"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
05/03/2019
A Igreja está muito preocupada com credibilidade, não com coisas santas
 

A Igreja está muito preocupada com credibilidade, não com coisas santas

04 de março de 2019 - 10:13 am EST

https://www.lifesitenews.com/images/made/images/remote/https_www.lifesitenews.com/images/local/catholic_church_in_de_facto_schism_810_500_75_s_c1.jpg

4 de março de 2019 (La Nuova Bussola Quotidiana) - Nos últimos meses, e especialmente nos últimos dias, cardeais, bispos e vários comentaristas afirmaram que a luta contra o abuso sexual colocou em risco a credibilidade da Igreja. Ou seja, se o flagelo do abuso infantil clerical persistir, com todas as várias cumplicidades e coberturas, a Igreja não terá mais o direito de se propor ao mundo. Nem sequer terá autoridade para dizer algo verdadeiro e definitivo sobre a vida e seu destino.

À primeira vista, dá a idéia de que a questão do abuso está sendo tratada seriamente, mas, na realidade, é o sinal mais evidente de um modo de pensar completamente secularizado, porque a credibilidade da Igreja não depende do comportamento de seus membros, mas em ser a vontade de Cristo. É o elemento divino que torna a Igreja santa e, portanto, credível, não o elemento humano. A credibilidade da Igreja, sua santidade e sua objetividade não dependem do comportamento dos católicos. Qualquer falta de credibilidade diz respeito apenas aos indivíduos da Igreja quando eles não respondem à tarefa que Deus lhes confiou.

O falecido Cardeal Giacomo Biffi disse: "A Igreja não deve ser crível, se deve acreditar". É triste notar quantos bispos e quantos cardeais estão mais preocupados em ser convincentes: assim, a esperança de prevenir ou parar o abuso infantil é, em última análise, baseada em uma série de medidas, protocolos e procedimentos, e é claro que os psicólogos se tornam decisivos no processo de formação de seminaristas. Isso não significa que as ciências humanas não tenham uma contribuição a dar; mas o que está acontecendo é que tudo parece ser confiado ao esforço humano, à capacidade dos homens de administrar a Igreja que, como qualquer outra empresa neste mundo, precisa ter uma boa reputação para ter sucesso. Nós nos preocupamos com a ética - e, ao final, com a imagem pública - e não com a salvação.

Procedimentos necessários precisam ser postos em prática, mas antes de mais nada, precisamos olhar para Cristo que nos criou para sermos santos. Podemos também aproveitar a contribuição dos psicólogos quando necessário, mas nossa principal preocupação deve ser ter educadores santos nos seminários.

Mesmo que o pecado dos homens na Igreja os torne menos críveis e crie escândalo, o que torna mais difícil para as pessoas encontrarem-se e seguirem a Cristo, isso não coloca em questão a credibilidade da Igreja.

Dois anos atrás, o cardeal Robert Sarah declarou em uma conferência em Trieste: "A moralidade cristã não coincide com o voluntarismo, com um senso de dever, com pura solidariedade; com frequência comportamentos louváveis mas que permanecem em um nível humano. Para nós cristãos, a moralidade começa de Deus, do dom da santidade em nós, quer que sejamos santos como o Pai que é Santo: dom esplêndido e gratuito ao qual o Senhor nos convida a responder livremente ". E novamente: "Na doutrina e nos sacramentos, recebemos continuamente essa santidade objetiva da Igreja, que compartilhou conosco, torna-se a santidade subjetiva dos crentes".

Em outras palavras: a santidade, a credibilidade da Igreja, não é a soma da santidade - ou comportamento irrepreensível - de cristãos individuais. É o oposto: é a santidade objetiva da Igreja que permite aos cristãos unirem-se a ela pessoalmente. A Cardeal Sarah continua: "Porque apesar de nossos pecados a Igreja sempre permanece santa, devemos nos esforçar, com a ajuda de Deus, para não arruinar em nós o que é incorruptível. Ou seja, devemos guardar nossa santidade pessoal, para evitar que a santidade objetiva da Igreja, não seja tocada por nossos defeitos, é, no entanto, questionada por aqueles que, vendo nossos limites, são tentados a atribuí-los à Igreja ”.

Teria sido apreciado se essa perspectiva tivesse surgido da cúpula do Vaticano sobre abuso sexual, já que é a única que pode nos dar esperança. Gostaríamos de pensar que pelo menos alguns bispos levantassem essa perspectiva nos debates. Infelizmente, a comunicação oficial continha apenas os relatórios fundamentais, que estão mais preocupados em dar uma linha política.

Mas, se houver mudanças reais nos próximos meses e anos, será somente onde há pastores que estão mais preocupados em ser crentes do que críveis.

Este artigo, traduzido por Patricia Gooding-Williams, é publicado aqui com permissão da La Nuova Bussola Quotidiana.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/opinion/the-church-is-too-concerned-with-credibility-not-enough-with-holy-things

 
 
 

Artigo Visto: 226 - Impresso: 2 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.430.683 - Visitas Únicas Hoje: 1.358 Usuários Online: 186