"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
27/03/2014
A batalha contra os biocombustíveis
 


A batalha contra os biocombustíveis

26 de Março de 2014

http://infopetro.files.wordpress.com/2011/01/biocombustiveis1.jpg

Jean Ziegler já foi relator das Nações Unidas para o direito à comida entre 2000 e 2008.

Agora sempre na ONU está, mas na Comissão para os direitos humanos. É o autor do livro Betting on Famine: Why the World Still Goes Hungry ("Apostando na Fome: Porque o mundo ainda passa fome") e num artigo no diário The Guardian fala dos biocombustíveis.

Vamos ler.

    A queima de centenas de toneladas de alimentos para produzir biocombustíveis é um crime contra a humanidade. Desde 2007, a União Europeia e o governo dos Estados Unidos têm dado enorme apoio ao agro-negócio da comida para encher os tanques dos carros - incentivos fiscais e subsídios de bilhões a cada ano. O resultado? Mais fome, land grabbing, danos ambientais e centenas de milhares de vidas perdidas.

E continua:

    A cada 5 segundos uma criança em cada 10 morre de fome e de doenças relacionadas. É irônico que os biocombustíveis ainda são promovidos por algumas empresas multinacionais como a escolha eco-friendly [amiga do ambiente, ndt] como uma alternativa sustentável aos combustíveis fósseis. Agora são poucos os que acreditam que deles possam derivar benefícios sociais ou ambientais, a apoiá-los fica quem lucra diretamente com as políticas em favor dos biocombustíveis, como os da Europa. A realidade é que não são nada mais do que uma outra forma de exploração irresponsável dos recursos. Produzir um litro de biocombustível, por exemplo, requer 2.500 litros de água.

E ainda:

    As políticas europeias de promoção dos biocombustíveis, desde 2008, desviaram o cereal para fora do mercado dos alimentos para satisfazer o agronegócio com o objetivo do lucro privado. Este uso de grandes quantidades de alimentos para obter quantidades relativamente pequenas de carburante para o transporte tem três consequências desastrosas.

    Em primeiro lugar, um aumento da fome no mundo.
    Quase todos os biocombustíveis utilizados na Europa são derivados de cereais, principalmente trata-se de trigo, soja, óleo de palma, óleo de milho, óleo de canola, alimentos essenciais para a população. O que a Europa agora queima todos os anos nos tanques de combustível dos veículos a motor é comida suficiente, em calorias, para alimentar 100 milhões de pessoas. Além disso, o custo dos alimentos básicos aumenta em 20 %, 36 % o óleo vegetal e o milho mais do que 22 % em 2020 devido aos objetivos europeus. Para aqueles que vivem nas favelas ao redor do mundo, para aqueles que têm muito pouco dinheiro para comprar comida, isso é um desastre.

    Em segundo lugar, há uma enorme procura por terras para o cultivo de biocombustíveis, e isso destrói a agricultura familiar e o meio ambiente. Os especuladores da terra, os hedge funds, as empresas do agronegócio têm feito uma corrida global para a terra que forçou centenas de milhares de pequenos agricultores a deixar os seus terrenos, os agricultores que foram privados de recursos básicos, como a água. Regularmente em todo o mundo, mas especialmente na África, Ásia e América Latina, a monopolização das terras por parte de grandes multinacionais do biocombustíveis é acompanhada por violência: as vítimas são os pequenos agricultores e as suas famílias.

    O terceiro aspecto é a devastação ambiental. A procura por mais terras para alcançar os programas europeus sobre os biocombustíveis significa terras de cultivo intensivo em cereais, resultando em desmatamento, desaparecimento de pastagens e de turfeiras. Agora e evidente como os supostos benefícios para o clima por parte dos biocombustíveis sejam quase zero, se não totalmente inexistentes.

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/imagens/010175091023-desmatamento.jpg

    Com o uso dos fertilizantes, o monopólio da terra, o desmatamento e a eliminação de outras culturas, a produção de biocombustíveis na Europa não reduziu as emissões - como foi dito - mas permitiu a emissão de milhões de toneladas adicionais de dióxido de carbono na atmosfera. O consumo de combustíveis fósseis deve ser reduzido rapidamente, mas a solução está na redução do consumo de energia, nos transportes públicos e nas fontes alternativas de energia limpa, não no uso da terra com tantas consequências desastrosas. É hora de pôr fim a esta loucura dos biocombustíveis, o que permite que algumas empresas transnacionais obtenham enormes lucros, causando devastação ao meio ambiente e milhões de vítimas.

Tudo verdadeiro.
Só não percebo uma coisa.

Segundo os programas do Estados Unidos (projecto da época Bush), em 2025 75% do petróleo importado deve ser substituído por energias alternativas, incluídos os biocombustíveis. Segundo o programa do Energy Independence and Security Act de 2007 isso dá 36 bilhões de galões de biocombustível em 2022.

A China tem como objetivo 15% de etanol.
A Colômbia já tem 10% de biocombustíveis utilizados nos transportes.

A Europa tem como objetivo alcançar 10% em 2020. Atualmente ultrapassa de pouco o 5%.
Não me parece que o grande problema dos biocombustíveis seja apenas a Europa. Aquela contra os biocombustíveis é uma batalha que deve ser combatida em todo o mundo, não apenas num canto dele. Porque o que afirma Ziegler é verdade: os biocombuistíveis são uma praga.

Longe de melhorar a emissão do dióxido de carbono, atiram para a pobreza milhões de seres humanos, devastando também o meio-ambiente. E, cereja no topo do bolo, favorecem a difusão incontrolada das sementes geneticamente modificadas.

É justo subtrair comida a quem mais precisa, só para encher o depósito do carro? É moralmente justificável? É ambientalmente sustentável?


Ipse dixit.

Fonte: The Guardian

Visto em:http://informacaoincorrecta.blogspot.com.br/2014/03/a-batalha-contra-os-biocombustiveis.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+InformaoIncorrecta+%28Informa%C3%A7%C3%A3o+Incorrecta%29

 
 
 

Artigo Visto: 1842 - Impresso: 37 - Enviado: 7

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.003.581 - Visitas Únicas Hoje: 1.482 Usuários Online: 377