"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
15/06/2017
BULA TRANSITURUS - URBANO IV - Com o estabelecimento da festa de Corpus Christi
 

BULA TRANSITURUS

URBANO IV

Com o estabelecimento da festa de Corpus Christi

Bispo Urbano, servo dos servos de Deus, para o venerável irmãos patriarcas, arcebispos, bispos e outros prelados, saúde e benção apostólica.

Cristo, nosso Salvador, estando a deixar este mundo para ir até ao Pai, pouco antes de sua Paixão, na Última Ceia, instituiu em memória de sua morte, o sacramento alto e magnífico do seu Corpo e Sangue, dando-nos o Corpo como alimento e sangue como bebida.

Sempre que comerdes deste pão e beberdes deste cálice anunciamos a morte do Senhor, porque ele disse aos apóstolos durante a instituição deste sacramento: "Fazei isto em memória de mim", de modo que este sacramento sublime e venerável foi para nós o principal e mais ilustre memória do grande amor com que nos amou. Lembre-se admirável e maravilhoso, doce e suave, caro e bonito, onde as maravilhas e prodígios são renovados; Ele contém todas as delícias e os sabores mais delicados, como é a mesma doçura do Senhor e, acima de tudo, a força para a vida e para a nossa salvação é obtida.

É um memorial doce saudável, sacrossanto e em que renovamos a nossa gratidão para a nossa redenção, que para se afastar do mal, nós fortalecemos o bem e o progresso na aquisição de virtude e de graça, somos confortados pela presença física do nosso próprio Salvador, porque nesta comemoração sacramental de Cristo Ele está presente em nosso meio, com uma maneira diferente, mas na sua verdadeira substância.

Bem antes de subir ao céu, ele disse aos apóstolos e seus sucessores: "Eis que eu estou convosco todos os dias até a consumação do mundo", e consolou com a promessa benigna para permanecer com eles também com a presença do corpo.

monumento verdadeiramente digno não deve ser esquecido, com o qual nos lembramos que a morte foi conquistada, que a nossa ruína foi destruída pela morte de alguém que é a própria vida, uma árvore viva foi enxertada a uma árvore morta para produzir frutos de salvação!

É um memorial glorioso cheia de alegria à alma dos fiéis, ele traz alegria e traz lágrimas de devoção. Estamos cheios de alegria com o pensamento da Paixão de Cristo, pelo qual nós fomos salvos, mas não podemos segurar as lágrimas. Lembro-me a este broto sensação sacrossanta em nós chora de alegria e emoção, feliz no choro cheio de amor, alegria animado com o devoto; nossa dor é temperada pela alegria; nossa alegria misturada com lágrimas e nossos corações excede disse, explodindo em lágrimas.

grandeza ilimitada do amor divino, mercê imensa e divina, abundante efusão do celestial! Deus nos deu tudo no momento em que submetidos a nossos pés e nos deu o domínio supremo de todas as criaturas na terra. Enobrecendo e sublimando a dignidade de homens através do ministério dos espíritos escolhidos. Eles foram todos concebidos para exercer o ministério ao serviço daqueles que receberam a herança da salvação,

E é tendo sido tão grande magnificência do Senhor para nós, querendo mostrar até mesmo o amor mais infinito, em um derramamento ofereceu a si mesmo e superando as maiores recompensas e qualquer medida de caridade, ele mesmo se deu como um alimento sobrenatural.

liberalidade singular e admirável, em que o doador vem à nossa casa, e o dom e o doador são a mesma coisa! Verdadeiramente largura sem fim que de que, dada em si e por isso aumenta a disposição afetuosa que é distribuído sobre um grande número de dons, resultando em última análise, retorna para o dador, quanto maior for a mais amplamente disseminada.

portanto, deu-Se o Salvador como alimento; queria, da mesma forma que o homem fosse enterrado em ruína pela comida proibida, novamente viver para um alimento abençoado; homem caiu pelo fruto de uma árvore morta, ressuscitado por um pão da vida. Aquela árvore pendia um alimento mortal, e neste encontra um alimento da vida; aquela fruta que trouxe o mal, este traz a cura; um apetite malvado fez mal, e uma fome diferente gera benefício; medicina chegou onde tinha invadido a doença; de onde partiu a morte veio vida.

Esse primeiro alimento é dito: "No dia em que dela comeres, morrerás"; o segundo está escrito: "Quem come deste pão viverá para sempre."

É um alimento que restaura e verdadeiramente nutre, sacia extremamente não o corpo, mas o coração; não a carne, mas do espírito; não as víceras, mas a alma. O homem tinha necessidade de alimento espiritual, e o Salvador misericordioso forneceu com atenção piedosa, alimento da alma com delicadeza melhor e mais nobre.

A liberalidade generosa subiu para a altura da necessidade e da caridade igualou conveniência, para que a Palavra de Deus, que é delicadeza e alimentos das criaturas racionais, que se fez carne, foi dado como alimento para as próprias criaturas, ou seja, a carne e o corpo do homem. O homem, portanto, come o pão dos anjos, o Salvador disse: "Minha carne é verdadeira comida e o meu sangue é verdadeira bebida." Este manjar é tomado, mas não consumido, comido, mas não modificados, não se transforma em alguém que come, mas se dignamente recebe o faz consumir como Ele. Exaltado e venerável sacramento, Amigável e adorado, você é digno de ser celebrado, exaltado com as mais emotivas canções, pelos canticos inspirados pelas fibras mais íntimas da alma, pelos mais devotos obséquios, são dignos de ser recebido pelas almas mais puras!

memorial gloriosa, deve ser mantido entre os batimentos cardíacos mais profundo, impressos de maneira indelével na alma, fechados nas intimidades do espírito, homenageado com a piedade mais assídua e temente a Deus!

