"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
09/08/2019
O paradoxo de Medjugorje
 

O paradoxo de Medjugorje

09/08/2019   

http://www.lanuovabq.it/storage/imgs/medjugorje-dallalto-610x366-1280x720-large.jpg

Peregrinos em Medjugorje

Por Riccardo Cascioli

A luz verde dada pelo Papa às peregrinações e a presença significativa de cardeais e bispos no festival de jovens realizado nos últimos dias não vão na direção de reconhecer as aparições em Medjugorje, mas de obscurecer a Madona. Por isso ...o paradoxo de Medjugorge.

O 30º festival juvenil de Medjugorje, que aconteceu nos últimos dias, apresentou uma importante novidade: a grande presença de cardeais, arcebispos e bispos, o efeito das disposições divulgadas em maio pelo Papa Francisco, que permitiram peregrinações, e, de fato, recomenda sua orientação pastoral.

Como resultado da "atenção pastoral" do Papa - disse o comunicado oficial do Vaticano -, que reconhece "os abundantes frutos da graça" que surgiram nos últimos anos "do fluxo considerável de pessoas indo a Medjugorje", o sinal verde para as peregrinações não deve, no entanto, ser entendido como "uma autenticação dos eventos conhecidos", ou as supostas aparições marianas que se sucederam desde junho de 1981.

A Igreja institucional, portanto, chegou à força em Medjugorje para encontrar os jovens que, na primeira semana de agosto, convergem aqui em dezenas de milhares de pessoas de todo o mundo. Entre os excelentes prelados que se revezaram nas celebrações das massas e nas catequeses, recordamos o cardeal Angelo De Donatis, vigário da diocese de Roma, monsenhor Rino Fisichella, presidente do Departamento para a nova evangelização, monsenhor José Rodríguez Carballo, secretário do Dicastério para institutos de vida religiosa. E isso é só para citar alguns. Uma presença de grande importância que nos fez dizer que, além da prudência oficial devido à autenticidade das aparições, em Roma há agora um clima favorável para o seu reconhecimento.

Neste caso, seria um ponto de virada surpreendente, considerando que em várias coletivas de imprensa o Papa se deixou fazer comentários sarcásticos sobre a "Madonna Postina". Com efeito, no voo de regresso de Fátima, 13 de maio de 2017, o Papa Francisco - referindo-se precisamente a Medjugorje - havia dito textualmente: "Prefiro a mãe Madonna, nossa mãe, e não a matriz telegráfica de Madonna que envia diariamente mensagem àquela hora ... esta não é a mãe de Jesus ».

Enquanto muitos, portanto, perguntam o que, e como, o Papa Francisco mudou de idéia e abordagem, é interessante notar um paradoxo que está ocorrendo: quanto mais sinais de abertura em direção a Medjugorje chegarem de Roma, mais ele se arriscará a ser obscurecido. a presença da Madonna.

O primeiro sinal está precisamente na disposição que liberalizou peregrinações a Medjugorje. Jesus, como critério de discernimento, disse que dos frutos a árvore é reconhecida: "Colhemos uvas de espinhos ou figos de cardos? Toda árvore boa produz bons frutos, e toda árvore má produz frutos ruins ”(Mt 7: 16-17). Agora, a Santa Sé diz que os frutos certamente são bons, mas vamos evitar falar sobre a árvore. É claro que existe uma contradição. Certamente, justifica-se pela prudência que a Igreja sempre teve em relação às aparições, ainda mais quando ainda estão em andamento. Mas isso é verdade até certo ponto, porque se torna cada vez mais insustentável tentar aproveitar os bons frutos negando a árvore.

As grandes graças que tantos fiéis experimentaram e continuam a experimentar indo a Medjugorje, não nascem do bom ar que se respira na Herzegovina, nem dos carismas particulares que os frades franciscanos poderiam ter no local. Não só os videntes dizem que vêem a Madona, mas os muitos convertidos, os muitos que tiveram a graça da cura física, todos falam de "graças à Madona". A questão da árvore da qual derivam os frutos é, portanto, inevitável.

Atualmente, no entanto, padres e bispos que conduzem peregrinações geralmente devem falar de fé e, no máximo, da Madonna, mas sem se referir ao que os visionários relatam.

Aqui há uma necessidade de maior esclarecimento: nenhum crente é obrigado a acreditar nas aparições da Madonna, mesmo aquelas oficialmente reconhecidas; e as aparições marianas vão sob o título "revelações privadas". Como o Catecismo afirma, estes "não pertencem ao depósito da fé. Seu papel não é "melhorar" ou "completar" a revelação definitiva de Cristo, mas ajudá-los a viver mais plenamente em uma época histórica particular "(CCC 67).

Nossa Senhora, portanto, parece guiar e confortar os homens na luta contra o Mal, ajudando-os a identificá-lo nas circunstâncias históricas precisas em que vivem, preparando a segunda vinda de Cristo (ver Diego Manetti, Por que Nossa Senhora aparece, Os Livros da Bússola). Com as aparições marianas, portanto, o divino rompe na história e se torna a companhia dos homens: portanto as mensagens não são uma opção desprezível, elas são parte fundamental das aparições, porque explicam porque a Madonna aparece em um determinado lugar, em um certo tempo e de certas maneiras. Que sentido teria a devoção a Nossa Senhora de Fátima, ignorando, por exemplo, as mensagens dadas aos três pastorinhos (comunismo, guerras mundiais, etc.) e as experiências que lhes foram concedidas (a visão do inferno)? Uma pastoral mariana que ignora a historicidade da presença de Maria é facilmente transformada em uma palavra de homens, não de Deus.

Esse risco pareceu ainda mais evidente com a presença de tantos prelados no festival da juventude em Medjugorje, e aqui chegamos ao segundo sinal. Olhando para as homilias e catequeses da semana, notamos que - apenas para evitar uma possível "autenticação dos eventos conhecidos" - tem havido muito pouca conversa sobre a Madonna e nada do que aconteceu em Medjugorje. Também lemos palavras que eram belas e cheias de espiritualidade, mas que podiam ser pronunciadas da mesma maneira, a qualquer hora, em Roma, Sidney, Timbuktu e em qualquer outro lugar do mundo.

Os fiéis que vão a Medjugorje, no entanto, não querem se sentir simplesmente confortados pela escolha de onde fazer retiros espirituais, eles têm o direito de saber se a árvore é boa. Porque se é bom, significa que Nossa Senhora se fez presente em Medjugorje por uma razão, para comunicar algo específico para nós, para nos fazer entender melhor onde estamos na história da salvação e o que é realmente exigido de nós. E os fiéis querem seguir o que Nossa Senhora lhes diz.

Trazer todo o Vaticano para Medjugorje, mas falar de outra coisa, não é uma contribuição para o reconhecimento das aparições, mas seu obscurecimento: a hierarquia eclesiástica entra no caminho entre a Madonna e o povo, dificultando o recebimento das mensagens e aderir ao que Nossa Senhora indica.

Este é o grande paradoxo que estamos vivenciando. E se olharmos para o grande trabalho pelo qual a Igreja está passando e a necessidade de sólidos pontos de referência para permanecermos firmes na fé, temos a sensação de que não é um caso.

https://www.medjugorje.com.br/wp-content/uploads/2019/08/confessionariosmedjugorje.jpg

Medjugorge o confissionário do Mundo.

Fonte: http://www.lanuovabq.it/it/il-paradosso-di-medjugorje

 
 
 

Artigo Visto: 384 - Impresso: 3 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.780.347 - Visitas Únicas Hoje: 315 Usuários Online: 149