"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
05/04/2019
De Mattei sobre o pontificado de Francisco: seis anos de "hipocrisia e mentiras"
 

De Mattei sobre o pontificado de Francisco: seis anos de "hipocrisia e mentiras"

04/04/2019

OnePeterFive tem o prazer de apresentar esta entrevista exclusiva do professor Roberto De Mattei, presidente da Fundação Lepanto, com o jornalista italiano Aldo Maria Valli - um dos jornalistas italianos que ajudou a publicar o testemunho Vigano em agosto de 2018. Como de costume, o professor de Mattei oferece insight e análise francas e instigantes.

https://onepeterfive.com/wp-content/uploads/2019/04/Mattei-Wide-1-1500x926.jpg

1P5 Staff

Aldo Maria Valli: Professor De Mattei, não passa um dia sem que este pontificado cause novas confusões e dúvidas para muitos dos fiéis. A declaração sobre outras religiões feitas em Abu Dhabi provocou uma grande preocupação. Parece que não há como evitar o fato de ser problemático. Como você interpreta isso?

Professor Roberto De Mattei: A declaração de Abu Dhabi feita em 4 de fevereiro de 2019, assinada pelo Papa Francisco e pelo grande imã de Al-Azhar, afirma que “o pluralismo e a diversidade de religiões, cor, sexo, raça e idioma são queridos por Deus em Sua sabedoria, através da qual Ele criou os seres humanos ”. Essa afirmação contradiz o ensino da Igreja, que diz que a única religião verdadeira é a religião católica. De fato, é somente pela fé em Jesus Cristo e em Seu Nome que os homens podem alcançar a salvação eterna (cf. Atos 4:12).

Em 1º de março, durante a visita ad limina dos bispos do Cazaquistão a Roma, o bispo Athanasius Schneider expressou sua perplexidade ao Papa Francisco sobre a declaração de Abu Dhabi. O papa respondeu-lhe que "a diversidade das religiões é apenas a vontade permissiva de Deus". Esta resposta é enganosa, porque parece admitir que a pluralidade das religiões é um mal permitido por Deus, mas não desejado por ele, mas o mesmo não é verdade da diversidade de sexos e raças, que são positivamente queridas por Deus. Quando o Bispo Schneider expressou sua objeção a ele, o Papa Francisco admitiu que a frase “poderia ser entendida erroneamente”. No entanto, o papa nunca corrigiu ou retificou sua afirmação e, de fato, o Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, a pedido do Santo Padre. dirigiu todos os bispos para que fossem divulgadas amplamente a declaração de Abu Dhabi, para que “se tornasse objeto de pesquisa e reflexão em todas as escolas, universidades e institutos de educação e formação”.

A interpretação que está sendo assim difundida é que a pluralidade de religiões é uma coisa boa, não um mal que é meramente tolerado por Deus. Parece-me que essas contradições deliberadas são um microcosmo de todo o pontificado do papa Bergoglio.

Como você, como historiador da Igreja, resumiu os últimos seis anos?

Como anos de hipocrisia e mentiras. Jorge Mario Bergoglio foi escolhido porque ele parecia ser um bispo que era “humilde e profundamente espiritual” (assim Andrea Tornielli o saudou em La Stampa), um “que reformaria e purificaria a Igreja”. Mas nada disso aconteceu. O papa não retirou os prelados mais corruptos da Cúria Romana ou de dioceses individuais. Ele só fez isso quando, como no caso McCarrick, ele foi forçado pela opinião pública. Na realidade, Francisco revelou-se um papa político, o papa mais político do século passado. Sua persuasão política é a do peronismo de esquerda, que detesta, em princípio, toda forma de desigualdade e se opõe à cultura e à sociedade ocidentais. Quando transferido para o reino eclesiástico, o peronismo se une à teologia da libertação e leva a um esforço para impor à Igreja a democratização sinodal, o que lhe tira sua natureza essencial.

A cúpula sobre abuso sexual parece que já foi esquecida. Estava cheio de expressões que soavam agradáveis, que a mídia tradicional alardeava, mas não levou a nada de novo. Em geral, como você julga a maneira pela qual a Santa Sé está lidando com esta crise?

