"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
23/11/2018
Cardeal Müller sobre a crise dos abusos e sua ligação com a homossexualidade no sacerdócio
 

Cardeal Müller sobre a crise dos abusos e sua ligação com a homossexualidade no sacerdócio

21 de novembro de 2018

https://www.lifesitenews.com/images/made/images/local/Cardinal_Gerhard_Muller_-_Getty_810_500_75_s_c1.jpg

(LifeSiteNews) - O cardeal Gerhard Müller, ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (2012-2017), concedeu uma entrevista ao LifeSiteNews, na qual ele discute em profundidade os problemas da atual crise de abuso sexual clerical. .

Nesta discussão sobre a crise dos abusos, Müller não se esquiva de apontar que a Igreja precisa abordar o problema da homossexualidade praticada nas fileiras do clero, dizendo que "a conduta homossexual dos clérigos não pode em caso algum ser tolerada".

Ele afirma, no entanto, que os líderes da Igreja Católica ainda subestimam esse problema. O prelado afirma: "Que McCarrick, junto com seu clã e uma rede homossexual, foi capaz de causar estragos de maneira mafiosa na Igreja está conectado com a subestimação da depravação moral dos atos homossexuais entre os adultos."

O cardeal Müller também desafia o Vaticano por sua falta de investigações sérias - desde cedo - sobre os rumores sobre McCarrick, dizendo que é necessário um pedido público de desculpas. Ele escreve que “deve haver uma explicação pública muito clara sobre esses eventos e as conexões pessoais, bem como a questão de quanto as autoridades da Igreja envolvidas conheciam a cada passo; tal explicação poderia muito bem incluir uma admissão de uma avaliação errada de pessoas e situações. ”

O Cardeal Müller critica como “erro desastroso” as mudanças no Direito Canônico que foram feitas no Código de Direito Canônico de 1983 que, ao lidar com ofensas sacerdotais contra o Sexto Mandamento, nem sequer menciona a homossexualidade como uma ofensa, e que contém um conjunto menos rigoroso de penalidades contra os padres abusadores.

Voltando à questão da crise dos abusos, o prelado alemão explica que, na Igreja, “é parte da crise que não se deseja ver as verdadeiras causas e as cobre com a ajuda de frases de propaganda do lobby homossexual. A fornicação com adolescentes e adultos é um pecado mortal que nenhum poder na terra pode declarar ser moralmente neutro. ”Ele chama a ideologia“ LGBT ”dentro da Igreja de“ ateísta ”, e acrescenta, à luz do recente Sínodo da Juventude em Roma, que o termo "LGBT" "não tem lugar nos documentos da Igreja".

Além disso, o cardeal Müller, à luz de seu tratamento mais rigoroso dos casos de abuso sexual na CDF, questiona se havia um lobby homossexual no Vaticano que se alegrava em vê-lo ser demitido: “Mas pode ser que os tenha agradado Eu não ter mais a tarefa na Congregação para a Doutrina de lidar com crimes sexuais, especialmente contra adolescentes do sexo masculino. ”

Discutindo possíveis razões para o seu súbito despedimento do CDF – para o qual o Papa Francisco nunca lhe deu nenhuma razão – o Cardeal Müller volta à sua defesa da doutrina católica sobre o casamento no que diz respeito à exortação pós-sinodal do Papa Francisco Amoris Laetitia. Ele diz: "Amoris Laetitia tem que estar absolutamente de acordo com a Revelação, e não é nós que temos de estar de acordo com Amoris Laetitia, pelo menos não na interpretação que contradiz, de forma herética, a palavra de Deus. E seria um abuso de poder disciplinar aqueles que insistem em uma interpretação ortodoxa desta Encíclica e de todos os documentos magisteriais papais. "

O cardeal alemão recorda o correto papel do Papa como guardião da fé quando diz: “O Magistério dos Bispos e do Papa está sob a Palavra de Deus na Sagrada Escritura e Tradição e serve-O. Não é de todo católico dizer que o papa, como indivíduo, recebe diretamente do Espírito Santo a Revelação e que agora pode interpretá-la de acordo com seus próprios caprichos, enquanto todos os demais devem segui-lo cegamente e em silêncio ”.

