"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
08/05/2018
O Vaticano no tempo de um Papa elusivo
 

O Vaticano no tempo de um Papa elusivo

08/05/2018

https://i0.wp.com/www.marcotosatti.com/wp-content/uploads/2016/09/SanPietro1.jpg?resize=250%2C141

Por Marco Tosatti

Nas últimas semanas, ficou claro que a incapacidade - ou falta de vontade - do Pontífice reinante para cumprir a sua tarefa principal: a saber dar respostas precisas a perguntas precisas e não secundária à liderança da Igreja. Também emergiu que as Igrejas locais que o apoiaram e ajudaram a alcançar o trono de Pedro são aquelas que estão causando a ele o maior problema.

Vamos começar com o que tem sido, e permanece, talvez a pior figura deste pontificado. O caso do abuso sexual no Chile, as imprecisões (para não dizer mentiras) pronunciadas, o incrível apoio ao bispo Barros, e a tentativa de recuperar a mídia com grandes gestos, cartas, admissões para provar que o chefe está lá, e é capaz de administrar compreender e resolver problemas. A favor da mídia, mas há. O fato é que seus homens, aqueles que o ajudaram e/ou que promoveram, Errazuriz e Ezzati estão fortemente implicados em um caso que devastou a credibilidade da Igreja chilena.

Nós temos o caso alemão sob nossos olhos. A maioria dos bispos aprovou um projeto de ajuda pastoral que, com um truque - subterfúgio, poderíamos chamá-lo em italiano - permite a comunhão aos cônjuges protestantes dos cônjuges católicos. O ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e outras figuras proeminentes afirmam corretamente que é impossível, que não há senso comum. Sete bispos alemães, incluindo um cardeal, escrevem para Roma, pedindo que Pedro decida um ponto que só ele pode resolver com autoridade. E o que Pedro faz? Ele responde aconselhando a encontrar uma solução compartilhada ... Com a paz das pedras, do que está solto e do que está vinculado. Uma resposta - os leitores mais jovens vão me entender - que não pode ser mais ambíguo. Mas não de um papa. Como bem disse o cardeal de Utrecht, Eijk, com coragem e clareza. (esperamos que os outros - e eles são muitos cardeais - que vençam o medo e digam o que pensam?)

A poucos passos da Alemanha, na Bélgica, o Cardeal de Kesel confidencia a uma associação homossexual que os homossexuais têm direito à sua sexualidade, e que ele está pensando em alguma forma de bênção para os homossexuais cristãos que gostariam de reconhecimento da Igreja ao seu relacionamento. Na prática, eles jogam urtiga no Antigo e no Novo Testamento, no Catecismo da Igreja Católica, nos documentos do Magistério e até mesmo nas – palavras – que afirma o Pontífice. Mas De Kesel é o protegido de um dos grandes amigos, conselheiros e eleitores de Bergoglio, o polêmico Cardeal Danneels, envolvido em um caso de cobertura de abusos especialmente hediondo, a um amigo bispo que abusou de um sobrinho. Relâmpagos e trovões de Santa Marta? Mas nenhum suspiro.

Finalmente, o caso Alfie. A Igreja da Inglaterra e do País de Gales apóia os juízes e médicos que mataram Alfie Evans (e, antes dele, vários outros) contra toda vergonha e decência. Não só isso: perseguido contra toda decência e vergonha - mas que tipo de pessoas são esses Nichols e McMahon? Eu não digo padres, mas homens - o padre italiano, Gabriele Brusco, se manteve perto dos pais. O Papa comprometeu-se pessoalmente, neste caso, a favor dos meios de comunicação, colocou em marcha o Secretariado de Estado e o hospital Bambino Jesus, com os ingleses remando contra. Claro: Vincent Nichols é da mesma linha do cardeal Murphy o' Connor, grande amigo e eleitor de Bergoglio.

O Papa reinante reservou suas flechas para aqueles que não são seus amigos, que parecem muito tradicionais, (vide, Franciscanos da Imaculada, Arautos do Evangelho, Verbo Encarnado, Comunidade dos Apóstolos Sagrados etc. etc.) ou onde há interesses corpóreos: por exemplo na Ordem de Malta, conquistada com um golpe extraordinário, ou o IDI, pelo qual o Papa pediu 25 milhões de dólares aos leigos americanos da Fundação Papal (e os leigos americanos ficaram, com razão, ressentidos; como qualquer boa vaca ordenhada demais, sem vergonha e discrição).

Como cereja no topo do bolo, você também pode lembrar o caso Maradiaga e o caso Viganò. Uma coleção de escândalos em que o denominador comum é apenas um: a ausência de um guia autoritário e seguro. Que é diferente, muito diferente, de ocasionalmente e arbitrariamente autoritário. Dizer o quê de um papa.

Fonte: http://www.marcotosatti.com/2018/05/08/chiesa-il-vaticano-al-tempo-di-un-pietro-elusivo-il-caso-papa/

 
 
 

Artigo Visto: 550 - Impresso: 9 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.066.263 - Visitas Únicas Hoje: 58 Usuários Online: 187