De um modo claramente contraditório. As normas antiabuso que acabaram de ser aprovadas pelo papa Francisco contornam o problema real, que é a relação entre os tribunais da Igreja e os tribunais civis, ou, mais amplamente, a relação entre a Igreja e o mundo. A Igreja tem o direito e o dever de investigar e julgar os acusados de crimes que violem não apenas as leis civis, mas também as leis eclesiásticas, estabelecidas pela lei canônica. Neste caso, é necessário abrir um processo penal regular em um tribunal da Igreja que respeite os direitos fundamentais do acusado e não seja condicionado pelos resultados de qualquer julgamento civil.

Hoje, no entanto, no caso do cardeal Pell, o Vaticano disse que abrirá um julgamento canônico, mas primeiro precisa "aguardar o resultado do processo de apelação [civil]". No caso do cardeal Barbarin, da França, condenado a seis meses de prisão com liberdade condicional e também à espera de um processo de apelação, também não houve nenhum anúncio de julgamento canônico. Quando o cardeal Luis Francisco Ladaria, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, foi chamado para testemunhar no caso Barbarin pelos juízes em Lyon, o Vaticano invocou imunidade diplomática, mas não fez isso para o Cardeal Pell. Esta política de padrões diferentes para pessoas diferentes faz parte do clima de ambiguidade e duplicidade em que estamos vivendo.

Durante este pontificado, novas normas foram introduzidas para a vida monástica e, em particular, para o claustro. Algumas comunidades monásticas estão muito preocupadas, porque consideram essas novas normas uma ameaça à vida contemplativa. Você compartilha essa preocupação?

Sim, parece que há um plano para destruir a vida contemplativa. Gostei muito dos artigos que você dedicou a este tema em seu blog. A Constituição sobre a vida contemplativa das mulheres Vultum Dei Quaerere de 29 de junho de 2016 e a Instrução Cor Iraniana de 1º de abril de 2018 suprimem toda forma de autonomia jurídica e criam federações e novos organismos burocráticos como “estruturas de comunhão”. Parte dessas estruturas significa que os mosteiros perdem, de fato, sua autonomia, que é dissolvida em uma massa anônima de mosteiros que estão se movendo em direção à dissolução da vida monástica tradicional. A “normalização” modernista dos poucos mosteiros que ainda resistem à revolução seria uma consequência inevitável. A supressão jurídica da vida contemplativa para a qual estamos caminhando não significa, contudo, o fim do espírito contemplativo, que está se tornando cada vez mais forte em resposta à secularização da Igreja. Conheço mosteiros que conseguiram assegurar a independência jurídica da Congregação para a Vida Religiosa e manter a vida monástica, apoiando a Igreja nesta crise com a sua oração intercessora. Estou convencido de que, como já foi dito, a oração dos claustros governa o mundo.

O sexto aniversário da eleição do papa Bergoglio passou, mesmo que tenha sido um pouco deprimido. Tem-se a impressão de que até mesmo pessoas que uma vez o apoiaram estão começando a se distanciar dele. Esta impressão está errada?

Sabemos que existem forças que querem destruir a Igreja. A Maçonaria é uma delas. No entanto, uma batalha aberta contra a Igreja nunca é produtiva, porque, como escreveu Tertuliano, o sangue dos mártires é a semente dos cristãos. E é por isso que, por pelo menos dois séculos, um plano foi formulado por forças anticristãs para conquistar a Igreja de dentro.

Sabemos que nos anos 1960, a União Soviética e os regimes comunistas da Europa Oriental infiltraram muitos de seus homens nos seminários e nas universidades católicas. Alguns destes subiram a escada e tornaram-se bispos ou até cardeais. Mas essa cumplicidade e atividade intencional não é necessária para contribuir para a autodestruição da Igreja. Também é possível tornar-se instrumentos desconhecidos de alguém que manipula de fora. Nesse caso, os manipuladores escolheram os homens mais adequados, homens que demonstravam fraqueza doutrinária e moral, os influenciavam, os condicionavam e às vezes os chantageavam. Os homens da Igreja não são infalíveis nem irrepreensíveis, e o Maligno constantemente coloca perante eles as tentações que o Senhor renunciou (Mt 4: 1-11).