Entrevista completa com o cardeal Gerhard Müller:

LifeSite: Os bispos dos EUA acabaram de concluir sua assembléia em Baltimore, onde não foram autorizados a votar diretrizes nacionais relativas ao envolvimento episcopal em casos de abuso sexual (seja por comissão ou por omissão ou encobrimento), porque o Vaticano lhes disse para não fazer isso. As novas diretrizes continham um código de conduta e um órgão de supervisão para investigar bispos acusados de má conduta. Muitos católicos nos EUA aguardavam alguns passos concretos e agora estão indignados. Você acha que esta decisão é sensata, ou acha que os bispos dos EUA deveriam ter sido capazes de estabelecer suas próprias diretrizes e comissões nacionais, assim como os próprios bispos franceses fizeram este mês?

Cardeal Gerhard Müller: É preciso fazer uma distinção estrita entre os crimes sexuais e sua investigação pela justiça secular - aos olhos dos quais todos os cidadãos são iguais (portanto, um lex separado [lei] para a Igreja Católica constituiria uma contradição ao moderno , estado democrático de direito) - e os procedimentos canônicos para clérigos nos quais a autoridade eclesiástica determina as penalidades para qualquer falta de conduta que contradiga diametralmente o ethos sacerdotal.

O bispo tem a jurisdição canônica sobre cada clérigo em sua diocese, que está conectada, em casos especiais, com a Congregação da Fé em Roma, que atua na autoridade do Papa. Se um bispo não cumprir com sua responsabilidade, ele poderá ser responsabilizado pelo Papa. As conferências episcopais podem estabelecer diretrizes para a prevenção e para processos canônicos, ambos dando ao bispo em sua própria diocese um instrumento valioso.

Nós precisamos manter uma mente clara no meio da situação de crise nos EUA. Nós não teremos sucesso com a ajuda de uma lei de linchamento e uma suspeita geral contra todo o episcopado ou de “Roma”. Eu não vejo isso como uma solução que os leigos assumem agora o controle, só porque os bispos (como alguns acreditam) não são capazes de fazê-lo com sua própria força. Não podemos superar as deficiências virando de cabeça para baixo a constituição hierárquico-sacramental da Igreja. Catarina de Siena apelou sincera e incansavelmente às consciências dos papas e bispos, mas não as substituiu em suas posições. Essa é a diferença para Lutero, devido a quem ainda sofremos com a divisão do cristianismo. Seria importante que a Conferência dos Bispos dos EUA assumisse sua responsabilidade com independência e autonomia. Os bispos não são empregados do Papa que estão sujeitos a diretivas nem, como nos militares, generais que devem obediência absoluta ao comando superior. Em vez disso, eles carregam junto com o sucessor de Pedro, como pastores apontados pelo próprio Cristo, responsabilidade pela Igreja Universal. Mas de Roma, podemos esperar que sirva à unidade na fé e na comunhão dos sacramentos. Esta é a hora de uma boa colaboração na superação da crise, e não da polarização e de um compromisso, de modo que em Roma se está zangado com os Bispos dos EUA e nos EUA, as pessoas estão zangadas com Roma.

LifeSite: Uma parte essencial das discussões durante a reunião do USCCB ainda era o escândalo de McCarrick e como era possível que alguém como McCarrick pudesse ascender aos níveis mais altos da Igreja Católica nos EUA, com muita influência consequencial em Roma. Quais são suas próprias reflexões sobre o caso McCarrick e o que a Igreja deveria aprender com o fato de que havia uma rede de silêncio que cercou um homem que em sua vida desafiava constantemente as leis da Igreja praticando a homossexualidade, seduzindo seminaristas que dependiam de ele e, assim, levando-os ao pecado, e, pior de tudo, abusando de menores?

