"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
10/06/2019
COMÍCIO NA IGREJA PARA MIGRANTES EM VEZ DE TESTEMUNHAR A RESSURREIÇÃO.
 

COMÍCIO NA IGREJA PARA MIGRANTES EM VEZ DE TESTEMUNHAR A RESSURREIÇÃO.

Postado: 09 jun 2019 01:25 PM PDT

https://www.antoniosocci.com/wp-content/uploads/2019/06/papa-francesco-bergoglio-comunista-709979-768x595.jpg

"Servir aos pobres está no Evangelho, não é comunismo", disse o papa Bergoglio na terça-feira para responder aos críticos. Esquecendo-se de dizer que o comunismo era o pior inimigo dos pobres. E esquecendo que no Evangelho está escrito que, acima de tudo, devemos servir a Deus.

Jesus não lança um partido, ele não lida com eleições e política, mas com o Reino dos Céus. Dos pobres, Cristo fala de maneira diametralmente oposta a Marx e Lenin, que não por acaso detestaram o cristianismo. O magistério bergogliano é confuso e causa confusão.

Segundo a pesquisa de Doxa nos últimos cinco anos, que corresponde ao pontificado de Francisco, o número de fiéis católicos na Itália caiu quase oito pontos percentuais (7,7%).

Mas o papa Bergoglio não parece preocupado com essa catástrofe espiritual (na verdade, ele continua a atacar severamente as ordens religiosas mais fervorosas e com mais vocações para que esse colapso se agrave).

O que o preocupa parece ser o colapso do número de migrantes desde que Matteo Salvini chegou ao Viminale, que também aponta que o fim das partidas de barcos significa o quase zero do número de mortes no Mediterrâneo.

Para Bergoglio, os migrantes representam uma espécie de dogma de uma nova religião social,  modelo teologia da libertação. Com ele, o catolicismo parece ter sido progressivamente substituído por uma religião globalista, comunista, mundana, politicamente correta, não sobrenatural, tanto que nos últimos dias (sobre o tema dos ciganos) Bergoglio até mereceu um tweet de apoio entusiástico do próprio George Soros.

Há aqueles que o chamam de "o bispo de Rom", em vez de "o bispo de Roma". Mas também "Bispo de Romadan".

Na verdade, os muçulmanos estão tão felizes com este desmantelamento do catolicismo que eles têm dedicado o Ramadã para ele. O site de "notícias do Vaticano" (“Vatican news”) veio com um título eloqüente: "a festa do fim do Ramadã, na Itália, pela primeira vez dedicada ao Papa Francisco".

Assim, Bergoglio aplaude secularistas, muçulmanos, comunistas, ateus, incrédulos e comedores. Enquanto os católicos confusos decidem cada vez mais se opor publicamente à política Bergogliana precisamente em seu dogma fundamental: a imigração.

Aconteceu na Itália com as eleições européias de 26 de maio, para as quais o papa Bergoglio se opusera tão teimosamente a Matteo Salvini, pelo qual ele Bergoglio foi indicado pela esquerda como seu símbolo e líder.

Foi precisamente nesta eleição que houve um boom no voto católico para a Liga que hoje - segundo Ilvo Diamanti (publicado ontem pela "Repubblica") - é o primeiro partido dos católicos italianos. E seu consentimento para Salvini cresceu enormemente nos últimos meses, coincidindo com sua demonização pela mídia Bergogliana.

O choque dentro da Igreja ressurge nessas horas para uma história surreal. É sabido que com o Natal de Bergoglio, mais do que a Encarnação de Deus, se tornou a festa do "Jesus migrante" (nunca foi um migrante). A Páscoa, mais que a ressurreição de Cristo, celebra hoje a paz no mundo e a aceitação do migrante.

Agora Bergoglio, irritado com a derrota ardorosa nas pesquisas, parece usar o festival de Pentecostes que é comemorado hoje para fins políticos. Parece impossível explorar para fins políticos a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos e sobre Maria, no Cenáculo de Jerusalém, uma festa que recorda o mistério de Deus e a eternidade. No entanto, eles fazem isso.

Os bispos do Lácio - com base no impulso óbvio de Bergoglio - tomaram Pentecostes como pretexto para escrever uma "Carta aos fiéis", a ser proclamada hoje em todas as igrejas da região, precisamente para acolher os migrantes.

Para entender o tom, cito o título que fez "La Bussola Quotidiana" (um site católico não alinhado): "Proclamação da Imigração na Missa, sacerdotes conscritos de Lácio".

O site define essa carta como "politicamente instrumental e, portanto, ilegítima. Muitos sacerdotes questionam se desobedecem a tal violação: "Eu dei a minha vida por Cristo, não por um partido".

