"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
05/01/2018
Dubia: se o Papa silenciar o Cardeal é quem responde
 

Dubia: se o Papa silenciar o Cardeal é quem responde

05/01/2018

http://www.lanuovabq.it/storage/imgs/nozze-chiesa-large.jpg

Por Marco Tosatti

Oh não, para o "Dubia" não pode haver respostas oblíquas, implícitas ou transversais, e muito menos piscadelas: o Dubia deve ser respondido com base no ensino moral da Igreja Católica. Isto foi reiterado pelo cardeal Walter Brandmüller, um dos quatro signatários das próprias Dubia, em 30 de dezembro, em uma entrevista com Armin Schwibach, correspondente romano do site católico austríaco Kath.net.

É uma posição que nos faz entender como o problema originado por Amoris Laetitia e a confusão mundial causada pelas diferentes interpretações está longe de ser resolvida, como alguns manipuladores interessados gostariam. Por outro lado, a gravidade da situação foi destacada sem rodeios apenas alguns dias depois pela profissão pública de fidelidade ao ensino de sempre sobre o casamento e a Eucaristia assinada por cinco bispos, três do Cazaquistão e dois italianos.

O cardeal lembra na entrevista os principais pontos do Dubia. E isso é:

1) pode uma pessoa ligada por uma restrição sacramental no lugar e que agora vive com um novo parceiro em uma relação conjugal (Al, no. 305, nota 351) receber em alguns casos "absolvição e comunhão"?

2) existem os mandamentos morais absolutos, respectivamente, a proibição, que são vinculativos sem exceção e em todas as circunstâncias (como o assassinato de uma pessoa inocente)?

3) ainda é verdade que aqueles que vivem continuamente no estado de adultério estão objetivamente em um estado de pecado grave?

4) existem situações na vida que mitigam a responsabilidade moral de tal forma que um ato imoral (aqui: adultério) pode conseqüentemente ser moralmente dispensado, ou mesmo justificado?

5) pode uma decisão de consciência pessoal permitir exceções da proibição absoluta de um ato intrinsecamente imoral?

O Cardeal tendo estabelecido estes pontos à memória, observa ao entrevistador que «estas cinco perguntas pertencem aos fundamentos da fé e do ensino moral. De acordo com estes fundamentos, as questões 1, 4 e 5 devem ser respondidas por um "não", claramente e as questões 2 e 3 são “Sim”, também sem nenhuma dúvida.

O cardeal apenas por alguns meses se expressou publicamente sobre este tema lacerante, que desnecessariamente alguém tenta escapar para o esquecimento do cotidiano, na ausência desconcertante de uma clara resposta do Pontífice reinante, evidentemente preso em um impasse sem saídas claras. E, portanto, ele se baseia em um truque ambíguo, como a inscrição na Acta Apostolicae sedis de uma carta particular.

Em outubro de 2017 Brandmüller tinha dito, em relação àqueles que pensam que pode haver exceções para adúlteros que se aproximam dos sacramentos: «quem afirma que se pode entrar em um novo relacionamento, enquanto seu legítimo esposo ainda está vivo é excomungado porque este é um ensinamento errado, é uma heresia. Quem apóia tal coisa é excomungado... Assim, se alguém pensa que pode contradizer o dogma definitivo de um Conselho geral (por exemplo, o Conselho de Trento), bem, isso é realmente muito grave. Exatamente, isso é o que é chamado de heresia - e isso significa a exclusão da igreja - porque um abandonou os fundamentos comuns da fé».

Na entrevista, o Cardeal também toca no tema de Lutero, e as festas que têm sido tributadas na área católica para o antigo monge Agostiniano. Citando historiadores protestantes, Brandmüller recorda que Martinho Lutero queria quebrar três paredes: o primeiro muro era o sacerdócio baseado na ordem sagrada; O segundo foi o Magistério baseado na missão dada por Jesus Cristo; A terceira foi a existência do papado. Que estas três "paredes" tinham uma base bíblica sólida não interessava ao irado monge Agostiniano. Agora que ele demoliu estas três paredes, Lutero vê que todo o edifício da Igreja papal desmoronou. Declarando que esta destruição total é "uma obra do Espírito Santo" é uma afirmação totalmente bizarra que pode ser explicada pela ignorância pura de textos históricos e fatos; Uma ignorância que é ainda mais surpreendente para um bispo. É evidente a referência à declaração descuidada – para não dizer pior – expressa pelo Monsenhor Nunzio galanto, secretário-geral da Conferência Episcopal italiana.

