"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
04/04/2017
Beata Isabel Canori Mora - Vítima expiatória pelo Papado
 

Beata Isabel Canori Mora - Vítima expiatória pelo Papado

https://3.bp.blogspot.com/-z8uiqarTuIE/Td18ynyUClI/AAAAAAAACp4/MtWqqe1Eljk/s768/Beata+Isabel+rezando+ante+a+imagem+do+Nazareno.jpg

Óleo da Beata no fim da vida

Luis Dufaur

Décadas antes de La Salette, Deus anunciava grandes castigos

A aparição de La Salette ocupa um lugar central dentro de uma série de advertências e anúncios divinos através de intermediários privilegiados por Nossa Senhora e Seu Divino Filho.

Mas, nem todos esses avisos são bem conhecidos no Brasil. Entre os menos conhecidos estão as visões da Bem-aventurada Isabel Canori Mora (1774-1825).

A Bem-aventurada Isabel escreveu-as de próprio punho em centenas de páginas dirigidas a seu confessor. Os manuscritos se encontram hoje zelosamente custodiados no arquivo dos padres trinitários, em San Carlino, Roma (Trata-se do manuscrito MS —132).

Algumas circunstâncias dispuseram que uma cópia de primeira mão chegasse até nós, permitindo-nos compulsar folio por folio.

Em 1996 a Libreria Editrice Vaticana, com o Imprimatur da diocese de Roma, editou tais escritos na íntegra, seguindo a ortografia e gramática italiana hodierna, com louvável adequação e respeito do original (La mia vita nel Cuore della Trinità — Diario della Beata Elisabetta Canori Mora, sposa e madre, Libreria Editrice Vaticana, 1996, 765 pp. Imprimatur do Vicariato de Roma, Pe. Luigi Moretti, secretário-geral, 31-8-1995).

O texto completo do Diário está disponível na Internet em Intratext, na língua italiana original.

Esses manuscritos podem assombrar a mais de um fiel pouco precavido.

O censor teológico, que em 5-11-1900 emitiu sábio e nobre juízo, isentando-os de erro, sentiu a necessidade de desfazer as objeções que se poderiam levantar contra as revelações mais surpreendentes da Bem-aventurada, hoje cultuada nos altares.

Juízo do censor eclesiástico sobre os escritos da Bem-aventurada Isabel

Em 5-11-1900, o censor eclesiástico encarregado pela Santa Sé para examinar os manuscritos da Bem-aventurada Isabel Canori Mora emitiu juízo formal, no qual afirma:

“Em todos os escritos da referida Serva de Deus Isabel Canori Mora não há nada contrário à fé e aos bons costumes, como também não se encontra nenhuma doutrina inovadora ou peregrina, ou alheia ao modo de sentir comum e consuetudinário de Nossa Santa Madre Igreja”.

Ele, entretanto, observa que se poderiam apresentar objeções quanto a “certas visões e revelações que se referem especialmente a prelados maiores e menores de Roma, nas quais aparecem descritos com cores bastante carregadas e com proporções que pareceriam próprias a escandalizar os fiéis, e às quais pareceria convir a qualificação de mal soantes ou ofensivas aos ouvidos pios”.

Para afastar essa eventual objeção, o censor eclesiástico esclarece, entre outras coisas, que 

“lamentações deste gênero, expressas por vezes com linguagem ainda mais vibrante, não são absolutamente nenhuma novidade nos escritos dos Servos de Deus, para os quais, se era doloroso ver a corrupção no povo, muito mais o era ter que deplorá-la nos ministros do santuário”.

https://2.bp.blogspot.com/-fpMu4huR0-8/Td18zEnLswI/AAAAAAAACp8/ZT7WuExbmiM/s400/Manuscritos.jpg

Manuscritos originais, igreja de San Carlino, Roma

Após explicar como seria árduo tentar provar serem falsas as visões da Beata Isabel, e como não seria difícil mostrar serem autênticas, conclui:

“As palavras da Serva de Deus, antes que mal soantes ou ofensivas aos ouvidos pios, devem ser consideradas muito úteis, especialmente aos sacerdotes que as leiam”.

O zeloso censor exprimiu também o desejo de que “a autobiografia da nossa Venerável Serva de Deus possa ver a luz, apenas seja possível e conveniente”, pois estas páginas “a muitas almas bem dispostas, e não dadas a desprezar as maravilhas de Deus nos seus santos, não deixarão de ser igualmente proveitosas”. (Sacra Rituum Congregatione, Beatificationis et canonizationis Ven. Servae Dei Elisabeth Canori Mora. Prima positio super virtutibus, Ex Typographia Pontificia in Instituto Pii IX, Roma, 1914. Iudicium Censoris Theologi super scriptis Ven. Servae Dei Elisabeth Canori Mora).

Breves dados biográficos da Bem-aventurada Isabel

Isabel Canori é filha de Tomás Canori, grande proprietário de terras romano, e de Teresa Primoli, aristocrática dama da Cidade dos Papas.

Após receber esmerada educação familiar, desposou um jovem advogado, Cristoforo Mora, filho de um rico médico da mesma Roma, em 10-1-1796. Do casal nasceram quatro filhas, duas das quais morreram com pouca idade.

https://2.bp.blogspot.com/-2JU76rXKWYY/Td190vP43qI/AAAAAAAACqE/ls3029p747s/s640/Retrato+com+22+anos.jpg

Retrato com 22 anos

Tudo augurava ao novo matrimônio um brilhante futuro. Mas a tragédia veio logo.

O marido entregou-se à crápula, arruinou a família e abandonou o lar, seduzido por uma mulher de má vida.

Foi preso pela polícia pontifícia, primeiro num cárcere, depois num convento. Jurou mudar de vida, mas após retornar ao seu lar, tentou repetidas vezes assassinar sua esposa Isabel.

Ela foi de uma fidelidade heroica, oferecendo pelo marido enormes sacrifícios. E profetizou que ele acabaria morrendo sacerdote.

Assim foi. Após o falecimento da Bem-aventurada, em 5-2-1825, Cristoforo caiu em si e fez-se religioso, levando exemplar vida de penitência. Foi ordenado sacerdote e morreu rodeado de grande consideração.

Quando abandonada pelo esposo, incompreendida pelos familiares, Isabel teria caído na miséria se benfeitores compassivos não a tivessem auxiliado.

Entre eles encontravam-se Prelados romanos, que narraram ao Papa Pio VII os seus méritos. O Pontífice, beneficiado pelas orações e sacrifícios dela, concedeu privilégios pouco comuns à capela privada da sua humilde casa.

https://3.bp.blogspot.com/-UvfRtbTEeeQ/Td180BiG6hI/AAAAAAAACqA/AioS3PAOvlk/s640/Sao+Pedro+no+dia+da+beatificao.jpg

Praça de São Pedro no dia da beatifição

Sua causa de beatificação foi introduzida em 1874, durante o pontificado do Bem-aventurado Pio IX. Pio XI aprovou o decreto de heroicidade de virtudes em 1928, tendo sido Isabel Canori Mora beatificada em 24-4-1994 por João Paulo II.

