"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
11/10/2020
EXIGIR OS DIREITOS DOS CRISTÃOS SERÁ EQUIVALENTE A VIOLAR A LEI
 

EXIGIR OS DIREITOS DOS CRISTÃOS SERÁ EQUIVALENTE A VIOLAR A LEI

Segunda-Feira, 10 de Março de 2014, 15:30 h.

https://img.elo7.com.br/product/original/14D4889/estampa-de-jesus-cristo-jesus-cristo.jpg

Minha querida e amada filha, muito em breve vós ouvireis uma série de proclamações por impostores, que infiltraram a Minha Casa na Terra. As heresias que saltarão das suas bocas e dos seus actos resultarão em novas leis, que profanam a Palavra de Deus e que serão impostas sobre todos aqueles que são fiéis à Palavra.

Os Sacramentos tornar-se-ão escassos e o número das Missas será lentamente retirado até que raramente elas sejam celebradas. Todas as desculpas serão dadas, mas tudo isso esconderá a verdadeira razão por detrás das suas motivações. Vós, Meus amados seguidores, sereis as testemunhas de tudo o que a Minha amada Mãe predisse em La Salette e Fátima. Vós deveis compreender que o plano é de profanar cada Igreja de Deus, antes do anticristo se sentar no trono, no Meu Templo, em toda a sua vil glória. Aqueles que exigem respostas serão ignorados, e mais tarde ridicularizados, por se atreverem a questionar aqueles que revindicam liderar a Minha Igreja na Terra.

Todo o pecado aos Olhos de Deus acabará por ser eventualmente negado. Não apenas o pecado será rejeitado, como será apresentado de todas as formas vis sobre o Meu Altar. A abolição do pecado será vista na doutrinação da educação das crianças. As crianças, especialmente, serão violentadas e alimentadas de heresias. Ser-lhes-á dito que se não aceitarem esses ensinamentos serão culpadas por julgarem com severidade os que declaram que o pecado é uma coisa boa. As crianças serão instruídas a nunca proclamarem abertamente a Palavra de Deus na presença de outras pessoas, pelo medo de serem acusadas de serem contra os direitos humanos.

Qualquer tentativa de promover a moralidade, por qualquer forma, entre os jovens, será violentamente contrariada e condenada. Os Cristãos, e aqueles que declarem publicamente o seu direito de implementar os Ensinamentos Cristãos, serão espancados e silenciados. As suas palavras tornar-se-ão sussurros e as pessoas terão vergonha de admitir que são Cristãs. E conforme os direitos dos não- cristãos serão encorajados, os direitos dos ateus serão declarados de suprema importância. Como Eu vos tenho dito, o ódio contra os Cristãos aumentará no exterior da Minha Igreja. Então, no interior, será desmontada peça por peça até que nada reste a senão o invólucro. Os tijolos e argamassa ainda estarão no lugar, mas a Minha Igreja na Terra, como vós a conheceis, terá mudado para além da vossa compreensão.

O Meu povo é o Meu povo - aqueles que irão manter a Santa Palavra de Deus e continuarão a beneficiar dos Santos Sacramentos, os quais vos serão disponibilizados pelos Meus bravos e corajosos servos sagrados, que nunca Me abandonarão.

Quando vós ouvis a Minha Palavra - contida na Palavra escrita e transmitida ao longo dos séculos no Livro de Meu Pai – a ser questionada e analisada, com o desejo de a reescrever, então vós deveis saber isto. Eu não autorizo tal heresia. Eu condeno estes traidores por causa das almas que vão levar à perdição. Vós, nunca deveis também dar ouvidos a quem vos diz para negardes a Minha Palavra.

Em breve, vós vereis todas as leis nos vossos países e igrejas a mudar, para acolherem todo o tipo de pecados e legislarem nesse sentido. Ambos os conjuntos de leis se misturarão, juntando-se como um só, até que, por fim, a Palavra de Deus não seja discutida ou respeitada. Exigir os direitos dos Cristãos será equivalente a violar a lei e será punido de muitas maneiras. Aqueles de vós que não acreditais que estas coisas sejam possíveis, então, infelizmente, testemunhareis essas coisas na vossa própria vida e tal como predito.