Müller: Eu não o conheço e desejo me abster de qualquer julgamento. Espero que em breve haja um processo canônico na Congregação para a Fé, também para trazer luz aos crimes sexuais cometidos com jovens seminaristas. No meu tempo como Prefeito da Congregação para a Fé (2012-2017), ninguém me disse nada sobre esse problema, muito provavelmente, porque alguém teria temido por mim uma reação muito “rígida”. Que McCarrick, junto com seu clã e uma rede homossexual, foi capaz de causar estragos de maneira mafiosa na Igreja está relacionado com a subestimação da depravação moral dos atos homossexuais entre os adultos. Mesmo se em Roma se supunha ouvir apenas alguns rumores, era preciso investigar o assunto e verificar a veracidade das acusações e também abster-se de qualquer promoção episcopal [de McCarrick] à importantíssima diocese da capital [Washington, DC e também abster-se de nomeá-lo para se tornar cardeal da Santa Igreja Romana. E quando até já foi pago algum dinheiro - e com isso, a admissão de seus crimes sexuais com homens jovens - então toda pessoa razoável pergunta como tal pessoa pode ser uma conselheira do Papa em relação a compromissos episcopais. Não sei se isso é verdade, mas precisaria ser esclarecido. O mercenário ajuda na busca de bons pastores para o rebanho de Deus - ninguém pode entender isso. Nesse caso, deve haver uma explicação pública sobre esses eventos e as conexões pessoais, bem como a questão de quanto as autoridades da Igreja envolvidas conheciam a cada passo; tal explicação poderia muito bem incluir uma admissão de uma avaliação errada de pessoas e situações.

LifeSite: Você durante os últimos cinco anos testemunhou casos em que o então cardeal McCarrick recebeu influência considerável ou missões específicas do papa ou do Vaticano?

Müller: Como eu disse, não fui informado sobre nada. Um disse que a Congregação de Fé era meramente responsável pelo abuso sexual de menores, mas não de adultos - como se ofensas sexuais cometidas por um clérigo com outro clérigo ou com um leigo também não fossem uma violação grave da Fé e de a santidade dos sacramentos. Salientei repetidamente que também a conduta homossexual dos clérigos não pode, em hipótese alguma, ser tolerada; e que a moralidade sexual da Igreja não pode ser relativizada pela aceitação mundana da homossexualidade. Também é preciso diferenciar entre a conduta pecaminosa em um caso individual, um crime, e uma vida realizada em um estado continuamente pecaminoso.

LifeSite: Um dos problemas do caso McCarrick é que, já em 2005 e em 2007, houve acordos legais com algumas de suas vítimas, mas a Arquidiocese de Newark - na época sob o arcebispo John J. Myers - não informou a público, nem seus próprios sacerdotes, sobre eles. Assim, ele reteve informações vitais para aqueles que ainda trabalhavam com McCarrick ou confiavam nele. Como fez o cardeal Joseph Tobin, quando se tornou, em janeiro de 2017, o arcebispo de Newark. Pelo que sei, nem Myers nem Tobin emitiram um pedido de desculpas por essa omissão e quebra da confiança de seus padres. Você acha que a Arquidiocese deveria ter divulgado o fato desses assentamentos legais, especialmente desde que em 2002, a Carta de Dallas dos EUA pediu mais transparência?

Müller: Antigamente, supunha-se que se poderia resolver casos tão difíceis de maneira quieta e discreta. Então, no entanto, o ofensor também foi capaz de continuar a abusar da confiança de seu bispo. Na situação atual, os católicos e o público têm direito moral à publicação desses eventos. Não se trata de acusar alguém, mas de aprender com os erros.

LifeSite: Pode um problema moral ser resolvido com a criação de novas diretrizes, ou precisamos aqui na Igreja de uma conversão mais profunda dos corações?

Müller: A origem de toda essa crise está na secularização da Igreja e na redução do padre ao papel de funcionário. É finalmente o ateísmo que se espalhou dentro da Igreja. De acordo com esse espírito maligno, a Revelação concernente à Fé e à moral está sendo adaptada ao mundo sem Deus, de modo que não interfira mais com uma vida de acordo com as próprias luxúrias e necessidades. Apenas cerca de 5% dos infratores estão sendo avaliados como patologicamente pedófilos, enquanto a grande massa de delinqüentes espezinhou livremente o Sexto Mandamento por sua própria imoralidade e assim desafiou, de uma maneira blasfemadora, a Santa Vontade de Deus.

