"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
07/10/2019
CARTA ENCÍCLICA QUO GRAVIORA - DO SUMO PONTÍFICE LEÃO XII
 

CARTA ENCÍCLICA  QUO GRAVIORA  - DO SUMO PONTÍFICE LEÃO XII      

Bispo Leone, servo dos servos de Deus, uma lembrança perpétua.

1. Os mais graves são os desastres que dominam o rebanho de Cristo, nosso Deus e nosso Salvador, uma solicitude muito maior que eles devem usar para removê-los, os pontífices romanos, a quem foi confiado o poder e o compromisso de pastar e governar esse rebanho. em nome do Beato Pedro, príncipe dos Apóstolos. De fato, como aqueles que são colocados no mais alto observatório da Igreja, ele vê de longe as armadilhas que os inimigos do nome cristão criam para destruir a Igreja de Cristo, sem jamais conseguir alcançar esse objetivo; é dever deles não apenas indicar e revelar as mesmas armadilhas para os fiéis, para que possam vê-la, mas também, com sua própria autoridade, removê-los e removê-los. Os pontífices romanos Nossos antecessores entenderam que tarefa séria lhes foi confiada; portanto, eles se impuseram a sempre assistir como bons pastores. Com as exortações, os ensinamentos, os decretos e dedicando a mesma vida ao seu rebanho, eles tomaram o cuidado de proibir e destruir totalmente as seitas que ameaçavam a extrema ruína da Igreja. A memória desse compromisso pontifício também não pode ser deduzida apenas dos antigos anais eclesiásticos: fica claro pelas ações realizadas pelos pontífices romanos de nossa época e por nossos pais que se opõem às seitas clandestinas de homens inimigos de Cristo. De fato, assim que Clemente XII, nosso predecessor, percebeu que a seita dos maçons , ou dos francos maçons (ou de outra forma chamada) foi fortalecida e adquiriu nova consistência, que por muitas razões válidas ele considerara inimiga não apenas suspeita, mas também implacável da Igreja Católica, ela a condenou com uma Constituição clara que começa com as palavras In eminenti , publicada em 28 de abril de 1738, cujo texto é o seguinte.

2. «Clemente Bispo, servo dos servos de Deus. A todos os fiéis, saúde e bênção apostólica.

Sentados a pedido da clemência divina, embora indignos, na eminente Sé do Apostolado, a fim de cumprir o débito da Providência, o cuidado pastoral que nos foi confiado, com diligente diligência e cuidado, pelo que nos é concedido pelo Céu, voltamos nossos pensamentos para aqueles coisas pelas quais - tendo fechado a porta para erros e vícios - a integridade da Religião Ortodoxa é preservada principalmente, e nestes tempos muito difíceis os perigos da desordem são removidos de todo o mundo católico.

Já para a mesma fama pública Sabe-se que algumas sociedades, sindicatos, reuniões, reuniões, conventículos ou grupos comumente chamados de maçons ou des Francs Maçons, ou com outras denominações , se estendem em todas as direções e no dia a dia. chamados de acordo com a variedade de idiomas, nos quais, de acordo com suas leis e estatutos, homens de qualquer religião e seita, felizes com uma certa aparência afetada de honestidade natural, estão unidos por uma aliança estrita e secreta. Tais sociedades, com um juramento prestado sobre as Sagradas Escrituras, e com o exagero de severas penalidades, são obrigadas a manter um silêncio inviolável em torno das coisas que secretamente fazem.

Mas, sendo a natureza do crime se manifestar e gerar o barulho que o denuncia, segue-se que as sociedades ou conviccionais mencionados acima produziram essa suspeita na mente dos fiéis, segundo a qual homens honestos e prudentes se inscreveriam nessas agregações é o mesmo que manchar com a infâmia da maldade e da perversão: se não operassem injustamente, não odiariam tanto a luz. Essa fama cresceu tanto que essas sociedades já foram proscritas pelos príncipes seculares em muitos países como inimigos dos reinos e foram providencialmente eliminadas.

Meditamos, portanto, os danos muito graves que essas Sociedades ou Conventículos estão levando não apenas à tranquilidade da República temporal, mas também à saúde espiritual das almas, na medida em que não concordem de maneira alguma com as Leis Civis ou as Leis Canônicas; ensinado pelas palavras divinas a vigiar dia e noite, como um servo fiel e prudente designado para a família do Senhor, para que esta raça de homens não saqueie a casa como ladrões, nem como raposas arruinam a vinha; isto é, para que ele não corrompa o coração dos simples, nem oculte ocultamente os inocentes; a fim de fechar o caminho que, se aberto, poderia permitir crimes com impunidade; por outras razões justas e racionais conhecidas por nós, com o conselho de alguns Veneráveis ​​Nossos Cardeais Irmãos da Santa Igreja Romana, e ainda motu proprio, com conhecimento certo, deliberação madura e com a plenitude de nosso poder apostólico, decretamos a condenação e proibição, como com esta Nossa Constituição, para ser perpetuamente válida, condenamos e proibimos as empresas, sindicatos, reuniões, reuniões, convenções ou convênios dos Maçons ou dos Francs Maçons, ou por qualquer outro nome chamado. Portanto, severamente e em virtude da santa obediência, ordenamos a todos e ao indivíduo fiel de qualquer estado, grau, condição, ordem, dignidade ou preeminência, tanto leigos quanto clérigos, tanto seculares quanto regulares, embora dignos de menção especial e individual e citação, de que ninguém ousa ou presume, sob qualquer pretexto ou aparência, estabelecer, propagar ou favorecer as Sociedades de Maçons ou des Francs Maçons, mencionadas anteriormente; hospedá-los e escondê-los em suas próprias casas ou em outros lugares; para se registrar e se juntar a eles; adquiri-los significa faculdade, possibilidade de convocar em algum lugar; dar-lhes algo ou mesmo aconselhar, ajudar ou favorecer de qualquer forma, de forma clara ou secreta, direta ou indireta, pessoalmente ou por terceiros, bem como exortar, induzir, provocar ou convencer outras pessoas a participar ou intervir em situações semelhantes. Empresa, ou de qualquer forma para beneficiá-los e favorecê-los Pelo contrário, todos devem abster-se absolutamente das referidas empresas, sindicatos, reuniões, reuniões, conventículos, sob pena de excomunhão para que todos os infratores, como acima, incorram ipso facto e sem qualquer declaração: excomunhão da qual ninguém pode ser absolvido, se não no ponto da morte, por outros que não o pontífice romano pro tempore.