Deus desvenda a gravidade do pecado

Em Fátima, Nossa Senhora foi preparando aos poucos os três pastorinhos para se abrirem à revelação da imensidade do pecado cometido pela humanidade e à amplidão da penitência que vinha pedir.

De modo análogo, agiu Deus em relação à Bem-aventurada Isabel. No Natal de 1813, ela foi arrebatada a um local inundado de luz, onde inúmeros santos rodeavam um humilde presépio. Nele, o Menino Jesus chamava-a docemente.

A própria Isabel descreve sem preocupações literárias a surpresa que teve:

“Só de pensar, me causa horror. [...] Vi o meu amado Jesus recém-nascido banhado no seu próprio sangue [...], nesse momento compreendi por via intelectual qual era a razão de tanto derramamento de sangue do Divino Infante apenas nascido. [...] A má conduta de muitos sacerdotes seculares e regulares, de muitas religiosas que não se comportam segundo o seu estado, a má educação que é dada aos filhos por parte dos pais e mães, como também por aqueles a quem incumbe uma obrigação similar. Estas são as pessoas por cujo bom exemplo deve aumentar o espírito do Senhor no coração dos outros. Mas eles, pelo contrário, apenas nasce [o espírito de Nosso Senhor] no coração das crianças, fazem-lhe uma perseguição mortal com sua má conduta e maus ensinamentos.”

https://1.bp.blogspot.com/-9RY6ve6FUF4/Td18yN22IUI/AAAAAAAACp0/vV7K3ocoUSM/s640/Assinatura+com+nome+de+terciaria.jpg

Assinatura da Beata Isabel com nome de terceira

 Deus revela a extensão atingida pelo pecado

A partir da primeira visão mencionada no post anterior, Deus foi-lhe revelando o lamentável agir de certos setores eclesiásticos que atraíam a cólera divina, acumpliciados com a Revolução que derrubava tronos e seculares costumes cristãos na ordem temporal.

Tais visões patenteiam, três décadas antes de La Salette e um século antes das revelações na Cova da Iria, que o mal já se infiltrara na Igreja e na sociedade civil.

Vê-se bem que em Fátima Nossa Senhora fez uma advertência final para esse mal, que progredia apesar de todos os avisos em sentido contrário.

Os anjos conduziram espiritualmente a Beata Elizabeth a antros secretos onde se tramava essa conjuração. De cada vez, novas aberrações lhe eram desvendadas.

Em 24-2-1814 foram-lhe exibidas cenas que lembram a crise dos dias em que vivemos:

“Via — narra ela — muitos ministros do Senhor que se despojavam uns aos outros; raivosamente arrancavam-se os paramentos sagrados; via serem derrubados os altares sagrados pelos próprios ministros de Deus”.

Em 22-5-1814, enquanto rezava pelo Santo Padre, “vi-o viajando rodeado de lobos que faziam complôs para atraiçoá-lo.” A visão repetiu-se nos dias 2 e 5 de junho.

Nesta última, narra a vidente:

“Vi o sinédrio de lobos que circundavam [o Papa Pio VII, então reinante] e dois anjos que choravam. Uma santa ousadia me inspirava a lhes perguntar a razão da sua tristeza e do pranto. Eles, contemplando a cidade de Roma com olhos cheios de compaixão, disseram o seguinte: `Cidade miserável, povo ingrato, a Justiça de Deus castigar-te-á'”.

https://1.bp.blogspot.com/-NMz9Vv_fBzU/Td1_BeSfPjI/AAAAAAAACqI/R8_E32PBOnQ/s640/Palazzo+Selvaggi%252C+onde+morou+recem+casada.jpg

Palazzo Selvaggi (estado atual), onde morou recém-casada

“O mundo todo estava em caos”

Em 16-1-1815, os anjos mostraram-lhe muitos eclesiásticos que “sob manto de bem, perseguem a Jesus Crucificado e Seu Santo Evangelho”, e que “como lobos raivosos tramavam derrubar o chefe da Igreja do seu trono”.

Então ela foi levada

“a ver o cruel estrago que a Justiça de Deus está para fazer entre aqueles miseráveis: com sumo terror, via que em torno de mim fulguravam os raios da Justiça irritada. Via os prédios caírem em ruínas. As cidades, províncias inteiras, o mundo todo estava em caos. Não se ouvia outra coisa senão débeis vozes implorando misericórdia. O número dos mortos era incalculável”.

Porém, o que mais a impressionou foi ver Deus indignado.

Num local altíssimo e solitário, viu Deus representado por “um gigante forte e irado até o extremo contra aqueles que O perseguiam. Suas mãos onipotentes estavam cheias de raios, o seu rosto estava repleto de indignação: só o seu olhar bastava para incinerar o mundo inteiro. Não tinha nem anjos nem santos que o circundassem, mas somente a Sua indignação circundava-o por todas partes”.

Tal visão durou apenas um instante. Segundo a Bem-aventurada Elizabeth, “se tivesse durado mais um momento, certamente eu teria morrido”.

https://1.bp.blogspot.com/-hf0QGCWvM1U/Td1_wh4hOqI/AAAAAAAACqQ/Vh4VamZ9Vfw/s640/Nazareno+que+pertenceu+a+Beata.jpg

Imagem do Nazareno que pertenceu à Beata Elizabeth

A descrição acima lembra o panorama revelado a Mélanie e Maximin na Salette e a visão do inferno apresentada a Lúcia, Francisco e Jacinta. Entre essas visões há uma correlação profunda. Enquanto à Bem-aventurada Deus manifestou sua justa indignação pelas ofensas que sofre, Nossa Senhora em La Salette mostrou a extensão do pecado e em Fátima apontou o destino das almas que ofendem a Deus e morrem impenitentes.

A gravidade do pecado de apostasia do mundo

Em 13-6-1917, Nossa Senhora em Fátima mostrou aos pastorinhos o seu Imaculado Coração rodeado de espinhos, em sinal dos “ultrajes que recebe pelos pecados dos homens”.

No Natal de 1816, foi mostrado à Bem-aventurada Elizabeth também o quanto esses ultrajes ofendem a Ssma. Virgem.

Pode-se entrever um limite de pecado, que a misericórdia da Rainha do Céu não permitirá que seja ultrapassado.

A Bem-aventurada Elizabeth viu Maria Santíssima “triste e dolorosa”.

Perguntou-lhe então a razão da sua dor.

