"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
11/08/2019
A ENTREVISTA DO PAPA ME RECORDA FAUST DE GOETHE
 

A ENTREVISTA DO PAPA ME RECORDA FAUST DE GOETHE

10 agosto 2019 Postado por wp_7512482 45

Queridos amigos e inimigos do Stilum Curiae, o observador leu a entrevista concedida pelo atual Pontífice ao Vaticano Insider, que reproduzimos abaixo, e queria comentá-lo. Deixamos você para a leitura sem mais comentários; no futuro, podemos nos reservar o direito de dizer duas palavras sobre quem sussurra no ouvido do Papa. Enquanto estávamos acompanhando os eventos de hoje, uma fotografia (construída e irônica, é claro) que mostramos veio para nós. E que mostramos a você grande observador.

https://i1.wp.com/www.marcotosatti.com/wp-content/uploads/2019/08/Papa-PD-Salvini.jpg?resize=250%2C188

Por Marco Tosatti

Caro Tosatti, lendo a entrevista com o pontífice romano (abaixo), compartilhei a opinião do Osservatore Marziano (referindo-se à proposta do Vigário de Roma) de que é necessário ser um pouco desequilibrado para fazer parte do "sistema atual" na Igreja de hoje.

A entrevista em si mesma pareceria apenas uma desculpa para desacreditar Salvini, sem citá-lo, visto como um soberano insolente e extremamente perigoso, populista e talvez até um pouco nazista ... na hipótese muito provável de que ele salte do governo e vai para novas eleições.

Nem mesmo Crozza poderia ter feito uma melhor caricatura do Pontífice preocupado em apoiar o PD tão prontamente.

Mas o resto da entrevista também merece atenção, porque o Papa nunca fala de Deus, como de costume, mas fala de tudo no Tom "de perito"; precisamente aquele perito que o Cardeal Vigário de Roma gostaria de substituir por ser "desequilibrado".

E já aconteceu? Milagre? Sabe, nesta entrevista o Pontífice me lembrou do Fausto de Goethe, iluminado e inspirado pelo Espírito da Terra e agora intoxicado com utopias gnósticas, tanto que eu até esperava ouvir alguma alquimia ecumênica para reconstruir a Europa ou para lembrar que eles eram Os Rosacruzes que foram os primeiros a propor o retorno do homem ao estado primordial (tipo de Sínodo amazônico?).

No entanto, um grande papa, Leão XIII, na Encíclica Humanum Genus denunciou essa intenção de retornar às formas de cultura primitiva e pagã por respeito à criação.

Mas também gostaria de propor reflexões sobre algumas questões - respostas lidas na entrevista.

Por exemplo, na Europa, o Papa declara a necessidade absoluta de fazê-lo: "primeiro a Europa, depois cada um de nós", recordando o sonho dos pais fundadores. Mas o papa sabe que esse sonho era construir uma Europa federalista que pudesse fortalecer sua identidade e soberania? Você sabia que esse sonho foi destruído pelos esquerdistas gnósticos do manifesto de Ventotene?

Mas Spadaro não conhece essas coisas ou não lhe explicaram?

Então ele declara que a Europa deve ter unidade cultural. Mas a que cultura europeia se refere? Os protestantes alemães e holandeses, os calvinistas suíços, os franceses seculares, os católicos progressistas reivindicados por Spadaro ou os católicos tradicionalistas? Ele diz na entrevista que a soberania identitária gera isolamento, fechamento, medo (evoca Hitler). Talvez eles lhe disseram para falar sobre soberanismo como ele fala do tradicionalismo?

Com desgosto? Mas você sabe o que é isso? É um princípio essencial do bem comum, contrariamente ao princípio egoísta utópico globalista.

Na entrevista, ele continua afirmando que as identidades devem ser "integradas". Mas como? Como você pretende fazer talvez com religiões, fazendo sincretismo religioso graças à imigração de diferentes regiões?