Também queremos e ordenamos que os Bispos, os Prelados Superiores e os outros Ordinários dos lugares, bem como os Inquisidores dos deputados da malícia herética em qualquer lugar, procedam e inquisitem contra os transgressores de qualquer estado, grau, condição, ordem, dignidade ou preeminência, e que reprimem e punem o mesmo com as mesmas penalidades com as quais lançam as suspeitas de heresia. Portanto, concedemos e damos corpo livre a eles, e a cada um deles, para proceder e investigar contra os infratores acima mencionados, aprisioná-los e puni-los com as devidas penalidades, invocando também, se necessário, a ajuda do braço secular.

Também queremos que as cópias do presente, mesmo que impressas, assinadas pela mão de algum notário público e com o selo de uma pessoa constituída com dignidade eclesiástica, recebam a mesma fé que se prestaria à Carta se fosse exibida ou mostrada no original.

Portanto, é absolutamente proibido que alguém viole, ou com ousadia ousada, contrarie esta página de Nossa declaração, condenação, mandamento, proibição e interdição. Se alguém ousou tanto, saiba que ele sofrerá a indignação do Deus Todo-Poderoso e dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo.

Dado em Roma, em Santa Maria Maggiore, no ano da Encarnação do Senhor 1738, 28 de abril, no oitavo ano de Nosso Pontificado ».

3. Essas disposições, no entanto, não pareceram suficientes para Bento XIV, outro Nosso predecessor da venerável memória. Nos discursos de muitos, acreditava-se amplamente que a pena de excomunhão imposta na carta do falecido Clemente XII era inoperante porque Benedetto não havia confirmado essa carta. Na verdade, era absurdo dizer que as leis dos papas anteriores se tornam obsoletas se não forem expressamente aprovadas pelos Sucessores; além disso, era evidente que mais de uma vez a Constituição de Bento havia sido ratificada por Bento. No entanto, Bento XVI decidiu remover esse esquivo das mãos dos sectários, publicando em 18 de março de 1751 uma nova Constituição que começa com a palavra Providas. Nele, ele relatou, palavra por palavra, a Constituição de Clemente e a confirmou, como diz o ditado, de uma forma específica, considerada a forma mais ampla e eficaz de todas. Este é o texto da Constituição de Bento.

4. "Bispo Bento, servo dos servos de Deus. Uma memória perpétua.

Consideramos um dever, com uma nova intervenção de nossa autoridade, defender e confirmar - na medida em que razões sérias e corretas o exijam - as leis e sanções providenciais do pontífice romano nossos predecessores: não apenas as leis e as sanções cujo vigor ou processo na época ou pelo descuido dos homens, tememos que seja possível desacelerar ou extinguir, mas também aqueles que recentemente obtiveram força e validade total.

De fato, Clemente XII, Nosso Predecessor da Memória Feliz, com sua própria Carta Apostólica de 28 de abril do ano da Encarnação do Senhor 1738, oitavo ano de seu Pontificado - Carta dirigida a todos os fiéis e que começa em Eminente - condenada para sempre e proibiu algumas sociedades, sindicatos, reuniões, reuniões, conventículos ou grupos comumente chamados de maçons ou des Francs Maçons, ou de outra forma chamados, já amplamente utilizados em alguns países e agora aumentando. Ele proibiu todos e cada cristão (sob pena de excomunhão de incorrer ipso facto sem qualquer declaração, da qual ninguém poderia ser absolvido por outros, exceto no momento da morte, exceto o Pontífice Romano Pro Tempore ) de tentar ou ousar entrar em tais sociedades, propagá-las ou dar-lhes favor ou abrigo, escondê-las, assinar-se, juntar-se ou intervir e muito mais, como na mesma Carta, mais e mais amplamente está contido. Aqui está o texto.

[O texto da Constituição In eminente de Clemente XII é publicado na íntegra nas páginas anteriores deste mesmo bo].

Mas, como nos foi dito, alguns não tiveram dificuldade em afirmar e divulgar publicamente que a referida penalidade de excomunhão imposta por Nosso Predecessor não está mais em funcionamento porque a Constituição relativa não foi confirmada por Nós, como se fosse necessário. , porque as Constituições Apostólicas mantêm a validade, a confirmação explícita do sucessor; e tendo sido sugerido a nós, por algumas pessoas piedosas e tementes a Deus, que seria muito útil eliminar todos os subterfúgios dos caluniadores e declarar a uniformidade de Nossa alma com a intenção e a vontade do próprio predecessor, acrescentando ao sua Constituição, o novo voto de nossa confirmação; Certamente, até agora, quando concedemos benignamente a absolvição da excomunhão excomungada, muitas vezes em primeiro lugar no último ano do Jubileu, a muitos fiéis que estão verdadeiramente arrependidos e tristes por terem transgredido as leis da mesma Constituição e que nos asseguraram sinceramente que partíssemos. completamente de sociedades e convênios semelhantes, e que para o futuro eles nunca teriam retornado; ou quando concedemos aos Penitenciários delegados por Nós o poder de absolver em Nosso nome e com Nossa autoridade aqueles que recorrem aos próprios Penitenciários; e quando, com pronta vigilância, não deixamos de fazer com que os juízes e tribunais competentes procedam proporcionalmente ao crime cometido contra os violadores da própria Constituição, que foi efetivamente praticado várias vezes: certamente fornecemos argumentos que não são apenas prováveis, mas completamente evidentes e inquestionável, através do qual as disposições da nossa alma deveriam ter sido entendidas e o firme e deliberado consentimento voluntário com a censura imposta pelo mencionado predecessor de Clemente. Se uma opinião contrária fosse divulgada sobre Nós, certamente poderíamos desprezá-la e remeter Nossa causa ao justo julgamento do Deus Todo-Poderoso, pronunciando aquelas palavras que uma vez foram recitadas no curso das funções sagradas: " Conceda, ó Senhor, oramos a você , que nós não cuidamos das calúnias das almas perversas, mas a perversidade do mesmo suplicamos que você não nos permita ser afligidos por calúnias injustas ou envoltos por adulação astuta, mas sim que amamos o que você ordena ". Assim, relata um antigo missal atribuído a San Gelasio, nosso predecessor, e o do Venerável Servo de Deus, cardeal Giuseppe Maria Tommasi, foi inserido na missa chamada Contra caluniadores.

