"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
02/01/2018
Bispos Peta, Lenga e Schneider: Profissão de verdades imutáveis em relação ao casamento sacramental
 

Bispos Peta, Lenga e Schneider: Profissão de verdades imutáveis em relação ao casamento sacramental

02/01/18 -12:04

https://i.pinimg.com/474x/18/e4/e8/18e4e82175c7222ac6b1ee9a1636da2a--kazakhstan-schneider.jpg

por Mons. Athanasius Schneider

Após a publicação da Exortação Apostólica "Amoris laetitia" (2016), vários bispos emitiram normas locais, regionais e nacionais sobre a aplicação da disciplina sacramental aos fiéis denominados "divorciados e casados novamente", que se uniram em uma coexistência estável mais uxorio com uma pessoa que não é seu cônjuge legítimo, embora esteja vivo, que tenha essa condição, com quem está vinculado por uma ligação válida do casamento.

As normas mencionadas prevêem, entre outras coisas, que, em casos individuais, os povos chamados de "divorciados e casados novamente", podem receber os sacramentos da Penitência e da Sagrada Comunhão, apesar de continuar vivendo habitualmente e intencionalmente mais uxorio com uma pessoa que não É o seu cônjuge legítimo. Tais normas muitas vezes receberam aprovação de várias autoridades hierárquicas e algumas delas foram até aceitas pela suprema autoridade da Igreja.

A disseminação de normas pastorais eclesiásticamente aprovadas causou uma confusão notável e crescente entre os fiéis e o clero; confusão que toca as manifestações centrais da vida da Igreja, como o casamento sacramental que dá origem à família, à igreja doméstica e ao sacramento da Santíssima Eucaristia.

De acordo com a doutrina da Igreja, apenas o vínculo matrimonial sacramental constitui uma igreja doméstica (ver Concílio Vaticano II, Lumen Gentium, 11). A admissão dos fiéis "divorciados e casados novamente" com a Sagrada Comunhão, que é a expressão máxima da unidade de Cristo-Marido com Sua Igreja, significa na prática uma forma de aprovar e legitimar o divórcio e, nesse sentido, uma espécie de introdução do divórcio na Igreja.

As regras pastorais acima mencionadas revelam, de fato e ao longo do tempo, um meio de difundir a "praga do divórcio", uma expressão usada pelo Concílio Vaticano II (Gaudium et Spes, 47). É uma disseminação desta "praga do divórcio", mesmo na própria vida da Igreja, em vez disso - por causa de sua fidelidade incondicional à doutrina de Cristo - um baluarte e um sinal inconfundível de contradição contra a peste de divórcio cada vez mais difusa na sociedade civil.

De forma inequívoca e sem admitir qualquer exceção, Nosso Senhor e Redentor Jesus Cristo reconfirmou solenemente a vontade de Deus no que diz sobre a proibição absoluta do divórcio. A aprovação e a legitimação da violação do caráter sagrado do vínculo matrimonial, mesmo que, indiretamente, através da mencionada nova disciplina sacramental, contradizem seriamente a vontade expressa de Deus e Seu mandamento. Tal prática, portanto, representa uma alteração substancial da disciplina bimilenar sacramental da Igreja. Além disso, com a passagem do tempo, uma disciplina substancialmente alterada também levará a uma alteração da doutrina correspondente.

O constante Magistério da Igreja, começando com os ensinamentos dos Apóstolos e todos os Pontífices supremos, preservou e transmitiu fielmente na doutrina (em teoria), ou na disciplina sacramental (na prática), de maneira inequívoca, sem sombra de dúvida e sempre no mesmo sentido e com o mesmo significado (eodem sensu eademque sententia) o ensino cristalino de Cristo em relação à indissolubilidade do casamento.