Quantos de vós permanecereis fiéis à Minha Palavra? Aos Meus Ensinamentos? Não muitos. No entanto, serão aqueles que agora dizem que Me honram e que são dedicados à Minha Igreja, os primeiros a virar as costas à Verdade.

O vosso Jesus

Fonte: https://www.elgranaviso-mensajes.com/news/mar-10-2014-exigir-os-direitos-dos-cristaos-sera-equivalente-a-violar
-a-lei/

---

A outra pandemia global: a sexualização de nossos filhos, ajudada por bispos

Sexta, 9 de outubro de 2020 - 17:01 EST

John-Henry Westen, da LifeSite, explica como os bispos são responsáveis ​​pela educação sexual, levando embora a inocência das crianças nas escolas católicas.

Nota do editor: A palestra a seguir foi proferida como parte de uma conferência online intitulada “ Chamado dos Padres aos Bispos: Ajude-nos a defender a pureza de nossos filhos ” O evento virtual foi organizado pela Voice of the Family e disponibilizado via LifeSiteNews em 9 de outubro de 2020.

9 de outubro de 2020 ( LifeSiteNews ) - Chegamos à fase final de sexualização das crianças. A agenda não está mais escondida nas sombras e oculta. É declarado abertamente, publicado e até elogiado. A legislação foi aprovada demonstrando a agenda para que todos possam ver. A corrupção de nossos filhos pela horda satânica foi realizada não apesar dos melhores esforços dos verdadeiros pastores da Igreja, mas, odeio dizer isso, com a conivência da vasta maioria daqueles que se dizem sucessores dos apóstolos.

Modéstia e inocência, custódia dos olhos e temperança foram quase completamente ignoradas pela hierarquia. Eles prestaram atenção às “autoridades” do mundo - os psicólogos, psiquiatras e especialistas em sexo da mesma espécie que os levaram à crise de abuso sexual do clero e ao encobrimento em primeiro lugar.

A hierarquia entrou na política e fez jogos políticos. Os anarquistas têm mantido a demanda constante pela destruição total da família; seus capangas na política moveram lentamente a agulha em direção a essa agenda perversa de sexualização de nossos filhos; e a grande maioria dos bispos cedeu, pouco a pouco, pensando que estavam fazendo o possível para manter a linha com apenas pequenos compromissos aqui e ali. Não estou nem falando aqui dos bispos de esquerda radical, como o cardeal Blase Cupich de Chicago, que encorajou a doutrinação LGBT dos católicos. Mesmo cardeais conservadores, como o cardeal Thomas Collins, de Toronto, após negociar com políticos que exigiam adesão à ideologia LGBT e ameaçavam retirar fundos públicos das escolas católicas,

A política é descrita como a arte do compromisso. Mas não há compromisso com a verdade. Os sucessores dos apóstolos receberam a tarefa indesejável e impopular de exigir a adesão à plenitude da verdade em uma sociedade onde isso teria sido recebido com ridículo e acusações de extremismo.

Mas o desejo de agradar ao mundo, de se acostumar com as idéias modernas, de estar “aberto” ao mundo moderno eram tão atraentes que o compromisso com a verdade era permitido.

A instrução sobre roupas recatadas para mulheres, dada pelo Papa Pio XII, nunca é mencionada. O conselho para praticar a custódia dos olhos nunca é ensinado. A idade de inocência das crianças é devastada nas escolas católicas por ordem dos próprios bispos - mesmo sob a objeção dos pais. Portanto, nós, pais, estamos aqui para dizer aos bispos: “Basta!”

Suas concessões prejudicaram gravemente nossos filhos e é hora de se arrepender. Você viu as estatísticas - o mundo nunca foi pior. Há mais pessoas que vêem pornografia regularmente hoje do que havia pessoas vivas em 1917, quando Nossa Senhora advertiu que mais pessoas vão para o inferno pelos pecados da carne do que por qualquer outro motivo. Um estudo de 2008 descobriu que noventa e três por cento dos meninos com 17 anos ou menos e 62% das meninas da mesma idade foram expostos à pornografia online durante a adolescência, e isso foi em 2008, quando a internet era relativamente inocente em comparação com o que se tornou no últimos doze anos.