No entanto, para que não pudéssemos dizer que havíamos omitido algo imprudentemente, para eliminar facilmente os pretextos da mentira e fechar a boca; depois de ouvir o conselho de alguns Veneráveis ​​Nossos Cardeais Irmãos da Santa Igreja Romana, decretamos confirmar a mesma Constituição de Nosso Antecessor, palavra por palavra, conforme relatado acima em um formulário específico, que é considerado o mais amplo e mais eficaz de todos: nós confirmamos, validamos, renovamos e queremos e decretamos que ele tem força e eficácia perpétuas para Nossa ciência segura, na plenitude de Nossa autoridade Apostólica, de acordo com o teor da mesma Constituição, em tudo e para tudo, como se tivesse sido promulgado com Nosso motu proprio e com a nossa autoridade, e tinha sido publicado pela primeira vez por nós.

Na verdade, entre as razões muito sérias das proibições e condenações acima mencionadas estabelecidas na Constituição acima, existe uma, em virtude da qual em tais sociedades e convênios homens de qualquer religião e seita podem se unir mutuamente; está claro que mal pode ser causado à pureza da religião católica. A segunda razão é a promessa íntima e impenetrável de sigilo, em virtude da qual oculta o que é feito nessas reuniões, à qual a frase que Cecilio Natale, com Minucius Felix, alegadamente colocou em um caso muito diferente: " Le coisas honestas sempre amam a luz pública; os ímpios são secretos ». A terceira razão é o juramento com o qual os membros se comprometem a observar inviolávelmente esse segredo, como se fosse legal para alguém, questionado por poder legítimo, com a desculpa de alguma promessa ou juramento para evitar a obrigação de confessar tudo o que pesquisa-se, para saber se nesses conventículos se faz algo contrário à estabilidade e às leis da religião e da república. A quarta razão é que essas sociedades se opõem às sanções civis não menos que os cânones, tendo em mente que, de acordo com o Direito Civil, são proibidas todas as faculdades e reuniões formadas sem autoridade pública, conforme declarado nos Pandectos, e na famosa carta de C. Plinio Cecilio, que relata que era proibido seu edito, de acordo com o mandamento do imperador, que as Eterias se realizassem, ou seja , que sociedades e reuniões pudessem existir e se reunir sem a autorização do príncipe. A quinta razão é que em muitos países as empresas e agregações já mencionadas já foram proscritas e proibidas pelas leis dos príncipes seculares. Finalmente, a última razão é que, entre os homens prudentes e honestos, as sociedades e agregações acima mencionadas foram culpadas.

Finalmente, o mesmo predecessor na Constituição acima mencionada insta os Bispos, os Superiores Prelados e outros Ordinários locais a não deixarem de recorrer à ajuda do braço secular, se for necessário para a execução desta disposição.

Todas essas coisas, mesmo individualmente, não são apenas aprovadas e confirmadas por nós, mas também recomendadas e ordenadas aos superiores eclesiásticos; mas nós mesmos, através da dívida da preocupação apostólica, invocamos com nossa presente carta e com profundo afeto procuramos a ajuda e a ajuda dos príncipes católicos e poderes seculares - sendo os mesmos príncipes supremos e detentores de poder eleitos por Deus como defensores da fé e protetores da Igreja - para que seja seu dever trabalhar da maneira mais eficaz, para que o devido respeito e a absoluta obediência sejam dados às Constituições Apostólicas. Isso trouxe à memória deles os Padres do Conselho de Trento, Sess. 25, cap. 20, e muito antes ele declarara admiravelmente o imperador Carlos Magno no teta. I. cap. 2, de suas especificações nas quais, depois de ter ordenado a todos os seus súditos que observassem as sanções eclesiásticas, ele acrescentou as seguintes palavras: " De maneira alguma podemos saber quão fiéis são aqueles que são desleais a Deus e desobedientes aos seus pecados?" sacerdotes ". Consequentemente, ele impôs a todos os Presidentes e Ministros de suas províncias obrigando todos os indivíduos a dar a devida obediência às leis da Igreja. Ele também cometeu penalidades muito severas contra aqueles que deixaram de fazer isso, acrescentando, entre outras coisas: " Aqueles que nessas coisas (o que não acontece) serão considerados negligentes e transgressores, sabem que não preservarão as honras em nosso Império, mesmo que sejam nossas. crianças; nem terão lugar no palácio; nem conosco nem com nossos fiéis eles terão sociedade ou comunidade, mas pagarão a penalidade em angústias e dificuldades ».

Também queremos que as cópias do presente, mesmo que impressas, assinadas pela mão de algum notário público e com o selo de uma pessoa constituída com dignidade eclesiástica, recebam a mesma fé que se prestaria à Carta se fosse exibida ou mostrada no original.