Devido à sua natureza divinamente estabelecida, a disciplina dos sacramentos não deve contradizer a palavra revelada: "Os sacramentos não só supõem fé, mas, ao mesmo tempo, nutrem-na, fortalecem-na e expressam-na através de palavras e ações. coisas; É por isso que eles são chamados de "sacramentos de fé" (Concilio Vaticano II, Sacrosanctum Concilium, 59). "Mesmo a autoridade suprema da Igreja não pode mudar a liturgia a seu critério, mas apenas em virtude do serviço da fé e do respeito religioso pelo mistério da liturgia" (Catecismo da Igreja Católica, 1125). A fé católica pela sua própria natureza exclui uma contradição formal entre a fé professada, por um lado, e a prática dos sacramentos, por outro. Nesse sentido, também podemos entender a seguinte declaração do Magistério: "O divórcio entre a fé e o cotidiano de muitos deve ser considerado um dos erros mais sérios do nosso tempo" (Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, 43) e "a pedagogia concreta da Igreja sempre deve estar unida e nunca separada de sua doutrina" (João Paulo II, Exortação Apostólica Familiaris Consortio, 33).

Em vista da importância da doutrina e disciplina do casamento e da Eucaristia, a Igreja é obrigada a falar com a mesma voz. Portanto, as normas pastorais que dizem respeito à indissolubilidade do casamento não devem ser contraditadas entre uma diocese e outra, entre um país e outro. A Igreja observou este princípio, como afirma São Ireneu de Lyon, desde a época dos Apóstolos: "Enquanto a Igreja está espalhada pelo mundo até os confins da terra, pelo fato de ter recebido dos Apóstolos e dos discípulos a fé preserva essa pregação e essa fé com cuidado e, como se estivesse vivendo em uma única casa - acredita nela da mesma maneira, como se tivesse apenas uma alma e um coração e com uma voz unânime, como se ela tivesse uma única boca, prega a verdade da fé, ensina e transmite "(Adversus haereses, I, 10, 2). Santo Tomás de Aquino nos dá o mesmo princípio perene da vida da Igreja: "Existe uma e mesma fé dos antigos e dos modernos; se não, não haveria uma e a mesma Igreja "(Perguntas Disputatae de Veritate, Q. 14, a.12c).

A seguir, a admoestação do Papa João Paulo II permanece atual: "Confusão, criada na consciência de muitos fiéis pela divergência de opiniões e ensinamentos na teologia, na pregação, na catequese, na direção espiritual, em questões graves e delicadas da moral cristã, acaba diminuindo, até quase apagando, o verdadeiro sentido do pecado "(Exortação apostólica Reconciliatio et paenitenia, 18).

O significado das seguintes afirmações do Magistério da Igreja é totalmente aplicável à doutrina e disciplina sacramental quanto à indissolubilidade do tempo e do casamento consumado:

- "Para a Igreja de Cristo, diligente guardiã e defensora dos dogmas que lhe são confiados, nunca muda nada neles, nem diminui, nem acrescenta, antes, tratando fiel e sabiamente com todos os seus recursos as verdades que a antiguidade esboçou e a fé dos Padres plantadas, de tal forma que trabalha para suavizar e polir, que os dogmas antigos da doutrina celestial recebem clareza, luz, precisão, sem perder, no entanto, a plenitude, a integridade, a própria natureza e o desenvolvimento apenas de acordo com sua natureza; isto é, o mesmo dogma, no mesmo sentido e olhar "(Pio IX, Dogmatic Bull Ineffabilis Deus).

-    "No que diz sobre a substância da verdade, a Igreja tem, diante de Deus e dos homens, o dever sagrado de anunciá-la, de ensinar sem mitigar, como Cristo o revelou e não há condição dos tempos que podem dispensar o rigor dessa obrigação. Este dever vincula a consciência de todos os sacerdotes a quem o cuidado de ensinar, admoestar e orientar os fiéis foi confiado "(Pio XII, Discurso aos sacerdotes paroquianos e caríferos, 23 de março de 1949).