Bispos e professores de escolas católicas em suas dioceses decidiram “educar” as crianças desde o jardim de infância sobre as partes do corpo de uma forma “aberta e honesta”. Naturalmente, essas crianças, ao serem expostas a essa chamada educação, ficariam curiosas e fariam mais perguntas, despertando uma curiosidade que não precisaria estar ali por anos.

A sabedoria milenar da Igreja era uma vez apoiada psicologicamente, reconhecendo uma inocência que todos os pais que criaram vários filhos podem atestar se aqueles preciosos pequeninos não foram envenenados por pornografia ou educação sexual.

Os pais sabem quando seus filhos estão prontos para a educação na área da sexualidade. A prontidão para tais informações varia com cada criança - como os pais sabem! A educação sexual obrigatória de tamanho único nas salas de aula tem sido um desastre e, na verdade, é apropriadamente chamada de abuso sexual.

Os escândalos da educação sexual moderna foram detalhados por vários pais que ficaram horrorizados ao descobrir o que seus filhos estavam aprendendo na escola.

No início deste ano, o Conselho de Pesquisa da Família dos Estados Unidos lançou um livreto de 56 páginas sobre "Educação Sexual nas Escolas Públicas", demonstrando como "os programas de educação sexual empurram os limites do que é apropriado, tanto em termos do material apresentado aos alunos quanto a idade em que é apresentado. ”

Peço desculpas por ter de mencionar publicamente o que nossos próprios filhos estão sendo alimentados em escolas financiadas pelo contribuinte na América. A investigação FRC encontrou:

Crianças pré-púberes em Austin, Texas, são incentivadas a “considerar 'relação sexual vaginal', 'relação oral' e 'relação anal'”.

A homossexualidade e a ideologia transgênero são promovidas nos programas da Paternidade Planejada para alunos do ensino médio.

“Muitas escolas públicas estão começando a ensinar a proposição radical e anticientífica de que o sexo biológico não tem sentido, que algumas crianças nascem no corpo errado e que algumas meninas também têm pênis”.

“As escolas em Indiana realmente enviam os adolescentes para comprar preservativos, com uma planilha para preencher comparando marcas, preços, lubrificantes e se eles se sentem confortáveis ​​comprando na loja”.

Conforme relatado pela LifeSite, o “direito” ao aborto é uma parte padrão da educação sexual nas escolas públicas. Em algumas instituições, os alunos aprendem como fazer um aborto e mantê-lo em segredo de seus pais. O livreto relata que “[s] escolas em Indiana 'enviam alunos para visitar clínicas com uma planilha para preencher sobre os serviços prestados e um local para preencher a rota de ônibus que fizeram para chegar lá'”.

As escolas enganaram os pais com o uso incorreto da linguagem.

O livreto avisa que o termo “consentimento” não é mais usado exclusivamente “para equipar as crianças a resistir a cometer ou ser vítima de agressão sexual”. Em vez disso, “[o] movimento de 'consentimento' parece menos sobre como evitar agressões e mais sobre a promoção do sexo e dos direitos sexuais”. O FRC citou o Instituto Guttmacher, o braço de pesquisa da Paternidade Planejada pró-aborto, que  revelou : “Ensinar sobre consentimento é a chave para lutar contra as mensagens de abstinência”. A abstinência, por sua vez, não tem nada a ver com esperar pelo casamento, mas significa "abstinência até seu próximo namorado ou namorada fixa".