“A Mãe de Deus voltou-se para mim, e disse: ‘Contempla, ó filha, contempla a grande impiedade'. Ouvindo estas palavras, vi que ousadamente apóstatas tentavam arrancar temerariamente o seu Santíssimo Filho de seu puríssimo seio e dos seus santíssimos braços. Diante deste grande atentado, a Mãe de Deus não pedia mais misericórdia para o mundo, mas justiça ao Divino Pai Eterno; o Qual, revestido da sua inexorável justiça e cheio de indignação, voltou-se para o mundo. Naquele momento toda a natureza entrou em convulsão, e o mundo perdeu a sua boa ordem, e se formou sobre a Terra a maior infelicidade que se possa contar ou imaginar. Uma coisa tão deplorável e aflitiva que deixará o mundo reduzido à última desolação”.

Antevisões dos castigos vaticinados em La Salette e Fátima

O véu que envolve os castigos anunciados em 1846 e em 1917, de alguma maneira foi levantado para a Bem-aventurada Isabel. O que ela viu fornece-nos subsídios para entender melhor o que Nossa Senhora previu depois na montanha de La Salette e na Cova da Iria.

Com efeito, em 7-6-1815 Deus mostrou-lhe, mais uma vez, a punição que atraíam sobre a humanidade esses “lobos rapaces sob pele de ovelha, [...] acérrimos perseguidores de Jesus Crucificado e de Sua esposa a Santa Igreja”.

“Parecia-me — escreveu — ver todo o mundo em convulsão, especialmente a cidade de Roma. [...] O que dizer do Sacro Colégio? Por causa da variedade de opiniões, uns tinham sido dispersados, outros abatidos, outros desapiedadamente assassinados. De modo similar eram tratados o clero secular e a nobreza. O clero regular não sofria a dispersão total, mas era dizimado. Inumeráveis eram os homens de toda condição que pereciam nesse massacre, mas nem todos se condenavam. Muitos eram homens de bons costumes, e muitos outros de santa vida”.

Na festa de São Pedro e São Paulo, 29-6-1820, a Bem-aventurada contemplou profeticamente o Príncipe dos Apóstolos descendo dos Céus revestido dos paramentos pontificais e rodeado por uma legião de anjos.

Com o seu báculo, traçou sobre a Terra uma vastíssima cruz, e aos quatro lados dela fez aparecer quatro árvores verdejantes, também com forma de cruz, envoltas numa luz brilhantíssima.

Sob essas árvores-cruzes ficavam “refugiados e livres do tremendo castigo” todos os bons fiéis, religiosos e religiosas.

“Mas, ai daqueles religiosos e religiosas inobservantes que desprezaram as santas Regras, ai!, ai! porque todos perecerão sob o terrível flagelo. E digo isto de todos [...] que se entregam à libertinagem e vão atrás das falsas máximas da reprovável filosofia de hoje”.

https://2.bp.blogspot.com/-aVMkPvaXjBM/Td2ZCsM9DTI/AAAAAAAACqc/y766A3NaGDc/s640/Igreja+de+San+Carlino%252C+altar+das+reliquias.jpg

Igreja de San Carlino, altar das reliquias da Beata Elisabeth, Roma

Tão graves ameaças talvez pudessem parecer exageradas nos tempos da Bem-aventurada Isabel, em que, malgrado o avanço da Revolução anticristã, encontravam-se na Igreja numerosos santos e almas de virtude insigne.

Assim, tais palavras parecem ditadas mais para este nosso triste início do século XXI. Quem, a rigor, sem auxílio de luzes proféticas, poderia imaginar que a crise na Igreja chegaria ao ponto que atingiu em nossos dias?

À vista disto, compreende-se que Deus tenha querido manifestar especialmente Sua cólera e indignação à Bem-aventurada Isabel. Mas, infelizmente, tudo indica que, como em Fátima, a mensagem divina transmitida pela Bem-aventurada não foi levada devidamente em consideração.

Vingança divina contra os inimigos da Igreja

Prosseguindo a narrativa da visão, ela relata que São Pedro voltou para o Céu. Então, na Terra “o firmamento ficou coberto de uma cor azul tenebrosa, que só de ver causava terror. Um vento caliginoso fazia sentir seu sopro impetuoso por toda parte. Com um veemente e tétrico silvo uivando no ar, como feroz leão com seu assustador rugido, fazia ressoar sobre toda a Terra o seu horripilante eco.

https://4.bp.blogspot.com/-THdvCyZ-zds/Td2ZTtCZLII/AAAAAAAACqg/6dk5Zk9R5Yw/s400/Apocalipsis%252C+Albert+Goodwin+%25281845-1932%2529.jpg

“O terror e o espanto porão todos os homens e todos os animais em um estado de supremo pavor, todo o mundo estará em convulsão e matar-se-ão uns aos outros, trucidar-se-ão mutuamente sem piedade. No tempo da sanguinária pugna, a mão vingadora de Deus pesará sobre esses infelizes, e com a sua onipotência castigará o orgulho, a temeridade e a desavergonhada ousadia deles; Deus servir-se-á das potências das trevas para exterminar esses homens sectários, iníquos e criminosos que pretendem derribar, erradicar a Igreja Católica, nossa Santa Mãe, pelas suas raízes mais fundas e jogá-la por terra [...].

“Deus rir-se-á deles e da sua maldade, e com um só aceno da sua mão direita onipotente punirá esses iníquos, permitindo às potestades das trevas saírem do inferno; e estas grandes legiões de demônios percorrerão o mundo todo, e por meio de grandes ruínas executarão as ordens da Divina Justiça, à qual estes malignos espíritos estão submetidos, de maneira que não poderão fazer nem mais nem menos dano do que permitirá Deus aos homens, aos seus bens, às suas famílias, às suas infelizes aldeias, cidades, casas e palácios, e qualquer outra coisa que subsistirá sobre a Terra [...].

“Deus permitirá que esses homens iníquos sejam castigados através da crueldade de demônios ferozes, porque se submeteram voluntariamente à potestade do demônio e confederaram-se com ele para causar dano à Santa Igreja Católica. [...] Foi-me mostrado o horrendo cárcere infernal. Eu via abrir-se na maior profundidade da terra uma caverna tenebrosa e espantosa, cheia de fogo, de onde via sair muitos demônios, os quais, tomando uns uma figura e outros outra, uns de animal, outros de homem, vinham todos infestar o mundo e fazer por todas partes malefícios e ruínas [...]. Devastarão todos os locais onde Deus tem sido e é ultrajado, profanado, sacrilegamente tratado, onde se tem praticado a idolatria. Todos esses locais serão demolidos, arruinados, e perder-se-á todo vestígio deles”.

https://1.bp.blogspot.com/-9W0O5xlta68/Td2ZktS1GKI/AAAAAAAACqk/j1C-fBOafMA/s400/A+beata+tinha+grande+devocao+a+este+Nazareno.jpg

A beata Isabel tinha grande devoção a este Nazareno

 Triunfo e honra da Igreja, como previsto em La Salette

As semelhanças com os trágicos anúncios de Nossa Senhora em La Salette e Fátima estendem-se além dos castigos.

