"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
28/12/2018
Pai Nosso: "Não nos Conduza à Tentação" ou "Não nos Abandone em Tentação"
 

Pai Nosso: "Não nos Conduza à Tentação" ou "Não nos Abandone em Tentação"

https://regisaeculorumimmortali.files.wordpress.com/2010/12/pater.jpg

O Papa Francisco, em excelso orgulho, deseja mudar o Pai Nosso. Não sabe-se bem por que motivo, pois a passagem que ele quer mudar é clara e idêntica nos dois evangelhos de Mateus (6:13) e Lucas (11:4), onde se diz: "não nos conduza a tentação".

Sao Mateus e São Lucas escreveram em grego e a passagem foi traduzida literalmente para o latim.

O Papa acha que Deus não nos conduz a tentações mas acha que Deus pode nos abandonar em tentacoes. Assim, deseja mudar para "não nos Abandone em tentações".

Eu sempre achei que é em tentações que mostramos que somos verdadeiros cristãos, assim Deus pode sim nos conduzir a tentações, sem nos abandonar. Deus só nos abandona se assim desejarmos. Dessa maneira, sempre pensei o contrário do que o Papa pensa.

Eu não sou conhecedor de teologia ao ponto de entrar no debate, no entanto.

Mas hoje li que um especialista no assunto não aceita a mudança do Papa, considera um erro estúpido grave e anti-biblico.

Foi em um artigo do Christopher Ferrara, no qual Ferrara menciona o padre suíço linguista Reto Nay.

Vejam a parte que trata do assunto.

Revelando a superficialidade de sua formação teológica, tal como é, Bergoglio exibiu risível incompreensão do verdadeiro sentido da petição de Nosso Senhor “e não nos leva à tentação…” Disse Bergoglio a Pozza: “Mas não é ele [Deus] quem me lança na tentação de ver como eu caí. Não, um pai não faz isso. Aquele que nos leva à tentação é Satanás. ”Mais uma vez, impondo sua opinião desinformada, Bergoglio já havia exigido que os bispos italianos abandonassem a tradicional tradução (“ e non ci indurre in tentazione ”) em favor de“ e não nos abandonem em tentação ”[“ e non abbandonarci nella tentazione ”].

Sandro Magister observa que, durante uma extraordinária sessão da Conferência Episcopal Italiana (CEI), convocada para considerar a exigência de Bergoglio - sob o Presidente que ele havia escolhido a mão para controlar o CEI - “[a] versão" antiga "nem foi posta em votação , de modo que era impossível defendê-la. ”Como o Magister cada vez mais desdenhoso observa essa última farsa Bergogliana:“ Logicamente, se Deus não pode nos 'conduzir' à tentação, nós não vemos porque ele está autorizado a 'nos abandonar'. Por dois milênios, a Igreja nunca sonhou em mudar essa difícil palavra do Evangelho, mas sim em interpretá-la e explicá-la, em seu autêntico significado”.

Em entrevista ao Life Site News, o lingüista suíço e erudito bíblico padre Reto Nay, juntando-se ao crescente número de católicos ortodoxos que se cansaram desse circo, faz um pequeno trabalho com a teologia do lixo de Bergoglio: “O texto do Pai Nosso é passado até nós no Novo Testamento, que foi escrito em grego antigo. A frase "e não nos conduzem à tentação" está contida tanto em Mt 6:13 quanto em Lc 11: 4 com palavras idênticas: καὶ μὴ εἰσενέγκῃς ἡμᾶς εἰς πειρασμόν. Isso significa que a redação da petição em questão não pode ser responsabilizada por um erro de transmissão ou mal-entendido. ”
Como o padre mais adiante explica:

A Igreja Romana pode ter usado o original grego no começo. Mas rapidamente mudou para o latim: “et ne nos inducas in tentationem”, que é uma tradução literal do grego. Assim é a versão em inglês “e não nos leva à tentação”, ou o italiano “non ci indurre in tentazione”.

Estas versões são o resultado da tradução do verbo εἰσφέρω / εἰσενέγκῃς (= conduzir, trazer) e do substantivo πειρασμός (= tentação, colocar à prova). O texto original não oferece a possibilidade de uma tradução alternativa. Não tenho conhecimento de nenhum período da história da Igreja quando esta tradução foi questionada. Simplesmente não há razão gramatical ou sintática para isso.

Claro, Bergoglio não acha que ele precisa de uma razão gramatical ou sintática para alterar a tradução de 2.000 anos da própria oração que o próprio Deus ditou na carne. Bergoglio não gosta, então tem que ir.

Mas o texto substituto que Bergoglio manobrou para obter na Itália é um absurdo teológico, como observa o padre Nay:

Não faço ideia de onde vem o “e não nos abandonem à tentação”. Deuteronômio 4:31 diz: “Porque o Senhor teu Deus é um Deus misericordioso, ele não te abandonará nem te destruirá; ele não esquecerá a aliança com seus antepassados que ele jurou a eles ”(uma referência semelhante é feita no Salmo 94:14). Se isto é verdade (e é), por que então devemos orar “e não nos abandonar à tentação”. Também parece insinuar que Deus realmente poderia “nos abandonar” na tentação que chega perto da blasfêmia porque coloca a culpa em Deus quando o abandonamos. Mas 2 Crônicas 15: 2 diz: “se você abandoná-lo, ele vai abandonar você”.

À objeção de que Deus não nos “levaria” também à tentação, o padre Nay responde com o ponto óbvio de que “o texto não diz que Deus é o originador da tentação; o diabo é ou homens… Neste sentido, Cristo é conduzido ao deserto pelo Espírito Santo 'para ser tentado pelo diabo' (Mt 4: 1) ... " Ou seja, ele é submetido a um julgamento, a fim de mostrar-nos que as provações na forma de tentações devem ser esperadas de acordo com a verdade revelada que todos os que querem viver uma vida piedosa em Cristo Jesus serão perseguidos (2 Tim 3:12), sendo a tentação precisamente um teste de fé sob a perseguição do diabo. ou seus lacaios - um teste que podemos passar se correspondermos à graça de Deus.

Aqui eu observaria que São Paulo explica isso precisamente: “Mas Deus é fiel, que não permitirá que você seja tentado acima do que pode; mas com a tentação também farás o caminho da fuga, para que possais suportá-lo ”(1 Coríntios 10:13). Isto é, Deus nos sujeitará ao julgamento da tentação, mas também nos fornecerá os meios para superá-lo. Ele não nos abandonará à tentação, embora possamos nos abandonar rejeitando Sua graça. Este dado da verdade revelada está obviamente perdido em Bergoglio, que opera com a suposição de que o que ele pensa “é o magistério”.

Fonte: http://thyselfolord.blogspot.com/2018/12/pai-nosso-nao-nos-conduza-tentacao-ou.htm

 
 
 

Artigo Visto: 340 - Impresso: 5 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.353.137 - Visitas Únicas Hoje: 766 Usuários Online: 207