Os pais que procuraram evitar esses problemas retirando seus filhos das aulas de educação sexual - onde tal afastamento não é proibido por lei - também devem perceber que não pouparam seus filhos da doutrinação, uma vez que agora permeia todos os cursos escolares. Mesmo classes aparentemente tão inócuas quanto a história não são seguras. “Todas as escolas públicas na Califórnia, Nova Jersey e Illinois agora são obrigadas a ensinar história LGBTQ às crianças. Em Illinois, as escolas nem mesmo podem comprar livros didáticos de história que não incluam um ângulo LGBTQ ”, relata o Family Research Council. Na aula de ginástica, os adolescentes do sexo masculino são permitidos nos vestiários das meninas.

Então, em termos de mundo, as coisas pioraram. Com a sexualização aberta e extrema das crianças ocorrendo diante de nossos olhos, alguns filósofos e políticos seculares se manifestaram, exortando os pais a agirem.

No ano passado, o legislador francês Xavier Breton sugeriu que a educação sexual deveria ser retirada das escolas. Breton, membro do partido conservador Les Républicains, disse na Comissão para Assuntos Culturais da Assembleia Nacional Francesa: “Os pais são os principais educadores de seus filhos. Esse princípio pode ser encontrado em todas as afirmações de direitos nacionais e internacionais. Reafirmar esse princípio exige que as escolas não violem os direitos dos pais. No que diz respeito à educação emocional e sexual, que atinge as convicções mais íntimas das pessoas, a intervenção do Estado não é legítima ”.

O psicólogo e filósofo canadense Dr. Jordan Peterson exortou os pais a “decidir o que é importante” e a agir. “As pessoas que estão promovendo esse tipo de agenda são, na verdade, uma pequena minoria. Eles são muito barulhentos e muito bem organizados. Mas se você não se levantar e fazer algo a respeito, especialmente quando afeta sua própria família, então tudo o que vai acontecer é que vai continuar a se espalhar. ”

As consequências para nossos filhos são graves. Os Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos relatam que o papilomavírus humano, que pode levar ao câncer cervical, está em proporções epidêmicas entre os jovens. Escrevendo na LifeSite, a ativista familiar Linda Harvey aponta que houve 1,7 milhão de casos de clamídia em 2017, e 45% desses casos foram encontrados em nossos jovens. A gonorréia aumentou 67%, a sífilis 76%.

Enquanto isso, as coisas na Igreja permaneceram relativamente semelhantes nos últimos 60 anos, com raras exceções notáveis. Os bispos continuam a seguir o conselho dos chamados especialistas em educação sexual e têm ignorado e desprezado o clamor de pais verdadeiramente católicos. Além disso, aqueles nomeados para pastorear os fiéis não conseguiram distinguir entre pais verdadeiramente católicos que acreditam em todos os ensinamentos da Fé em torno de questões de sexualidade e, em vez disso, deram às vezes maior adesão aos pais - muitas vezes de maior prestígio no mundo - que são nominalmente católico, mas evita os ensinamentos da fé em questões de moralidade sexual.

Os bispos continuam a pensar que sabem melhor quais ensinamentos sexuais nossos filhos devem receber nas escolas católicas. Às vezes, eles até proibiram imoralmente os pais católicos de removerem seus filhos das aulas de educação sexual em escolas católicas, como aconteceu com o bispo David Choby em Nashville, Tennessee. Isso forçou os pais a frequentar escolas seculares, que pelo menos lhes permitem esse direito. É realmente escandaloso.

Mais de uma década atrás, os poucos bispos espalhados por todo o mundo, que defenderam os pais católicos contra os terríveis excessos nas escolas, foram realmente atacados ou rejeitados por seus irmãos bispos por ousarem defender a fé e os fiéis confiados a seu cuidado por Cristo.

Mas o que realmente mudou foi o Vaticano. Ao mesmo tempo, os pais católicos podiam pelo menos recorrer ao Vaticano, ao Papa João Paulo II ou Bento XVI, e alertar os bispos que os pais, em seu papel principal de educadores de seus filhos, devem ter seus desejos atendidos em relação à educação sexual de seus filhos. Mas agora temos o próprio Vaticano promovendo sua própria versão de educação sexual suja, repleta de fotos indecentes que antes seriam consideradas pornográficas. Temos o próprio Papa dizendo : “Devemos fornecer educação sexual nas escolas”.