Ante o olhar da Bem-aventurada, Deus expôs em muitas ocasiões uma maravilhosa restauração futura da Igreja. Essas revelações ilustram magnificamente aspectos do que há de ser o triunfo do Imaculado Coração de Maria.

Na mesma visão de 29-6-1820, após as purificadoras punições descritas, a Beata Elizabeth viu São Pedro retornar do Céu num majestoso trono pontifical.

Logo a seguir, desceu com grande pompa o Apóstolo São Paulo.

Ele “percorria todo o mundo e algemava aqueles malignos espíritos infernais, e os conduzia diante do Santo Apóstolo São Pedro, o qual, com uma ordem cheia de autoridade, voltava a confiná-los nas tenebrosas cavernas das quais tinham saído [...]. Nesse momento viu-se aparecer sobre a terra um belo resplendor, que anunciava a reconciliação de Deus com os homens”.

https://2.bp.blogspot.com/-Z1sMmRTZ22E/Td2bnaH92jI/AAAAAAAACqs/VNOZoU04rvc/s640/Sao+Paulo.jpg

São Paulo

A pequena grei dos católicos fiéis, refugiada sob as árvores com forma de Cruz, foi então conduzida aos pés do trono de São Pedro.

“O santo escolheu o novo Pontífice — acrescenta a vidente —, toda a Igreja foi reordenada segundo os verdadeiros ditames do Santo Evangelho; foram restabelecidas as ordens religiosas, e todas as casas dos cristãos tornaram-se outras tantas casas penetradas de religião; tão grande era o fervor e o zelo pela glória de Deus, que tudo era ordenado em função do amor de Deus e do próximo. Desta maneira tomou corpo num momento o triunfo, a glória e a honra da Igreja Católica: Ela era aclamada por todos, estimada por todos, venerada por todos, todos decidiram segui-la, reconhecendo o Vigário de Cristo, o Sumo Pontífice”.

A restauração da Igreja e as “cinco heresias que infeccionam o mundo”



Disse-lhe Nosso Senhor em inícios de 1821:

“Eu reformarei meu povo e a minha Igreja. Mandarei sacerdotes zelosos para pregar minha Fé, formarei um novo apostolado, enviarei o Divino Espírito Santo a renovar a Terra. Reformarei as ordens religiosas por meio de novos reformadores santos e doutos. Todos possuirão o espírito de meu dileto filho Inácio de Loyola. Darei um novo Pastor à minha Igreja, douto, santo, repleto do meu Espírito. Com santo zelo reformará a grei de Jesus Cristo”.

E acrescenta:

“Ele me fez conhecer muitas outras coisas concernentes a esta reforma. Vários soberanos sustentarão a Igreja Católica e serão verdadeiros católicos, depositando seus cetros e coroas aos pés do Santo Padre, Vigário de Jesus Cristo. Vários reinos abandonarão os seus erros e voltarão ao seio da Fé católica. Povos inteiros converter-se-ão e reconhecerão como religião verdadeira a Fé de Jesus Cristo”.

https://3.bp.blogspot.com/-FG-G3SRnjc0/Td2b2-LLbII/AAAAAAAACqw/U0SUuxASwU8/s400/Urna+com+os+restos+da+Beata%252C+igreja+de+San+Carlino%252C+Roma.jpg

Urna com os restos da Beata, igreja de San Carlino, Roma

Deus lhe fez ver várias vezes uma esplendorosa nave nova, símbolo da Igreja restaurada, que estava sendo armada pelos anjos.

Também, em 10-1-1824, mostrou-lhe o principal obstáculo para a conclusão dessa nave. Ela viu cinco árvores de desmesurado tamanho:

“Observei que essas cinco árvores com suas raízes alimentavam e produziam um emaranhadíssimo bosque de milhões de plantas estéreis e selváticas”.

Deus lhe fez entender que essas cinco enigmáticas árvores simbolizavam “as cinco heresias que infeccionam o mundo nos nossos tempos”.

Falsas máximas e os erros espalhados pela Rússia e pelo modernismo

Em 22-1-1824, a Bem-aventurada Elizabeth conheceu que aquele bosque amaldiçoado representava um número incontável de almas, as quais,

“porque têm consciência depravada, podem ser chamadas de sem-fé, sem-religião, porque pensam em tudo, menos naquilo que todo bom católico é obrigado a pensar, porque fazem tudo, menos aquilo que devem fazer. [...] Estas míseras plantas são tidas pelo divino Senhor não somente em conta de estéreis, mas de nocivas e péssimas, que merecem ser jogadas no fogo eterno”.

https://2.bp.blogspot.com/-mtroZo_MRX4/Td2cDMYa36I/AAAAAAAACq0/yF5eQac5lYs/s640/Objetos+pessoais.jpg

Objetos pessoais da Bem-aventurada

A vidente ouviu que as cinco aludidas heresias se identificavam com as “falsas máximas da filosofia de nosso tempo”. Máximas essas que, segundo ela, estavam no cerne dos movimentos revolucionários da sua época, inspirados no espírito e nas doutrinas da Revolução Francesa. Tais máximas orientavam a conjuração que subvertia a Igreja e a ordem sócio-política.

Apresenta-se ainda aqui mais uma relação com a mensagem de Fátima. Pois nesta, Nossa Senhora apontou a difusão dos erros da Rússia — isto é, o comunismo — como um dos castigos que viriam se o mundo não se emendasse.

Ora, os erros comunistas — inclusive nas formulações mais atualizadas da chamada Internacional Rebelde22, analisada em vários artigos desta revista — são conseqüência necessária e direta das “falsas máximas” que a Bem-aventurada. Elizabeth apontou insistentemente como cerne do processo de subversão do orbe católico.

Podemos, pois, ver nessas imagens e expressões uma alusão à Revolução anticristã, tão sábia e penetrantemente denunciada pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira em suas obras.

https://3.bp.blogspot.com/-Mwo3wHvwZ-s/Td2cSbf_H8I/AAAAAAAACq4/-pODHSWbmpE/s400/Antiga+gravura%252C+em+habito+de+terceira+trinitaria.jpg

Antiga gravura, com hábito de terceira trinitária

A Bem-aventurada Elizabeth fechou os olhos para esta Terra em 5-2-1825, quase um século antes da gloriosa manifestação de Nossa Senhora em Fátima.