LifeSite: O que você acha da ideia de estabelecer uma nova lei da Igreja que proponha a excomunhão para os padres abusadores?

Müller: A excomunhão é uma pena coerciva e deve ser removida imediatamente em caso de arrependimento pelo ofensor. Mas, no caso de sérios abusos e outras ofensas contra a Fé e a unidade da Igreja, pode-se impor a demissão permanente do estado clerical, isto é, uma interdição permanente de atuar como sacerdote.

LifeSite: O antigo Código de Direito Canônico de 1917 tinha um conjunto claro de penalidades impostas a um padre agressor, bem como a um padre homossexualmente ativo. Estas penas concretas foram em grande parte removidas no Código de 1983, que é mais vago e agora nem sequer menciona atos explicitamente homossexuais. Você acha que, à luz da grave crise de abuso, a Igreja deveria retornar a um conjunto mais rigoroso de penalidades automáticas nesses casos?

Müller: Isso foi um erro desastroso. Os contatos sexuais entre pessoas do mesmo sexo contradizem completamente e diretamente o sentido e o propósito da sexualidade como fundamentados na criação. Eles são a expressão de um desejo e instinto desordenados, assim como é um sinal da relação quebrada entre o homem e seu Criador desde a Queda do Homem.

O sacerdote celibatário e o sacerdote casado no Rito Oriental têm que ser modelos para o rebanho e também devem dar um exemplo de que a redenção também engloba o corpo e as paixões corporais. Não o desejo selvagem de satisfação, mas a doação corporal e espiritual, em ágape, a uma pessoa do outro sexo, é o sentido e propósito da sexualidade. Isso leva à responsabilidade pela família e pelos filhos que Deus deu.

LifeSite: Durante o recente encontro de Baltimore, o cardeal Blase Cupich afirmou que se deve "diferenciar" entre atos sexuais consensuais entre adultos e o abuso de menores, implicando que as relações homossexuais de um padre com outro adulto não são um grande problema. Qual é a sua própria resposta a esse tipo de abordagem?

Müller: Pode-se diferenciar tudo - e depois mesmo considerar-se um grande intelectual - mas não um pecado grave que exclua uma pessoa do Reino de Deus, pelo menos não como o bispo que é obrigado a não exibir o gosto de o tempo [“Zeitgeschmack”], mas sim, defender a verdade dos Evangelhos. Parece que chegou a hora “quando eles não suportarão a sã doutrina; mas, segundo os seus próprios desejos, amontoarão para si mesmos mestres, com comichão nos ouvidos: E, na verdade, desviarão os seus ouvidos da verdade, mas se voltarão para fábulas ”(2 Timóteo 4: 3f).

LifeSite: Em seu trabalho como Prefeito da CDF, você teve a supervisão de muitos casos de abuso sexual clerical que a CDF investigou. É verdade que a maioria das vítimas nesses casos eram adolescentes do sexo masculino?

Müller: Mais de 80% das vítimas desses ofensores sexuais são adolescentes do sexo masculino. Não se pode concluir disso, no entanto, que a maioria dos padres é propensa à fornicação homossexual, mas, sim, apenas que a maioria dos infratores tem procurado, em sua profunda desordem de suas paixões, vítimas do sexo masculino. De todas as estatísticas criminais, sabemos que a maioria dos ofensores de abuso sexual são parentes, até mesmo os pais de seus próprios filhos. Mas não podemos concluir disso que a maioria dos pais é propensa a tais crimes. É preciso sempre ter muito cuidado para não fazer generalizações a partir de casos concretos, para que assim não se incluam slogans e preconceitos anticlericais.

LifeSite: Se este é o caso - e o estudo dos abusos sexuais dos bispos alemães, assim como o Relatório John Jay, mostrou números semelhantes - então a Igreja não deveria lidar mais diretamente com o problema da presença de padres homossexuais?