- "A Igreja não historiciza, não relativiza as metamorfoses da cultura profana, sua natureza sempre igual e verdadeira a si mesma, como Cristo queria e a tradição a aperfeiçoou" (Paulo VI, homilia em 28 de outubro de 1965).

- "Não prejudicar de modo algum a doutrina saudável de Cristo é uma forma de caridade eminente em relação às almas" (Paulo VI, encíclica Humanae Vitae, 29).

- "A Igreja nunca deixa de convidar e encorajar, para que as possíveis dificuldades conjugais sejam resolvidas sem falsificar ou comprometer a verdade" (João Paulo II, Exortação Apostólica Familiaris Consortio, 33).

- "De tal norma (a lei moral divina), a Igreja certamente não é o autor nem o árbitro. Em obediência à verdade que é Cristo, cuja imagem se reflete na natureza e na dignidade da pessoa humana, a Igreja interpreta a norma moral e a propõe a todos os homens de boa vontade, sem esconder as demandas de radicalismo e perfeição "(João Paulo II, Exortação Apostólica Familiaris Consortio, 33).

- "O outro é o princípio da verdade e da coerência, pelo qual a Igreja não aceita chamar o bem de mal e o mal de bem. Com base nestes dois princípios complementares, a Igreja deseja convidar os seus filhos, que se encontram nessas situações dolorosas, a abordar a misericórdia divina de outras formas, mas não pelos Sacramentos da Penitência e da Eucaristia, até alcançaram as disposições necessárias da alma "(João Paulo II, Exortação Apostólica Reconciliatio et paenitentia, 34).

- "A firmeza da Igreja na defesa de normas morais universais e imutáveis não tem nada de humilhante. É apenas ao serviço da verdadeira liberdade do homem. Como não há liberdade fora ou contra a verdade "(João Paulo II, Encíclica Veritatis Splendor, 96).

- "Em face das normas morais que proíbem o mal intrínseco, não há privilégios nem exceções para ninguém. Não há diferença entre ser o dono do mundo ou o último dos miseráveis da Terra: antes das exigências morais, todos somos absolutamente iguais "(João Paulo II, Encíclica Veritatis Splendor, 96).

- "O dever de reiterar que não há possibilidade de admitir a Eucaristia (aos divorciados e casados novamente) é uma condição de verdadeira pastoralidade, de genuína preocupação com o bem desses fiéis e de toda a Igreja, já que indica as condições necessárias para a plenitude dessa conversão a que todos são sempre convidados pelo Senhor "(Conselho Pontifício para Textos Legislativos, Declaração sobre a admissibilidade da Sagrada Comunhão para divorciados e casados novamente, 24 de junho de 2000, nº 5).

Como bispos católicos, que - de acordo com os ensinamentos do Concílio Vaticano II - devem defender a unidade da fé e a disciplina comum da Igreja e procurar a luz da verdade total para todos os homens (Lumen Gentium , 23), somos obrigados em consciência a professar, antes da confusão desenfreada, a verdade imutável e a disciplina sacramental igualmente imutável sobre a indissolubilidade do casamento de acordo com o ensino bimilenar e inalterado do Magistério da Igreja. Neste espírito, reiteramos:

- As relações sexuais entre pessoas que não estão ligadas entre si por um casamento válido, como é o caso dos "divorciados e casados novamente", são sempre contrárias à vontade de Deus e constituem uma ofensa grave contra Deus.

- Sem circunstância ou propósito, nem mesmo uma possível imputabilidade ou culpa diminuída, pode tornar tais relações sexuais uma realidade moral positiva e agradável a Deus. O mesmo vale para os outros preceitos negativos dos Dez Mandamentos da Lei de Deus. Isto é porque "há atos que, por eles mesmos e em si mesmos, independentemente das circunstâncias, são sempre seriamente ilegais por causa de seu objeto". (João Paulo II, Exortação Apostólica Reconciliatio et Paenitentia, 17).