Entretanto, suas visões e revelações — das quais demos aqui apenas algumas amostras — parecem destinadas especialmente para o conhecimento de nossos contemporâneos.

Elas patenteiam o grandioso desígnio divino que sobrepaira a História. Pois mostram que o plano do Reino de Maria — como profetizado em Fátima — é como um imenso palácio que a Divina Providência vem preparando há séculos. E cujo acabamento ultrapassará toda especulação humana.

Por tudo isso, as visões e revelações da Bem-aventurada Elizabeth Canori Mora reforçam ainda mais a idéia da centralidade da mensagem de Fátima e a certeza do cumprimento o anúncio de Nossa Senhora em La Salette de um triunfo vindouro da Igreja, confirmado posteriormente aos três pastorinhos em 1917: “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará!”


O grande mal na Igreja. Sacrifício da Beata Isabel Canori Mora pelo Papado

A Bem-aventurada Isabel Canori Mora (1774–1825) foi uma leiga romana beneficiada com extraordinários fenômenos místicos.

Em 1996, a Libreria Editrice Vaticana, com o Imprimatur da diocese de Roma, editou tais escritos na íntegra, seguindo a ortografia e a gramática italiana moderna (La mia vita nel Cuore della Trinità — Diario della Beata Elisabetta Canori Mora, sposa e madre, Libreria Editrice Vaticana, 1996, 765 pp. Imprimatur do Vicariato de Roma, Pe. Luigi Moretti, secretário-geral, 31-8-1995).

Tivemos também ocasião de compulsar o seu Diário Espiritual, escrito por ordem de seus confessores e preservado na igreja de San Carlo alle Quattro Fontane, em Roma (manuscrito MS —132), dos padres trinitários, numa versão completa xerografada.

https://3.bp.blogspot.com/-z8uiqarTuIE/Td18ynyUClI/AAAAAAAACp4/MtWqqe1Eljk/s640/Beata+Isabel+rezando+ante+a+imagem+do+Nazareno.jpg

Bem-aventurada Isabel Canori Mora (1774–1825)

O texto completo do Diário está disponível em italiano online em Intratext.
Já tivemos ocasião de tratar de algumas de suas visões e revelações nos posts:“Décadas antes de La Salette, Deus anunciava grandes castigos ‒ Beata Isabel Canori Mora 1”  e “Deus revela a extensão atingida pelo pecado ‒ Beata Elizabeth Canori Mora 2”.

A nota dominante da vida da bem-aventurada foi dada pelo pedido que Deus lhe fez, de oferecer-se como vítima pela preservação do Papado em Roma.

Tal pedido ocorreu no início do pontificado de Leão XII (28.9.1823–10.2.1829), quando a beata teve uma revelação sobre uma futura restauração da Igreja.

Deus, que costumava falar a ela com uma franqueza inusual sobre o Papado, então lhe fez ver que essa renovação da Igreja não dependia tanto dos ocupantes da Cátedra de Pedro quanto da erradicação dos erros que envenenam a sociedades civil e eclesial.

https://2.bp.blogspot.com/-fpMu4huR0-8/Td18zEnLswI/AAAAAAAACp8/ZT7WuExbmiM/s400/Manuscritos.jpg

Diário espiritual da Bem-aventurada

Esses erros afiguravam-se na visão como cinco imensas árvores que intoxicam e matam espiritualmente grandes multidões de homens.

A indispensável tarefa de erradicação desses erros tem um lado angélico sobrenatural.

Essa visão reveste-se de interesse todo especial para os nossos dias, marcados pelo debate em torno da sucessão pontifícia, quando os efeitos maléficos dos erros simbolizados pelas cinco árvores parecem ter atingido um auge de expansão:

Quando, afinal, a Igreja será restaurada?

https://3.bp.blogspot.com/-TTE-V7Jsy7A/USwarGQq8KI/AAAAAAAADmg/TTYs2WT3rtQ/s400/Leon+XII.jpg

Leão XII (28.9.1823–10.2.1829).
Não basta mudar de Pontífice,
é preciso uma reforma moral da Igreja

No dia 10 de janeiro de 1824 minha alma foi admitida para falar familiarmente com meu Deus. Ele se deteve, na sua infinita bondade, para falar com minha pobre alma sobre as circunstâncias de nossa santa religião católica e da Santa Igreja.

Minha alma assim orava a meu Deus pelas necessidades atuais da Santa Igreja:

– “Meu Deus” – dizia – “quando acontecerá que eu possa Vos ver honrado e glorificado por todos os homens como convém? Mas, oh meu Deus, como são poucos os que Vos amam! Oh, como é grande o número dos que Vos desprezam, meu Deus, que grande pena é isto para mim! Acreditava que com esta eleição de um novo Papa [Nota: refere-se à eleição de S.S. Leão XII] a Santa Igreja seria renovada, e que o Cristianismo iria mudar de costumes; mas, pelo que eu vejo, caminhamos de mesmo jeito.”

Diante desta minha insistência, Deus me respondeu assim:

– “Minha filha, não recordas que Eu te disse que a nave era a mesma, e que adiantaria pouco, para os marinheiros da nave, mudar de piloto?”.

Minha alma respondeu:

– “Ah sim, meu Deus, lembro-me que, três dias após a eleição do sumo pontífice Leão, fizestes-me entender bem que a série de perseguições não havia acabado.

“Meu Deus, se a nave será sempre a mesma, nós ficaremos presos aos mesmos males! Ah Senhor, reparai-a Vós, fazei uma nave nova, que nos conduza ao porto da bem-aventurança eterna do Paraíso!

“Sim, meu Deus, peço-Vos esta graça pelos vossos méritos infinitos, sim, não m’a negueis. Vós me tendes prometido ouvir minhas pobres orações. Sim, pela vossa bondade, ouvi-me, então, pois eu Vos rogo por todo o Cristianismo: reponde-nos no bom caminho, Vos rogo, Vos suplico, pelo vosso Sangue Preciosíssimo; para que fabriqueis a nave de nossa salvação!”

    E assim ouvi responder:

    – “Minha filha, antes de construir essa nave, devem tirar aquelas cinco árvores que estendem suas raízes pela terra”.

https://1.bp.blogspot.com/-g1ap-qXiUqM/USwcJ8DE_ZI/AAAAAAAADms/0isTJZf9DH8/s400/Arvores+na+noite.jpg

Erros simbolizados por árvores maléficas
infecionaram a Igreja

    Ouvindo estas palavras, minha alma entristeceu muito, achando que demoraria muitíssimo tempo fazer esta nova nave.

        – “Portanto” – eu dizia chorando – “dois séculos não serão suficientes para fabricar esta nave! Meu Deus, quanta pena isso me causa. Se Noé demorou cem anos para fabricar a Arca, Vós, portanto, oh meu Deus, continuareis a ser ofendido durante um tão longo período de tempo?

