"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
08/01/2019
A igreja está afundando, mas o Vaticano lança a cruzada contra Salvini.
 

A igreja está afundando, mas o Vaticano lança a cruzada contra Salvini.

06 Jan 2019 06:09 AM PST

https://www.antoniosocci.com/wp-content/uploads/2019/01/papa-pugnoette-768x403.jpg

Por Antonio Socci

O que está acontecendo na Igreja Católica? A situação não é apenas catastrófica: é também absurda. Na verdade, a realidade fala de igrejas que são esvaziadas dramaticamente no Ocidente e um Oriente, onde os cristãos são duramente perseguidos.

A realidade fala do desaparecimento dos movimentos tradicionais do mundo, de confrontos dentro da Curia, de contínuos escândalos, de enorme confusão entre os fiéis pelos achados revolucionários do Papa Bergoglio (que nos últimos dias também "esqueceu" o dogma da Imaculada Conceição).

Mas de tudo isso os eclesiásticos não se ocupam e não se importam. Os pastores não estão interessados nas ovelhas que estão perdendo e dispersando.

A casta eclesiástica é toda tomada pela política. É uma febre real. Sim, isso é surreal, mas não é suficiente. Na verdade, eles não querem trazer para a política a "doutrina social" da igreja ou os "princípios não negociáveis", como se poderia acreditar. Seguindo o verbo bergogliano têm apenas um tema teológico-político para afirmar com um enfoque fundamentalista: os migrantes.

Assim, os migrantes tornaram-se agora sua própria bandeira Ideologicada, mas também, mesmo, uma espécie de assunto messiânico com o qual derrubar o anúncio cristão, mesmo na cena da Natividade: como se os anjos haviam anunciado aos pastores a chegada do " Jesus migrante ", em vez do nascimento do filho de Deus.

De acordo com o sentimento comum do povo, os eclesiásticos agora lidam apenas com os migrantes, apenas deles falam. E, de fato, as hierarquias clericais mergulham na política com a intenção precisa para fazer guerra contra Salvini: ele é o Satanás para gritar "Vade retro!", como proclamou a famosa capa de "família cristã".

Ele, que declarou publicamente que quer defender as nossas raízes cristãs, é o mal contra o qual o mundo clerical é mobilizado e desencadeado.

Ontem, Salvini, de Abruzzo, respondeu: "Eu sou um pecador, mas não um tolo. Neste ano, em vez de 120 mil, apenas 20 mil chegaram: 100 mil a menos, com um bilhão de economias, muito menos mortes e muito menos crimes ".

Significa que o vice-primeiro-ministro não desiste e não quer que a Itália volte a ser o campo de refugiados da Europa e da África. A maioria dos italianos e católicos pensam como ele.

Por esta razão, o "apelo" ao compromisso político contra Salvini, pelo estabelecimento Bergogliano, continua. 

Responderam “presente” os jornais clericais, o CEI e – embora fracamente – as associações católicas (ou o que restou).

Ontem mesmo o ex-presidente do CEI (agora Presidente dos Bispos europeus), o Cardeal Bagnasco, Arcebispo de Génova, que até agora foi considerado um dos poucos remanescentes em consonância com o magistério de João Paulo II e Bento XVI, tem implantado e ganhou o Título com o qual "La Stampa" abriu a primeira página: "Objeção de Consciência". O movimento da Igreja contra o decreto de segurança ".

A referência foi precisamente para o Arcebispo de Génova: a acusação soa contra o cardeal Bagnasco - de acordo com o jornal de Turim - "implanta a Igreja sobre o decreto de segurança:. 'Sim à objeção de consciência"

Monsenhor também interveio no caso "Sea Watch migrants". Guerino Di Tora, presidente do Comitê de Migração do CEI, que trovejou: "Quem puxa para trás não tem uma consciência limpa".

Até mesmo o arcebispo de Palermo, dom. Corrado Lorefice, trovejou convidando a "não ficar em silêncio diante dos decretos desumanos venham agravar o sofrimento daqueles que são oprimidos pela pobreza e pela guerra".

