"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
07/03/2019
Teólogo do Vaticano: "Clericalismo" é a "cortina de fumaça" escondendo a homossexualidade como causa real da crise de abuso.
 

Teólogo do Vaticano: "Clericalismo" é a "cortina de fumaça" escondendo a homossexualidade como causa real da crise de abuso.

Qua 6 de março de 2019 - 13:44 EST

https://www.lifesitenews.com/images/made/images/remote/https_www.lifesitenews.com/images/local/Monsignor_Nicola_Bux_1_1_810_500_75_s_c1.jpg

6 de março de 2019 (LifeSiteNews) - Homossexualidade, não clericalismo, está na raiz da crise de abuso que a Igreja Católica está enfrentando, e especialmente no estilo de pensamento da "era Obama" que as relações homossexuais adultas não são pecaminosas: essa é a essência de uma entrevista dada pelo proeminente teólogo do Vaticano, monsenhor Nicola Bux, ao diário italiano La Verità.

O animado intercâmbio entre o jornalista Alessandro Rico e Don Nicola Bux foi publicado na edição de 25 de fevereiro da La Verità. Monsenhor Bux é consultor da Congregação para as Causas dos Santos e professor de liturgia e teologia sacramental no Instituto de Teologia de Bari, Itália. Bux tem sido particularmente sincero nos últimos anos em relação a declarações e ações controversas do papa.

Em sua mais recente entrevista, Monsenhor Bux insistiu na natureza especificamente homossexual de uma grande proporção - 80% - de casos de abuso na Igreja: “Falar sobre clericalismo e pedofilia equivale a colocar uma cortina de fumaça”, disse ele.

Afirmando que “o número de clérigos homossexuais é muito menor do que as pessoas acreditam” - “menos de 2% do total”, segundo um estudo da Congregação para o Clero - Bux acrescentou que os números inflados apresentados na imprensa são “propaganda para a normalização da homossexualidade ”.

"Terapia" é necessária para os clérigos homossexuais, argumentou ele, sugerindo que o problema hoje não é apresentar a própria tendência homossexual como desordenada, mesmo dentro da Igreja.

Ele também explicou por que, em vista da verdade da natureza humana - como criada por Deus e proclamada pela Igreja -, “a orientação sexual não existe”.

Bux acrescentou que o verdadeiro clericalismo hoje reside em "evitar o confronto e o debate" com aqueles cardeais que "guardam a fé católica transmitida pelos apóstolos".

Leia uma tradução LifeSite da entrevista completa com Mons. Bux abaixo.

***

La Verità (LV): Don Bux, a interpretação dada pelo papa sobre o abuso é clara: não é culpa dos padres homossexuais, mas do clericalismo. O que você acha daquilo?

Monsenhor Nicola Bux (Bux): O clericalismo é um termo inadequado para explicar a questão do abuso.

LV: Por quê?

Bux: O Centro de Proteção Infantil da Pontifícia Universidade Gregoriana explicou que não se deve falar de pedofilia, isto é, uma atração doentia em relação a crianças pré-púberes, mas de efebofilia, uma atração por jovens que atingiram a puberdade ou já passaram da puberdade. .

LV: O que a homossexualidade tem a ver com isso?

Bux: Os autores do estudo acrescentam que esse tipo de atração considera as pessoas homossexuais em 80% dos casos. Portanto, falar sobre clericalismo e pedofilia equivale a colocar uma cortina de fumaça.

LV: Mas, se assim for, por que a palavra “homossexualidade” não aparece entre os 21 pontos de reflexão que foram distribuídos na Cúpula do Vaticano?

Bux: Considere que o atual pontificado começou na era de Barack Obama, a era do amor é o amor, dos homossexuais livres para se amarem como quiserem, e diante de quem é proibido falar sobre terapia…

LV: Eu imploro seu perdão: os padres homossexuais precisam de terapia?

Bux: Na coletiva de imprensa da última quinta-feira, o bispo Charles Scicluna disse que generalizar sobre uma certa categoria, como a dos homossexuais, não é legítimo. E que a homossexualidade não predispõe ao pecado; antes, a concupiscência assume a inclinação.

LV: O que isso tem a ver com isso?