Eu poupo-lhe as considerações usuais sobre os migrantes, onde quando o Papa fala, ele mostra que não conhece as causas da migração, como a pobreza, a desigualdade, etc.

Sobre o tema do sínodo amazônico, até se torna hilário, parece um tecido da Unesco com os temas a serem impostos para demonstrar sua visão do problema ambiental: icebergs derretendo, baleias com a boca cheia de plástico e acima de tudo o exemplo da nova profetisa da revelação ecológica : Greta, a grande Greta.

Futura Santa Greta da Unesco.

Mas a conclusão da entrevista dada pelo entrevistador me fez realmente acreditar que se tratava de Crozza. A salvação também existe na reciclagem....

Mais algumas entrevistas como esta e Salvini nas eleições superam os 40%...

https://i1.wp.com/www.marcotosatti.com/wp-content/uploads/2019/08/Papa-PD-Salvini.jpg?resize=250%2C188

E aqui está a entrevista publicada no Vatican Insider:

CIDADE DO VATICANO O Papa abre a porta às 10h30, com seu sorriso gentil. Entre uma das salas que ele usa para receber pessoas, mobiliadas com o essencial, sem distrações ou luxos, apenas um crucifixo pendurado na parede. Chegamos pela entrada de Perugino, o mais próximo da Casa Santa Marta. Cenário habitual: alguns de batinas, gendarmes e guardas suíços. No fundo, a cúpula de São Pedro. No Vaticano, a rotina habitual é retardada pelo calor e clima de férias. Para o Papa Francisco, não é um dia comum: é 6 de agosto, 41º aniversário da morte de São Paulo VI, um pontífice a quem ele particularmente gosta: "Neste dia eu sempre procuro um momento para ir às Cavernas embaixo da Basílica - ela revelará - e ficar sozinho em oração e silêncio diante de seu túmulo. É bom para o meu coração ». As amabilidades não duram muito, em um momento estamos no meio da conversa.

Francesco é alegre e descontraído. E concentrado. Suas habilidades de escuta são impressionantes. Sempre olha nos olhos. Nunca o relógio. Faz pausas necessárias antes de falar sobre um tema delicado. Fala sobre a Europa, a Amazônia e o meio ambiente. A entrevista é intensa e ininterrupta. O papa nem bebe nenhum gole de água. Nós apontamos para ele, ele balança os ombros e responde, sorrindo: "Eu não sou o único que não bebeu".

Santidade. você exprimiu a esperança de que "a Europa torne a ser o sonho dos Pais Fundadores". O que se pode esperar?

"A Europa não pode e não deve se dissolver. É uma unidade histórica, cultural e geográfica. O sonho dos Pais Fundadores teve consistência porque foi uma implementação dessa unidade. Agora não devemos perder essa herança ".

Como você vê hoje?

"Ela enfraqueceu ao longo dos anos, em parte devido a alguns problemas administrativos, devido a divergências internas. Mas precisa salvá-la. Depois das eleições, espero que o processo de recuperação comece e que continue sem interrupção ".

Você está feliz com a nomeação de uma mulher como presidente da Comissão Europeia?

Sim. Também porque uma mulher pode estar apta a animar a força dos pais fundadores. As mulheres têm a capacidade de juntar-se, de se unir. "

Quais são os principais desafios?

"Acima de tudo: diálogo. Entre as partes, entre os homens. O mecanismo mental deve ser " primeiro a Europa, depois cada um de nós". O "cada um de nós" não é secundário, é importante, mas a Europa é mais importante. Na União Europeia, devemos conversar, comparar e saber. Em vez disso, às vezes vemos apenas monólogos comprometidos. Não: ouvir também é necessário ».

O que é necessário para o diálogo?

"Tem que começar com sua própria identidade."

Aqui, as identidades: quanto elas importam? Se exagerarmos com a defesa das identidades, não nos arriscamos ao isolamento? Como respondemos às identidades que geram o extremismo?

