"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
13/02/2018
Francisco e a carta mais alta
 

Francisco e a carta mais alta

12 de fevereiro de 2018

https://infovaticana.com/wp-content/uploads/2018/02/papa-cuaresma-1024x576.jpg

Por Carlos Esteban

Um Papa não é um político que vai renunciar depois de um escândalo ser descoberto. Ele é o Vigário de Cristo, e a abdicação de seu antecessor já acabou por ser um grande choque para a Igreja. Mas é difícil prever que tudo vai continuar no Vaticano como tem sido depois do escândalo da carta.

O calamitoso "caso" da carta da vítima de abuso sexual que o Papa nega ter recebido de seu responsável pela Proteção à Criança, membro de seu conselho exclusivo de nove cardeais, o Cardeal O'Malley, assegura que ele lhe entregou a carta em mãos, alcançou o que ninguém acreditava fosse possível: que a grande mídia, seus principais aliados, voltassem resolutamente as costas ao Papa.

Os católicos alarmados com o curso das reformas empreendidas neste pontificado sofreram um duplo mal-entendido. Por um lado, a opinião católica convencional continuou a ver a menor crítica de um Papa reinante como uma espécie de apostasia menor ou, na melhor das hipóteses, algo que não é feito "na frente dos visitantes". A "papolatría" foi inoculada entre os católicos com força durante os últimos pontificados e é difícil de abalar.

Por outro lado, o elemento "progressista" dentro e, acima de tudo, fora da Igreja não só não encontrou nenhuma objeção em inovações, mas razões para celebrar a (enésima) "abertura" da igreja para o mundo. A Amoris Laetitia? Está na hora da Igreja admitir a comunhão dos divorciados! Abençoar os casamentos homossexuais? Quanto menos! O reconhecimento dos Bispos cismáticos chineses nomeados pelo Partido Comunista? Bem, todos sabem que os chineses são aqueles que melhor aplicam a Doutrina Social da Igreja, como disse o Arcebispo Marcelo Sanchez Sorondo.

Mas isso não tem nada a ver; isto da carta não ameaça a doutrina de séculos nem semeia confusão no que devemos acreditar como católicos nem coloca todo um bando de fiéis perseguidos nas mãos de seus perseguidores. Simplesmente, há posto contra Francisco, de um dia para o outro, todos os seus aliados da mídia mais "fiéis".

Nenhum lhe apoiou nisso, sequer pucos creram. Nós já mencionamos James Martin no outro dia, mas The Guardian também não oferece o benefício da dúvida, e o Boston Globe, o jornal que descobriu os primeiros escândalos de abusos clericais há décadas, dá manchete que "Uma carta de 2015 desmente as desculpas de ignorância do Papa sobre abusos clericais”.

Ninguém vai tocar nesse problema com uma vara. Colocando-se contra uma vítima de abuso sexual quando criança, em favor dos encobridores? Não, a possibilidade é zero.

Como poderia sair disso? O'Malley poderia dizer que talvez ele estivesse se equivocado em lembrar que ele havia entregue a carta ao Papa, ou que ele exagerou ao dizer que o tinha feito "em mãos". Ou o Papa poderia dizer que, se ele recebeu, ele não se lembra disso.

Mas não é só que algumas dessas desculpas parecerão improváveis; é que o assunto levou a traçar a história de Francisco em relação a esta questão e, a verdade, não deixa a investigação como um depurador apaixonado do abuso, apesar de sua Comissão para a Proteção da Criança - criada ad hoc para tratar casos como esse - e sua propaganda política de "tolerância zero". A propósito, a Comissão, por sinal, não funcionou, não serviu para nada, e não se renovou os cargos, deixando-a morrer docemente.

O 'caso Barros', por exemplo. Francisco nomeou ele bispo de Osorno não só contra a opinião da maioria dos bispos chilenos, mas também contra o conselho, em 2015, da Congregação para a Doutrina da Fé. O jornal católico italiano La Nuova Bussola Quotidiana conta que a Congregação, o então encarregado cardeal Muller ", realizou uma investigação preliminar sobre Barros e outros bispos perto de Karadima que levaram à decisão de liberá-lo de sua posição".

Mas, acrescenta o jornal ", com uma carta assinada pelo Papa em janeiro e enviada aos bispos do Chile, a investigação foi bloqueada e Barros logo foi promovido a bispo de Osorno".

O incidente teve outros danos colaterais. Três sacerdotes envolvidos na investigação foram imediatamente demitidos de seus cargos na Congregação para a Doutrina da Fé, de acordo com o jornalista italiano Marco Tossati. Quando, depois de três meses de tentativas mal sucedidas, Muller pôde conhecer o Papa para perguntar-lhe sobre a desconcertante tripla ordem de demissão, Tossati diz que a resposta foi: "Eu sou o Papa, não tenho que explicar nenhuma das minhas decisões. Eu decidi que eles têm que ir e eles têm que sair."

Onde, exatamente, está a "tolerância zero"? Quais os resultados que a nova política pode oferecer? Não é exatamente o caso de Battista Ricca, o prelado de fama ultrajante que Francisco promoveu, colocando-o no comando das finanças do Vaticano.

O caso de Ricca foi o que motivou a famosa questão retórica "Quem sou eu para julgar?" Na sua primeira conferência de imprensa no ar, algumas semanas após sua nomeação. O papa foi consultado sobre sua promoção naquele momento porque os assuntos de amores homossexuais do prelado eram discretos, mas Francisco insistiu que nada tinha sido "provado" contra ele.

Mas seu registro como pontífice em matéria de abusos clericais, se parece contrariar suas palavras, casa-se aparentemente muito bem com sua atuação como Arcebispo de Buenos Aires. De acordo com o Wall Street Journal, o então arcebispo Jorge Bergoglio recusou, em seus 21 anos de mandato, a receber vítimas de abusos clericais que tentaram contatá-lo desde 2002, quando o Papa e toda a hierarquia fizeram esforços extraordinários para responda as queixas dos lesados.

Um Papa não é um político que vai renunciar depois de um escândalo ser descoberto. Ele é o Vigário de Cristo, e a abdicação de seu antecessor já acabou por ser um grande choque para a Igreja. Mas é difícil prever que tudo vai continuar no Vaticano como tem sido depois do escândalo da carta.

Fonte: https://infovaticana.com/2018/02/12/francisco-la-carta-mas-alta/

 
 
 

Artigo Visto: 873 - Impresso: 9 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.139.846 - Visitas Únicas Hoje: 457 Usuários Online: 139