Fonte: http://www.lanuovabq.it/it/dubia-se-il-papa-tace-il-cardinale-si-risponde-da-solo

---

Negri: "A confusão existe e é muito grave"

05/01/2018

Um dos arcebispos italianos que assinou a profissão de fé dos cazaques responde nesta entrevista as razões pelas quais ele assinou o documento: Uma Igreja com pouca atenção à doutrina não é mais uma Igreja pastoral, mas uma Igreja ignorante ». A confusão surge dessa ignorância.

http://www.ihu.unisinos.br/images/ihu/2017/03/luigi_negri.jpg

Infovaticana

"Como bispos católicos, somos obrigados, na consciência, a professar, na atual confusão confusa, a verdade imutável e a mesma disciplina sacramental imutável em relação à indissolubilidade do casamento, de acordo com o ensinamento bimilenar e inalterado do Magistério da Igreja". Isto é o que está escrito pelos três bispos do Cazaquistão - Tomash Peta, arcebispo metropolitano da arquidiocese de Maria Santíssima em Astana, Jan Pawel Lenga, arcebispo-bispo emérito de Karaganda e Athanasius Schneider, bispo auxiliar da arquidiocese de Maria Santíssima em Astana - em um longo documento intitulado "Profissão de verdades imutáveis em relação ao casamento sacramental", publicado em 2 de janeiro e coletado pela InfoVaticana.

Os três bispos notam que, após a exortação apostólica Amoris Laetitia, os Bispos individualmente e vários Episcopados agem com regras pastorais que resultam na propagação da "praga do divórcio", também dentro da igreja, o que que é fortemente contra o estabelecido por Deus. Já é sério que a Praxis seja diferente de dioceses à dioceses, mesmo de paróquia à paróquia. "por causa da importância vital da doutrina e da disciplina do matrimônio e da Eucaristia, a Igreja é obrigada a falar com “uma só voz", afirmou os três bispos citando os Padres da Igreja.

Finalmente, os Bispos cazaques ratificam o Magistério tradicional da Igreja, que sempre considera as relações sexuais fora do casamento sacramental ser ilegal e, portanto, considera impossível acessar a comunhão para aqueles que permanecem em nesse Estado, embora isto não constitua um julgamento sobre o estado interior da graça de cada fiel individual.

A "Profissão das verdades imutáveis ..." acrescenta, portanto, um novo capítulo para o debate de Amoris Laetitia e suas interpretações, demonstrando o quão generalizado o mal-estar que foi criado na Igreja é. Esta declaração não parece destinada a permanecer um fato local que diz respeito apenas ao Cazaquistão, uma vez que, após sua publicação, dois bispos italianos assinaram o documento: Monseñor Carlo Maria Viganò, anteriormente núncio apostólico nos Estados Unidos da América e Monsenhor Luigi Negri, Arcebispo emérito de Ferrara.

Nuova Bussola entrevistou Monsenhor Negri sobre este documento e o motivo da sua adesão.

Monsenhor Negri, o que o levou a assinar esta carta?

Dada a grande confusão que existe na Igreja em relação ao assunto do casamento, acredito que é necessário propor mais uma vez a clareza da posição tradicional. Pareceu-me justo assinar porque o conteúdo desta posição é aquele que defendi amplamente nestes anos, não apenas nestes últimos meses, mas em todos os momentos que dedico ao tema da família, da vida, da procriação, de responsabilidade educacional em relação aos mais jovens. Estas são questões de absoluta importância para as quais o mundo católico, como um todo, não mostra muita sensibilidade.

Algumas pessoas argumentam que houve conversa em demasia sobre família e vida ...

Pensar em uma Igreja sem uma preocupação explícita e sistemática, eu diria que mesmo diariamente, para a defesa e promoção da família e sua responsabilidade missionária e educacional, faz pensar em uma igreja profunda e fortemente condicionada pela mentalidade mundana. Esta mentalidade, que domina amplamente a nossa sociedade, considera que todas as questões "eticamente sensíveis", utilizando uma expressão que se tornou um uso comum, são da responsabilidade das instituições políticas e sociais e, em primeiro lugar, da Estado. Concordo com a doutrina social da igreja e acredito que a questão da pessoa e o desenvolvimento de sua identidade e responsabilidade no mundo é uma tarefa específica, característica e indispensável da igreja.

Uma batalha está sendo travada entre a mentalidade mundana--que o Papa Francisco, nos primeiros meses de seu pontificado, chamou "o pensamento único dominante"--e a concepção cristã da vida e da existência. Se a Igreja não enfrenta esta situação, ela acabará sendo reduzida, fundamentalmente, a uma posição de auto-marginalização substancial da vida social.

A carta fala muito sobre a confusão que existe na Igreja. Você também mencionou. No entanto, há aqueles que negam esta confusão: alguns argumentam que a única coisa que há é a resistência a um caminho de renovação da Igreja.