Müller: Na minha opinião, não existem homens homossexuais ou mesmo padres. Deus criou o ser humano como homem e mulher. Mas pode haver homens e mulheres com paixões desordenadas. A comunhão sexual tem seu lugar exclusivamente no casamento entre um homem e uma mulher. Do lado de fora, há apenas fornicação e abuso da sexualidade, tanto com pessoas do sexo oposto, quanto com a intensificação não natural do pecado com pessoas do mesmo sexo. Somente aquele que aprendeu a se controlar preenche também a pré-condição moral para a recepção da ordenação sacerdotal (ver I Timóteo 3: 1-7).

LifeSite: Parece que temos uma situação na Igreja agora, onde ainda não existe sequer um consenso presente que reconheça que os padres homossexualmente ativos têm um grande papel na crise dos abusos. Mesmo alguns documentos do Vaticano ainda falam de “pedofilia” ou de “clericalismo” como o principal problema. O jornalista italiano Andrea Tornielli chegou ao ponto de afirmar que McCarrick não tinha relações homossexuais, mas que eles eram mais do que exercer seu poder sobre os outros. Ao mesmo tempo, temos outros, como o Padre James Martin, SJ, que viaja pelo mundo (e até foi convidado para o Encontro Mundial da Família na Irlanda) e promove a ideia de “LGBT-Católicos” e até afirma que alguns santos provavelmente foi homossexual. Ou seja, há agora uma forte tendência na Igreja de minimizar o caráter pecaminoso dos relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo. Você concordaria aqui, e se sim, como isso poderia - e deveria - ser remediado?

Müller: É parte da crise que não se deseja ver as verdadeiras causas e encobre-as com a ajuda de frases de propaganda do lobby homossexual. A fornicação com adolescentes e adultos é um pecado mortal que nenhum poder na terra pode declarar ser moralmente neutro. Essa é a obra do diabo - contra a qual o Papa Francisco freqüentemente adverte - que ele declara que o pecado é bom. “Alguns se desviarão da fé, dando ouvidos a espíritos errantes e doutrinas de demônios, falando mentiras de hipocrisia e com a consciência gravemente ferida.” (1 Tim. 4: 1f) É realmente absurdo que, de repente, as autoridades eclesiais utilizem os slogans de combate contra a Igreja, jacobinos, nazistas e comunistas, contra os padres sacramentalmente ordenados. Os sacerdotes têm autoridade para proclamar os evangelhos e administrar os sacramentos da graça. Se alguém abusa de sua jurisdição para alcançar objetivos egoístas, ele próprio não é clerical de forma exagerada, mas, antes, ele mesmo é anticlerical, porque nega a Cristo que deseja trabalhar através dele. O abuso sexual por parte dos clérigos é, então, no máximo, chamado de anticlerical. Mas é óbvio - e só pode ser negado por alguém que deseja ser cego - que os pecados contra o Sexto Mandamento do Decálogo derivam de inclinações desordenadas e, portanto, são pecados de fornicação que excluem alguém do Reino de Deus, pelo menos o mesmo tempo como alguém não se arrependeu e fez expiação, e enquanto não existe a firme resolução de evitar tal pecado no futuro. Toda essa tentativa de ofuscar as coisas é um mau sinal da secularização da Igreja. Um pensa como o mundo, mas não como Deus o quer.

LifeSite: No recente Sínodo da Juventude em Roma, um tom similar pode ser ouvido. O documento de trabalho usa pela primeira vez o termo “LGBT”, e o documento final enfatizou a necessidade de receber os homossexuais na Igreja, e até rejeitou “qualquer forma de discriminação” contra eles. No entanto, tais declarações não minam efetivamente a prática permanente da Igreja de não contratar homossexuais praticantes, por exemplo, como professores em escolas católicas?

Müller: A ideologia LGBT é baseada em uma falsa antropologia que nega a Deus como o Criador. Como é, em princípio, ateísta ou talvez tenha a ver apenas com um conceito cristão de Deus à margem, ele não tem lugar nos documentos da Igreja. Este é um exemplo da influência insidiosa do ateísmo na Igreja, que tem sido responsável pela crise da Igreja por meio século. Infelizmente, isso não para de funcionar nas mentes de alguns pastores que, em sua crença ingênua de serem modernos, não percebem o veneno que eles bebem dia a dia, e que eles então oferecem para os outros beberem.

