"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
03/04/2021
9 morrem na Alemanha de coágulos cerebrais / 50% dos profissionais de saúde rejeitam vacinas Covid-19 (EUA)
 

9 morrem na Alemanha de coágulos cerebrais

02 de abril de 2021

A Alemanha relatou 31 casos de coágulos sanguíneos no cérebro da vacina COVID-19 da AstraZeneca. Os casos estão associados a TVS ou trombose venosa do cérebro, segundo o órgão regulador alemão, e 19 dos 31 casos estão relacionados a trombocitopenia ou deficiência de plaquetas no sangue.

O uso da vacina covid-19 da AstraZeneca já foi descontinuado em muitos países europeus devido aos seus efeitos colaterais adversos. O órgão regulador de vacinas alemão também relatou 31 casos de doenças do sangue após a punção da AstraZeneca na Alemanha.

O Instituto Paul Ehrlich (regulador de vacinas da Alemanha) disse que registrou 31 casos de um coágulo de sangue raro no cérebro depois que as pessoas foram vacinadas contra COVID-19 com AstraZeneca. Nove desses casos foram fatais, acrescentou o IPE.

Os casos registrados na Alemanha estão relacionados à trombose das veias do seio nasal, segundo o PEI. 19 dos 31 casos estão relacionados a trombocitopenia ou deficiência de plaquetas no sangue.

Dois dos grupos de hospitais estaduais de Berlim (Vivantes e Charite) também suspenderam a administração da vacina a mulheres com menos de 55 anos, em um evento isolado.

Como GreatGameIndia já relatou, até mesmo as autoridades federais dos EUA estão investigando recipientes da vacina COVID-19 que desenvolveram a rara doença do sangue trombocitopenia, com pelo menos vários casos resultando em morte.

As autoridades de saúde federais dos EUA acusaram a AstraZeneca de incluir "informações desatualizadas" e fornecer dados enganosos ao promover a eficácia de sua vacina COVID-19 em um estudo conduzido nos Estados Unidos.

A União Europeia convocou uma Cúpula de Vacinas de Emergência depois que mais de 8 nações europeias decidiram parar de usar a vacina COVID-19 da AstraZeneca devido a sérios incidentes com coágulos sanguíneos registrados em muitos países.

O pesquisador chefe e médico norueguês Pal Andre Holme, que examinou os três profissionais de saúde hospitalizados, confirmou que foi de fato a vacina COVID-19 da AstraZeneca que causou os raros coágulos sanguíneos devido a uma reação imunológica inesperada.

Enquanto isso, a AstraZeneca mudou o nome de sua vacina COVID-19 de CoviShield para Vaxzevria.

A mudança ocorre porque a empresa está lutando para convencer as pessoas de que a vacina é segura em meio à polêmica de que a vacina AstraZeneca COVID-19 está causando coágulos sanguíneos.

Traduzido para RELIGION AL VOZ LIBRE de greatgameindia.com/category/coronavirus-covid19/

Via: https://religionlavozlibre.blogspot.com/2021/04/9-fallecen-el-alemania-por-coagulos.html?

-----

50% dos profissionais de saúde rejeitam vacinas Covid-19 (EUA)

02 de abril de 2021

Quase metade do pessoal de saúde rejeita as vacinas Covid-19 por razões convincentes

A mídia classificou aqueles que se recusam a se injetar contra o coronavírus Wuhan (Covid-19) como "antivacinas" que espalham "desinformação", desafiando as diretrizes da instituição médica. A verdade, porém, é que talvez aqueles que mais se opõem às vacinas são os médicos e enfermeiras que trabalham com produtos farmacêuticos todos os dias.

Quase metade dos profissionais de saúde dizem não às vacinas contra o vírus chinês. 52% dos que trabalham com medicina foram vacinados contra a gripe Wuhan pelo menos uma vez, enquanto os 48% restantes não planejam se vacinar. Um em cada seis profissionais de saúde chega a pensar em deixar o emprego se seus chefes lhes disserem que eles precisam tomar injeções para continuar trabalhando.

Cerca de 36% dos profissionais de saúde afirmam questionar a segurança e a eficácia dos produtos químicos lançados rapidamente, seguidos de liberação de emergência. Nenhuma das injeções recebeu aprovação oficial porque todas ainda estão em fase de ensaio clínico.

A pesquisa, conduzida pelo The Washington Post e pela Kaiser Family Foundation, é a maior e mais abrangente desse tipo. Era composto por 1.327 pessoas que trabalhavam em hospitais, instalações de vida assistida, residências de pacientes e outros tipos de configurações semelhantes.

Por que arriscar morrer por causa de uma vacina quando o vírus com o qual ele supostamente está "lutando" dificilmente é uma ameaça?

Uma pesquisa semelhante conduzida por várias instituições importantes, incluindo a Brown University e a Harvard University, descobriu que quase 40% de toda a equipe de enfermagem qualificada não foi vacinada contra o coronavírus Wuhan (Covid-19) na primeira vez. As razões para dizer não fazem muito sentido.

Primeiro, a chamada "vacina" desenvolveu-se muito rapidamente. Além disso, recebeu apenas autorização de uso de emergência (EUA) da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, em vez de aprovação oficial, o que significa que não há como saber realmente se é seguro ou eficaz.

Muitos profissionais de saúde também expressaram preocupação por não estarem familiarizados com os ingredientes usados ​​nas vacinas. Um deles é o polietilenoglicol (PEG), um conservante químico conhecido por ser tóxico e anafilático.

À medida que se espalham notícias sobre pessoas vacinadas adoecendo ou morrendo, muitos profissionais de saúde também indicam que não podem correr o risco de adoecer e perder o trabalho. Além disso, muitos têm família e não podem morrer de um vírus que tem uma taxa de sobrevivência de 99,9%.

Enfermeiros e médicos também estão preocupados com a possibilidade de infertilidade devido a injeções, que também são conhecidas por causar abortos espontâneos.

Finalmente, existe uma preocupação generalizada entre os trabalhadores em muitos setores diferentes, uma vez que os efeitos a longo prazo das injeções do coronavírus Wuhan (Covid-19) são desconhecidos. Pode levar meses ou até anos para ver o verdadeiro impacto e, então, será tarde demais.

"As razões para rejeitar a vacina incluem desconfiança do governo e das empresas farmacêuticas, preocupação com os efeitos colaterais agravados pela desinformação galopante [sic] sobre a vacina nas redes sociais e preocupações entre trabalhadores negros da saúde que derivam de um histórico de racismo médico", este outro estudo revelou.

Acontece que os profissionais de saúde em muitos outros países têm uma opinião semelhante. A maior taxa de "aceitação" da vacina entre os profissionais de saúde em todo o mundo está em Israel, onde 78,1% dizem que seriam vacinados. Em contraste, na República Democrática do Congo, apenas 27,7% dos médicos afirmam que o aceitariam.

"Em comparação, os números de aceitação da vacina em pesquisas públicas em geral variam de 70% a 79%, uma porcentagem significativamente maior do que para profissionais de saúde", relata LifeSiteNews.

Traduzido para FREE VOICE RELIGION de naturalnews.com/author/ethanh

Via: https://religionlavozlibre.blogspot.com/2021/04/50-del-personal-sanitario-rechaza-las.html?

 
 
 

Artigo Visto: 327 - Impresso: 5 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.612.551 - Visitas Únicas Hoje: 732 Usuários Online: 199