"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
04/09/2018
Francisco, em Gaudete et exsultate: "Não é saudável amar o silêncio e evitar encontrar-se com o outro"
 

Francisco, em Gaudete et exsultate: "Não é saudável amar o silêncio e evitar encontrar-se com o outro"

04 de setembro de 2018

https://infovaticana.com/wp-content/uploads/2018/09/silencio.jpg

por Carlos Esteban

O papa disse em recente homilia em Santa Marta que a resposta aos ataques deve ser o silêncio, o mesmo silêncio que em Gaudate et Exsultate considerou "insano".

O silêncio é bom ou ruim, conveniente ou não? De acordo com Sua Santidade, a resposta deveria ser 'para o galego': depende. Na homilia de sua primeira missa em Santa Marta desde a eclosão do escândalo do Relatório Viganò, o Santo Padre nos ensina que "com pessoas que buscam apenas escândalos, que buscam apenas a divisão", o único caminho a seguir é o de "Silêncio" e "oração", que contrasta com o que ele nos diz no ponto 26 de Gaudete et exsultate ("Não é saudável amar o silêncio e evitar encontrar-se com o outro"), ou com 152 ("Porém rogo para que não entendamos o silêncio orante como uma evasão que nega o mundo que nos rodeia ").

Naturalmente, não é absolutamente incompatível que algo seja bom em uma circunstância e ruim em outra, mas há uma certa perplexidade nos momentos escolhidos por Francisco para elogiar o silêncio, quase tanto quanto sua crítica aparentemente geral em Gaudete.

A oportunidade da defesa de um silêncio que se apresenta indiscriminadamente como um "Cristo" nos coloca certas dificuldades.

O Santo Padre elogia exatamente o caminho que ele próprio escolheu no avião na volta da Irlanda, em resposta a uma pergunta de um jornalista sobre o recém-publicado relatório público do arcebispo Carlo María Viganò, agora em paradeiro desconhecido; e parece limitá-lo, na ocasião, como uma reação às acusações de "pessoas que buscam apenas o escândalo, que buscam apenas divisão".

Eu acho que estarão cientes do problema: quem sou eu para julgar se a pessoa que me acusa "procura apenas escândalo e divisão"? Essa mesma pessoa pode pensar a mesma coisa sobre mim; Poderia, se deixar-se ser arrastado pelo espírito de julgamento e se comportar como um pepino avinagrado, atribuir a mim um espírito de divisão ou mesmo um desejo de escapar de minhas responsabilidades.

Jesus, de fato, escolheu o silêncio diante de seus acusadores porque, sendo Deus, ele podia ler os corações e saber - não supor - que sua intenção era distorcida. Presumo que sua santidade não arrogue-se da mesma faculdade.

Uma dificuldade acrescida a esta da impossibilidade de julgar as intenções do acusador - seguindo o princípio 'De internis, neque ecclesia', nem a igreja pode entrar na alma dos seres humanos -, é que a atitude escolhida é muito semelhante à estratégia processual que qualquer jurista experiente reconhece em casos semelhantes. Os americanos chamam isso de "aproveitar a Quinta Emenda", e esse silêncio é comum entre os detentos.

De fato, os precedentes não são demasiado lisonjeiro se nós focalizarmos o caso em acusações contra clérigos em relação dos escândalos de abuso na história recente. Lembre-se, o último a ser comparado a Cristo em silêncio antes das acusações foi Marcol Maciel, o fundador diabólico dos Legionários de Cristo. Quando Maciel recebeu a notificação da Santa Sé destituindo-lhe diante das acusações, a Legião emitiu um comunicado de imprensa cujo segundo ponto diz o seguinte: "diante das acusações levantadas contra ele, declarou sua inocência e, seguindo o exemplo de Jesus Cristo, decidiu não defender-se de maneira alguma.

Não é um precedente tranquilizador. Como talvez nem sua santidade aproveitando-se de uma homilia para elogiar a posição que ele escolheu para seguir.

Além disso, o Santo Padre pode estar correto em recomendar o silêncio diante das acusações-sem julgamento de intenções-como uma mortificação adicionada para a perfeição da alma. Mas temos duas razões, acreditamos que de peso, em pensar que o conselho não se aplica a este caso.

Em primeiro lugar, o fiel que se recusa a responder às acusações feitas contra ele tem que ter como limite o escândalo: não há virtude em deixar que os outros pensem que fatos escandalosos são verdadeiros, se não são. Não apenas porque a verdade nos liberta e devemos confessá-la no tempo e também fora do tempo, mas porque essa obrigação é especialmente grave quando a falsidade pode levar ao desânimo e ao escândalo do próximo.

Em segundo lugar, não estamos diante de uma acusação privada, algo que afeta exclusivamente a alma de Jorge Bergoglio, mas uma denuncia que prejudica a própria Igreja. O Papa pode decidir que não responder à humilhação de um falso testemunho contra ele purifique sua alma, mas aqui não é sobre ele, mas de mais de um bilhão de fiéis católicos que querem conhecer a verdade e que, em sua esmagadora maioria, estão mais do que dispostos a acreditar no Santo Padre.

Pela honra da Igreja, pela edificação dos fiéis, para que brilhe a verdade, Sua Santidade poderia acabar com o tormento insuportável de tantos e dissipar as acusações com a simples ordem de que se mostre os documentos que comprovem sua inocência. Isso lhe imploramos.

Fonte: https://infovaticana.com/2018/09/04/francisco-en-gaudete-et-exsultate-no-es-sano-amar-el-silencio-y-rehuir-el-encuentro-con-el-otro/

 
 
 

Artigo Visto: 364 - Impresso: 5 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.279.902 - Visitas Únicas Hoje: 489 Usuários Online: 115