"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
08/03/2019
Uma encíclica sobre a homossexualidade?
 

Uma encíclica sobre a homossexualidade?

Sexta-feira, 8 de março de 2019

https://1hx5ll3ickiy2waa471l3o2x-wpengine.netdna-ssl.com/wp-content/uploads/Pastoral-care-1.jpg

David Carlin

Além da graça de Deus, nossa necessidade mais urgente no momento é uma encíclica papal sobre a homossexualidade. Se isso não acontecer, os bispos católicos americanos devem publicar uma carta pastoral coletiva sobre a homossexualidade. E, na falta disso, os bispos americanos deveriam emitir cartas pastorais diocesanas sobre a homossexualidade.

Por que eu digo que essa necessidade é "urgente"? Porque uma grande campanha está em andamento nos Estados Unidos, Canadá e Europa (especialmente na Alemanha) para emendar ou anular o perene ensino católico sobre a prática homossexual. Se esta campanha não for eficazmente resistida, a Igreja Católica nos Estados Unidos, como um número de igrejas protestantes “mainline”, cometerá algo como um suicídio institucional.

Deixe-me citar algumas evidências desta campanha.

Por um lado, há o livro pró-LGBT “Construindo uma Ponte” (uma ponte entre a Igreja Católica e a “comunidade LGBT”), escrito pelo renomado escritor jesuíta Pe. James Martin. Este livro foi endossado pelo cardeal Kevin Farrell (prefeito do Dicastério do Vaticano sobre os leigos, a família e a vida!), Pelo cardeal Joseph Tobin, de Newark, e pelo bispo Robert McElroy, de San Diego.

Em segundo lugar, há o fato aparente de que o estudante típico de uma faculdade católica aprova casamento entre pessoas do mesmo sexo e acha que você é um fanático por intolerância se não o aprova também.

Terceiro, há o silêncio geral do púlpito sobre este tópico. É um padre raro que diz aos seus paroquianos em uma missa de fim de semana que a homossexualidade é, do ponto de vista católico, um pecado atroz.

Quarto, há a prática disseminada da homossexualidade entre padres e seminaristas. Ninguém tem certeza dos números, mas todos parecem concordar que a porcentagem de padres que são (ou que eram jovens) homossexuais ativos é muito maior do que a porcentagem de homossexuais ativos na população em geral.

Quinto, há uma notável tendência entre católicos, incluindo padres católicos e bispos, de condenar o abuso sexual de menores sem ao mesmo tempo condenar a homossexualidade sacerdotal que tem sido, em pelo menos 80% dos casos, uma pré-condição para este molestamento; um sine qua non (para emprestar uma frase do que costumava ser a linguagem quase sagrada da Igreja).

Essa tendência a condenar o abuso sexual enquanto evitava a condenação da homossexualidade estava em exibição em Roma há algumas semanas no sínodo dos bispos.

Esta encíclica ou estas cartas pastorais de que estou falando - o que elas diriam?

Acima de tudo, eles reiterariam o antigo ensinamento católico sobre esse assunto, um ensinamento enraizado no Gênesis e na Lei de Moisés. A carta notaria que o Antigo Testamento permite exceções para o incesto (afinal, quem fez os filhos de Adão e Eva se casarem?), E permite exceções da poligamia (ambos pecados horríveis), mas não faz absolutamente nenhuma exceção ao homossexualismo, sodomia.

Essa condenação continua nas cartas de São Paulo (mais notavelmente no primeiro capítulo "homofóbico" de sua Epístola aos Romanos); e encontrado por implicação muito clara nas palavras do próprio Jesus quando ele se referiu (a) aos pecados de Sodoma e Gomorra e (b) à passagem no livro do Gênesis que diz: “homem e mulher ele [Deus] os fez .

A carta reconheceria que é evidente que nosso dever de amar o próximo significa que devemos amar nossos vizinhos homossexuais; mas a carta apontaria que esse dever de amor não significa que devemos aprovar os pecados de nossos vizinhos homossexuais - o que é precisamente o que o movimento LGBT exige dos cristãos.

Da mesma forma, também devemos amar os vizinhos que são ladrões, mentirosos, espancadores de mulheres, adúlteros, fornicadores e membros da Máfia. Mas devemos fazer isso sem dar o nosso selo de aprovação ao seu erro.

A carta também toma nota do fato de que hoje é difícil, muito difícil, para os católicos desaprovarem a homossexualidade, já que isso levará muitos de nossos parentes, amigos, vizinhos, colegas de trabalho e parceiros de tênis a pensar em nós como de mente estreita e de coração duro.

Pior ainda, nossa desaprovação causará dor a amigos que sejam eles mesmos homossexuais ou sejam pais de crianças homossexuais; eles sentirão que você está expressando algo como ódio por eles ou por seus filhos.

A carta terá que dizer: Como católico, você tem que escolher entre a fidelidade à sua fé ou a aprovação de seus amigos, vizinho, etc. Se você escolher a primeira, poderá perder velhos amigos. Em outras palavras, você pode ter que passar por um mini-martírio. Mas essa é a religião a que você pertence. Se você não gostar, talvez se junte a uma igreja protestante liberal, por exemplo, a Igreja Episcopal da Igreja Unida de Cristo.

E então, é claro, há o crescente movimento - nos níveis nacional e internacional - de criminalizar todas essas expressões da antiga moral cristã como “discurso de ódio”, que pode ser banido de espaços públicos, incluindo a Internet, ou “crimes de ódio”. Punível no direito civil.

Se você é um verdadeiro cristão, é claro que está disposto a ser jogado aos leões por sua fé. Mas se você não está disposto a enfrentar os leões, por que você deve ter medo da desaprovação de seus amigos e vizinhos?

Muitos católicos, é claro, acham que é “irracional” que nossa religião espere que nós não concordemos com amigos, vizinhos, governo e com o que passa por um pensamento moral. Mas uma encíclica sobre a homossexualidade teria que explicar por que - para citar uma fonte autorizada - está pensando como homem, não como Deus.


David Carlin

https://1hx5ll3ickiy2waa471l3o2x-wpengine.netdna-ssl.com/wp-content/uploads/carlin-foto-150x150.jpg

David Carlin é professor de sociologia e filosofia no Community College of Rhode Island e autor de Declínio e Queda da Igreja Católica na América.

Fonte: https://www.thecatholicthing.org/2019/03/08/an-encyclical-on-homosexuality/?

 
 
 

Artigo Visto: 299 - Impresso: 1 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.430.772 - Visitas Únicas Hoje: 88 Usuários Online: 183