"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
19/01/2018
Da esperança à frustração
 

Da esperança à frustração

"O que aconteceu é uma bofetada diante de muitas vítimas e muitos cristãos católicos que participam ativamente da Igreja. É um outro balde de água fria para muitos crentes que já olhavam com suspeita na Igreja chilena e que, às vezes, achavam que o Papa Francis poderia trazer ar fresco e ser um motor de mudança. Os mesmos jovens continuarão sem pisar nossas paróquias. As palavras do Papa Francisco nos levam a questionar seriamente a nossa pertença a uma Igreja que se afastou do estilo de Jesus ", afirmam os católicos leigos numa carta aberta publicada pela Reflexão e Libertação, 01-19-2018.

http://www.periodistadigital.com/imagenes/2017/01/13/toma-catedral1_560x280.jpg

Carta Aberta aos Bispos do Chile

Caros irmãos ao serviço do episcopado:

Aguardamos anciosamente pela visita do Papa Francisco com esperança. Nós o acompanhamos no O'Higgins Park e na televisão seguimos suas outras intervenções. Estamos entusiasmados com muitas coisas que ele disse e com alguns de seus gestos, dentro e fora do protocolo.

No entanto, a presença permanente do bispo Barros e outros, o gesto não nobre do bispo Juan Ignacio González com um jornalista, as palavras do cardeal Errázuriz no aeroporto, que, aliás, tiveram uma participação excepcional e lamentável no caso Karadima e As últimas palavras do Papa sobre Barros foram decepcionantes. Existe até a arrogância do Papa para não se desculpar com muitos leigos e mulheres de Osorno a quem tratou de "tolos e esquerdistas".

Não é que a questão do abuso sexual e da consciência assuma o monopólio da agenda papal, mas é o coração da Igreja porque ela mesma se confessa como Especialista em Humanidade, cuja espinha dorsal é a Misericórdia. O que aconteceu é uma bofetada diante de muitas vítimas e muitos cristãos católicos que participam ativamente da Igreja.

É um outro balde de água fria para muitos crentes que já olhavam com suspeita na Igreja chilena e que, às vezes, achavam que o Papa Francisco poderia trazer ar fresco e ser um motor de mudança. Os mesmos jovens continuarão sem pisar nossas paróquias. As palavras do Papa Francisco nos levam a questionar seriamente a nossa pertença a uma Igreja que se afastou do estilo de Jesus.

Um fechamento frustrante que espirra toda a esperança.

Com carinho e dor.

Juan Carlos Navarrete Muñoz e Claudia A. Rozas Gonzalez

Fonte:http://www.ihu.unisinos.br/575384-da-esperanca-a-frustracao

-------

Francisco, enfático: “Não há uma única prova contra Barros; é tudo calúnia”

19 Janeiro 2018

Ele é, com a permissão do Papa – talvez a despeito dele –, o protagonista da viagem de Francisco ao Chile. O polêmico bispo de Osorno, Juan Barros, que o Papa acabou de defender publicamente em Iquique. “No dia em que me trouxerem uma prova contra o bispo Barros, aí eu vou falar. Não há uma única prova contra ele; é tudo calúnia”, disse o Sumo Pontífice, em rápidas palavras ditas à Rádio Biobío.

https://static-latercera-qa.s3.amazonaws.com/wp-content/uploads/sites/7/20150321/2090842.jpg

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 18-01-2018. A tradução é de André Langer.

O bispo, que acompanha Bergoglio, assegurou na sua chegada à cidade que “o Papa me deu palavras de encorajamento, apoio e carinho”, e que, apesar das críticas, sente a “adesão” dos fiéis em sua diocese.

Mais: o próprio Papa defendeu o bispo. Em declarações à Rádio Biobío ao chegar ao Campus Lobito, Bergoglio considera que as acusações contra Barros são “uma calúnia”.

Barros destacou aos jornalistas, que ontem, após a missa em Temuco, “o Papa me deu palavras de encorajamento. As palavras específicas guardo no meu coração. Foram de apoio e de carinho”. Para o bispo de Osorno, “o Santo Padre sempre foi muito carinhoso e solidário comigo. E para alguém, como filho da Igreja, isso o alegra e conforta”.

O prelado, que de 2000 a 2004 foi bispo de Iquique, ignorou as acusações de encobrimento dos abusos de Fernando Karadima e pediu para “ignorar” os protestos dos leigos de Osorno. “Não confundam um grupo com uma diocese. Eu tive momentos muito agradáveis em Osorno. Há pessoas que participam com grande carinho da Igreja, com muito respeito das celebrações religiosas, e também aderem ao pastor que o Santo Padre lhes enviou”.