LifeSite: Não podemos dizer agora que temos um forte “lobby gay” dentro das fileiras da Igreja Católica?

Müller: Eu não sei porque essas pessoas não se mostram para mim. Mas poderia ser para que lhes agradasse não ser mais incumbido da Congregação para a Doutrina [da Fé] lidar com crimes sexuais, especialmente contra adolescentes do sexo masculino.

LifeSite: Você revelou recentemente que, enquanto trabalhava na Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), o papa estabeleceu uma comissão que deveria aconselhar a CDF sobre possíveis penalidades para os padres abusadores. Essa comissão, no entanto, tendia a ter uma atitude mais indulgente em relação aos padres abusadores, ao contrário de você que desejava uma laicização em casos graves (como o caso do padre Mauro Inzoli). Agora, a revista jesuíta América revelou no ano passado - no momento de sua demissão do cargo de prefeito da CDF - “que vários cardeais pediram a Francisco que retirasse o cardeal Müller do posto porque ele havia, em várias ocasiões, publicamente discordou ou se distanciou das posições do papa, e eles sentiram que isso estava prejudicando o ofício papal e o magistério. ”Você mesmo vê uma possível conexão entre seus próprios padrões mais rígidos e atitude em relação aos padres abusadores e um grupo de cardeais próximos ao papa deseja uma abordagem mais branda? Se este não for o caso, você ainda diria que foi removido por causa de sua defesa mais firme da ortodoxia?

Müller: A primazia do Papa está sendo minada pelos bajuladores e carreiristas da corte papal - é isso que o famoso teólogo Melchior Cano já disse no século 16 - e não por aqueles que aconselham o papa de maneira competente e responsável. . Se é verdade que há um grupo de cardeais que me acusou diante do papa do desvio de minhas idéias, então a Igreja está em mau estado. Se esses homens fossem corajosos e corretos, teriam falado comigo diretamente, e deveriam saber que eu, como bispo e cardeal, devo representar o ensinamento da Fé Católica, e não justificar as diferentes opiniões particulares de um Papa. Sua autoridade é estendida sobre a fé revelada da Igreja Católica e não sobre as opiniões teológicas individuais de si mesmo ou de seus conselheiros. Eles podem talvez me acusar de interpretar Amoris Laetitia de maneira ortodoxa, mas não podem provar que me desviei da doutrina católica. Além disso, é irritante que pessoas com falta de educação tenham sido promovidas a bispos que, por sua vez, acham que devem agradecer ao Papa por meio de uma submissão infantil. Talvez eles possam ter lido meu livro O Papa. Missão e mandato (Herder Verlag; está disponível em alemão e espanhol; as traduções para italiano e inglês estão sendo feitas atualmente). Então poderíamos continuar a discutir as coisas nesse nível.

O Magistério dos Bispos e do Papa está sob a Palavra de Deus na Sagrada Escritura e Tradição e serve a Ele. Não é de todo católico dizer que o papa, como indivíduo, recebe diretamente do Espírito Santo a Revelação, e que agora ele pode interpretá-la de acordo com seus próprios caprichos, enquanto todos os demais devem segui-lo cegamente e em silêncio. Amoris Laetitia tem que estar absolutamente de acordo com a Revelação, e não somos nós que temos que estar de acordo com Amoris Laetitia, pelo menos não na interpretação que contradiz, de maneira herética, a Palavra de Deus. E seria um abuso de poder disciplinar aqueles que insistem numa interpretação ortodoxa desta encíclica e de todos os documentos magisteriais papais. Somente aquele que está no estado da Graça também pode receber proveitosamente a Sagrada Comunhão. Essa verdade revelada não pode ser derrubada por nenhum poder no mundo, e nenhum católico pode acreditar no oposto ou ser forçado a aceitar o oposto.

