"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
09/07/2019
China viola o acordo com o Vaticano
 

China viola o acordo com o Vaticano

http://magister.blogautore.espresso.repubblica.it/files/2019/07/Cinesi.jpg

Por Sandro Magister

Há importantes notícias nas “Diretrizes” que a Santa Sé deu em 28 de junho aos bispos e sacerdotes chineses sobre a obrigação de assinar um registro civil, “sob pena de incapacidade de funcionar pastoralmente”.

A notícia levanta o véu sobre um ponto-chave do “acordo provisório”, ainda em segredo, sobre a nomeação de bispos, assinada pela Santa Sé e Pequim em 22 de setembro passado.

Agora sabemos de fato das “Diretrizes” que neste acordo a China comunista pela primeira vez “reconheceu o papel particular do Sucessor de Pedro”. Daí se segue que a “independência” da Igreja Católica Chinesa de todos os países estrangeiros o poder, um elemento que ainda é indispensável para as autoridades de Pequim, não deve mais ser entendido “em um sentido absoluto, ou seja, como separação do Papa e da Igreja Universal”, mas em certo sentido “relativo à esfera política”.

Os fatos, no entanto - como também sabemos das “Diretrizes” - não correspondem a esse entendimento, porque “quase sempre” padres e bispos ainda são obrigados a assinar documentos em que “o princípio da independência, autonomia e auto- A administração da Igreja na China ”é reiterada em termos absolutos,“ apesar do compromisso assumido pelas autoridades chinesas de respeitar também a doutrina católica ”.

Essa é a razão pela qual na carta de 2007 aos católicos chineses - ainda a “carta magna” da Igreja Católica na China - Bento XVI chamou de “incompatíveis com a doutrina católica” os princípios fundadores da Associação Católica Patriótica Chinesa, órgão de supervisão do regime. , que qualquer um que quisesse sair do subsolo era obrigado a participar.

Agora, entretanto, para a inscrição da Santa Sé na Associação Patriótica - ou em um equivalente - não deve mais ser absolutamente descartada, contanto que seja acompanhada por um atestado concomitante de observância da doutrina católica, feita por escrito ou “mesmo somente verbalmente, se possível na presença de uma testemunha ”, e em qualquer caso informando o bispo pertinente da“ intenção ”com a qual o registro foi assinado.

Para julgar, portanto, por essas mesmas “Diretrizes”, as relações entre a Santa Sé e a China continuam sendo muito difíceis. Apesar do fato de que Roma está fazendo tudo o que pode para suavizar ou contornar as divergências, a realidade dos fatos continua a ser "quase sempre" em detrimento dos católicos chineses. A tal ponto que observadores de conhecimentos comprovados, como os Padres Sergio Ticozzi e Bernardo Cervellera, do Pontifício Instituto de Missões Estrangeiras, não hesitaram em chamar “um pouco teórico e otimista” o avanço que Roma deu com a publicação das “Diretrizes”, e denunciar como totalmente fora do lugar os aplausos proferidos em 19 de junho pelo “Global Times” - um órgão oficial do Partido Comunista em língua inglesa - em três “primeiros” do Vaticano em Pequim, como se fossem a prova de um magnífico acordo: uma exposição dos Museus do Vaticano, uma conferência entusiasmada “sobre o Papa Francisco e sua visão” do jesuíta Bernard Vermander, e outra conferência super otimista sobre as relações entre a China e a Santa Sé pelo padre Antonio Spadaro, diretor da “La Civiltà Cattolica” e um colaborador próximo do papa Francisco, reimpresso no dia 27 de junho em L'Osservatore Romano.

*

Se alguém quiser entrar no meio das coisas, dois casos emblemáticos podem ser citados.

