"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
24/03/2019
Produzir bons frutos envolve cooperar com a graça de Jesus
 

Produzir bons frutos envolve cooperar com a graça de Jesus

24 de março de 2019

Guia do usuário para o domingo, 24 de março

http://www.ncregister.com/images/editorial/rsz_annie-theby-1428756-unsplash_crucifix.jpg

Padre Jordan Schmidt, OP

Domingo, 24 de março, é o terceiro domingo da Quaresma (Ano C). Leituras da Missa: Êxodo 3: 1-8a, 13-15; Salmos 103: 1-4, 6-8, 11; 1 Coríntios 10: 1-6, 10-12; Lucas 13: 1-9.

No evangelho de hoje, Nosso Senhor fornece um corretivo para uma crença predominante no judaísmo antigo que se poderia deduzir o caráter moral de uma pessoa com base nas coisas boas ou más que aconteceram com essa pessoa. Vemos isso claramente nas perguntas retóricas que Jesus faz na primeira parte do Evangelho, ambas as quais esperam uma resposta negativa: os galileus que sofreram esses males não eram mais pecadores do que todos os outros.

Na segunda parte do Evangelho, porém, as coisas são um pouco mais obscuras. Aqui, Jesus repentinamente transita para a Parábola da Figueira para mostrar que só porque alguém sobrevive ou prospera neste mundo, isso não é uma indicação de que eles são agradáveis a Deus. Jesus baseia-se no conceito de paciência divina, como descrito nas tradições de sabedoria judaica do Antigo Testamento, para explicar por que as pessoas tolas ou más parecem "escapar impunes". A razão, como Cristo sugere na parábola, é que Deus em Sua grande misericórdia fornece todas as oportunidades para essas pessoas se arrependerem e voltarem para Deus.

Há algo profundamente preocupante sobre sua instrução aqui, que poderíamos apreciar mais plenamente se dermos uma breve incursão na história botânica da figueira em Judá. A figueira foi cultivada por seres humanos desde pelo menos 5000 aC, tornando-se uma das primeiras plantas domesticadas. Os tipos de figos que vieram povoar Israel e Judá foram particularmente benéficos porque, em contraste com tipos similares de figos cultivados no Egito e em Chipre, os figos encontrados na zona rural da Judéia produziriam frutos bons e comestíveis mesmo sem trabalho humano. No entanto, os agricultores da Judéia adotaram a prática de plantar suas figueiras dentro de um pomar ou vinhedo, proporcionando assim às árvores um suprimento constante de água e proteção contra animais em pastoreio. Isso permitiu que eles produzissem até seis colheitas em um único ano. Essas árvores, assim, ficaram conhecidas por sua fecundidade e todos os habitantes da região dependiam delas por seus frutos abundantes.

Voltando à parábola de Jesus, vemos que, apesar das vantagens de ser plantada dentro de um vinhedo bem protegido e bem regado, esta figueira, que era conhecida por sua produção de frutas, não produziu nada. A produção de frutas era esperada - era o que a figueira deveria fazer, especialmente considerando todas as vantagens que a árvore desfrutava. Assim, a razão pela qual o dono da vinha inicialmente pediu a destruição da árvore não é por causa de algo que a árvore fez, mas por causa de algo que a árvore não fez. A única razão pela qual sobreviveu foi devido à intercessão do jardineiro; foi dado um alívio, mas com o entendimento de que ainda viria a destruição se não produzisse frutos no ano seguinte.

É por isso que a figueira serve como uma imagem apropriada para a instrução de Cristo a respeito da paciência divina - na medida em que deixamos de produzir boas obras em nossas vidas, somos como aquela figueira. Como aquela árvore, recebemos dois grandes benefícios: Primeiro, somos plantados no fértil vinhedo da Igreja; e, segundo, somos regados e fertilizados pelo poder dos sacramentos. Portanto, Cristo, como o dono da vinha, espera que produzamos o fruto de boas obras em nossas vidas - isso é requerido, não é opcional.

Nesta época da Quaresma, temos uma excelente oportunidade de nos comprometermos a produzir obras tão boas, especialmente obras de misericórdia corporais e espirituais. Estas boas obras por excelência são mais condizentes com a estação penitencial da Quaresma, na qual procuramos nos desvencilhar das preocupações mundanas para buscar primeiro o reino de Deus. Vamos, então, cooperar com a graça de Jesus Cristo e assim produzir uma abundância de frutos em nossas vidas, para que quando Cristo o dono da vinha vier, ele encontre o que ele espera.

O padre dominicano Jordan Schmidt é instrutor da Sagrada Escritura na Pontifícia Faculdade da  Imaculada Conceição na Casa Dominicana de Estudos em Washington, DC.

Fonte:http://www.ncregister.com/daily-news/producing-good-fruit-involves-cooperating-with-the-grace-of-jesus

 
 
 

Artigo Visto: 296 - Impresso: 3 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.639.970 - Visitas Únicas Hoje: 919 Usuários Online: 239