Portanto, é absolutamente proibido que alguém violar, ou com ousadia, contradizer este texto de Nossa confirmação, inovação, aprovação, mandamento, invocação, solicitação, decreto e vontade. Se alguém ousou tanto, saiba que ele sofrerá a indignação do Deus Todo-Poderoso e dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo.

Dado em Roma, em Santa Maria Maggiore, em 18 de março do ano da Encarnação do Senhor 1751, o décimo primeiro ano do Nosso Pontificado ».

5. Oh, se os poderosos daquele tempo tivessem levado em consideração esses decretos, conforme exigido pela salvação da Igreja e do Estado! Oh, se eles tivessem se convencido de que tinham de ver nos pontífices romanos Sucessores do Beato Pedro não apenas os pastores e mestres da Igreja universal, mas também os hábeis defensores de sua dignidade e os cuidadosos indicadores dos perigos iminentes! Oh, se eles tivessem usado seu poder para erradicar as seitas cujos desígnios pestíferos lhes haviam sido revelados pela Sé Apostólica! A partir desse momento, eles teriam terminado a história. Mas desde que, tanto por causa do engano dos sectários que inteligentemente ocultaram suas intrigas, e por causa das sugestões inconscientes de alguns, eles decidiram negligenciar essa questão, ou pelo menos tratá-la descuidadamente, daquelas antigas seitas maçônicas, sempre ativas, muitas outras são. germinado, muito pior e mais ousado do que aqueles. Parecia que essas seitas estavam todas incluídas na dos Carbonari, considerada na Itália e em alguns outros países a mais importante de todas e que, diversamente ramificada com apenas nomes diferentes, começou a combater a religião católica com amargura e qualquer supremo e legítimo e autoridade civil. Para libertar-se desse desastre, a Itália, os outros países e, de fato, o próprio Estado Papal (em que, por algum tempo, suprimiu o governo pontifício, essa seita foi introduzida junto com invasores estrangeiros) Pio VII de feliz memória, a quem Conseguimos, com uma Constituição que começa com as palavras Ecclesiam a Jesu Christo publicado em 13 de setembro de 1821, condenou a seita dos Carbonari com multas muito severas, mas foi nomeada de acordo com a diversidade de lugares, homens e expressões idiomáticas. Pensamos em incluir nesta carta também o texto da mesma, com a seguinte redação.

6. Bispo Pio, servo dos servos de Deus, memória perpétua.

A Igreja fundada por Jesus Cristo, o Salvador Nossa pedra sólida acima (e contra ela Cristo prometeu que os portões do inferno nunca prevaleceriam) era atacada com tanta frequência e por tantos inimigos temíveis que, se a promessa divina não se mantivesse naquele pode falhar, temeria-se que sucumba, cercado por força ou vícios ou astúcia. De fato, o que aconteceu em outros tempos se repete também e sobretudo nesta era de luto que parece ser a última vez anunciada no passado pelo apóstolo: " Virão os enganadores que, de acordo com seus desejos, trilharão o caminho da impiedade" ( D'us 18) . De fato, ninguém ignora quantos vilões, nestes tempos extremamente difíceis, uniram forças contra o Senhor e contra Cristo, seu Filho; eles especialmente (embora com esforços vãos) tentam subjugar e subverter a mesma Igreja, enganando os fiéis (Col 2,8) com uma filosofia vaidosa e falaciosa e removendo-os da doutrina da Igreja. Para alcançar esse objetivo com mais facilidade, muitos deles organizaram conferências ocultas e sete imigrantes ilegais com os quais esperavam, no futuro, arrastar muitos indivíduos mais facilmente para serem cúmplices de sua conspiração e iniqüidade.

Por algum tempo, a Santa Sé, tendo descoberto essas seitas, tocou o alarme contra elas com voz alta e livre e revelou suas conspirações contra a religião e contra a própria sociedade civil. Por algum tempo, ele pediu a todos que observassem, para que essas seitas não ousassem implementar suas intenções perversas. Não obstante, é motivo de lamentar que o compromisso desta Sé Apostólica não corresponda ao resultado pretendido e que aqueles homens maus não desistiram da conspiração empreendida, pela qual acabaram por derivar os males que nós mesmos tínhamos previsto. De fato, aqueles homens, cuja importância sempre cresce, até ousaram criar novas sociedades secretas.

Nesse ponto, é necessário lembrar uma sociedade nascida recentemente e espalhada por toda a Itália e outras regiões: embora seja dividida em numerosas seitas e às vezes assumindo nomes diferentes e distintos, devido à sua variedade , ainda assim, ele é um de fato na semelhança de doutrinas e crimes e na aliança que foi estabelecida; é geralmente chamado de Carbonari. Simulam um respeito singular e um certo zelo extraordinário em relação à religião católica e à pessoa e aos ensinamentos de Jesus Cristo, nosso Salvador, que às vezes chamam sacrilegamente de reitor e grande mestre de sua sociedade. Mas esses discursos, que parecem suavizados com óleo, nada mais são do que dardos disparados com mais segurança por homens astutos, para ferir os menos cautelosos; esses homens aparecem em pele de cordeiro, mas em termos íntimos são lobos vorazes.

Mesmo se não houvesse outros argumentos, os seguintes os convencem suficientemente de que nenhum crédito deve ser dado às suas palavras, ou seja: o juramento muito severo pelo qual, imitando amplamente os antigos priscilanistas, eles prometem nunca, de qualquer forma, revelar àqueles que eles não são membros da sociedade, algo que diz respeito à mesma sociedade, nem de comunicar aos que estão nos escalões mais baixos tudo o que diz respeito aos graus mais altos; além disso, as reuniões secretas e ilegais que eles convocam, seguindo o costume de muitos hereges e a cooptação de homens de todas as religiões e todas as seitas da sociedade.