LifeSite: Em quais campos você mesmo era o Prefeito da CDF, o que mais se opunha às inovações propostas para a Igreja? Quais partes do seu testemunho você acha que, olhando para trás, contribuíram mais para que você fosse dispensado e tratado de tal maneira que você não recebesse nenhuma posição alternativa no Vaticano?

Müller: Eu não me opus a nenhuma inovação ou reforma. Porque reforma significa renovação em Cristo, não adaptação ao mundo. Não me disseram qual era o motivo para a não renovação do meu mandato. Isso é incomum porque o papa permite que todos os monitores continuem seu trabalho. Não há razão alguma que alguém ousaria mencionar sem parecer ridículo. Não se pode, afinal, declarar-se em total contradição com o Papa Bento XVI, que Müller não possui as qualificações teológicas suficientes, que ele não é ortodoxo ou que é negligente no julgamento de crimes contra a Fé e nos casos de crimes sexuais. É por isso que a pessoa prefere ficar em silêncio e deixa para a mídia liberal de esquerda fazer comentários rancorosos e alegres.

LifeSite: Alguns observadores estão atualmente comparando sua remoção de sua posição importante no Vaticano - o que certamente também é devido à sua própria resistência educada em relação a Amoris Laetitia - com o tratamento leniente que alguém como o ex-cardeal McCarrick recebeu. Mesmo agora, ele ainda não foi laicizado, apesar de sua conduta criminosa. Então, parece para alguns que aqueles que tentam preservar o ensinamento católico sobre o casamento e a família como sempre foi ensinado estão sendo deixados de lado, enquanto aqueles que são a favor de inovações neste campo moral estão sendo gentilmente tratados ou mesmo promovidos. - como, por exemplo, o cardeal Cupich e pe. James Martin. Gostaria de comentar sobre isso?

Müller: Todos podem refletir sobre os critérios segundo os quais alguns estão sendo promovidos e protegidos, e outros estão sendo combatidos e eliminados.

LifeSite: No contexto da aparente supressão dos membros da Igreja ortodoxa e da promoção de representantes progressistas, o padre Ansgar Wucherpfennig, S.J. acaba de receber do Vaticano a permissão para voltar a sua posição como reitor da escola de pós-graduação jesuíta em Frankfurt, apesar do fato de que ele defende a ordenação de mulheres e a bênção de casais homossexuais. Ele agora é solicitado a publicar artigos sobre esses assuntos. Como você comentaria sobre esse desenvolvimento?

Müller: Este é um exemplo de como a autoridade da Igreja Romana se enfraquece e como o claro conhecimento especializado da Congregação para a Fé está sendo deixado de lado. Se este padre chama a bênção das relações homossexuais o resultado de um desenvolvimento adicional da doutrina, para o qual ele continua a trabalhar, não é senão a presença do ateísmo no cristianismo. Ele não nega teoricamente a existência de Deus, mas, ao contrário, ele o nega como a fonte da moralidade, apresentando aquilo que é diante de Deus um pecado como uma bênção.

Que o destinatário do sacramento da Ordem deve ser do sexo masculino não é o resultado de circunstâncias culturais ou de legislação positiva, mas mutável, da Igreja, mas, sim, é fundado na natureza deste sacramento e sua instituição divina. assim como a natureza do sacramento do matrimônio exige a diferença dos dois sexos.

LifeSite: De suas observações, você acha que a Igreja está chegando perto de ter controle suficiente e consistente sobre a crise dos abusos e encontrou os remédios certos? ou o que você acha que ainda é o maior obstáculo para uma melhoria substancial? Como a Igreja pode recuperar sua fidedignidade aos olhos das famílias católicas?

Müller: Toda a Igreja, com seus padres e bispos, tem que agradar a Deus mais que ao homem. A obediência na fé é a nossa salvação.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/blogs/interview-cdl.-mueller-on-abuse-crisis-and-its-link-to-homosexuality-in-pri

 
 
 

Artigo Visto: 561 - Impresso: 11 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.300.752 - Visitas Únicas Hoje: 927 Usuários Online: 170