"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
23/11/2018
A sinodalidade afogada pelo totalitarismo
 

A sinodalidade afogada pelo totalitarismo

15 de novembro de 2018

https://infovaticana.com/blogs/wp-content/uploads/sites/3/2018/11/Francesco2-2.png

por Sandro Magister

Mas que Igreja sinodal. Depois de ter exaltado a "sinodalidade" como fruto preeminente do sínodo dos bispos em outubro passado, e depois de ter prometido desde 2013 mais autonomia e poderes para as conferências episcopais, incluindo "alguma autoridade doutrinal autêntica", o papa Francisco decapitou a agenda da assembléia plenária de um dos maiores episcopados do mundo, os Estados Unidos, reunidos em Baltimore na segunda-feira, 12 de novembro.

E, ao mesmo tempo, ele abandonou na China os bispos que não aderiram ao acordo secreto assinado no final de setembro entre a Santa Sé e as autoridades de Pequim, ou seja, os trinta bispos chamados "Underground" ou clandestino que resistem sem medo ao excesso de Poder do regime na igreja.
No Vaticano, eles negam que esta seja a intenção do Papa. Mas que os Bispos chineses clandestinos se sentem abandonados por ele é um fato real, que o Cardeal Zen ze-Kiun veio testemunhar em uma carta-apelação - apelo colocado pessoalmente por ele nas mãos de Francisco - durante uma manhã no início de novembro.

De fato, com os bispos dos Estados Unidos, Francisco se impôs como monarca absoluto. No sábado, 10 de novembro, recebeu o cardeal Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos, e o núncio dos Estados Unidos, Christophe Pierre, em Roma, e instruiu ao primeiro que  transmitisse ao cardeal presidente dos bispos americanos Daniel N. DiNardo, a proibição de votar em dois pontos cruciais na agenda da assembléia, ambos referindo-se ao escândalo do abuso sexual: um novo e severo "código de conduta" para os bispos e a criação de um corpo de leigos para investigar os bispos acusados desses abusos.

Ao anunciar, desconsolado, a dupla proibição, o Cardeal DiNardo explicou que Francisco exige que os bispos americanos não ultrapassem o que o Direito Canônico já prescreve na matéria, e especialmente não antecipem o que será decidido na reunião em Roma de todos os presidentes das conferências episcopais do mundo, convocada pelo Papa para 21-24 de fevereiro.

O "diktat" de Francisco provocou reações fortemente negativas, nos Estados Unidos, também naqueles que tentaram identificar as razões.

Ao contrário, no caso dos bispos chineses, o que impressiona é o impressionante silêncio que acompanha sua "via crucis", por parte das mais altas autoridades da Igreja. Um silêncio não só público, que poderia ser justificado por exigências prudenciais, mas também privado de qualquer ato de reaproximação e apoio realizado por meios reservados. E envolvido no auge do silêncio não menos ensurdecedor de muitos meios de comunicação católicos, especialmente os mais próximos do Papa Francisco.

É o que denuncia o padre Bernardo Cervellera, do Pontifício Instituto de Missões no Exterior e diretor da agência "Notícias da Ásia", no editorial reproduzido abaixo, que toma nota da enésima prisão, que ocorreu nos últimos dias, de um dos os bispos mais heróicos na rejeição da submissão ao regime comunista chinês.

*

A vergonha ante o Bispo Shao Zhumin, bispo sequestrado pela polícia

de Bernardo Cervellera

Era de se esperar. A notícia da enésima prisão – a quinta em dois anos – de Dom Pedro Shao Zhumin, o Bispo de Wenzhou, que passou sob um manto de silêncio. À exceção de alguns meios espanhóis e ingleses, e de algum raro site italiano além do  AsiaNews, parece que arrastando um Bispo, de renome na China por sua retidão e coragem, e forçando-o a sofrer dez dos dias do doutrinação como nos tempos do Revolução cultural, não é notícia digna de uma nota, e até mesmo é um pouco chato, na frente do qual é melhor calar a boca.

Gostaria de saber o que aconteceria se um bom bispo italiano-vamos colocar como exemplo o simpático Monsenhor Matteo Zuppi de Bolonha-foi sequestrado por um grupo de fundamentalistas islâmicos para doutrinar e torná-lo muçulmano, mas de boa fé: sem tocar-lhe um fio de cabelo, como está acontecendo no caso do Bispo Shao. Eu imagino que todas as primeiras páginas teriam grandes manchetes. No caso do bispo de Wenzhou, isso não se trata de fundamentalistas islâmicos, mas de fundamentalistas da "independência" : eles querem convencer o bispo a passar a pertencer à Associação Patriótica, que visa construir uma Igreja "independente" da Santa Sé, e que isso é bom para ele, para a Igreja e para o mundo.

Do ponto de vista dogmático, o que foi dito por Bento XVI em sua Carta aos Católicos na China permanece sempre sendo verdadeiro: que o Estatuto da AP é "irreconciliável com a doutrina católica". E várias vezes no passado, o Papa Francisco disse que a Carta de Bento XVI " segue sendo válida".

Por outro lado, pertencer à AP implica inúmeros limites para a vida de um bispo: controle durante as 24 horas, verificação e solicitação de permissão para visitas pastorais e para se encontrar com convidados; requisições durante semanas e meses para participar de acordos de doutrinação sobre os benefícios da política religiosa de Pequim.

