"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
30/05/2019
É POR ISSO QUE OS CATÓLICOS SE AFUNDARAM NA POLÍTICA DE BERGOGLIO QUE (ALÉM DA IGREJA) ESTÁ AFUNDANDO TODOS OS QUE ELE PATROCINA.
 

É POR ISSO QUE OS CATÓLICOS SE AFUNDARAM NA POLÍTICA DE BERGOGLIO QUE (ALÉM DA IGREJA) ESTÁ AFUNDANDO TODOS OS QUE ELE PATROCINA.

Publicado: 28 de maio de 2019 04:08 PDT

https://www.antoniosocci.com/wp-content/uploads/2019/05/morales.png

Agora parece o beijo da morte. Tudo o que Bergoglio toca vai a ruína. Na Igreja acima de tudo (e é evidente para todos). Mas também na política, que é a verdadeira obsessão do jesuíta argentino.

Nas eleições presidenciais americanas, ele se lançou contra Trump (e em favor de Clinton) e Trump triunfou, enquanto Hillary afundou. O mesmo aconteceu nas eleições presidenciais de sua Argentina e do Brasil. Duas derrotas amargas para os candidatos apoiados por ele.

Desastre igual para consultas na Colômbia. Ele então se opôs à Brexit e nós sabemos como isso terminou. Até agora, o apoio de Bergoglio deve ser evitado como uma condenação segura.

Na Itália, o PDP segue Bergoglio em sua linha de migração desde 2013. Assim, o Vaticano em 2016 apoiou o referendo constitucional de Renzi e foi um desastre tão grande que o governo de Renzi entrou em colapso. Então, nas eleições de 2018, a igreja Bergogliana apoiou o Partido Democrata contra a Liga e o centro-direita e o Partido Democrata saiu em pedaços, caindo para um recorde de baixa, com a renúncia de Renzi do secretariado.

Nas eleições europeias de 2019, para deter Salvini, o Vaticano estabeleceu uma conexão com o M5S, que é ultralaicista, mas Bergoglio não se importa: ele estava interessado em Di Maio bombardeando Salvini todos os dias. E Di Maio fez isso. Um cardeal havia confidenciado ao jornal diário “Fatto quotidiano” que no Vaticano "as Cinco Estrelas estão em casa". Bem, mesmo para o M5S, o de Bergoglio foi o beijo da morte: o colapso e os votos pela metade.

Assim, estas eleições europeias deram-nos um vencedor, Matteo Salvini, e duas derrotas absolutas: o M5S e o Jorge Mario Bergoglio. É óbvio para todos porque Bergoglio, esquecendo-se do sagrado ministério de Vigário de Cristo, se jogou de corpo e alma na luta política nestas semanas, lançando-se numa campanha eleitoral desenfreada contra Salvini.

O bispo de Roma também arrastou a Igreja italiana para um vórtice de fanatismo antisalviniano que chegou a ponto de permitir ao “Fatto quotidiano” de titular: "O Papa é a verdadeira oposição a Matteo Salvini". E também: "Cei:" Vote em todos exceto em Salvini ".

"L'Espresso", no dia da votação, dedicou a cobertura a Bergoglio, como herói da esquerda, o "Zorro", que supostamente acabaria com o líder da Liga. O subtítulo é eloquente: "Banners e máscaras. O povo do protesto e a Igreja do papa Bergoglio que passa para a oposição ".

Ele queria se tornar um político (humilhar a cadeira de Pedro e escandalizar milhões de fiéis), por isso é certo que Bergoglio deva agora ser avaliado como político: totalmente rejeitado pelo povo e, acima de tudo, pelo povo católico. Como político, ele até foi desencorajado pelos fiéis que usaram essa oportunidade para fazer o Vaticano entender como eles pensam sobre o papado da extrema esquerda que reduziu a Igreja a condições dolorosas e que quer encher a Itália com imigrantes (talvez islâmicos).

A degradação do ministério petrino, o esvaziamento da fé para uma dimensão sociológica completamente horizontal, do ativismo político de extrema esquerda, o enfoque exclusivo e obsessivo sobre os migrantes, sendo completamente indiferente aos problemas de nosso povo, tudo isso convenceu as pessoas que a atual cúpula do Vaticano - além de maltratar cristãos freqüentemente com más expressões - menosprezam os italianos e, após o episódio do cardeal eletricista, havia a clara sensação de que ele nem mesmo respeita o Estado italiano e suas regras.

Foi uma operação intrigante. Nestas semanas de massacres de cristãos no mundo, de pesados ataques à vida e de dados alarmantes mostrando o esvaziamento de igrejas na Itália, a hierarquia do Vaticano, desconsiderando Deus, decidiu gritar em escândalo a única coisa pela qual ele deveria ter exultado: um político que confia os destinos da Itália e da Europa ao Imaculado Coração de Maria e que chama seu povo à proteção dos santos padroeiros da Europa.

O tribunal  Bergogliano fica horrorizado com um rosário quase como se tivesse medo dele. Bergoglio até fez saber que nunca iria apertar a mão de Salvini: contudo, ele abraçara calorosamente a secular e abortista Bonino e acolhera o Centro Social Leoncavallo no Vaticano com outros centros sociais da esquerda sul-americana.

De fato, Bergoglio, ficou horrorizado com o rosário beijado por Salvini na praça, é o mesmo Bergoglio que gostou (trazendo com ele) do dom do socialista boliviano Morales: o martelo e a foice com a imagem de Cristo e não ficou chocado e não se levantou, mas sim quando Salvini beijou o rosário.

Se a mensagem de Bergoglio - através da CEI - foi (como resumido no "Fatto") "voto para todos exceto em Salvini", o povo italiano e sobretudo o povo católico reagiram votando por Salvini e batendo Bergoglio e a CEI.

Salvini compreendeu isso e nos comentários quentes, no domingo à noite, ele voltou a beijar o rosário e agradecer a Nossa Senhora, apenas para agradecer aos muitos católicos que confiaram nele e para reiterar sua firme defesa das raízes espirituais da Itália e da Europa, que é então a tenaz batalha pela nossa identidade.

Depois que os catto-progressistas, nestas décadas, tanto enfatizaram (em palavras) o papel dos leigos na Igreja, as hierarquias clerical-progressistas invadiram ilegalmente o campo politico dos leigos e fracassaram, sendo profundamente rejeitados pelos leigos Católicos.

Então, agora que eles aprendam com os católicos. Que eles aprendam humildemente a lição que os leigos, em seu campo específico, deram ao Tribunal Bergogliano e a CEI. Façam mea culpa e peçam desculpas ao povo católico, a que traíram, e a todos os italianos.

Que essas hierarquias voltem a ocupar-se com a fé, com Jesus Cristo, e talvez - em vez de fazer comícios - levem a peregrina Madonna às ruas das cidades, que sirva também para lembrar ao povo o perigo mortal do comunismo (perseguidor dos cristãos) .

Bergoglio e a CEI podiam pedir a um leigo que lhes ensinassem a devoção a Nossa Senhora e aos nossos Santos. Por exemplo, eles poderiam chamar Salvini para ensiná-los. Na verdade, parece que Nossa Senhora, através do povo, respondeu à oração de Salvini, abençoando suas intenções.

Antonio Socci

De "Libero", 28 de maio de 2019

Fonte: https://www.antoniosocci.com/ecco-perche-i-cattolici-hanno-affondato-il-politico-bergoglio-che-oltre-alla-chiesa-affossa-tutti-quelli-che-sponsorizza

 
 
 

Artigo Visto: 464 - Impresso: 4 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.545.089 - Visitas Únicas Hoje: 941 Usuários Online: 185