Conseqüentemente, não são necessárias conjecturas ou argumentos para julgar suas reivindicações, conforme declarado acima. Os livros publicados por eles (nos quais é descrito o método geralmente seguido nas reuniões de nível superior), seus catecismos, estatutos e outros documentos muito sérios e autênticos que visam inspirar confiança e os testemunhos daqueles que abandonaram a sociedade à qual pertenciam anteriormente, revelaram aos juízes legítimos erros e fraudes, demonstram abertamente que os Carbonari visam, acima de tudo, conceder licença total a qualquer um que invente com sua própria engenhosidade e com suas próprias opiniões uma religião a professar, introduzindo assim a Religião aquela indiferença de que algo mais pernicioso dificilmente pode ser imaginado. Profanar e contaminar a paixão de Jesus Cristo com algumas de suas cerimônias nefastas; desprezando os sacramentos da Igreja (aos quais outros novos que inventaram com suprema maldade parecem substituir) e os mesmos mistérios da religião católica; ao subverter esta Sé Apostólica (na qual sempre residia a primazia da Cátedra Apostólica), eles são animados por um ódio particular e meditam propostas fatais e perniciosas.

Não menos perversas (como fica claro nos próprios documentos) são as regras de comportamento que a sociedade dos Carbonari ensina, embora descaradamente se gabem de exigir que seus seguidores cultivem e pratiquem a caridade e todas as outras virtudes, e que se abstêm escrupulosamente de todos os vícios. . Por isso, favorece os prazeres mais selvagens sem qualquer vergonha; ele ensina que é permitido matar aqueles que não respeitaram o juramento de guardar o segredo mencionado acima; e embora Pedro, o príncipe dos apóstolos, prescreva que os cristãos "sejam submetidos, em nome de Deus, a toda criatura humana, seja ao rei como preeminente ou às cabeças enviadas por ele etc." (1 Pd 2:13); embora o apóstolo Paulo ordene que "toda alma seja submetida às mais altas potências", ainda assim a sociedade ensina que não é crime provocar rebeliões e despojar seus reis e outros líderes de seu poder, que, para o mais insulto, ousa indiferentemente chamar tiranos (Rm 3,14) .

Esses e outros são os dogmas e preceitos dessa sociedade, que deram origem aos crimes recentemente cometidos pelos Carbonari, que causaram tanto luto a pessoas honestas e piedosas. Portanto, fomos designados como videntes daquela casa de Israel que é a Santa Igreja e que, para nosso ofício pastoral, devemos evitar que o rebanho do Senhor nos confiou sofrer qualquer dano, pensamos que em uma contingência tão séria não podemos deixar de impedir as tentativas criminais desses homens. Também nos emocionamos com o exemplo de Clemente XII e Bento XIV de memória feliz, Nossos predecessores: o primeiro, em 28 de abril de 1738, com a Constituição "Eminenti", e o segundo, em 18 de maio de 1751, com a Constituição "Providas », Condenou e proibiu as sociedades dos maçons maçons, ou dos francos maçons, ou apelidos de qualquer outro nome, de acordo com a variedade de regiões e expressões idiomáticas; deve-se supor que essa sociedade dos Carbonari talvez seja uma ramificação, ou mesmo uma imitação, dessas sociedades .

E, embora com dois decretos promulgados por Nosso Secretário de Estado já tenhamos proscrito severamente essa sociedade, mas seguindo os mencionados Nossos predecessores, pensamos em decretar, ainda mais solenemente, graves penalidades contra essa sociedade, sobretudo porque os Carbonari afirmam erroneamente que não ser incluído nas duas Constituições de Clemente XII e Bento XIV ou estar sujeito às sentenças e sanções previstas nelas.

Tendo consultado, portanto, uma Congregação escolhida dos Veneráveis ​​Irmãos Nossos Cardeais da Santa Igreja Romana, com seus conselhos e também por motu proprio, para certas doutrinas e deliberações meditadas, na plenitude da autoridade apostólica que estabelecemos e decretamos condenar e proibir a a empresa acima mencionada da Carbonari , ou com qualquer outro nome chamado, suas reuniões, assembléias, conferências, agregações, conventículos, bem como com este nosso ato, nós a condenamos e proibimos.

Portanto, para cada um dos fiéis de Cristo de qualquer estado, grau, condição, ordem, dignidade e preeminência, tanto leigos quanto clericais, tão seculares como regulares, dignos de menção específica, individual e explícita, ordenamos estritamente e em virtude do santo obediência que ninguém, sob qualquer pretexto ou motivo procurado, ouse ou pretenda estabelecer, disseminar ou favorecer, e em sua casa ou casa ou em qualquer outro lugar aceite e oculte a sociedade acima mencionada dos Carbonari, ou de qualquer outra forma, assim como se registre ou se junte a ela ou intervir em qualquer nível ou oferecer a faculdade e a oportunidade de ser chamado em algum lugar ou dar algo a ele ou fornecer conselhos, abertos ou ocultos, diretos ou indiretos, para ele si ou para os outros; e ainda exortar, induzir, provocar ou persuadir outros a ingressar, ingressar ou intervir em uma sociedade ou em qualquer grau dela ou a beneficiá-la ou favorecê-la de qualquer maneira. Os fiéis devem abster-se absolutamente da própria empresa, de suas reuniões, reuniões, convenções ou convenções, sob pena de excomunhão, na qual incorrem todos os infratores acima indicados, sem qualquer outra declaração; da excomunhão ninguém pode ser absolvido, exceto por nós ou pelo pontífice romano pro tempore, a menos que esteja no ponto da morte.

Também prescrevemos a todos, sob a mesma penalidade de excomunhão, reservados a Nós e aos Pontífices Romanos Nossos Sucessores, a obrigação de relatar aos Bispos, ou a outras pessoas competentes, todos aqueles que sabem como aderir a esta sociedade ou que são culpados de alguns dos crimes mencionados acima.