"Dou-lhes o exemplo do diálogo ecumênico: não posso fazer ecumenismo a menos que comece por ser católico, e o outro que faz o ecumenismo comigo deve fazê-lo como protestante, ortodoxo ... Sua identidade não é negociada, é integrada. O problema dos exageros é que se fecha a identidade, não se abre. A identidade é uma riqueza - cultural, nacional, histórica, artística - e cada país tem o seu próprio, mas deve ser integrado ao diálogo. Isso é decisivo: a partir da própria identidade, é preciso abrir-se ao diálogo para receber algo maior das identidades dos outros. Nunca se esqueça de que o todo é superior à peça. Globalização, unidade não deve ser concebida como uma esfera, mas como um poliedro: cada povo preserva sua identidade na unidade com os outros ".

Quais são os perigos da soberania?

"Soberania é uma atitude de isolamento. Estou preocupado porque ouvimos discursos que se assemelham aos de Hitler em 1934. “Primeiro nós. Nós ... nós ... ": estes são pensamentos assustadores. Soberania é o encerramento. Um país deve ser soberano, mas não fechado. A soberania deve ser defendida, mas as relações com outros países e com a Comunidade Européia também devem ser protegidas e promovidas. Soberania é um exagero que sempre acaba mal: leva a guerras ”.

E o populismo?

"O mesmo discurso. No começo eu lutava para compreendê-lo porque estudando Teologia eu me aprofundava no popularismo, isto é, na cultura do povo: mas uma coisa é o que as pessoas se expressam, e outra é impor às pessoas atitudes populistas. O povo é soberano (eles têm uma maneira de pensar, de se expressar e de sentir, de avaliar, ao contrário, o populismo nos levam às soberanias: esse sufixo "ismo" nunca é bom ".

Qual é o caminho a percorrer no tópico dos migrantes?

«Antes de tudo, nunca esqueça o direito mais importante de todos: o direito à vida. Os imigrantes chegam principalmente para escapar da guerra ou da fome, do Oriente Médio e da África. Na guerra, devemos nos engajar e lutar pela paz. A fome é principalmente sobre a África. O continente africano é vítima de uma maldição cruel: parece ser explorado no imaginário coletivo. Em vez disso, parte da solução é investir lá para ajudar a resolver seus problemas e interromper os fluxos migratórios".

Mas desde que eles vêm até nós como devem comportar-se?

"Os critérios devem ser seguidos. Primeiro: receber, que também é uma tarefa cristã, evangélica. As portas devem ser abertas, não fechadas. Segundo: acompanhar. Em terceiro lugar, promover. Quarto: integrar. Ao mesmo tempo, os governos devem pensar e agir prudentemente, que é uma virtude do governo. O administrador é chamado a pensar sobre quantos migrantes podem ser aceitos."

E se o número for maior que as possibilidades de recepção?

"A situação pode ser resolvida através do diálogo com outros países. Há Estados que precisam de pessoas, eu penso sobre a agricultura. Eu vi que algo assim aconteceu recentemente em face de uma emergência: isso me dá esperança. Além disso, você também sabe para o que serviria?

Para que?

Criatividade. Por exemplo, disseram-me que, num país europeu, existem cidades meio vazias devido ao declínio demográfico: algumas comunidades migrantes poderiam ser movidas para lá, o que, entre outras coisas, seria capaz de reviver a economia da região.»

Em que valores comuns deve basear o relançamento da UE? A Europa ainda precisa do cristianismo? E nesse contexto, qual o papel dos ortodoxos?

«O ponto de partida e o ponto de repartida são os valores humanos da pessoa humana. Juntamente com os valores cristãos: a Europa tem raízes humanas e cristãs, é a história que o conta. E quando digo isso, não separo católicos, ortodoxos e protestantes. Os ortodoxos têm um papel muito precioso para a Europa. Todos nós temos os mesmos valores fundamentais ».