Perguntado sobre se seu excessivo protagonismo não poderia eclipsar os frutos da visita papal, Barros disse que “participar da missa é a coisa mais importante, e é isso que prevalece, por mais que haja outros comentários”. “Um sacerdote tem que estar posto em Deus (...) Quem é perfeito neste mundo? Jesus não escolhe os perfeitos”, concluiu o bispo.

http://www.periodistadigital.com/imagenes/2016/01/18/indignacion-en-la-diocesis-de-osorno_560x280.jpg

https://static-latercera-qa.s3.amazonaws.com/wp-content/uploads/sites/7/20160918/2334131.jpg

http://media.biobiochile.cl/wp-content/uploads/2016/11/12036811_10207741860129592_5460459690540022393_n-640x480.jpg

https://www.commonwealmagazine.org/sites/default/files/imce/14784/Barros.jpg

Barros foi defendido pelo cardeal Errázuriz, que destacou que a “guerra de Osorno é uma polêmica inventada que não tem fundamento”. “O Papa estudou toda a questão, e ele está convencido de que dom Barros não cometeu nenhum crime e, portanto, não vai removê-lo”, ressaltou.

O Papa, entretanto, acaba de chegar a Iquique. Antes de deixar a Nunciatura em Santiago, o Pontífice parou, por alguns instantes, para saudar os jornalistas que esperavam por ele na porta. De forma inesperada, Francisco desceu do carro para agradecer à imprensa “pelo serviço que vocês estão prestando, tantas pessoas que não podem estar aqui e que nos estão vendo de longe”.

“O serviço de vocês é generoso, porque vocês passaram horas aqui”, disse. “Obrigado do fundo do meu coração, que Deus os abençoe. Que a cada um de vocês e suas famílias dê o que mais necessitam”, concluiu o Papa, que pediu aos jornalistas para que “continuem assim, servindo o povo. Rezem por mim e que Deus abençoe a todos”.

Já em Iquique, Francisco presidirá a missa “Celebração fraterna para a integração dos povos” no Campus Lobito da Universidade Arturo Prat, onde se espera a presença de mais de 100 mil fiéis.

Após a missa, espera-se que o Pontífice receba duas vítimas da ditadura de Pinochet, que lhe entregarão uma carta.

Mais tarde, o Papa almoçará na casa dos retiros dos Padres Oblatos, onde se encontrará com cerca de 20 enfermos. Após o almoço e um pequeno descanso, Francisco se despedirá do Chile rumo à segunda parte da sua viagem: o Peru.

Fonte:http://www.ihu.unisinos.br/575376-francisco-enfatico-nao-ha-uma-unica-prova-contra-barros-e-tudo-calunia

--------

Chile. Leigos de Osorno criticam “indolência e falta de tino” do Papa ao respaldar Barros

"A presença de Barros nas Missas não foi uma obstinação, mas uma mera vontade do Papa", disse o porta-voz do grupo, Juan Carlos Claret.

Juan Carlos Claret, porta-voz do Laos de Osorno, falou sobre o apoio que o Papa Francisco deu quinta-feira ao bispo daquela cidade, Juan Barros. Deve-se lembrar que o religioso controverso é acusado de encobrir o abuso sexual cometido por Fernando Karadima, antes do qual os fiéis pedem a saída do cargo eclesiástico.

"Por um lado, o Papa demonstra indolência e falta de sabedoria. Mas não nos surpreende. Mantém o status quo Está demonstrado que a presença de Barros nas Missas não era uma obstinação, mas uma mera vontade do Papa ", assegurou Claret La Tercera.

http://www.periodistadigital.com/imagenes/2018/01/16/juan-barros-durante-la-misa.jpg

A informação é de Rodrigo Retamal, publicada pela La Tercera, 18-01-2018.

Diante do pedido de "evidências" feito pelo Papa para apoiar Barros, ele disse que "esses crimes estão prescritos. Já faz mais de 15 anos. Se vamos aos tribunais, eles não nos investigarão. Nós temos a vantagem canônica. Denunciamos desde 2015 e o Papa o conhece. O Papa é um juiz, e quando ele nos trata como "esquerdistas", ele se torna parte. Não se respeita devidamente o processo ".

Além disso, Claret refletiu sobre o baixo número de fiéis em Lobito Beach, longe das expectativas da organização: "Eles dizem que o lugar está muito longe ... isso não corresponde com a realidade. As pessoas se foram. O Papa pede perdão por vergonha, mas depois não tem vergonha em ter Barros nas Missas ".

"O Papa não é o mais afetado com tudo isso. O mais afetado é Cristo, porque o tema central da visita foi desviado".

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/575381-chile-leigos-de-osorno-criticam-indolencia-e-falta-de-tino-do-papa-ao-respaldar-barros

 
 
 

Artigo Visto: 751 - Impresso: 10 - Enviado: 3

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.142.083 - Visitas Únicas Hoje: 1.360 Usuários Online: 215