O primeiro é um documento publicado na íntegra em 25 de junho pelo “Asia News”. Ele vem de Fujian e intitula-se “Carta de compromisso para os responsáveis ​​pelos locais de culto e pelas pessoas consagradas”. Assinatura é obrigatória para exercer o ministério de pároco, sob pena de ser levado de volta à clandestinidade. E o mesmo vale para as pessoas consagradas, as freiras.

Entre as exigências impostas por este documento estão as de “proibir que menores entrem na igreja” e “não organizar cursos de formação para menores”, portanto nem mesmo o catecismo para crianças em instalações paroquiais.

Há também a exigência de romper todas as relações com os confrades da fé católica no exterior e recusar convites para conferências ou entrevistas. Mesmo em suas próprias casas, eles não podem exibir imagens sagradas, cantar hinos ou postar comentários de natureza religiosa on-line.

Documentos semelhantes estão em uso em Henan, Hubei, Zhejiang.

*

O segundo caso é o da diocese de Mindong, também em Fujian, e de seus dois bispos.

Até 2018, o único bispo reconhecido por Roma - mas não por Pequim - foi Vincent Guo Xijin, constantemente perseguido pelas autoridades chinesas, que instalaram na mesma diocese em 2000 o excomungado Vincent Zhan Silu, um homem do regime, vice -presidente da Associação Patriótica e da pseudo-conferência episcopal que reúne apenas os bispos indicados pelo governo, além de ser membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês.

Mas quando, em 22 de setembro de 2018, Roma e Pequim assinaram o acordo acima mencionado, o Papa Francisco libertou Zhan da excomunhão, atribuiu-lhe o governo da diocese e rebaixou Guo como seu bispo auxiliar.

Guo, no entanto, não é igualmente reconhecido como bispo pelas autoridades chinesas, até que ele deve colocar sua assinatura em um documento que exige dele não apenas obediência ao novo bispo titular, mas acima de tudo submissão às leis do país e adesão aos princípios da “independência” e à Associação Patriótica.

Guo resiste. Ele reconhece a obediência ao bispo e a submissão às leis. Mas ele se recusa a aderir aos princípios da "independência" e à Associação Patriótica. As autoridades chinesas permitem que ele celebre publicamente os ritos da Semana Santa, proibidos a ele até poucos dias antes, mas eles não querem que se torne conhecido o que ele assinou e o que ele não assinou. Pelo contrário, eles divulgam sua adesão à Associação Patriótica para induzir os sacerdotes da diocese a fazer o mesmo.

Guo então se rebela. A fim de reivindicar a liberdade para si e para seus sacerdotes, ele envia às autoridades uma carta na qual ele escreve:

“O governo decidiu perseguir padres que se recusam a assinar a adesão à Associação Patriótica. Se não sou capaz de protegê-los, não vale a pena ser reconhecido como bispo auxiliar. Estou pronto para enfrentar a perseguição junto com os outros sacerdotes ”.

A retaliação é imediata. As autoridades do governo impedem Guo de presidir em 28 de junho o rito da profissão religiosa para algumas freiras do Sagrado Coração. E ele reage por não participar, no dia seguinte, na missa de dedicação para a nova catedral de Mindong, construída com dinheiro do governo.

Ele explica sua ação em uma breve carta aos sacerdotes da diocese, publicada na íntegra por “Asia News”, na qual ele escreve:

“Decidi não ir à cerimônia, mesmo que eles me tragam uma maca. Eu sou um homem e não um macaco que realiza no entanto o que alguém quer. Eu pensava em não dizer nada, mas alguns irmãos me disseram que todos têm o direito de saber a verdade.

E Mindong foi a diocese que para os fãs do acordo entre Roma e Pequim era para ser o "projeto-piloto" para a nova Igreja chinesa...

Fonte:http://magister.blogautore.espresso.repubblica.it/2019/07/04/china-violates-the-accord-a-bishop-rebels/

 
 
 

Artigo Visto: 221 - Impresso: 1 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.583.174 - Visitas Únicas Hoje: 1.296 Usuários Online: 235