    “Eu não posso imaginar, eu me sinto desmaiar pela dor. Oh meu Jesus, tirai-me a vida, pois eu não consigo Vos ver de tal maneira ofendido”.

    Chorava abundantemente e me sentia esmagada pela grande aflição de espírito; mas, enquanto estava nessa situação aflitiva, ouvi uma voz que dizia:

    – “Serena teu espírito, enxuga também tuas lágrimas. Sabe que este não é um trabalho terrestre, como o de Noé, mas é um trabalho celeste, porque os fabricantes desta minha nave são os meus anjos.

    “Alegra-te, oh minha filha, amada, e não te entristeças! O tempo está em minhas mãos, posso abreviá-lo quanto quiser; reza, não te canses, que não será tão demorado como tu pensas.”

https://4.bp.blogspot.com/-yvT0FBS0RDI/USwdQ7DqOhI/AAAAAAAADm8/6gEBRA92IXU/s640/Luta+entre+anjos+e+demonios.jpg

Luta entre anjos e demônios.

    E minha alma respondeu assim:

 
    – “Oh meu Deus, quanto me alegrais fazendo-me saber que Vos aprazará abreviar o tempo de vossas misericórdias; venha logo este tempo bendito, oh meu Senhor, para que sejais conhecido, amado e adorado como convém por todos”.

 Misteriosos erros que envenenam os homens

Significado das cinco árvores desmesuradas

Entrementes, meu espírito foi conduzido como num raio a ver o grande estaleiro, onde eu vi muitos santos anjos que estavam engajados em dar forma a esta grande obra.

No estaleiro havia muitas madeiras de construção, e também muitos equipamentos para construir a referida nave.

Do lado de fora do estaleiro eu vi no descampado um grande matagal. Depois fui levada dentro do matagal, onde me foram apontados as cinco grandes árvores de tamanho desmesurado.

Observei que estas cinco grandes árvores alimentavam e produziam com suas raízes uma floresta fechadíssima de milhões de plantas selvagens e estéreis, diante de cuja simples consideração eu não pude conter as lágrimas; eu fiquei atônita e bem cheia de aflição.

Eu me encomendava aos santos anjos, para que apressassem a grande obra que o Senhor lhes tinha encomendado.

https://2.bp.blogspot.com/-7FaTH77U3W0/USwht3a20zI/AAAAAAAADnQ/9BjYj2O66Zc/s640/Grandes+erros,+ou+heresias,+secam+e+esterilizam+as+almas.jpg

Grandes erros, ou heresias, secam e esterilizam as almas

Comuniquei o fato acima a meu diretor espiritual, que no primeiro momento nada me respondeu a respeito. Mas, no dia seguinte, me disse:

– “Roga ao Senhor para que se digne fazer-te entender o significado dessas cinco árvores desmesuradas que te fez ver”.

Obedeci pontualmente e rezei ao Senhor para que me manifestasse o significado daquelas cinco árvores desmesuradas. Meu espírito se recolheu em Deus, e nesse momento fez o humilde pedido a meu Deus, mostrando-lhe a obediência que me havia imposto meu pai espiritual.

Deus, pela sua infinita bondade, voltou a levar meu espírito até aquela mata fechadíssima, onde vi novamente ditas árvores de tamanho desmesurado.

Por meio de um conhecimento intelectual, foi-me feito compreender que essas cinco árvores desmesuradas simbolizavam as cinco grandes heresias que infeccionam o mundo em nossos dias; heresias que se opõem totalmente a nosso Santo Evangelho e procuram a sua destruição.

Essas plantas malignas com suas raízes venenosas forneciam alimento a todas aquelas outras plantas que se encontravam naquela densíssima mata, na qual eu não via outra coisa senão árvores secas e estéreis.

A cólera e a censura de Deus para com os que aderiram aos erros

No dia 22 de janeiro de 1824, meu espírito foi novamente levado àquele matagal, onde eu distinguia com a maior pena, na tétrica representação daquelas árvores extremamente estéreis, como já disse, a esterilidade deplorável de muitas almas miseráveis, que são inumeráveis e que, pela depravação de sua consciência, podem ser qualificadas de sem fé, sem religião, porque cuidam de tudo, menos daquilo que todo bom católico está obrigado a cuidar; em tudo obram, menos naquilo que devem fazer.

Mas, tendo sido todos eles invertidos e subvertidos pelas falsas máximas da filosofia de nosso tempo, calcam a santa Lei de Deus e seus divinos preceitos.

Estas plantas miseráveis são tidas pelo Divino Senhor não somente como estéreis, mas como nocivas e péssimas, dignas de serem jogadas no fogo eterno.

Meu pobre espírito se encontrava, pois, nesta terra extremamente estéril, e olhava com olhar de compaixão aquelas miseráveis plantas. E, conhecendo o significado delas, chorava incansavelmente de compaixão pelo estado infelicíssimo dessas almas viajantes. Não posso dizer quais e quão grandes eram a pena e a aflição que padecia o meu espírito.

Eu engolia lágrimas amaríssimas e dava os mais profundos suspiros, pensando que tantas almas resgatadas pelo precioso sangue de Jesus Cristo estavam em um estado tão deplorável.

Rezava por essas almas infelizes, as encomendava a Deus; mas a oração aumentava excessivamente em mim a dor e a pena, porque Deus, pela sua bondade, me dava uma cognição clara da malícia deles, da sua sem-vergonhice, da sua temeridade em O ofender e desprezar.

Oh Deus, recebendo esta cognição meu espírito ficou paralisado, e eu não pude mais rezar, porque a justiça de Deus me proibia.

Entrementes, em meu coração crescia a pena e a preocupação; eu o sentia traspassado por feroz dor; o temor de ver um Deus indignado me fazia tremer da cabeça aos pés e enchia-me de horror sagrado.

Quando estava reduzida a este estado, onde já não me percebia a mim mesma de tanto medo, não sabia mais se habitava a terra dos vivos, então Deus se me apresentou indignado, ameaçando com um castigo imediato.

Eu via que de seu braço onipotente saíam raios para incendiar, para destruir quase todo o mundo por causa de sua ira irritada.

A quem ou a quê aludem mais concretamente essas cinco árvores cujas raízes envenenam a humanidade?

A Beata Isabel faleceu não muito depois de escrever o texto acima. Entretanto, em datas anteriores de seus manuscritos espirituais, encontramos descrições que ajudam a formar uma ideia algo mais preciso.