Voltemo-nos sempre a este tão grande sacramento para lembrar-nos a cada momento daquele que deveria ter sido a lembrança perfeita, e foi (sabemos). Para mais nos lembramos de uma pessoa cuja casa e presentes constantemente contemplamos.

Embora este santo sacramento é celebrado todos os dias no rito solene da missa, no entanto, sentir-se útil e digno de ser realizada pelo menos uma vez no ano, uma festa, especialmente para confundir e refutar a hostilidade dos hereges.

Bem, na Quinta-feira Santa, o dia em que Cristo instituiu a Igreja universal, ocupado na confissão dos fiéis, na bênção do Crisma, em cumprimento do mandato da lavagem dos pés e muitas outras cerimônias sagradas, não pode atender plenamente à celebração deste grande sacramento.

Da mesma forma que a Igreja serve os santos, que são reverenciados no ano, e embora a Ladainha, nas missas e outras funções, a memória muitas vezes renovada, no entanto se lembra de seu nascimento, em certa dias, com mais solenidade e funções especiais. E nesta temporada de férias, talvez os fiéis omitam qualquer das suas funções por negligência ou ocupações mundanas, ou pela fragilidade humana, a Santa Madre Igreja estabelece um dia específico para a comemoração de Todos os Santos que fornecem esta festa comum que ele tem sido negligenciado em privado.

Especialmente é, portanto, necessário para cumprir este dever com admirável sacramento do Corpo e do Sangue de Cristo, que é a glória e coroa de todos os santos, para brilhar em uma festividade e solenidade especial e que pode ser negligenciada em outra celebrações em missa, no que se refere a solenidade com diligência que se cumpra com devota deligência, e que para os fiéis, ao acercear-se desta festividade, entrando dentro de si mesmos, pensando sobre o passado com cuidado, humildade de espírito e pureza de consciência, Supran aos que foram cumpridos defeituosamente assistindo à missa, talvez ocupado com o pensamento nos negócios mundana ou mais geralmente tenha sido acausa de negligência e fraqueza humana. Também ouvimos dizer uma vez, que quando desempenhamos um ofício mais modesto, que Deus tinha revelado alguns católicos que era necessário para celebrar esta festa em toda a Igreja; Nós, portanto, pensamos que seja adequado estabelecer, de forma dígna e razoável, seja vitalizada e exaltada a fé católica.

A cada ano, portanto, ser realizada e uma festa especial deste grande sacramento, além da comemoração diária que faz a Igreja, e estabelecer um dia fixo para ele, a primeira quinta-feira após a oitava de Pentecostes. Também estabelecemos que no mesmo dia se encontre para esta finalidade nas igrejas multidões devotas de generosidade fiel de afeição, e todo o clero e do povo, regozijando-se canções entoar de louvor, nos lábios e no corações estão cheios de santa alegria; cantar com fé, esperança, exultai a caridade; Palpite a devoção, exulte a pureza, que os corações sejam sinceros; todos a participar com coragem diligente e espírito voluntário, tendo o cuidado de preparar e celebrar esta festa. E queira o céu Deus que o fervor inflame as almas de todos os fiéis no serviço de Cristo, que através desta festividade e outras boas obras, aumente cada vez mais mérito diante de Deus, depois desta vida, se dê Ele mesmo como uma recompensa para todos, porque para eles Se ofereceu como alimento e como preço de resgate.

Portanto, recomendamos e exortamos no Senhor e, através desta Bula Apostólica ordenamos, em virtude da santa obediência, com preceito rigoroso impô-la como o perdão de seus pecados, que celebrem devota e solenemente esta festa tão sublime e gloriosa, e os empenheis com toda a atenção para que ela seja celebrada em todas as igrejas de suas cidades e dioceses nesta quinta-feira a cada ano, com novas lições, responsórios, versos, antífonas, salmos, hinos e orações próprias da mesma, que incluímos em nossa Bula, juntamente com as características das partes da missa; Eu também ordeno que exorteis os vossos fiéis com recomendações salutares diretamente ou através de outros sobre recomendações de domingo que precedem o mencionada quinta-feira para uma verdadeira e pura confissão, com esmolas generosas, com orações atentas e assíduas e outras obras devocionais e piedade, estar preparado para que eles possam participar, com a ajuda de Deus, deste belo sacramento e receber nesta quinta-feira com reverência e obter com a sua ajuda, um aumento de graça.

E queríamos encorajar os fiéis com dons espirituais para celebrar dignamente esta tão grande festa permitir que todos aqueles que verdadeiramente arrependidos e confessados participem desta festividade matinas na igreja em que é realizada, cem dias de indulgência; outros tantos pela missa, e também aqueles envolvidos nas primeiras vésperas desta mesma festa, e todos aqueles que participam no ofício da Prime, Terce, Sext, Nona e Completas, quarenta dias por cada hora. Finalmente, todos aqueles que durante a Oitava assistir Matins e Vésperas, Missa e a recitação do Ofício, conceder cem dias de indulgência para cada dia confiando na misericórdia de Deus Todo-Poderoso e a autoridade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo.

Dado em Orvieto em 11 de Agosto, 1264, terceiro ano de Nosso Pontificado.

Urbanus PP. IV

© Direitos de autor - Libreria Editrice Vaticana

Fonte:https://w2.vatican.va/content/urbanus-iv/es/documents/bulla-transiturus-de-mundo-11-aug-1264.html

 
 
 

Artigo Visto: 806 - Impresso: 12 - Enviado: 5

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.630.897 - Visitas Únicas Hoje: 558 Usuários Online: 202