"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
06/11/2018
A Igreja deve ser clara: a verdade ser absoluta e os pecadores devem se converter
 

A Igreja deve ser clara: a verdade ser absoluta e os pecadores devem se converter

publicado quarta-feira, 31 out 2018

Dizer aos pecadores que eles de fato não se desviaram é levar suas almas a um grave perigo

http://catholicherald.co.uk/content/uploads/2018/10/GettyImages-163997168-800x500.jpg

por Pe. Alexander Lucie-Smith

Dr. Samuel Gregg tem um artigo brilhante no Catholic World Report, que todo mundo precisa ler. Intitulado “Uma Igreja se afogando em Sentimentalismo”, resume em poucas palavras o que há de errado com o discurso da Igreja moderna.

Concordo com tudo o que o Dr. Gregg tem a dizer, mas gostaria de acrescentar meus próprios pensamentos também.

Alguns anos atrás, todas as faculdades católicas do mundo foram convidadas a realizar uma conferência sobre Direito Natural. Eu estava ensinando em um colégio católico em Nairóbi e participei de uma dessas conferências. Lembro-me de falar sobre a universalidade do Direito Natural e contrastando-o com a particularidade dos insights culturais. Embora os insights culturais pudessem levar à verdade (assim como seu oposto), eles precisavam do desafio do Direito Natural como um corretivo. Todos os nossos costumes precisam ser examinados de tempos em tempos à luz da Lei Natural. Então a conversa se moveu para a Liturgia e a maneira como o Rito Romano transcende o mero tempo e lugar, mas encontra um ajuste adequado com uma variedade de culturas. Lembro-me de afirmar que não era necessário adaptar a missa à nossa própria situação; em vez disso, devemos nos adaptar às verdades eternas reveladas na missa.

Ao expressar estes pensamentos, estava a desenvolver um pensamento do grande e bom Pe. Francesco Pierli, missionário comboniano, que dissera noutro fórum que a Bíblia era “um momento no tempo que ilumina todos os momentos no tempo”. obvio teológico, voltando a Santo Agostinho, mas belamente expresso, me pareceu, pelo bom padre Pierli.

Nossos irmãos protestantes em suas pregações frequentemente trabalham em um esquema que tem como primeiro movimento o que eles chamam de "convicção do pecado". (Isso é brilhantemente enviado por Stella Gibbons em Cold Comfort Farm, onde, você deve se lembrar, o sermão do casamento começa com as memoráveis ​​palavras "Você está condenado!") Mas a convicção do pecado não deve ser descartada: uma parte essencial do a proclamação cristã, embora não necessariamente sua primeira parte, é a narrativa da falha humana com a qual o ouvinte deve ser capaz de se identificar. Isso às vezes é expresso pelos teólogos da seguinte maneira: a revelação de Deus nos coloca em dúvida. Dito de outra forma, Jesus não veio para nos dar um tapinha nas costas, ele veio para nos deixar profundamente desconfortáveis ​​e para nos fazer perceber que todos nós temos que mudar. Ou como o grande Rowan Williams disse uma vez: “Jesus não é aquele que responde às nossas perguntas, Ele é quem questiona nossas respostas.” E vamos lembrar que nossas respostas não são muito boas, como o estado do mundo. e o estado de nossas próprias vidas dá ampla evidência.

No entanto, o fato incontestável de que o pecado existe é aquele que dificilmente ousamos sussurrar nos dias de hoje, como o Dr. Gregg deixa claro. Afinal de contas, esperamos que o mundo esteja no negócio de afirmar que as pessoas não as desafiam. Mas afirmar que as pessoas podem envolver mentir para elas, e isso não é bom. Temos que dizer a verdade e insistir nisso, dentro ou fora de época, como alguém disse uma vez. Isso, no entanto, exige um mínimo de coragem e pode tornar o pregador impopular. Mas o fato é que a verdade deve ser proclamada e a inverdade deve ser desafiada. Nem todas as escolhas que fazemos são boas; muitos deles são pecaminosos; dizer aos pecadores que eles de fato não se desviaram é levar suas almas a um grave perigo.

Onde isso nos deixa? Dois grandes recursos que temos à nossa disposição são Fides et Ratio e Veritatis Splendor, ambas encíclicas de São João Paulo II. Ambos são chamados à humanidade para perceber que a subjetividade não é a última palavra; há verdade moral objetiva e essa verdade objetiva que podemos alcançar através da razão. Ambos oferecem oposição ao que Bento XVI classificou de forma tão memorável como a ditadura do relativismo - a crença absoluta (e autocontraditória) de que todas as crenças são subjetivas.

Como muitos de meus contemporâneos no sacerdócio, estou desanimado que Veritatis Splendor e Fides et Ratio pareçam tão negligenciados nos dias de hoje. Nós os negligenciamos por nossa conta e risco. Assim como foi uma boa idéia realizar um simpósio sobre Lei Natural há uma década, em Nairóbi, pode ser uma idéia realizar uma conferência agora na Veritatis Splendor ou Fides et Ratio. Talvez alguma faculdade católica gostaria de aceitar esse desafio? A alternativa, o sentimentalismo do qual o Dr. Gregg escreve, não deve receber um passe livre.

 

Fonte:http://catholicherald.co.uk/commentandblogs/2018/10/31/the-church-must-be-clear-truth-is-absolute-and-sinners-must-convert/?platform=hootsuite

 
 
 

Artigo Visto: 202 - Impresso: 6 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.280.289 - Visitas Únicas Hoje: 876 Usuários Online: 150