Bux: Concupiscência é a inclinação para o mal [uma inclinação que experimentamos em nossa] natureza humana. Por causa disso, o amor usa o outro para seu próprio prazer.

LV: certo. E entao?

Bux: No caso da homossexualidade, a pessoa que é objeto desse tipo de amor não é verdadeiramente amada, mas desejada de acordo com o amor que o sujeito sente por si mesmo. É aí que reside o problema moral.

LV: O amor homossexual não é amor?

Bux: É amor desordenado.

LV: Então voltarei à primeira pergunta: como se deve agir em relação a um padre ou seminarista homossexual?

Bux: É necessário avaliar o estágio do que o Catecismo define como “desordem”. Em todos os casos, é proibido admitir pessoas com tal tendência em um seminário.

LV: Diga-me se ouvi corretamente: o teste psicológico proposto na Cúpula do Vaticano deveria ser usado para identificar os seminaristas homossexuais para excluí-los?

Bux: Pelo menos na base da Ratio para seminários de 2016…

LV: Em seu livro Sodoma, Frédéric Martel afirma que na Igreja o lobby gay é tão difundido que a homossexualidade é agora tolerada, pelo menos enquanto não leva à pedofilia.

Bux: Com base em vários estudos, por exemplo os do psicólogo holandês Gerard van den Aardweg, há muito menos pessoas homossexuais do que é reivindicado pela propaganda para a normalização das alegações de homossexualidade.

LV: Há menos homossexuais do que acreditamos?

Bux: sim. E, portanto, até mesmo o número de clérigos homossexuais é muito menor do que as pessoas acreditam. Há alguns anos, a Congregação para o Clero considerou que a proporção de clérigos homossexuais era inferior a 2% do total.

LV: Martel está errado?

Bux: A tese de Martel é profundamente errada, mas ele tem um objetivo definido: provar que a homossexualidade é tão difundida que é inútil lutar contra ela. Pelo contrário, deve ser legitimado, de certa forma como eles estão tentando fazer com drogas.

LV: Uma das palavras de ordem na Cúpula do Vaticano foi "tolerância zero". Não há risco de que a pressão da opinião pública leve a julgamentos sumários?

Bux: A expressão “tolerância zero” é anti-evangélica. Se o Senhor tivesse usado este critério para a humanidade, a humanidade teria desaparecido da face da terra.

LV: Você está dizendo que é ruim ser muito duro com os agressores?

Bux: “tolerância zero” é um slogan politicamente correto que se repete, como um papagaio - sob a pressão da opinião pública - para provar que a Igreja tomou a espada e está limpando.

LV: Então, o que a Igreja deveria estar fazendo?

Bux: A Igreja deve ser paciente e prudente. Não deve fugir da verdade. Tanto o Antigo como o Novo Testamento descrevem as relações homossexuais como uma grave depravação, porque são contra a natureza. O padre Reginald Garrigou-Lagrange costumava dizer que é preciso ser intransigente quanto à doutrina, porque se acredita, mas também se entende, em proporção justa, porque se ama. E ele acrescentaria, ironicamente: "A Igreja absolve os pecadores, os inimigos da Igreja absolvem os pecados".

LV: Você acha que é possível mostrar compreensão aos abusadores?

Bux: Eles usam tantas expressões hoje como “acolhendo”, “acompanhando”… O que isso significa? Significa salvar a pessoa da desordem em que ele viveu, e se essa pessoa cometeu crimes, para aplicar uma punição justa. É por isso que a terapia é importante ...

LV: Ah, então a terapia teve algo a ver com isso?

Bux: sim. Surpreende-me que a terapia nunca seja comentada. Isso porque, se a agenda de Obama foi aceita, a homossexualidade foi normalizada.

LV: No entanto, por um lado eles querem normalizar a homossexualidade, que é o terreno fértil do abuso. Por outro lado, penalidades severas estão sendo feitas para os próprios agressores.

Bux: Exatamente. Monsenhor Scicluna deveria explicar por que, se as relações homossexuais não são pecaminosas, o Vaticano tem sido tão duro com o ex-arcebispo Theodore Edgar McCarrick.

LV: McCarrick foi punido após a investigação pelo New York Times.

Bux: Isso é um fato.

LV: O papa se move na mesma direção que os ventos da mídia sopram?

