2017

Fonte: https://ilsismografo.blogspot.com.br/2017/08/italia-il-vescovo-di-ferrara-giusto.html

 
 
 

Artigo Visto: 599 - Impresso: 5 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 2.684.666 - Visitas Únicas Hoje: 254 Usuários Online: 87