Mais tarde, o " La Bussola" (que além disso não tem simpatias da Liga) o julga "um documento verdadeiramente singular, que parece estar localizado a meio caminho entre uma forma de autoflagelação e interferência partidária".

O comentarista Marco Tosatti escreve novamente: "Parece que muitos párocos têm o bom senso de não ler este manifesto para o PD durante a missa. Também porque correria o risco de ter os fiéis que se levantam e lembrá-los de que na igreja não há política, e nenhum documento de partido pode ser lido ”.

Na verdade, na conta do Twitter da Diocese de Roma, onde a iniciativa foi lançada, os comentários são de indignação. Um deles é lapidário: "documento primorosamente político".

Beatrice Leoni Comenta: "eu esperava que seria uma notícia ' exagerada ', na medida em que a letra existia, mas não (havia) a intenção de lê-la durante as missas. Tanto quanto eu estou preocupada, eu vou levantar-se e sair para ler a carta acima mencionada. Aparentemente, o Evangelho não é suficiente, mas além do que sabemos, vem do Maligno ”.

Antonio diz desconsolado que "eles também distorceram o Pentecostes". Um certo Piperita Patti conclui: "este papa é um herege" (por conta da diocese de Roma).

Fabrizio Brasili lembra o ensinamento de João Paulo II e Bento XVI, completamente diferente do atual.

Christina ironicamente pede aos Bispos: "encorajamento para rezar, evangelizar e não pecar, você colocaram no anexo?"

Maria escreve: "Primeiro, deixe que aqueles da nossa família, aqueles que vivem como máquinas, aqueles que não têm emprego, aqueles que não são assistid. Então podemos olhar para o estranho que tem documentos, que quer trabalhar, que não estupra, não mata e respeita as leis. "

Um certo " encontrar trabalho" é drástico: "Buffoni. Fundou um partido um em vez disso. Então nós contamos contigo ". Memedesima escreve desconsoladamente: "Mas deveríamos ir à missa fora de Lazioi para não ouvir a exploração política? Mas o que está acontecendo com a Igreja? "

Sangarre convida os bispos a meditarem "seriamente" sobre o Evangelho: "Vocês está imerso num mundo louco e transitório para que nem sequer percebam de que realmente fala a escritura. E a quem. "

Zot escreve aos bispos: "Eu diria que vocês são um tanto hereges". Em seguida, ele relata uma passagem de João Paulo II, que ele chama de "verdadeiro papa", que define o "verdadeiro Papa", que enviou "o controle dos fluxos migratórios" para as autoridades públicas. O Papa Wojtyla escreveu: "a recepção deve sempre ser cumprida no respeito das leis e conseqüentemente combinar, quando necessário, com a repressão firme dos abusos".

Luca cita o cardeal africano Robert Sarah e escreve: "O cardeal Sarah apóia a leitura fiel das Sagradas Escrituras: "Deus não quer migrações ... Não podemos acolher migrantes no ocidente, as pessoas devem ser ajudadas em seus países".

Outra recorda o Catecismo: "O apelo à acolhida e à imigração viola o Catecismo, segundo o qual os pastores da Igreja não podem intervir diretamente na ação política e na organização da vida social".

De fato o n. 2442 do Catecismo que ele relata diz: "Não cabe aos pastores intervir diretamente na ação política e na organização da vida social. Esta tarefa faz parte da vocação dos fiéis leigos, que trabalham por sua própria iniciativa em conjunto com os seus concidadãos ".

Lucilla pergunta: "É possível falar conosco sobre Cristo e deixar a política fora da missa?" Outro acrescenta: "Vocês estão destruindo um legado milenar de espiritualidade". Cicno espera "que Deus tenha misericórdia" sobre esses pastores e reza "por sua conversão".

Anna Rota observa: "Quão triste é uma Igreja reduzida a uma organização sem fins lucrativos ... O Céu não perdoará esta blasfêmia".

E Lorenzo Stecchetti: “Até na solenidade do Pentecostes é uma oportunidade para você fazer política, ao invés de falar sobre Cristo. Que vergonha ".

Antonio Socci

De "Libero", 9 de junho de 2019

Fonte: https://www.antoniosocci.com/attaccano-pure-la-pentecoste-comizio-nelle-chiese-per-i-migranti-invece-che-testimoni-della-resurrezione-protesta-dei-fedeli-che-vogliono-restare-cattolici

 
 
 

Artigo Visto: 345 - Impresso: 4 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.545.080 - Visitas Únicas Hoje: 932 Usuários Online: 196