Nós idealmente cruzamos o oceano e pensamos na América do Sul. Por que você convocou um Sínodo sobre a Amazônia no Vaticano em outubro?

"Ele é o" filho "de" Laudato si '". Quem não leu nunca entenderá o Sínodo na Amazônia. Laudato si 'não é uma encíclica verde, é uma encíclica social, baseada em uma realidade "verde", a custódia da Criação ".

Existe algum episódio significativo para você?

"Há alguns meses, sete pescadores me disseram:" nos últimos meses, coletamos 6 toneladas de plástico ". No outro dia eu li sobre uma enorme geleira na Islândia que quase derreteu completamente: eles construíram-lhe um memorial. Com o fogo na Sibéria, algumas geleiras na Groenlândia derreteram, em toneladas. Os povos de um país do Pacífico estão movendo-se porque em vinte anos a ilha em que vivem não estará mais lá. Mas os dados que mais me chocaram ainda são outros ».

Quais?

«The Overshoot Day: em 29 de julho, esgotamos todos os recursos regeneráveis de 2019. A partir de 30 de julho, começamos a consumir mais recursos do que aqueles que o Planeta consegue regenerar em um ano. Isso é muito sério. É uma situação mundial de emergência. E o nosso será um Sínodo de urgência. Mas tenha cuidado: um Sínodo não é uma reunião de cientistas ou políticos. Não é um Parlamento: é outra coisa. Vem da Igreja e terá uma missão e dimensão evangelizadora. Será uma obra de comunhão guiada pelo Espírito Santo ".

Mas por que concentrar-se na Amazônia?

«É um lugar representativo e decisivo. Juntamente com os oceanos, contribui decisivamente para a sobrevivência do planeta. Muito do oxigênio que respiramos vem de lá. É por isso que o desmatamento significa matar a humanidade. E então a Amazônia envolve nove Estados, então não diz respeito a uma única Nação. E penso na riqueza da Amazônia, na biodiversidade vegetal e animal: é maravilhosa ”.

O Sínodo também discutirá a possibilidade de ordenar "viri probati", homens idosos e casados que podem remediar a falta de clero. Será um dos principais temas?

"Absolutamente não: é simplesmente um número do Instrumentum Laboris (o documento de trabalho, ndr). O importante serão os ministérios da evangelização e as diferentes maneiras de evangelizar ".

Quais são os obstáculos para salvaguardar a Amazônia?

"A ameaça para a vida dos povos e do território decorre dos interesses econômicos e políticos dos setores dominantes da sociedade."

Então, como deve a política se comportar?

«Eliminar suas próprias conivências e corrupções. Deve assumir uma responsabilidade concreta, por exemplo, no caso das minas a céu aberto, que envenenam a água causando muitas doenças. Depois, há a questão dos fertilizantes ".

O que você mais teme pelo nosso planeta?

«O desaparecimento da biodiversidade. Novas doenças letais. Uma deriva e uma devastação da natureza que pode levar à morte da humanidade ".

Você vê alguma consciência sobre o meio ambiente e as mudanças climáticas?

"Sim, particularmente nos movimentos de jovens ecologistas, como aquele liderado por Greta Thunberg," sextas para o futuro ". Eu vi um de seus sinais que me impressionou: "o futuro somos nós!"

Pode a nossa conduta diária – reciclagem, a atenção para não desperdiçar água em casa – pode afetar ou é insuficiente para neutralizar o fenômeno?

"Isso afeta tudo, porque é uma questão de ações concretas. E acima de tudo, cria e difunde a cultura de não sujar a criação ».

Fonte: http://www.marcotosatti.com/2019/08/10/pezzo-grosso-lintervista-del-papa-mi-ricorda-il-faust-di-goethe/?

 
 
 

Artigo Visto: 405 - Impresso: 2 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.780.022 - Visitas Únicas Hoje: 1.658 Usuários Online: 179