- A Igreja não possui o carisma infalível de julgar sobre o estado de graça interna de um crente (ver Conselho de Trento, sess.24, capítulo 1). A não admissibilidade da Sagrada Comunhão dos chamados "divorciados e recasados" não significa, portanto, um julgamento de seu estado de graça diante de Deus, mas um julgamento do caráter visível, público e objetivo de sua situação. Por causa da natureza visível dos Sacramentos e da própria Igreja, a recepção dos Sacramentos depende necessariamente da situação visível e objetiva dos fiéis.

- Não é moralmente permitido ter relações sexuais com uma pessoa que não o cônjuge legítimo, para evitar um outro pecado suposto. Isto é porque a Palavra de Deus nos ensina que não é lícito "fazer o mal para que o bem venha" (Romanos 3: 8).

- A admissão de tais pessoas à Sagrada Comunhão só pode ser permitida quando, com a ajuda da graça de Deus e um acompanhamento pastoral paciente e individual, eles fazem uma intenção sincera de cessar essa relação sexual depois disso e evitar escândalo. Nesse sentido, o verdadeiro discernimento e o autêntico acompanhamento pastoral sempre foram expressos na Igreja.

- As pessoas que têm relações sexuais não conjugais de maneira habitual, violam com tal estilo de vida o vínculo nupcial matrimonial indissolúvel em relação ao cônjuge legítimo. Por esta razão, eles não podem participar "no Espírito e na Verdade" (Jn 4, 23) na ceia nupcial eucarística de Cristo, tendo também em conta as palavras do rito da Sagrada Comunhão: "Bem-aventurados os convidados para a Ceia do Cordeiro! "(Ap 19, 9).

- O cumprimento da vontade de Deus, revelado em seus Dez Mandamentos e em Sua proibição explícita de divórcio, constitui o verdadeiro bem espiritual das pessoas aqui na Terra, permitindo que elas sejam levadas à salvação da vida eterna.

Os bispos no seu ofício pastoral, devem "vigiar a fé católica e apostólica" (ver Missale Romanum, o cano romano), estão conscientes dessa séria responsabilidade e nosso dever para os fiéis que esperam de nós uma profissão pública e inequívoca da imutável verdade e disciplina da Igreja no que diz respeito à indissolubilidade do casamento. Por esta razão, não podemos deixar de nos calar.

Afirmamos, portanto, no espírito de São João Batista, de São João Fisher, de Santo Tomás Moro, da Beata Laura Vicuña e de numerosos confessores conhecidos e desconhecidos e mártires da indissolubilidade do casamento:

Não é lícito justificar, aprovar ou legitimar, direta ou indiretamente, se o divórcio é uma relação sexual não conjugal estável, com uma disciplina sacramental de admissão à Sagrada Comunhão dos chamados "divorciados e recasados" ", Neste caso sendo uma disciplina alheia a toda a Tradição da fé católica e apostólica.

Ao fazer esta profissão pública diante de nossa consciência e diante de Deus que nos julgará, estamos sinceramente convencidos de oferecer um serviço de caridade na verdade à Igreja de nosso tempo e ao Sumo Pontífice, Sucessor de São Pedro e Vigário de Cristo sobre o Terra

31 de dezembro de 2017, Festa da Sagrada Família, no ano do centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima.

+ Tomash Peta, Arcebispo Metropolitano da Arquidiocese de Santa Maria em Astana

+ Jan Pawel Lenga, arcebispo-bispo emérito de Karaganda

+ Athanasius Schneider, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Santa Maria em Astana

Fonte: https://adelantelafe.com/obispos-peta-lenga-schneider-profesion-las-verdades-inmutables-respecto-del-matrimonio-sacramental/

 
 
 

Artigo Visto: 500 - Impresso: 9 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.317.573 - Visitas Únicas Hoje: 749 Usuários Online: 146