Acredito que o silêncio da mídia - especialmente da mídia católica - surge, acima de tudo, da vergonha. Há alguns meses, em 22 de setembro, exaltaram em voz alta o acordo entre a China e a Santa Sé, para dar a impressão de que, a partir de então, tudo corria bem. Para admitir, por outro lado, que ainda há muitos problemas de perseguição para a Igreja chinesa, é uma pena que - compreensivelmente - seja difícil confessar.

Se, além da detenção do Bispo, adicionarmos as igrejas fechadas ou proibidas, a destruição das cruzes, das abóbadas destruídas, dos santuários demolidos, a proibição de crianças menores de 18 anos de ir à igreja ou frequentar aulas de catecismo, percebe-se que o acordo sobre a nomeação de bispos-como dissemos no passado-é bom porque impede o surgimento de Bispos cismáticos, mas deixa intacta a situação da AP e da Frente Unida, que são consideradas como patrões reais da Igreja Católica na China (e não o Papa). Isto é confirmado pelas lições que os dois organismos estão desenvolvendo em muitas regiões da China, em que os sacerdotes e os bispos reafirmam que "apesar do acordo sino-vaticano", a Igreja deve continuar a ser "independente" (do papa e da Santa Sé).

Infelizmente, o acordo "provisório", inédito e secreto permite que a China dê sua própria interpretação das coisas. A Frente Unida e a AP obrigam padres e bispos para se juntar à Igreja "independente", dizendo que "o Papa concorda conosco", tanto que vários católicos subterrâneos suspeitam, amargamente, que os deixaram abandonados no meio do Tempestade.

Alguns dos chamados "especialistas" na China minimizam os fatos sobre as perseguições, dizendo que eles acontecem apenas em "alguns lugares". Mas, na verdade, perseguições são registradas em muitas regiões do Hebei, Henan, Zhejiang, Shanxi, Guizhou, Mongólia Interior, Xinjiang, Hubei ... E certamente haverá outros lugares que não vieram divulgar notícias.

Outra "redução" consiste em dizer que essas coisas acontecem na periferia, mas que no centro, em Pequim, o que você quer é que o acordo realmente funcione. Mas a verdade é que desde outubro passado, após o Congresso do partido comunista, a frente unida e o AP estão no controle direto do partido: é praticamente impossível para o centro (Xi Jinping, secretário-geral do partido) não sabe o que acontece na periferia, com casos tão óbvios que movem a comunidade internacional.

Além da vergonha, acho que o silêncio é encorajado por outras duas razões.

O primeiro é uma espécie de "complexo paparil"; sendo que o Papa é um defensor do acordo com a China e é um corajoso defensor do diálogo com a cultura chinesa, parece que expor a perseguição é uma ofensa ao pontífice. Além do fato de que o Papa Francisco sempre enfatizou que ele ama a honestidade e não a lisonja: ele sempre disse que o diálogo ocorre entre duas identidades, não fechando as suas próprias e se a identidade é composta de mártires, não pode ser escondida . [...]

A segunda razão poderia se referir acima de tudo à mídia, os chamados "leigos", por um complexo "mercadoril", pela deificação do mercado chinês. Silencia sobre as perseguições e as prisões porque é uma "coisa muito pequena", se for comparada com a guerra das tarifas entre a China e os EUA e com o futuro da superpotência do Império do Meio. A mídia e as livrarias estão cheias de artigos e livros que elogiam Pequim, ou denigram, de acordo com a parte de cada um, seja da China ou dos EUA. Seja qual for o caso, o que eles não conseguem perceber é que a liberdade religiosa em um país é um sinal de sua "bondade". O Papa Francisco, quando se reuniu no dia 5 de novembro passado com o Congresso Mundial dos Judeus das Montanhas, disse que "a liberdade é um bem supremo que deve ser protegido, um direito humano fundamental, um baluarte contra as pretensões totalitárias". Portanto, quem quer defender a liberdade de comércio na China, deve defender, acima de tudo, a liberdade religiosa. Isso é bem conhecido por vários megaempreendedores que, apesar de quererem investir no exterior, devem obedecer às restrições do governo central. Monsenhor Shao Zhumin não é, portanto, "uma coisa pequena", mas o sinal de como a China está evoluindo.

Uma última coisa vale a pena lembrar: o arcebispo Shao Zhumin é o bispo de uma Igreja já unificada, onde a divisão entre católicos oficiais e clandestinos não existe mais, precisamente o que o Papa Francisco esperava em sua mensagem dirigida aos católicos chineses e à Igreja Católica no mundo, publicado alguns dias após o acordo. No entanto, o PA, além de seqüestrar o bispo, tem proibido hoje os sacerdotes "oficiais" de homenagear os túmulos dos sacerdotes e dos bispos "clandestinos". E este é o sinal de que a divisão na Igreja chinesa não é algo que os católicos querem, em primeiro lugar. Esta política, que está em vigor há mais de 60 anos, parece não ser a favor da evangelização da China, mas, pelo contrário - como foi expressado tantas vezes no passado pela própria AP - é um passo que está a caminho à supressão de todos os cristãos.


Fonte: https://infovaticana.com/blogs/sandro-magister/sinodalidad-humeante-ejercicios-de-monarquia-pontificia-en-estados-unidos-y-en-china/

 
 
 

Artigo Visto: 509 - Impresso: 5 - Enviado: 3

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.300.755 - Visitas Únicas Hoje: 930 Usuários Online: 171