Conspiração na Igreja e seu castigo

https://3.bp.blogspot.com/-H99G7iLBmBY/Td1_LBv51OI/AAAAAAAACqM/EX3UY8TAwwc/s400/Rezando+diante+do+Nazareno.jpg

Assim a Bem-aventurada Isabel Canori Mora (1774–1825) deixou registrado no diário com suas revelações místicas, que escreveu por ordem de seu diretor espiritual:

Os anjos lhe revelam a conspiração dentro da Igreja Católica

No dia 26 de janeiro de 1815, fui levada pelos santos anjos que costumam me favorecer a um lugar subterrâneo, onde pelas tochas acesas que conduziam nas mãos pude descobrir a perseguição oculta que é feita por muitos eclesiásticos contra Deus. Sob manto do bem, perseguem a Jesus crucificado e seu Santo Evangelho.

Eu os via como lobos enraivecidos que maquinavam derrubar o chefe da Igreja de seu trono, procuravam por todas as formas jogar por terra a Igreja Católica.

Mas porque foi do agrado de Deus, pela valiosa intercessão do patriarca Santo Inácio, eu via surgir da nobilíssima Companhia de Jesus um grande personagem, rico de virtudes e de doutrina, muito insigne, dotado de celeste eloquência, que sustentava os direitos da Igreja Católica, juntamente com outros seus companheiros, muitos dos quais davam seu sangue por Jesus Cristo.

Diante deste conhecimento, minha pobre alma apresentava ardentes orações ao Altíssimo, para que se dignasse libertar nossa Mãe, a Santa Igreja, de uma perseguição tão funesta.

https://2.bp.blogspot.com/-mVzFsygi9jI/SyjgmGT3sfI/AAAAAAAAHl8/51aVLn45cNw/s640/Cristo+Juizo+Final%252C+Giotto.jpg

Subitamente, eu fui levada como por um relâmpago a ver o duro estrago que está para fazer a justiça de Deus sobre aqueles miseráveis. Com supremo terror, eu via relampaguear em volta deles os raios da justiça irada.

Entrementes, eu via que os palácios caíam em ruínas. As cidades, províncias inteiras, todo o mundo estava no caos. Não se ouvia outra coisa senão fracas vozes implorando misericórdia. O número dos mortos era incalculável.

O meu pasmo e o meu medo foram tais e tão grandes que meu corpo ficou gelado como um mármore, quase privado do uso dos sentidos (...).

A causa de meu grande medo não foi ver tanta ruína, mas ver a Deus indignado. (...) num local altíssimo e solitário foi-me dado ver a Deus representado pela imagem de um gigante forte e irado ao máximo contra aqueles que O perseguiam.

Suas mãos onipotentes estavam cheias de raios. Seu rosto estava repleto de indignação. Seu simples olhar bastava para incinerar o mundo inteiro. Não havia nem anjos nem santos que O circundassem, más só a sua indignação O rodeava por todo lado.

Esta visão durou apenas um instante. Porém, se tivesse durado mais um momento, certamente eu teria morrido. Pois apenas um instante me causou tanto mal, que já há seis dias disso e as potências de minha alma ainda estão atordoadas pelo medo que me provocou uma visão tão terrificante. [págs. 263-266]


Igreja Católica vivendo uma espécie de Paixão

No dia 1º de abril 1815, (...) depois do jantar, eu estava na igreja, na adoração do Santíssimo Sacramento, quando me pareceu ser transportada num instante a um local solitário onde tudo respirava tristeza e aflição.

De improviso vi chegar muitos Anjos que, pelos seus rostos e suas vestimentas, denotavam os gravíssimos padecimentos de nossa Mãe a Santa Igreja.

https://4.bp.blogspot.com/-Hm8yqVQhJUY/SyjaCbXrnpI/AAAAAAAAHl4/aa9SYbJ2l1c/s640/Anjo%252C+Comillas%252C+Cantabria.jpg

Depois vi chegar mais outros três Anjos, igualmente vestidos de luto, muito mais tristes que os primeiros. Eles levavam sobre os ombros uma pedra de um tamanho desmesurado e de uma beleza ímpar.

Pousaram com muito respeito solitário a referida grandíssima e belíssima pedra naquele lugar, e todos os anjos mencionados formaram em volta dela uma coroa, e choravam olhando-a cheios de tristeza.

Como foi lutuosa a impressão que recebeu meu coração, não saberia repeti-lo (...)

E eis que vi de longe chegar outros homens de santa vida, tristes nos rostos, penitenciais nas vestimentas, que olhavam dita pedra e choravam.

A aflição deles demonstrava muita coisa. Diante deste comparecimento, meu espírito ficou muito aflito e angustiado. Mas não acabou aqui a minha pena.

Eis que de novo vejo aparecer muitas santas virgens, tristes e doloridas, com os rostos pálidos e vertendo muitos prantos, seus corações estavam cheios de pesar. Estas virgens aflitas acompanhavam uma venerável matrona, vestida de escuro, com a tristeza no rosto e a aflição no coração.

Vendo isto o meu espírito ficou intrigado, e cheio de temor procurava o significado de tudo quanto tinha visto, quando desde o alto do céu percebi relampagueando os raios da justiça irritada.

Meu espírito ficou estupefato de medo, privado de todo conhecimento.


Perseguições atraem um caos e um castigo universal

No dia 11 de abril de 1815, enquanto rezava pelas necessidades de nossa Mãe, a Santa Igreja, e do Sumo Pontífice, me pareceu ter uma notícia interna que me mostrou a grande manobra que é feita pelos perseguidores de nossa religião católica.

Estes tentam, com enganos sutilíssimos e argumentos dissimulados, derrubar o chefe da Igreja. Imploremos ardentemente ao Senhor para que ninguém seja enganado pelas fraudes deles.

No dia 7 de junho de 1815, durante a Santa Comunhão, fui levada a um local solitário onde tive notícia das graves aflições que deverá sofrer nossa santa Mãe a Igreja.

https://3.bp.blogspot.com/-_EJQ1yxSB4o/ScjyACSswfI/AAAAAAAAEJo/zH3POm2PndQ/s640/Sodoma+e+Gomorra%252C+John+Martin.jpg

Oh, quantas penas! Mas quantas deveremos sofrer nós! Deus quer renovar todo o mundo. E isto não se pode fazer sem uma grande destruição. (...)

No dia 7 de junho de 1815, dia do retorno de nosso Santo Padre a Roma, toda a cidade estava envolta numa grande alegria. Mas meu espírito padecia de uma grande melancolia.

Foi-me mostrado, como já disse, as graves aflições que deverá sofrer nossa Mãe, a santa Igreja, por parte daqueles que com o pretexto de seu bem e vantagem tentam arruiná-la, porque são lobos rapaces que sob a pele de cordeiros procuram sua destruição total. Eles, embora não o demonstrem, são acérrimos perseguidores de Jesus crucificado e de sua esposa, a Santa Igreja.

