"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
11/07/2019
"Sínodo da Amazônia, um pretexto para mudar a Igreja"
 

"Sínodo da Amazônia, um pretexto para mudar a Igreja"

11/07/2019

O cardeal Gerhard Müller, ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, rejeita sem apelo o Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia: "Vem de uma visão ideológica que nada tem a ver com o catolicismo". «Eles tratam o nosso Credo como se fosse a nossa opinião europeia, mas o Credo é a Revelação de Deus em Jesus Cristo, que vive na Igreja. Não há outras crenças. "" Devemos rejeitar expressões como "conversão ecológica". Há apenas conversão ao Senhor e, como conseqüência, há também o bem da natureza ". "Os sacramentos não são rituais de que gostamos e o sacerdócio não é uma categoria sociológica". "A Revelação de Deus em Cristo torna-se presente nos sacramentos, e a Igreja não tem autoridade para mudar a substância dos sacramentos".

http://lanuovabq.it/storage/imgs/muller-large-0-1-2-3-4.jpg

por Riccardo Cascioli

"O Sínodo da Amazônia é um pretexto para mudar a Igreja, e o fato de ser feito em Roma quer enfatizar o início de uma nova Igreja". O cardeal Gerhard Müller, ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, não usa meias palavras para julgar o que está acontecendo em preparação para o Sínodo da Amazônia, que ocorrerá em outubro próximo no Vaticano. De sua casa, a poucos passos da Praça de São Pedro, ele examinou o que estava acontecendo e concordou em examinar conosco o Instrumentum Laboris, ou o documento que servirá de base para discussão durante o Sínodo, fonte de muitas controvérsias e para o qual também o nosso jornal pediu que ele fosse rejeitado pelos padres sinodais (clique aqui): "É apenas um documento de trabalho que não tem valor magisterial - disse o cardeal Müller - então apenas pessoas ignorantes podem dizer que aqueles que o criticam são inimigos do papa". Infelizmente este é o truque para evitar qualquer diálogo crítico, se você tentar fazer uma objeção você é imediatamente rotulado como um inimigo do Papa ". Mais do que um esclarecimento apropriado, porque o texto do Instrumentum Laboris é desconcertante ao descrever a Amazônia e os povos que a habitam como modelo para toda a humanidade, um exemplo de harmonia com a natureza, síntese perfeita do que se entende por ecologia integral . É um documento que apresenta uma imagem idílica da Amazônia, incluindo as religiões indígenas, a ponto de tornar o cristianismo inútil, se não pelo apoio "político" que pode dar para manter esses povos intocados e defendê-los dos predadores que querem trazer desenvolvimento e "Roubar" recursos.

Eminência, você diz "eles querem mudar a Igreja", mas quais são os sinais claros dessa vontade?

A abordagem do Instrumentum Laboris é uma visão ideológica que nada tem a ver com o cristianismo. Eles querem salvar o mundo de acordo com sua ideia, talvez usando alguns elementos das Escrituras. Não é de surpreender que, embora falemos de Revelação, Criação, sacramentos, relações com o mundo, quase nenhuma referência é feita aos textos do Concílio Vaticano II que definem estes aspectos: Dei Verbum, Lumen Gentium, Gaudium et Spes. Não há menção da raiz da dignidade humana, da universalidade da salvação, da Igreja como o sacramento da salvação. Existem apenas idéias profanas, que também podem ser discutidas, mas não há nada a ver com o Apocalipse.

A este respeito, parece-me importante mencionar o não. 39 do Instrumentum Laboris, onde fala de “um amplo e necessário campo de diálogo entre as espiritualidades, as crenças e as religiões amazônicas que requer uma aproximação amistosa às diferentes culturas”. E ele diz: "A abertura não sincera ao outro, bem como uma atitude corporativa que reserva a salvação exclusivamente para a crença de alguém, são destrutivas desse mesmo credo".
Eles tratam nosso Credo como se fosse nossa opinião européia. Mas o Credo é a Revelação de Deus em Jesus Cristo, que vive na Igreja. Não há outras crenças. Em vez disso, há outras crenças filosóficas ou expressões mitológicas, mas ninguém jamais ousou dizer, por exemplo, que a Sabedoria de Platão é uma forma da revelação de Deus.Na criação do mundo, Deus manifesta apenas sua existência, sendo ele um ponto de referência de consciência, da lei natural, mas não há outra revelação fora de Jesus Cristo. O conceito de Lógos spermatikòs (as "sementes da Palavra"), adotado pelo Concílio Vaticano II, não significa que a Revelação em Jesus Cristo exista em todas as culturas independentemente de Jesus Cristo. Como se Jesus fosse apenas um desses elementos do Apocalipse.

Então você concorda com o cardeal Brandmüller, quando ele fala sobre "heresia" sobre este documento.

