"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
06/04/2019
As conseqüências da crença em Jesus Cristo
 

As conseqüências da crença em Jesus Cristo

5 de abril de 2019

https://onepeterfive.com/wp-content/uploads/2019/04/greek-cross.jpg

Raymond Kowalski

Em 28 de março de 2019, a Catholic News Agency noticiou uma palestra dada no dia anterior pelo arcebispo Charles Chaput aos seminaristas do Pontifício Colégio Josephinum em Columbus, Ohio.

Durante seu discurso, o Arcebispo Chaput disse: “Nós realmente acreditamos em Jesus Cristo ou não? Essa é a questão central em nossas vidas. Tudo liga a resposta. Porque se nossa fé cristã realmente fundar e organizar nossas vidas, então não temos motivos para temer, e temos todos os motivos para ter esperança ”.

Que pergunta impressionante pedir aos seminaristas do Josephinum, que, de acordo com o noticiário, é um seminário de nível superior e colégio diretamente responsável perante a Santa Sé e supervisionado pelo núncio apostólico nos Estados Unidos.

Uma resposta afirmativa vem com tanta facilidade para a maioria de nós. Claro que acreditamos em Jesus Cristo. Dizemos isso todos os domingos durante o Credo. Mas o arcebispo Chaput acrescenta o importante qualificador: acreditamos realmente em Jesus Cristo? Ele nos pede para ir além de meras palavras recitadas de cor. Há consequências em acreditar em Jesus Cristo.

Dois dias antes da palestra do arcebispo, a Igreja observou a Festa da Anunciação da Abençoada Virgem Maria. Essa festa poderia ser chamada, com a mesma validade, de Festa da Encarnação. Ao ponderarmos o que significa realmente crer em Jesus Cristo, este é um bom lugar para começar. É o primeiro mistério do Santo Rosário por um motivo.

Nós realmente acreditamos que Deus se tornou homem? Nós realmente acreditamos que Jesus Cristo é esse homem? Quando nos ajoelhamos durante o Credo com as palavras "foi encarnado da Virgem Maria e se tornou homem", sabemos e cremos porque marcamos essas palavras? Quando nos ajoelhamos durante o Último Evangelho com as palavras Et Verbum car factum est, concordamos com a realidade deste evento?

Como disse o arcebispo Chaput, tudo gira em torno de nossa resposta. A encarnação é a base do catolicismo. Tudo o resto é construído sobre essa doutrina. Se não acreditamos que Deus se tornou homem na pessoa de Jesus Cristo, o catolicismo é uma perda de tempo. Se acreditamos nisso, somos levados à maravilhosa realidade da salvação, ou seja, ao nosso retorno final ao Pai, por meio da Igreja que Cristo fundou e dos preceitos que Ele estabeleceu. Se realmente crermos em Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, então devemos crer na única igreja que Ele estabeleceu; devemos oferecer o sacrifício perpétuo que Ele instituiu; e devemos viver nossas vidas de acordo com tudo o que Ele ensinou.

Hoje em dia, algumas vozes importantes estão sugerindo que o mero "reconhecimento" do "Criador" é suficiente para a salvação. (Veja, por exemplo, o “Documento sobre Fraternidade Humana”, assinado pelo papa em Abu Dhabi em fevereiro de 2019, que chegou ao ponto de proclamar que é o Criador “que no último dia julgará a humanidade”.) É natural, portanto, que os fiéis hoje tenham dúvidas sobre a pessoa de Jesus Cristo, ou por que um Redentor é mesmo necessário. (Talvez seja por isso que o Arcebispo Chaput desafiou esse grupo de seminaristas a olhar profundamente em seus corações.)

Duvidar é humano. O mais famoso cético da história foi o apóstolo de Cristo, Tomé. Todos nós conhecemos a história de Tomé duvidando dos relatos da ressurreição. Mas o colóquio entre Jesus e Tomé após a Última Ceia e antes da Crucificação, como relatado em João, capítulo 14, é mais instrutivo para estes tempos.