A eleição de Jorge Mario Bergoglio foi dirigida por um lobby clerical, atrás do qual pode ser vista a presença de outros lobbies ou fortes poderes. Tenho a impressão de que os poderes e poderes eclesiásticos fora da Igreja que trabalharam para a eleição do Papa Bergoglio não estão satisfeitos com os resultados de seu pontificado. Do ponto de vista deles, houve muitas palavras, mas poucos resultados práticos. Aqueles que patrocinam o Papa Francisco estão prontos para abandoná-lo se não ocorrer uma mudança radical. Parece que ele está tendo uma última chance de revolucionar a Igreja no Sínodo da Amazônia no próximo mês de outubro. Parece-me que eles já enviaram sinais indicando isso.

Quais sinais você está se referindo?

O que aconteceu depois da cúpula sobre a pedofilia, que foi um fracasso óbvio. As grandes publicações da imprensa internacional, do Corriere della Sera ao El País, não esconderam sua decepção. Parece-me que o anúncio feito pela Conferência Episcopal Alemã por seu presidente, Cardeal Marx, de que convocarão um sínodo local que tomará decisões vinculantes sobre a moralidade sexual, o celibato sacerdotal e a redução do poder clerical, deve ser entendido. como um ultimato. É a primeira vez que os bispos alemães se expressam com tanta clareza. Eles parecem estar dizendo que, se o papa não cruzar o Rubicão, eles mesmos o atravessarão. Nos dois casos, nos encontraríamos diante de um cisma declarado.

Quais as consequências que tal separação teria?

Um cisma declarado, embora mal em si, poderia ser guiado pela Divina Providência para o bem. O bem que poderia surgir é o despertar de tantas pessoas que estão adormecidas e o entendimento de que a crise não começou com o pontificado do Papa Francisco, mas se desenvolveu por um longo tempo e tem profundas raízes doutrinárias. Devemos ter a coragem de reexaminar o que aconteceu nos últimos cinquenta anos, à luz da máxima do Evangelho, de que uma árvore é julgada pelos seus frutos (Mt 7: 16-20). A unidade da Igreja é um bem que deve ser preservado, mas não é um bem absoluto. Não é possível unir o que é contraditório, amar a verdade e a falsidade, o bem e o mal, ao mesmo tempo.

Muitos católicos sentem-se desencorajados e traídos. Nossa fé nos diz que as forças do mal não prevalecerão, e ainda assim é difícil ver uma saída para esta crise. Humanamente falando, parece que tudo está colapsando. Como a Igreja sairá desta crise?

A Igreja não tem medo de seus inimigos, e ela sempre ganha quando os cristãos lutam. Em 4 de fevereiro, em Abu Dhabi, o papa Francisco disse que há uma necessidade de “desmilitarizar o coração do homem”. Acredito, ao contrário, que é necessário militarizar os corações e transformá-los em uma Ordinata Acies, como aquela que protestou em oração na Piazza San Silvestro, em Roma, em 19 de fevereiro, e confirmou a existência de uma resistência católica contra a autodestruição da Igreja. Há muitas outras vozes de resistência que fizeram e estão se fazendo ouvir.

Acredito que devemos superar os muitos mal-entendidos que freqüentemente dividem as forças das pessoas boas. Em vez disso, devemos buscar uma unidade de intenção e ação entre essas forças, mantendo nossas identidades diferentes e legítimas. Nossos adversários estão unidos em seu ódio pelo bem e, portanto, devemos nos unir em nosso amor pelo bem e pela verdade. Mas devemos amar um bem perfeito, um bem que é completo e sem compromisso, porque Aquele que nos sustenta com o Seu amor e poder é infinitamente perfeito. Devemos colocar toda nossa esperança nEle e somente nEle. É por isso que a virtude da esperança é a que devemos cultivar mais, porque nos torna fortes e perseverantes na batalha que estamos combatendo.

Esta entrevista foi traduzida para 1P5 por Giuseppe Pellegrino. O original em italiano pode ser encontrado no blog de Aldo Maria Valli. Para encontrar mais artigos e podcasts pelo professor De Mattei e assinar o seu boletim de notícias que defende a civilização cristã, acesse https://www.patreon.com/lepantofoundation

Fonte: https://onepeterfive.com/mattei-francis-hypocrisy-lies/?

 
 
 

Artigo Visto: 266 - Impresso: 8 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.482.118 - Visitas Únicas Hoje: 294 Usuários Online: 132