Heresia? Não só isso, também é estupidez. O herege conhece a doutrina católica e a contradiz. Mas aqui há apenas muita confusão, e o centro de tudo não é Jesus Cristo, mas sim suas próprias idéias para salvar o mundo.

No documento, a "cosmovisão" dos povos indígenas é um modelo de ecologia integral, que seria uma concepção na qual espíritos e divindades agem "com e no território, com e em relação à natureza". E está associado ao "mantra de Francisco:" está tudo conectado "" (nº 25)

A "cosmovisão" é uma concepção materialista, semelhante à do marxismo, no final, podemos fazer o que queremos. Mas acreditamos na Criação, a matéria é a forma da essência da natureza, não podemos fazer o que queremos. A criação é para a glorificação de Deus, mas é também um desafio para nós, chamado a colaborar com a vontade salvadora de Deus para todos os homens. Nossa tarefa não é conservar a natureza como ela é, mas temos responsabilidade pelo progresso da humanidade, educação, justiça social, paz. É por isso que os católicos constroem escolas, hospitais, esta é também a missão da Igreja. A natureza não pode ser idealizada como se a Amazônia fosse uma área do Paraíso, porque a natureza nem sempre é amorosa para com o homem. Na Amazônia existem predadores, existem infecções, doenças. E mesmo essas crianças, esses jovens têm direito a uma boa educação para se beneficiar da medicina moderna. Não se pode idealizar, como é feito no documento sinodal, apenas a medicina tradicional. Uma coisa é tratar uma dor de cabeça, outra coisa quando há doenças graves, operações complicadas. O homem não só tem o direito, mas também o dever de fazer tudo para preservar ou restaurar a saúde. Mesmo o Conselho valoriza a ciência moderna, porque graças a isso derrotamos tantas doenças, diminuímos a mortalidade infantil e também os riscos para a mãe.

No entanto, as culturas e religiões tradicionais dos povos indígenas da Amazônia são descritas como um modelo de harmonia com a natureza.

Depois do pecado original, não há harmonia com a natureza. Muitas vezes é inimigo do homem, em qualquer caso, é ambivalente. Pense nos quatro elementos: terra, fogo, água, ar. Terremotos, incêndios, inundações, tempestades são todas manifestações da natureza, perigos para o homem.

Tudo é lido na chave de uma "conversão ecológica" obediente ...

Devemos rejeitar absolutamente expressões como "conversão ecológica". Há apenas conversão ao Senhor e, como conseqüência, há também o bem da natureza. Não podemos fazer do ecologismo uma nova religião, aqui estamos numa concepção panteísta, que deve ser rejeitada. O panteísmo não é apenas uma teoria sobre Deus, mas também desprezo pelo homem. Deus que se identifica com a natureza não é uma pessoa. Deus, o criador, nos criou à sua imagem e semelhança. Na oração, temos um relacionamento com um Deus que nos escuta, que entende o que queremos dizer, não um misticismo em que podemos dissolver a identidade pessoal.

... E se considera a Mãe Terra.

Nossa mãe é uma pessoa, não a Terra. E nossa mãe na fé é Maria. A Igreja também é descrita como mãe, como a noiva de Jesus Cristo. Mas estas palavras não devem ser infladas. É uma coisa ter respeito por todos os elementos deste mundo, outro para idealizá-los ou deificá-los. Essa identificação de Deus com a natureza é uma forma de ateísmo, porque Deus é independente da natureza. Eles ignoram totalmente a Criação.

Já no início dos anos 80 do século passado, o então cardeal Ratzinger viu que nas igrejas não havia mais pregação sobre a Criação e previa as consequências dramáticas.

De fato, todos esses erros nascem da confusão entre Criador e criatura, da identificação da natureza com Deus, que entre outras coisas gera o politeísmo, porque cada elemento natural está associado a uma divindade. A essência do monoteísmo bíblico é a diferença ontológica entre Criador e criação. Deus não faz parte do seu trabalho, ele é soberano acima de todas as coisas criadas. Isso não é desprezo, mas uma elevação da natureza. E os homens não são mais escravos dos elementos, eles não precisam mais adorar o deus do fogo, ou fazer sacrifícios ao deus do fogo para nos pacificar com um elemento que nos assusta. O homem finalmente está livre.

Nesta visão panteísta que é adotada pelo Instrumentum Laboris, há também uma crítica ao antropocentrismo, que a própria Igreja deveria corrigir.

