"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
28/08/2018
Bispo Schneider: "não há razoável ... motivo para duvidar da verdade" das revelações de Vigano sobre o Papa
 

Bispo Schneider: "não há razoável ... motivo para duvidar da verdade" das revelações de Vigano sobre o Papa

Seg 27 de agosto de 2018 - 12:39 pm EST

https://lifesite-cache.s3.amazonaws.com/images/made/images/remote/https_s3.amazonaws.com/lifesite/Bishop_Athanasius_Schneider_Rome_Life_Forum_2018_810_500_75_s_c1.jpg

por John-Henry Westen

27 de agosto de 2018 (LifeSiteNews) - O bispo Athanasius Schneider de Astana Cazaquistão, um dos bispos mais francos do mundo sobre a crise de fé na Igreja Católica sob o Papa Francisco, escreveu um documento respondendo ao testemunho do Arcebispo Carlo Maria Vigano .

O Bispo Schneider diz que “não há razão razoável e plausível para duvidar do conteúdo de verdade do documento do Arcebispo Carlo Maria Viganò”.

O arcebispo Vigano, que serviu como núncio apostólico em Washington D.C. de 2011 a 2016, detalhou em uma carta de 11 páginas na semana passada que o Papa Francisco encobriu o abuso do ex-cardeal McCarrick.

O Bispo Schneider reconhece que é extremamente grave e raro que um bispo acuse publicamente um papa reinante, mas ressalta que “o arcebispo Viganò confirmou sua declaração por um juramento sagrado invocando o nome de Deus”.

O documento do Bispo Schneider é publicado na íntegra abaixo.

***

Reflexão sobre o “Testemunho” do Arcebispo Carlo Maria Viganò, de 22 de agosto de 2018

É um fato raro e extremamente grave na História da Igreja que um bispo acusa publicamente e especificamente um papa reinante. Num documento recentemente publicado (a partir de 22 de agosto de 2018), o arcebispo Carlo Maria Viganò testemunha que durante cinco anos o Papa Francisco havia conhecido dois fatos: que o cardeal Theodore McCarrick cometeu delitos sexuais contra seminaristas e contra seus subordinados, e que há sanções, que o Papa Bento XVI impôs a ele. Além disso, o arcebispo Viganò confirmou sua declaração por um juramento sagrado invocando o nome de Deus. Não há, portanto, nenhuma causa razoável e plausível para duvidar do conteúdo de verdade do documento do Arcebispo Carlo Maria Viganò.

Católicos em todo o mundo, os fiéis simples, os “pequenos”, estão profundamente chocados e escandalizados com casos recentes de casos graves, nos quais autoridades da Igreja encobriram e protegeram clérigos que cometeram ofensas sexuais contra menores e contra seus próprios subordinados. Tal situação histórica, que a Igreja está experimentando em nossos dias, requer absoluta transparência em todos os níveis da hierarquia da Igreja e, em primeiro lugar, evidentemente em nome do Papa.

É completamente insuficiente e pouco convincente que as autoridades da Igreja continuem formulando apelos gerais para a tolerância zero nos casos de abusos sexuais clericais e para parar a cobertura de tais casos. Igualmente insuficientes são os pedidos estereotipados de perdão em nome das autoridades da Igreja. Tais pedidos de tolerância zero e pedidos de perdão só se tornarão credíveis se as autoridades da Cúria Romana colocarem as cartas na mesa, dando os nomes e sobrenomes de todos os que na Cúria Romana - independentemente da sua posição e título - que cobriram casos de abuso sexual de menores e de subordinados.

A partir do documento do Arcebispo Viganò, pode-se tirar as seguintes conclusões:

1-Que a Santa Sé e o próprio Papa começarão a limpar sem restrições a Cúria Romana e o episcopado de grupos e redes homossexuais.

2-Que o papa proclamará inequivocamente a doutrina divina sobre o caráter gravemente pecaminoso dos atos homossexuais.

3-Que serão emitidas normas peremptórias e detalhadas, que impedirão a ordenação de homens com tendência homossexual.

4-Que o papa restaura a pureza e a inequívoca doutrina católica inteira no ensino e na pregação.

5-Que na Igreja serão restaurados, através dos ensinamentos papais e episcopais e através das normas práticas, a ascese cristã sempre válida: os exercícios do jejum, da penitência corporal, das abnegações.

6-Que será restaurado na Igreja o espírito e a praxe de reparação e expiação pelos pecados cometidos.

7-Que começará na Igreja um processo de seleção seguramente garantido de candidatos ao episcopado, que são homens de Deus comprovadamente verdadeiros; e que seria melhor deixar as dioceses vários anos sem um bispo em vez de nomear um candidato que não é um verdadeiro homem de Deus em oração, doutrina e vida moral.

8-Que começará na Igreja um movimento especialmente entre cardeais, bispos e sacerdotes para renunciar a qualquer compromisso e qualquer flerte com o mundo.

Não se surpreenderia, quando a mídia internacional oligárquica dominante, que promove a homossexualidade e a depravação moral, começar a denegrir a pessoa do arcebispo Viganò e a deixar desaparecer a questão central de seu documento na areia.

No meio da difusão da heresia de Lutero e da profunda crise moral de uma parte considerável do clero e especialmente da Cúria Romana, o Papa Adrian VI escreveu as seguintes palavras surpreendentemente francas, dirigidas à Dieta Imperial de Nuremberg em 1522: "Sabemos que, por algum tempo, muitas abominações, abusos nos assuntos eclesiásticos e violações de direitos ocorreram na Santa Sé, e que todas as coisas foram pervertidas em más, da cabeça a corrupção passou para os membros, do papa para o os prelados: todos nós partimos, não há quem faça o bem, não, nem um ".

A crueldade e a transparência na detecção e na confissão dos males na vida da Igreja ajudarão a iniciar um eficiente processo de purificação e renovação espiritual e moral. Antes de condenar os outros, todo funcionário de escritório clerical da Igreja, independentemente de posição e título, deve perguntar a si mesmo na presença de Deus, se ele próprio de alguma forma cobriu os abusos sexuais. Caso ele se descubra culpado, ele deve confessá-lo publicamente, pois a Palavra de Deus o adverte: “Não se envergonhe de reconhecer sua culpa” (Sir 4:26). Pois, como São Pedro, o primeiro Papa, escreveu: “chegou a hora do julgamento, começando pela casa (a igreja) de Deus” (1 Pedro 4:17).

+ Athanasius Schneider, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Santa Maria em Astana

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/bishop-schneider-no-reasonable...cause-to-doubt-truth-of-vigano-revelations

 
 
 

Artigo Visto: 363 - Impresso: 9 - Enviado: 3

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.321.109 - Visitas Únicas Hoje: 706 Usuários Online: 140