Finalmente, para remover com mais eficácia qualquer perigo de erro, condenamos e proibimos todos os chamados catecismos e livros dos Carbonari, onde eles descrevem o que é habitual fazer em suas reuniões; da mesma forma seus estatutos, seus códigos e todos os livros escritos em sua defesa, impressos e manuscritos. Proibimos todos os fiéis, sob a mesma penalidade de excomunhão, como acima, ou lendo ou mantendo qualquer um deles; e ordenamos que esses livros sejam entregues sem exceção aos Ordinários locais ou a outras pessoas que têm o direito de recebê-los.

Também queremos que os trânsitos, inclusive os impressos, desta carta para nós, assinados pela mão de algum notário público e com o selo de uma pessoa com dignidade eclesiástica, emprestem a mesma fé que seria concedida à carta original se fosse apresentada ou mostrada.

Portanto, não é permitido alguém arrebatar ou contradizer este texto de Nossa declaração, condenação, ordem, proibição e interdição com arrogância destemida. Se alguém ousou tentar isso, saiba que ele sofrerá a indignação de Deus Todo-Poderoso e de seus abençoados Apóstolos Pedro e Paulo.

Dado em Roma, em Santa Maria Maggiore, no ano da Encarnação do Senhor de 1821, em 13 de setembro, no vigésimo segundo ano do Nosso Pontificado ».

7. Logo após a promulgação desta Constituição de Pio VII, nós, sem nenhum mérito nosso, fomos elevados ao cargo supremo de São Pedro e imediatamente transformamos toda a nossa atividade em descobrir qual era o status das seitas clandestinas, como suas número, como poder. Após essa investigação, entendemos facilmente que sua ousadia havia crescido acima de tudo devido ao aumento do número de novas seitas. Antes de tudo, é preciso mencionar o que é chamado de Universidade, porque ela tem sede e domicílio em várias universidades nas quais jovens, por alguns mestres (entendidos não para ensinar, mas para perverter), são iniciados nos mistérios da seita, que devem ser definidos corretamente mistérios da iniqüidade; portanto, os jovens são educados para toda maldade.

8. A partir disso, as chamas da rebelião, há muito acesas na Europa pelas seitas clandestinas, se originaram; apesar das vitórias mais relatadas pelos poderosos príncipes europeus, que esperavam reprimi-las, as tentativas nefastas das seitas ainda não terminaram. De fato, nos mesmos países em que os tumultos do passado parecem ter cessado, qual é o medo de novos distúrbios e seduções com os quais esses sete trabalham constantemente? Qual é o medo dos punhais perversos que mergulham nos corpos daqueles a quem destinaram a morte? Quantas medidas severas foram frequentemente forçadas a adotar, apesar de si mesmas, aqueles que mandam defender a tranquilidade pública?

9. Daqui se originam as calamidades atrozes que afligem a Igreja em quase toda parte e que não podemos lembrar sem dor, de fato: sem angústia. Seus dogmas e ensinamentos mais sagrados são desafiados sem vergonha; sua dignidade é humilhada. Aquela paz e felicidade que, por direito próprio, deve gozar, não são apenas perturbadas, mas completamente perturbadas.

10. E não se pode acreditar que seja uma calúnia abjeta atribuir a essas seitas todos esses males e os outros que negligenciamos. Os livros que não morreram de escrever sobre Religião e Estado aqueles que estão matriculados nessas seitas desprezam o poder, blasfemam da realeza, continuam dizendo que Cristo é escândalo e tolice; de fato, eles freqüentemente ensinam que Deus não existe e que a alma do homem morre com o corpo. Os códigos e estatutos nos quais eles revelam suas intenções e regras mostram claramente que todos os males que mencionamos provêm deles e que pretendem derrubar os principados legítimos e destruir a Igreja desde o início. Essa afirmação deve ser considerada certa e ponderada: as seitas, embora com nomes diferentes, são unidas pelo vínculo perverso das intenções mais infames.

11. Sendo esse o caso, acreditamos que é nosso dever condenar novamente essas seitas clandestinas, para que nenhuma delas possa se gabar de não ser entendida em nossa sentença apostólica, e com esse pretexto possa enganar homens incautos ou inexperientes. Portanto, a conselho de nossos Veneráveis ​​Irmãos Cardeais da Santa Igreja Romana e também motu proprio, com doutrina certa e com deliberação madura de nossa parte, estamos sujeitos às mesmas penalidades impostas nas cartas de nossos predecessores que informamos nesta Nossa Constituição e confirmamos expressamente , perpetuamente, proibimos todas as sociedades ocultas (qualquer que seja o nome), tanto as que existem agora, quanto as que talvez se constituam mais tarde e que as ações mencionadas acima sejam propostas contra a Igreja e as potências civis supremas.

12. Portanto, para cada um dos fiéis de Cristo de qualquer estado, grau, condição, ordem, dignidade e preeminência, tanto leigos como clericais, tão seculares como regulares, dignos também de menção específica, individual e explícita, ordenamos estritamente e virtude da santa obediência, de que ninguém, sob qualquer pretexto ou motivo procurado, ouse ou pretenda fundar, disseminar ou favorecer, e em sua casa ou residência, ou em qualquer outro lugar, aceite e oculte as empresas mencionadas como elas são chamadas, assim como registre-se ou junte-se a elas ou intervir em qualquer nível deles ou oferecer à faculdade e oportunidade de convocá-los em algum lugar ou dar-lhes algo, ou de outra forma fornecer conselhos, abertos ou ocultos, diretos ou indiretos, diretos ou indiretos, para si ou para outros ; e ainda exortar, induzir, provocar ou persuadir outras pessoas a ingressar, ingressar ou intervir nessas congregações ou em qualquer grau delas, ou beneficiá-las ou favorecê-las de qualquer maneira. Os fiéis devem abster-se absolutamente das próprias empresas, de suas reuniões, conferências, agregações ou conventículos, sob pena de excomunhão, na qual todos os infratores descritos acima, sem qualquer declaração, incorrem no momento; da excomunhão ninguém pode ser absolvido, exceto por nós ou pelo pontífice romano pro tempore, a menos que esteja no ponto da morte.