É uma ideia absurda fingir que Deus não é antropocêntrico. O homem é o centro da Criação, e Jesus se tornou homem, ele não plantou a si mesmo. Isto é uma heresia contra a dignidade humana. Pelo contrário, a Igreja deve enfatizar o antropocentrismo, porque Deus criou o homem à sua imagem e semelhança. A vida do homem é infinitamente mais digna do que a vida de qualquer animal. Hoje já existe uma reversão desse princípio: se um leão é morto na África, é um drama mundial, mas aqui as crianças são mortas no ventre da mãe e tudo está bem. Stalin também argumentou que essa centralidade deveria ser removida da dignidade humana; então ele poderia chamar tantos homens para construir um canal e fazê-los morrer por causa das futuras gerações. Eis para que servem essas ideologias, para fazer algumas dominarem todas as outras. Mas Deus é antropocêntrico, a encarnação é antropocêntrica. A rejeição do antropocentrismo vem apenas do ódio de si mesmo e de outros homens.

Outra palavra mágica do Instrumentum Laboris é a inculturação, muitas vezes associada à Encarnação.

Usar a Encarnação quase como sinônimo de inculturação é a primeira mistificação. A Encarnação é um evento único, irrepetível, é a Palavra que está incorporada em Jesus Cristo. Deus não encarnou na religião judaica, ele não encarnou em Jerusalém. Jesus Cristo é único. É um ponto fundamental, porque os sacramentos dependem da Encarnação, são a presença do Verbo encarnado. Certos termos que são centrais para o cristianismo não podem ser abusados.

Voltemos à inculturação: do documento sinodal entendemos que devemos adotar todas as crenças dos povos indígenas, seus rituais e seus costumes. Também se faz referência a como o cristianismo primitivo foi inculturado no mundo grego. E é dito que, como fizemos, devemos fazer hoje com o povo amazônico.

Mas a Igreja Católica nunca aceitou os mitos gregos e romanos. Pelo contrário, ele rejeitou uma civilização que desprezava os homens com escravidão, rejeitou a cultura imperialista de Roma ou a típica pederastia dos gregos. A referência da Igreja foi para o pensamento da cultura grega, que passou a reconhecer elementos que abriram o caminho para o cristianismo. Aristóteles não inventou as dez categorias: elas já existem no ser, ele as descobriu. Como na ciência moderna: não é algo que diz respeito apenas ao Ocidente, mas sim a descoberta de algumas estruturas e mecanismos que existem na natureza. O mesmo se aplica à lei romana, que não é um sistema arbitrário. Em vez disso, é a descoberta de alguns princípios legais, que os romanos encontraram na natureza de uma comunidade. Certamente outras culturas não tiveram essa profundidade. Mas nós não vivemos na cultura grega, o cristianismo transformou totalmente a cultura grega e romana. Certos mitos pagãos podem ter uma dimensão pedagógica em relação ao cristianismo, mas não são elementos que encontraram o cristianismo.

Nesse processo de inculturação, o Instrumentum Laboris também "releia" os sacramentos, especialmente no que diz respeito às ordens sagradas, sob o pretexto de que há poucos padres em tão vasto território.

É aqui que é demonstrado que a abordagem usada não tem nada a ver com o cristianismo. A Revelação de Deus em Cristo torna-se presente nos sacramentos, e a Igreja não tem autoridade para mudar a substância dos sacramentos. Esses não são alguns rituais de que gostamos, e o sacerdócio não é uma categoria sociológica para criar um relacionamento na comunidade. Qualquer sistema cultural tem seus rituais e seus símbolos, mas os sacramentos são meios da graça divina, de modo que não podemos alterar nem conteúdo nem substância. Nem podemos mudar o rito quando este rito é constituído pelo próprio Cristo. Não podemos fazer batismo com nenhum líquido, fazemos com água natural. Na Última Ceia, Jesus Cristo não tomou nenhuma bebida ou comida, ele tomou vinho de uva e pão de trigo. Eles dizem: mas o trigo não cresce na Amazônia, vamos pegar outra coisa. Mas isso não é inculturação. Eles não querem mudar apenas o que é lei eclesiástica, mas também o que é de direito divino.

Eminência, uma última coisa, você freqüentemente se refere a "eles" que querem mudar a Igreja. Mas quem são esses "eles"?

Não depende de uma única pessoa ou de um grupo específico de pessoas. É um sistema, um pensamento em que, por exemplo, aqueles que se dirigem ao Sínodo participam. Queremos nos adaptar ao mundo: casamento, celibato, mulheres sacerdotisas, tudo deve ser mudado na convicção de que assim haverá uma nova primavera para a Igreja. Como se o exemplo dos protestantes não fosse suficiente para negar essa ilusão. Eles não vêem que ao invés disso eles destroem a Igreja, eles são como cegos que caem no poço. Mas se alguém diz alguma coisa, ele é imediatamente marginalizado, marcado como um inimigo do papa.

Fonte:http://lanuovabq.it/it/sinodo-amazzonia-un-pretesto-per-cambiare-la-chiesa

 
 
 

Artigo Visto: 321 - Impresso: 8 - Enviado: 5

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.639.950 - Visitas Únicas Hoje: 899 Usuários Online: 239