Mas outra coisa mudou na última década. Os pais católicos agora conhecem a conexão entre o clero corrupto e a agenda da educação sexual. Foi desonrado o ex-cardeal Theodore McCarrick, que foi um dos principais impulsionadores da Conferência dos Bispos dos Estados Unidos em forçar a educação sexual perversa em crianças católicas contra a vontade de seus pais. O ativista católico Christopher Manion destaca que McCarrick ordenou que todas as escolas católicas de sua própria arquidiocese expulsassem todas as crianças cujos pais as tenham retirado do programa escolar de prevenção do abuso sexual infantil.

Os pais católicos na arquidiocese de Washington recuperaram o direito de impedir que seus filhos participassem dessas aulas de educação sobre abuso sexual somente depois que o cardeal McCarrick se aposentou. Manion aponta que a Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos emitiu novos regulamentos permitindo aos pais remover seus filhos dos programas de treinamento patrocinados pela diocesana em prevenção de abuso sexual infantil no mesmo dia em que o Papa Bento XVI aceitou a renúncia de McCarrick - 15 de maio de 2006.

Relembra Manion: “Os pais em todo o país ficaram indignados com o fato de a USCCB insistir que 'especialistas' seculares, e não os pais, deveriam ensinar seus filhos - até a idade de cinco anos - como evitar o abuso sexual. Mas o controle de McCarrick sobre a USCCB era aparentemente tão difundido que não havia nada que os pais pudessem fazer ”.

Os pais católicos foram advertidos já no século XIX pelo Papa Leão XIII de que “é dever dos pais envidar todos os esforços para evitar qualquer invasão de seus direitos nesta matéria, e ter absoluta certeza de que a educação de seus filhos permaneça sob sua responsabilidade seu próprio controle de acordo com seu dever cristão e, acima de tudo, recusar enviá-los às escolas nas quais existe o perigo de absorver o veneno mortal da impiedade ”. (encíclica 'Sobre os cristãos como cidadãos')

Ao se dirigir aos pais no Canadá, o Papa Leão XIII acrescentou de forma pungente: “Pois nossos filhos não podem ir para a instrução em escolas que ignoram ou combatem propositalmente a religião católica, ou nas quais seus ensinamentos são desprezados e seus princípios fundamentais repudiados. Onde quer que a Igreja tenha permitido que isso fosse feito, foi apenas com dor e por necessidade, ao mesmo tempo em que cercou seus filhos com muitas salvaguardas que, no entanto, tem sido muitas vezes reconhecidas como insuficientes para enfrentar com êxito o perigo que a acompanha. . ” (Sobre a questão da escola de Manitoba, Papa Leão XIII - 1897)

Mas este conselho para salvaguardar vigorosamente as crianças das escolas que prejudicariam sua fé não vem apenas dos papas há centenas de anos. Pela graça de Deus, existem exemplos raros e notáveis ​​de líderes de igreja, sucessores dos apóstolos, que têm no coração os melhores interesses das crianças.

Um deles é Sua Eminência o Cardeal Burke que, no discurso de abertura desta conferência online, disse: “Infelizmente, algumas escolas católicas, por uma variedade de razões, imitam a situação em escolas não católicas, insistindo na anti-vida, ideologia anti-família e anti-religião que marca a educação em geral. Esta última situação é particularmente perniciosa, pois os pais mandam os seus filhos para uma escola católica, na confiança de que será verdadeiramente católica, quando, de facto, não é nada disso. O funcionamento de tais escolas sob o nome de Católica é uma profunda injustiça para com as famílias ”.

Outro é o Arcebispo Carlo Maria Viganò, que lembrou aos pais de sua “responsabilidade, como direito primário e inalienável, de educar seus filhos. O Estado ”, disse ele,“ não pode arrogar esse direito, muito menos corromper as crianças e doutriná-las nos princípios perversos que são tão difundidos hoje ”.