Bux: Ele parece estar à mercê das pressões conflitantes da opinião pública que de um lado está horrorizado - quem sabe por quanto tempo ainda - quando algo é feito para crianças, mas que do outro lado não quer Considere tendências homossexuais imorais.

LV: Enquanto isso, ao mesmo tempo em que McCarrick estava sendo reduzido ao estado laico, o papa Francis nomeou um protegido dele, Kevin Farrell, como o novo Camerlengo. Ele é muito próximo do jesuíta pró-LGBT, James Martin.

Bux: Muitos apontaram essa contradição. A questão é que vários pastores da Igreja abandonaram a verdade do Evangelho, talvez por medo. Esta é a raiz da crise.

LV: O papa realmente limpará as coisas?

Bux: Não se deve imputar motivos. Mas eu não entendo [como] um confronto não foi aberto com aquela parte do mundo católico que, em relação à questão, interveio ao bater a unha na cabeça. É aqui que o verdadeiro clericalismo é encontrado.

LV: Em que sentido?

Bux: Evitar o confronto e o debate. Em agir como avestruzes, que colocam suas cabeças na areia.

LV: Você está se referindo ao confronto com cardeais conservadores, que atribuíram a causa do abuso à homossexualidade?

Bux: Eles não são cardeais conservadores, mas aqueles que “guardam a fé católica transmitida pelos apóstolos”, mantendo juntos, de maneira católica, a doutrina, a moral e a prática, sem ceder à moda. Algo vem em mente ...

LV: Diga-me.

Bux: Você acha que, referindo-se à homossexualidade, a palavra “orientação” está na moda mesmo na Igreja.

LV: Isso é um erro?

Bux: Não é uma expressão da moral católica! É uma expressão do lobby homossexualista!

LV: O que você quer dizer?

Bux: orientação sexual não existe.

LV: Não existe?

Bux: Deus criou homem e mulher. Ou Deus é o estabelecimento supremo da ordem na criação, enquanto o pecado do homem cria desordem, ou a ordem objetiva não existe e todos são livres para interpretá-la como bem entenderem. Se na Igreja, o ensinamento de que Deus criou uma natureza claramente definida, feita do masculino e do feminino, deveria ser abandonado, e se se reduzisse a falar de “orientação”, um princípio fundamental da verdade católica seria outono.

LV: O que você acha do Francis “político”, aquele que se fotografou com o crachá “Vamos abrir as portas”?

Bux: Isso é folclore. A verdadeira questão é diferente.

LV: O que é isso?

Bux: É sobre saber qual deve prevalecer na Igreja: política ou fé. Se a fé deve prevalecer, então a Igreja também deve aceitar ser perseguida, a fim de reafirmar a verdade do Evangelho.

LV: Então o papa está errado em pedir que todos sejam bem-vindos?

Bux: Na realidade, se você levar em conta todas as declarações dele, não encontrará um convite para receber indiscriminadamente as boas-vindas. Digamos que seus comentários sejam um pouco peronistas.

LV: peronista?

Bux: sim. Você sabe que o peronismo é a capacidade de juntar uma coisa e seu oposto, de acordo com as circunstâncias.

LV: Jogando nos dois lados da cerca.

Bux: Sempre considerando o consenso em não perder. O importante é saber até que ponto essa abordagem ainda está ganhando. Se você olhar o que está acontecendo na Itália, na Europa, na América Latina, eu diria que não é.

LV: E o que você acha da virada ambientalista da Igreja?

Bux: É mais um daqueles itens funcionais da agenda de Obama. Como as coisas estão indo, a Igreja se encontrará em um caso de Galileu ao contrário. Os cientistas estão divididos. E a Igreja não tem competência no caso.

LV: Padre Antonio Spadaro diz que precisamos de “catolicismo democrático”.

Bux: Colocar o catolicismo e a democracia juntos é um oximoro.

LV: não menos?

Bux: Certamente O que significa catolicismo democrático? Quando você fala da Igreja Católica, você está falando do povo de Deus, organizado hierarquicamente. A Igreja não é uma democracia no mínimo!

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/vatican-theologian-clericalism-is-smokescreen-hiding-homosexuality

 
 
 

Artigo Visto: 253 - Impresso: 5 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.430.768 - Visitas Únicas Hoje: 84 Usuários Online: 186