Jesus começa dizendo: “Não se perturbe o seu coração. Você acredita em Deus, acredite também em mim. ”

Jesus explica que Ele está à frente dos apóstolos para preparar um lugar para eles na casa de Seu Pai. Ele assegura aos apóstolos: “Eu voltarei e o levarei para mim; que onde eu estiver, você também pode estar.

Thomas protesta que eles não sabem o caminho para onde Jesus está indo. Jesus responde: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim.

Então Jesus repete, fazendo sua identidade divina ser clara. "Se você tivesse me conhecido, você teria, sem dúvida, conhecido meu pai também; e a partir de agora o conhecereis pois tu o viste.

Para que ainda não haja dúvidas sobre Sua divindade e encarnação, Jesus diz: "Eu saí do Pai e vim ao mundo; novamente deixo o mundo e vou para o Pai".

Estamos aqui confrontados com o testemunho pessoal e direto do próprio Cristo a respeito de Sua identidade e da alegria eterna que pertencerá àqueles que nEle crêem. Era para tranquilizar os apóstolos a curto prazo e os fiéis ao longo dos tempos contra o tumulto e a perseguição que aguardavam aqueles que crêem. “Estas coisas eu tenho falado para você, que em mim você pode ter paz. No mundo terás angústia; mas tende confiança, eu venci o mundo ”.

Nós aceitamos a palavra dele ou não? Este é o desafio do arcebispo Chaput aos seminaristas e a todos nós. Nós realmente acreditamos em Jesus Cristo e abraçamos as conseqüências de nossa resposta?

Poucas horas depois de falar essas palavras, os apóstolos de Cristo foram confrontados com o desafio da crença. Seu professor, comandante das ondas e do vento, curador dos enfermos, mestre dos demônios, fora brutalmente e publicamente torturado e morto - um exemplo para todos os que se consideravam adeptos desse radical.

Depois de aprender sobre a ressurreição de Cristo, os onze discípulos foram para a montanha designada na Galiléia. “E, vendo-o, adoraram; mas alguns duvidaram” (Mateus 28:17).

Depois de reafirmar que “todo poder me é dado no céu e na terra”, Cristo os enviou para o mundo:

“Portanto, ide, ensinai todas as nações; batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Ensinando-os a observar todas as coisas que eu lhes ordenei: e eis que estou convosco todos os dias, até a consumação do mundo. (Mateus 28: 18-20)”

Eles haviam sido peneirados, colocados à prova. Agora confirmados em sua crença em Cristo, saíram com zelo para cumprir sua missão, sabendo muito bem que, como conseqüência, beberiam do mesmo cálice.

Em nosso tempo, o martírio é uma consequência menos provável da crença em Cristo, embora esteja voltando em muitas partes do mundo. Por enquanto, nossa mídia noticiou sobre os padres sendo esfaqueados na missa em Montreal e as estátuas da Virgem Maria sendo decapitadas na área de Los Angeles. Para agora.

Em nosso tempo, a conseqüência mais provável da crença em Jesus Cristo, e a observância de todas as coisas que Ele ordenou, é conflito: conflito entre pais e filhos; conflito entre amigos; conflito entre paroquianos; e, talvez de forma mais trágica, conflito entre os crentes e seu clero.

Essa é a lição a ser tirada. Se você realmente acredita em Jesus Cristo, esteja preparado para o conflito.

Raymond Kowalski

https://onepeterfive.com/wp-content/uploads/2017/09/raymond-kowalski-2-128x128.jpg

Raymond Kowalski é de Rochester, Nova York. Ele é um produto das escolas primárias paroquiais e do Instituto Aquino. Ele é bacharel pela St. Bonaventure University e graduado em direito pela Universidade George Washington. Após uma carreira de quarenta anos em direito de comunicações, ele é aposentado e vive com sua esposa em Gainesville, Virgínia. Eles são os pais de três filhos e avós de cinco.

Fonte: https://onepeterfive.com/consequences-belief-jesus-christ/?

 
 
 

Artigo Visto: 278 - Impresso: 5 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.590.937 - Visitas Únicas Hoje: 268 Usuários Online: 154