Não parece que as mesmas mobilizações foram vistas, nem tão duras denúncias da Igreja Bergogliana, nos últimos seis anos em que, graças ao euro, as políticas da UE e os governos italianos alinhados com ele, temos explodido a pobreza e o desemprego (com milhares e milhares de empresas fechadas).

Também não nos lembramos de mobilizações papais e palavras de fogo em favor das populações atingidas por terremotos e seus invernos frios. Estes são apenas dois exemplos (poderia ser acrescentado à lei sobre uniões civis e outros encontrados por governos anteriores que deveriam fazer a Igreja reagir).

Nas (muitas) invectivas críticas eclesiásticas políticas nunca são encontradas na União Européia, de fato: apenas a UE (não confundir com a Europa que outra coisa) parece ter se tornado a tábua de salvação política dessa hierarquia clerical.  É precisamente esta União Europeia que se tornou a realidade política mais secular e anticristã do Ocidente. Os clérigos falam sobre isso com os mesmos argumentos entusiastas de Emma Bonino.

Mas o que desconcerta a casta eclesiástica é o fato de que o povo católico não os segue. Pelo contrário, parece fazer a escolha oposta, dando preferência majoritária a Legae e outros grupos soberanos.

Os católicos, tanto os mais praticantes como os menos praticantes, preferem referir-se a João Paulo II e a Bento XVI, isto é, ao ensino católico tradicional, e não às "revoluções" bergoglianas.

Portanto, o desapontamento da elite clerical é palpável. Eles são generais sem um exército. Pode-se perceber nessas palavras do padre Antonio Spadaro, que é o estrategista do papa Bergoglio: "Não é mais suficiente formar os jardins das elites e discutir o calor das" lareiras "dos illuminati. Já não é suficiente para acolher as belas almas ... Fazemos discursos sensatos e iluminados, mas as pessoas estão em outro lugar ".

De fato, as pessoas estão em outro lugar, os católicos discordam da hierarquia bergogliana, aplaudindo Salvini. Mesmo que o papa Bergoglio bata proclamando que é melhor ser ateu do que católico que recusa a invasão migratória (Além disso islâmica, portanto, muito pouco integrável).

Os fiéis católicos (como todos os outros) percebem, por sua própria pele, que essa desqualificação dos povos que excitam as elites (mesmo a ONU) é devastadora tanto para os países de chegada como para os países de partida (também pensam assim) os bispos africanos).

Então o padre Spadaro gostaria de trazer de volta "online" as pessoas que estão em outro lugar. Assim, nos últimos dias ele usou da palavra para escrever uma espécie de manifesto político, publicando-o no jornal dos jesuítas.

Se o Decálogo dado por Deus a Moisés no Sinai é chamado de "as dez palavras", o padre Spadaro queria fazer melhor: para ele é suficiente "sete palavras para 2019" para iluminar o povo (assim ele espera).

Infelizmente, no entanto, estas palavras já foram ouvidas e ressentidas, há anos, em qualquer intervenção de representantes do PD e nos artigos diários da "República": medo, migrações, Europa, populismo, democracia...

O sentimento é que todo esse trovejar não leva à formação de uma lista católica nas eleições européias, porque a contagem seria muito contraproducente.

A maioria acredita que tudo será resolvido em um apoio eclesiástico para o PD, ainda melhor se guiado por Zingaretti, porque - diz-se além da verdade – os cléricos da era Bergogliana se encontram melhor com os pós-comunistas do que com Renzi.

Antonio Socci

De "libero", 6 de janeiro de 2019

Fonte: https://www.antoniosocci.com/la-chiesa-sta-sprofondando-ma-il-vaticano-lancia-la-crociata-contro-salvini/?

 
 
 

Artigo Visto: 645 - Impresso: 6 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.545.318 - Visitas Únicas Hoje: 1.170 Usuários Online: 241