A confusão existe. Existe e é muito grave. Ninguém que seja sensato pode negar essa evidência. Lembro-me das palavras tristes e terríveis que o Cardeal Carlo Caffarra disse pouco antes da morte: "Uma Igreja com pouca atenção à doutrina não é mais uma Igreja pastoral, mas uma Igreja ignorante". A confusão surge dessa ignorância. Eu cito novamente o cardeal Caffarra, que disse que "apenas um cego pode dizer que não há confusão na Igreja". E posso testemunhar o que vi pessoalmente, especialmente nos últimos meses do meu episcopado em Ferrara-Comacchio. Todos os dias, os bons cristãos interpelaram-me porque, em sua consciência, houve uma grande decepção e viveram com muito sofrimento. Eu digo claramente: um sofrimento maior do que o de muitos clérigos e muitos dos meus irmãos bispos. É o sofrimento de um povo que já não sente cuidados, sustentado em sua demanda fundamental de verdade, de bondade, de beleza e de justiça, que constituem o coração profundo do homem e que apenas o mistério de Cristo revela profundamente e age de uma maneira extraordinário

Não quero discutir com ninguém, mas não posso dizer que é necessário trabalhar para que o esplendor da tradição seja mais uma vez uma experiência para o povo cristão, e uma proposta que o povo cristão faça aos homens. Esta é uma tarefa que eu sinto é decisiva dentro de mim.

Com relação à confusão, hoje em dia surgiu uma nova controvérsia, cuja origem é a acusação contra o Papa Bento XVI de erros doutrinários que nunca foram corrigidos, trazendo o Concílio de volta à mesa.

Não quero fazer revisões rápidas e ideológicas dos momentos fundamentais da vida da Igreja, como é o caso do Concílio, por exemplo: uma experiência extraordinária, complexa e, por que não, com aspectos que nem sempre são claros. Ou o grande e inesquecível ensinamento de São João Paulo II, seu compromisso de propor novamente ao mundo o anúncio de Cristo como a única possibilidade de salvação e, portanto, para a Igreja como uma área dessa experiência, como ele disse, de um vida renovada Estes são os marcos de um caminho que, mais tarde, encontrou no grande ensinamento de Bento XVI um ponto de síntese, o forte apelo a essa continuidade na passagem entre a realidade pré-conciliar e a realidade do Concílio e pós-Concílio: era uma formulação de grande importância, da qual a Igreja ainda vive.

João Paulo II e Bento XVI elevaram o ensino católico a níveis de amplitude extraordinária. É absurdo querer dobrar a interpretação dessas grandes figuras da vida da Igreja para interesses partidários. Mas também é absurdo comparar os pontificados de João Paulo II e Bento XVI com o magistério do Papa Francisco. Na história da Igreja, cada Papa tem sua função. A função de Francisco certamente não é propor novamente a integridade e a amplitude da mensagem cristã, mas ter as conseqüências necessárias ao nível ético e social.

Ainda falando sobre a confusão: neste ano que acabou de terminar e em que os 500 anos da Reforma Protestante foram lembrados, coisas abertamente desconcertantes foram vistas e ouvidas na Igreja.

A confusão doutrinal e cultural apresenta aspectos que dificilmente são credíveis para as pessoas com senso comum e que tiveram uma formação cultural adequada. A coisa de Lutero é um fato incrível. Este Lutero, de quem tanto falamos, não existe. Este Lutero reformador, evangélico, cuja presença teria sido uma reforma positiva e benéfica para a Igreja não tem fundamentos históricos e críticos.

Uma questão muito diferente é que, em um momento de grave ataque à tradição religiosa do Ocidente, é necessário que todos os homens religiosos percebam que é hora de uma nova e excelente unidade operacional. Certamente, é necessário que trabalhemos juntos, mas, para isso, não devemos minar nossa própria identidade ou pensar que a existência de identidade é uma objeção ao trabalho. É exatamente o contrário: quem engaja no diálogo religioso, no diálogo ecumênico, em diálogo com a vida social com sua identidade precisa está fornecendo um contributo extremamente significativo. Nós não colaboramos e não dialogamos a partir da confusão. O diálogo é baseado na identidade e a identidade católica, se vivida no núcleo, contribui de forma única e irredutivível para a vida social.

Algumas pessoas estão em guarda contra a tentação da hegemonia.

Não penso em absoluto em uma hegemonia na vida social, como muitos católicos irresponsáveis gostariam. Não é por vontade de hegemonia, mas por vontade de missão. Uma missão explícita, clara, significativa, apaixonada e, portanto, controversa em relação ao mundo. Isto aprendi com o Pe. Giussani em 50 anos de amizade com ele e, por isso, eles apostam positivamente, na minha opinião, os grandes magistérios de João Paulo e Bento, de acordo com o grande ensinamento da Igreja dos séculos XIX e XX.

Originalmente publicado em La Nuova Bussola.

Fonte: https://infovaticana.com/2018/01/05/negri-la-confusion-existe-gravisima/

 
 
 

Artigo Visto: 650 - Impresso: 14 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.317.526 - Visitas Únicas Hoje: 702 Usuários Online: 145