13. Além disso, todos exigimos, sob a mesma pena de excomunhão, reservada a nós e aos pontífices romanos nossos sucessores, a obrigação de informar aos bispos ou a outras pessoas competentes todos aqueles que se sabe terem dado seu nome a essas empresas ou que tenham manchado com alguns dos crimes mencionados acima.

14. Acima de tudo, condenamos resolutamente e totalmente o juramento perverso e perverso que vincula os adeptos dessas seitas a nunca revelar a ninguém tudo sobre as sete seitas e punir com a morte todos os camaradas que se tornam informantes da superiores, eclesiásticos e leigos. E então? Visto que o juramento deve ser pronunciado a serviço da justiça, talvez não seja crime considerá-lo um vínculo pelo qual alguém se compromete com um assassinato injusto e despreza a autoridade daqueles que, na medida em que governam a Igreja ou a sociedade civil legítima, têm a direito de saber tudo de que depende a segurança dessas instituições? Não é a soma de iniqüidade e tormento chamar o próprio Deus de testemunha e garante de crimes? Os Padres do Terceiro Conselho Lateranense afirmam com razão: " Não podemos definir juramentos, mas perjúrios, aqueles que são dirigidos contra o bem da Igreja e os ensinamentos dos Santos Padres ". E a insolência, ou insensatez daqueles entre esses homens, não apenas em seus próprios corações, mas também publicamente e em escritos públicos, afirma que " Deus não existe ", e ainda se atreve a exigir um juramento daqueles que são bem-vindos em sete.

15. Tais são nossas disposições destinadas a reprimir e condenar todas essas seitas furiosas e iníquas. Portanto, agora Veneráveis ​​Patriarcas Católicos, Primatas, Arcebispos e Bispos, não apenas pedimos, mas solicitamos seu compromisso. Cuide de si mesmo e de todo o rebanho em que o Espírito Santo o colocou como bispo para governar a Igreja de Deus.Os lobos que se arrependerão o atacarão se você não se importar com o rebanho. Mas não tenha medo e não considere sua vida mais valiosa do que você.

Considere com certeza que a perseverança dos homens confiados a você na religião e nas boas ações depende muito de você. De fato, apesar de viver em dias " pouco auspiciosos " e em um tempo em que muitos " não defendem a sã doutrina ", no entanto, o respeito de muitos fiéis em relação aos seus pastores, que são considerados justamente ministros de Cristo e dispensadores de seus mistérios. Faça uso, portanto, para o benefício de suas ovelhas, daquela autoridade que pela graça imortal de Deus é preservada em suas almas. Informe-os sobre as fraudes sectárias e com que cuidado devem evitar atendê-las. Graças à sua autoridade e ao seu magistério, assombrem a doutrina maligna daqueles que zombam dos mais santos mistérios de Nossa religião e dos mais puros ensinamentos de Cristo, e desafiam todo poder legítimo. E falarei com você repetindo as palavras usadas por Nosso predecessor Clemente XIII na Encíclica [ A quo die ] de 14 de setembro de 1758, dirigida a todos os Patriarcas, Primatas, Arcebispos, Bispos da Igreja Católica: " Por favor: com o Espírito do Senhor estamos cheios de força, justiça e coragem. Não devemos, à semelhança de cães mudos incapazes de latir, tornar nossos rebanhos uma presa e nossas ovelhas a refeição de todo animal selvagem; nada nos impede de nos expor a todo tipo de luta pela glória de Deus e pela salvação das almas. Pensemos cuidadosamente naquele que suportou tanta hostilidade dos pecadores contra si mesmo. Se pararmos diante da ousadia dos ímpios, a força moral do Episcopado e o poder divino e sublime de governar a Igreja já entraram em colapso; e não podemos mais continuar a nos considerar, na verdade não podemos mais ser cristãos, se tememos as ameaças e armadilhas dos homens perversos ».

16. Novamente, com insistência, invocamos sua ajuda, queridos em Cristo, nossos filhos, nossos princípios católicos que apreciamos com um amor tão singular e paterno. Por isso, remetemos às palavras memoráveis ​​que Leão, o Grande (dos quais somos sucessores em dignidade e, embora indignos, herdeiros do nome) endereçados por escrito a Leone Imperatore: o mundo, mas sobretudo proteger a Igreja, para que, reprimindo os atos de audácia ímpia, você possa defender instituições saudáveis ​​e restaurar a paz daqueles que se aborrecem ". No presente, a situação é tal que, para defender não apenas a religião católica, mas também sua segurança e a dos povos sujeitos à sua autoridade, você deve reprimir esses sete. De fato, a causa da religião, especialmente neste momento, está tão unida à salvação da sociedade que de maneira alguma pode ser separada uma da outra. De fato, aqueles que aderem a essas seitas não são menos inimigos da religião do que do seu poder. Eles atacam um e outro, meditam para quebrar os dois. E certamente eles não permitiriam, se possível, que a religião ou o poder real sobrevivesse.

17. Tal é a astúcia desses homens astutos que, quando dão a impressão tranquilizadora de que pretendem expandir seu poder, apenas então pretendem subvertê-lo. De fato, eles transmitem muitos ensinamentos para nos convencer de que nosso poder e o dos Bispos devem ser reduzidos e enfraquecidos, e que muitos direitos devem ser transferidos para eles, tanto entre os que pertencem a esta Cadeira Apostólica como à Igreja principal, e entre os que pertencem à Igreja. Bispos que foram chamados para fazer parte de Nossa solicitude. Esses sectários ensinam essas doutrinas não apenas por causa do ódio sombrio que temem contra a religião, mas também porque têm a esperança de que os povos se sujeitem ao seu ensino, se por acaso perceberem que os limites das coisas sagradas por Cristo são violados. da Igreja fundada por ele, é facilmente induzido, com este exemplo, a subverter e destruir até a forma do regime político.