“É seu dever levantar a voz para que essas tentativas de roubar a educação de seus filhos sejam denunciadas e rejeitadas com força”, acrescentou ele, “porque você poderá fazer muito pouco por eles se sua fé, ideias, e a cultura são julgadas incompatíveis com aquelas de um estado ímpio e materialista. ”

Lembro-me de falar com o bispo Athanasius Schneider sobre essa questão em 2016.

Quando perguntei a ele sobre educação sexual nas escolas e como os pais deveriam lidar com isso, ele me disse: “Quando seus filhos são ensinados na escola de maneira imoral, eles têm que retirá-los. Essa é a obrigação deles. Você não pode expor seus filhos a um perigo imoral. É impossível. Os pais católicos, ao defenderem seus filhos dessa imoralidade, devem estar até dispostos a sofrer, sim, a sofrer as consequências ”.

Muitos pais católicos aceitaram este desafio e procuraram escolas católicas tradicionais privadas que protegem a pureza de seus filhos, ou empreenderam a tarefa heróica de educar seus filhos em casa. Essas medidas extraordinárias são exigidas dos pais hoje para salvaguardar a salvação eterna de seus filhos. Eles são um dever necessário no cumprimento de nossa vocação de pais, que diz respeito, em última análise, à nossa salvação e a de nossos filhos, pois, como nos lembrou São João Crisóstomo, “Que maior trabalho há do que treinar a mente e formar os hábitos dos jovens ? ” E, como diz o Bom Livro, “que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” (Marcos 8:36)

Depois que o bispo Schneider me disse isso, no entanto, imediatamente fiz uma pergunta sobre padres e bispos infiéis, já que essa é a situação em que a maioria de nós se encontra hoje, já que a educação sexual nas escolas vem com o apoio pelo menos tácito da hierarquia.

O bispo Schneider aconselhou que os pais devem conhecer muito bem sua fé católica. Eles devem estudar o Catecismo, e não qualquer Catecismo - “o Catecismo dos pais e avós”, disse ele, referindo-se ao Catecismo do Concílio de Trento e seus desdobramentos, como o Catecismo de Baltimore para nós do Norte América.

“Esta é”, disse ele, “a voz de Cristo e da Igreja de todos os tempos”.

“Então, quando pastores ou membros da hierarquia contradizem o ensinamento de Cristo, o ensinamento do Magistério perpétuo da Igreja, do Catecismo, você deve retirar seus filhos dessas igrejas, e não ir a elas, mesmo que você tem que viajar 100 km [para uma igreja fiel]. ”

Ele explicou que sua família morava na União Soviética e se considerou sortuda ao encontrar uma Igreja Católica a 100 km de distância. “Acho que no mundo ocidental, nos Estados Unidos, você encontrará uma Igreja talvez mais perto de 100 km onde pode haver um bom padre. Portanto, evite essas igrejas [onde o erro é pregado]. [Esses lugares] estão destruindo a fé das pessoas. Essas igrejas estão destruindo. Temos que evitá-los. [Essas pessoas] são traidoras da fé, mesmo quando têm o título de sacerdote ou bispo ”.

Vamos proteger nossos filhos. Faremos os sacrifícios e suportaremos os sofrimentos necessários para guardar a fé deles oferecendo nossas provações em união com o Santo Sacrifício da Missa. Ofereceremos nossas orações, sacrifícios e sofrimentos pela conversão de vocês mesmos bispos que por seu erro a intenção ou a negligência prejudicam a fé dos nossos filhos nas escolas católicas.

Não alimentaremos nossos filhos aos lobos em roupas de pastor. Nós vamos resistir. Imploraremos ao céu pela restauração do corpo místico de Cristo que está passando por seu próprio calvário. Apegados firmemente à tradição da Igreja, ancorados nos pilares de Nossa Senhora e da Sagrada Eucaristia, não seremos capazes de ser influenciados mesmo pela mais violenta tempestade.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/blogs/the-other-global-pandemic-the-sexualization-of-our-children-helped-by-bishops

 
 
 

Artigo Visto: 477 - Impresso: 3 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.336.227 - Visitas Únicas Hoje: 1.280 Usuários Online: 244