"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
14/09/2018
Porque eu acuso o Papa
 

Porque eu acuso o Papa

03/09/2018

https://pbs.twimg.com/media/DCx6vSAXgAEDpN6.jpg

Por Padre Kevin M. Cusick*| Tradução: FratresInUnum.com

Por muitos anos e até hoje, tornou-se bastante comum os padres serem tratados como se não tivessem consciência. Muitos foram levados a corromper os sacramentos sem o seu consentimento e agora estão sendo levados a agir assim exatamente por quem se encontra no topo da Igreja.

Há algum tempo, quando eu servia como capelão da Marinha Americana na Flórida, uma mulher veio até a capela com uma criança para solicitar o batismo. Sua visita causou uma das maiores crises na minha carreira naval e talvez até do meu sacerdócio. É aquela velha história: um adulto quer o batismo de uma criança, mas o adulto não frequenta a missa, o adulto está em pecado mortal, escandalizando a criança ou os filhos, assim como também não consegue criá-los na fé. O adulto precisa retornar primeiro à missa dominical regular e em seguida à confissão.

Estabelecer uma razoável esperança de que uma criança será educada na fé,  algo que a Igreja exige para o batismo infantil, sempre foi entendido por mim como significando que, no mínimo, a criança deveria ser educada na fé e capacitada a praticar sua fé, pelo menos participando da missa dominical, dependendo, é claro, da ajuda de um adulto para ir à missa até que ela tenha idade ou capacidade suficiente para ir sozinha.

Por compaixão em tais situações, a maioria dos sacerdotes provavelmente, como eu fiz, começa com uma explicação sutil que leve à conclusão de que o Batismo tem o propósito de nos levar para o Céu, vamos para o Céu cooperando com a graça do batismo e amando a Deus. Nós amamos a Deus, guardando os Mandamentos, incluindo aí a santificação do Dia do Senhor através da Missa, e não podemos razoavelmente presumir que estamos indo para o Céu, se optamos por não fazê-lo de livre e espontânea vontade. Eu geralmente também ofereço a informação de que um motivo grave o desculparia da obrigação grave de cumprir o Terceiro Mandamento e ainda pergunto ao adulto se ele ou ela realmente omitiu comparecer à Missa por tal razão.

Bem, ela saiu do meu escritório e apresentou uma queixa contra mim. A conversa que correu em seguida é que o arcebispo militar iria retirar-me do meu posto. O motivo teria sido que ele foi levado a acreditar que eu disse à mulher que “ela estava indo para o Inferno, na frente de sua filha de seis anos”. Não importava que fosse mentira. Se um capelão militar perde o aval do Arcebispo, ele está fora de serviço em 24 horas: sem aposentadoria, todos os seus anos de serviço ativo perdidos. Desastre total.

O chefe dos capelães da Marinha na época convenceu então ao arcebispo a investigar o assunto com a ajuda de um outro capelão que se reunia comigo e discutia a acusação. Assim foi feito, e eu disse a ele que nunca havia dito essas palavras para a mulher e, de fato, nunca as dissera a ninguém. Como é que eu vou saber para onde alguém vai depois que eles morrem? Impossível para qualquer um, incluindo um padre! É simplesmente irracional.

Mas também, como escreveria mais tarde numa carta ao arcebispo, considero tal comportamento um abuso pastoral. Se eu tivesse realmente feito tal coisa, deveria ser tratado com a maior severidade.

O arcebispo também disse que aquele episódio tinha sido  “a gota d’água”,  porque houve outras reclamações contra mim anteriormente. Em minha defesa, dei a entender que ninguém da arquidiocese jamais havia me informado que esse era o caso. A história terminou comigo dando um fim ao meu período de serviço ativo, depois de me afiliar à Reserva e me aposentar no ano passado. Incólume.