18. Também a todos vocês, filhos amados que professam a religião católica, nos voltamos com nossa oração exortativa. Evite com homens curagli que chamam trevas leves e trevas leves. De fato, que utilidade real você poderia derivar do consórcio com homens que acreditam que eles não têm nenhum relato de Deus ou de todos os mais altos poderes? Ao tramarem reuniões secretas, eles tentam fazer guerra e, embora em público e onde quer que proclame que estou muito próximo do bem público, da Igreja e da sociedade, em todas as empresas que demonstraram que desejam perturbar e subverter tudo. São semelhantes aos homens a quem São João (2 Jo 10) ordena que não ofereçam hospitalidade nem cumpram a saudação; àqueles homens que Nossos antepassados ​​não hesitaram em chamar o primogênito do diabo. Cuidado, portanto, com suas lisonjas e discursos de mel com os quais eles tentarão convencê-lo a dar seu nome àquelas seitas das quais elas próprias fazem parte. Tenha certeza de que ninguém pode se juntar a essas seitas sem ser culpado de ignomínia muito séria; retire de seus ouvidos os discursos daqueles que, para obter seu consentimento para se matricular nas classes mais baixas de suas seitas, afirmam firmemente que nessas séries nada é reivindicado como contrário à religião; pelo contrário, que nada é ordenado ou realizado que não seja santo, que não seja honesto, que não seja puro. Além disso, o juramento nefasto que já foi mencionado e que também deve ser dado para ser admitido nas séries mais baixas, é suficiente por si só para fazer você entender que também é um crime se matricular nesses graus menos exigentes e participar deles. Além disso, embora geralmente não sejam confiadas às empresas mais problemáticas e nefastas, pois ainda não subiram para posições mais altas, parece contudo evidente que a força e a ousadia dessas sociedades perniciosas crescem com o consentimento e o número. daqueles que se juntaram. Portanto, mesmo aqueles que não passaram nas notas mais baixas devem ser considerados cúmplices nesses crimes. E a sentença do apóstolo também recai sobre eles: " Aqueles que cometem tais crimes são dignos de morte, e não apenas aqueles que os cometem, mas também aqueles que aprovam quem os pratica" (Romanos 1: 28-29).

19. Finalmente, com profundo amor, chamamos a nós aqueles que, depois de receberem a luz e terem provado o dom celestial e feitos participantes do Espírito Santo, caíram miseravelmente e seguiram esses sete, quer estejam nas fileiras inferiores deles, ambos em superiores. De fato, tomando o lugar daquele que declarou que ele não havia chamado os justos, mas pecadores (e se comparado ao pastor que, tendo deixado o resto do rebanho, procurou ansiosamente as ovelhas que havia perdido), nós as exortamos e imploramos que voltassem a Cristo. Embora sejam culpados do crime mais grave, não devem, no entanto, se desesperar da misericórdia de Deus e de Jesus Cristo, seu Filho. Então, encontrem-se novamente, finalmente, e novamente se refugiem em Jesus Cristo, que também sofreu por eles e que não apenas desprezará seu arrependimento, mas, como um pai amoroso que está esperando por filhos pródigos há muito tempo, os acolherá com o máximo alegria. De fato, nós, para encorajá-los o máximo que pudermos e para lhes abrir uma maneira mais fácil de penitenciar, suspendemos pelo espaço de um ano inteiro (após a publicação desta carta apostólica na região em que residem) é a obrigação de denunciar sua sectários, é a reserva das queixas em que eles deram, dando seu nome às seitas; e declaramos que eles, mesmo sem denunciar os cúmplices, podem ser absolvidos dessas censuras por qualquer confessor, desde que seja o número daqueles que são aprovados pelos Ordinários do lugar em que vivem. Também decidimos usar a mesma condescendência com aqueles que estão em Roma. Se algum deles a quem Nosso discurso é dirigido for tão teimoso (e Deus não o permitir, pai das misericórdias!) Deixar o espaço de tempo que estabelecemos sem deixar que as seitas passassem para realmente se arrepender, depois desse tempo, em breve a obrigação de denunciar os cúmplices e a reserva das censuras terá efeito contra ele, nem ele poderá obter absolvição se não for de Nós ou de Nossos Sucessores ou daqueles que obtiveram do Ver Apostólico a faculdade de se absolver das próprias censuras.

20. Também queremos que os trâmites, mesmo impressos, desta nossa carta, assinados à mão por algum notário público e com o selo de uma pessoa vestida com dignidade eclesiástica, se prestem a mesma fé que seria concedida à carta original se fosse apresentada ou mostrada .

21. Portanto, ninguém pode violar ou contestar este texto de Nossa declaração com condenação de arrogância, condenação, confirmação, inovação, mandato, proibição, invocação, pesquisa, decreto e vontade. Se alguém se atreveu a fazer esse ataque, saiba que ele sofrerá a indignação de Deus Todo-Poderoso e dos Abençoados Apóstolos Pedro e Paulo.

Dado em Roma, em São Pedro, em 13 de março do ano da Encarnação do Senhor de 1825, no segundo ano de Nosso Pontificado.


© Direitos autorais - Libreria Editrice Vaticana

Fonte:https://w2.vatican.va/content/leo-xii/it/documents/bolla-quo-graviora-13-marzo-1825.html

 
 
 

Artigo Visto: 46 - Impresso: 1 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.732.176 - Visitas Únicas Hoje: 989 Usuários Online: 260