É verdade que eu me tornei conhecido por pregar sobre a Humanae Vitae e outros “tópicos tabus” e, por outro lado, por perturbar o “carrinho de maçãs” cuidadosamente equilibrado no mundo do capelão católico na época, e depois teria adquirido fama em outros lugares como sendo um “tanque” para clérigos errantes. O capelão sênior intercedendo a meu favor ofereceu então uma solução dizendo: “batize todos eles”. Mas isso não é o que a Igreja diz. E é aí que entra a consciência do padre. A Igreja diz que o sacerdote deve estabelecer uma esperança razoável de que a criança será criada na fé. O padre deve averiguar os fatos e, se tal não for o caso, trabalhar nessa intenção. Mas ele não pode fazer isso sem a cooperação dos pais. Ele deve seguir sua consciência e negar o Batismo se os pais rejeitarem a fé por recusar a praticá-la.

A corrupção dos sacramentos é a maior ameaça para os fiéis que estão sentados nos bancos da Igreja. Sim, eles lutarão com unhas e dentes para tentar obter a graça sob falsas circunstâncias, mas os sacerdotes e fiéis católicos devem se esforçar com todas as forças para dar-lhes a salvação com base no amor verdadeiro. Os sacerdotes muitas vezes se tornam máquinas irracionais de dispensar sacramentos de qualquer jeito,  como se fossem máquinas de dispensar doces que se encontra em todo canto.

A carta do arcebispo Viganò, que atualmente está causando um furor no mundo católico, é simplesmente a gota d’água que fez o copo entornar para o lado do papa Francisco. Temos sido constantemente submetidos a mais e mais abusos dos sacramentos, enquanto os fiéis permanecem como sapos dentro da água que começa a ferver.

Logicamente, existe uma distância curta entre a corrupção da Comunhão, como por exemplo, dando o Senhor sacramentalmente a fornicadores ou adúlteros, como sugere a Amoris Laetitia, e a permissão para que um cardeal predador homossexual volte à circulação depois que o papa anterior tentou proteger os fiéis censurando-o. Isto é o que parece ter sido feito por Francisco no caso do ex-cardeal Theodore McCarrick, com pleno conhecimento de seus crimes. Independentemente disso, Francisco é o Papa e, como tal, é seu trabalho saber. Eu escolho acreditar no Arcebispo Viganò quando ele escreve que deu ao papa todas as oportunidades para tomar conhecimento dos crimes de McCarrick antes de colocá-lo de novo na ativa.

Estes são abusos pastorais: o silêncio quando falar dissiparia a confusão. Propagar o erro em vez da doutrina católica. Restaurar o clero reprovado e censurado de volta à boa reputação e a nomeação de bispos e cardeais pró-homossexualistas para os grandes eventos.

Todos os sacerdotes têm consciência, assim como todo fiel católico, e também têm o direito e o dever de falar. A todos os nossos sacerdotes, eu suplico: você deve ao seu rebanho a coragem e liderança clara.  Não permaneça mais em silêncio. Forme e siga suas consciências. Recuse-se a corromper os sacramentos e a trair as almas, pois nós, que somos sacerdotes, estaremos traindo nossa própria salvação se assim o fizermos.

Precisamos parar de mentir para nós mesmos: o testemunho Viganò é apenas a gota d’água. A evidência existe e é abundante. Culpado como acusado. Qualquer pessoa sensata esperaria que um padre ou bispo que abusasse tanto de seu rebanho fosse deposto.

O Papa Francisco continua seu curso de destruição através de nomeações episcopais desastrosas para Newark, Chicago e San Diego, feitas com prelados à sua imagem e que zombam de nossa inteligência com sua tagarelice sem sentido e ideologia pró-homossexualista. Se não deixamos falar nossas consciências, estaremos comprometendo nossa própria salvação, assim como também a daqueles que traímos com o nosso silêncio.

* Padre Kevin M. Cusick é Capelão militar, exerce seu ministério atualmente em Washington, EUA, palco da crise atual envolvendo as denúncias de Mons. Viganò contra o Cardeal Arcebispo Wuerl e o Papa Francisco.

Obrigado por ler e louvado seja Jesus Cristo, agora e para sempre.

Fonte:https://fratresinunum.com/2018/09/14/porque-eu-acuso-o-papa/

 
 
 

Artigo Visto: 524 - Impresso: 6 - Enviado: 3

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.279.947 - Visitas Únicas Hoje: 534 Usuários Online: 123