Parecia-me, pois, ver todo o mundo no caos, especialmente a cidade de Roma. Eu conhecia a variedade de falsas opiniões que se escondem sob o manto da verdadeira religião católica. Conhecia a diversidade de partidos que conspiram uns contra os outros. Esses miseráveis dilaceram-se a fama, vituperam contra a honra do outro, eliminam-se sem piedade.

O que dizer do Sacro Colégio? Pela variedade de opiniões, uns apareciam-me dispersados, outros destruídos, outros impiedosamente extintos. Do mesmo modo e até pior eram tratados o clero secular e a nobreza. O clero regular, entretanto, não padecia uma dispersão total, mas era dizimado no número.

Muitos, até incontáveis, eram os homens de todas as condições que pereciam neste extermínio, mas nem todos eram condenados. Muitas eram pessoas de bons costumes e muitos outros de santa vida.

Purificação da Igreja Católica

O mundo era proa de uma gravíssima desolação. A pequena grei de Jesus Cristo apresentava ardorosas orações ao Altíssimo para que se dignasse suspender tanto extermínio e tanta ruína.

Em atenção aos votos deste pequeno número, cessava o extermínio por parte dos homens e começava um outro da parte de Deus.

O céu ficou coberto de negras nuvens, estourando os mais terríveis raios que aqui incineravam, lá incendiavam. A terra estava abalada não menos que o céu.

Os terremotos mais horríveis, as voragens mais ruinosas provocavam os derradeiros estragos sobre a terra. Desta maneira foram separados os bons católicos dos maus cristãos.

Muitos daqueles que outrora negavam Deus agora O confessavam e O reconheciam pelo Deus que Ele é.

Todos O respeitavam, O adoravam, O amavam. Todos observavam sua Santa Lei. Todos os religiosos e as religiosas se estabeleciam na verdadeira observância de suas Regras.

https://1.bp.blogspot.com/-LnSJ6z0pRew/TClGjyLhmyI/AAAAAAAAIuY/SSuLkWELuRA/s640/Sao+Pedro%252C+na+noite.jpg

O clero secular era a edificação da Santa Igreja. Nas Ordens religiosas floresciam homens de muita santidade e doutrina, de vida muito austera. Todo o mundo estava em paz.

Escrito por obediência.

Fontes: Impresso: —Bem-aventurada Isabel Canori Mora (1774–1825) "La mia vita nel Cuore della Trinità — Diario della Beata Elisabetta Canori Mora, sposa e madre", Libreria Editrice Vaticana, 1996, 765 pp. Imprimatur do Vicariato de Roma, Pe. Luigi Moretti, secretário-geral, 31-8-1995"
Manuscrito: MS 132, igreja de San Carlo alle Quattro Fontane, Roma.
Versão digital: — Intratext. http://www.intratext.com/IXT/ITA1070/.


 Corrupção na sociedade e na Igreja

O presépio do Menino Jesus cheio de sangue

    Em 25 de dezembro de 1813 (...) vi três mensageiros celestes que me convidaram a ir com eles. Uma luz diante de nós nos conduziu até o Presépio. (...)

    Eu vi um lindo e gracioso Menino que jazia num pobre berço junto de sua Santíssima Mãe. (...)

    Porém, oh que coisa tão estranha eu vou contar! Ela me causou sumo estupor! Só de pensar sinto horror. Aproximei-me, então, do sagrado presépio e o vi todo cheio de sangue.

    Nessa hora, eu vi três mensageiros celestes que traziam três belíssimos cálices e os ofereciam a Maria Santíssima.

    A Mãe de Deus recolheu todo o precioso sangue e, com suma reverência, o colocou nos três cálices. (...)

    Nesse momento eu compreendi, por via intelectual, a explicação de tanto derramamento de sangue por parte do Divino Infante recém-nascido.

    Seria melhor ocultá-lo do que manifestá-lo: a má conduta dos sacerdotes seculares e regulares, de muitas religiosas que não se comportam segundo seu estado, a má educação dada aos filhos pelos pais e pelas mães, como também por aqueles a quem cabe uma obrigação semelhante.

    Pois são essas as pessoas que pelo seu bom exemplo devem aumentar o espírito do Senhor no coração dos outros. Pelo contrario, apenas Nosso Senhor nasce no coração das crianças, tais pessoas O perseguem de morte com suas más condutas e máximas.

    Foi-me manifestado claramente que os três mensageiros celestes eram três anjos de alta hierarquia zeladores da Justiça divina encarregados de vingar Sua justíssima indignação ofendida por tantas indignidades e pecados.

    Eles eram pura indignação contra o mundo ingrato. Eles queriam espalhar sobre a terra o precioso sangue que seguravam respeitosamente dentro dos mencionados vasos.

    Ai de nós! Num instante todo o mundo teria sido destruído.

    Mas a Santíssima Virgem se interpôs dizendo: “Oh Meu Filho diletíssimo, que não se execute o vosso o tremendo decreto!”

    Tendo dito isto, ajoelhou-se solicitamente aos pés de seu Santíssimo Filhinho e nos obteve a graça.

    O Divino Infante levantou Sua santíssima mão cheia de império e autoridade, e disse: “Detende-vos! Detende-vos!”.

    Os mensageiros celestes puseram de lado a indignação e se prosternaram diante de Seus santíssimos pés.

    Por ordem do Menino Jesus, entregaram os três cálices nas mãos de Maria Santíssima.

https://1.bp.blogspot.com/-7ha_v-NRKUI/UTfJE3eHdRI/AAAAAAAARS0/9hItz849ATo/s640/San+Pedro+355.jpg

    Apareceram outros três mensageiros celestes encarregados da Misericórdia Divina, que recolheram das mãos da Santíssima Mãe de Deus os mencionados cálices e desapareceram entoando hinos de louvor a esse atributo divino. [págs. 111-113, numeração do manuscrito]

 Profanações cometidas por eclesiásticos em antros ocultos

    No dia 24 de fevereiro de 1814, (...) após receber a Santíssima Comunhão, os três santos anjos voltaram a se apresentar diante de mim.

    Conduziram-me ao já referido subterrâneo. Com as tochas acessas que seguravam na mão, eles me faziam ver o que era feito na escuridão daquele local.

    Vi muitos ministros do Senhor que se despojavam uns aos outros. Raivosos, eles arrancavam os paramentos sagrados.

    Vi serem derrubados pelos próprios ministros de Deus os altares consagrados. Eu os vi espezinhar com muito desprezo os paramentos sagrados.

    Através de uma pequena janela eu vi o miserável estado dos povos. Que confusão! Que caos! Que ruína! Não tenho palavras para explicá-lo. [pág. 120, numeração do manuscrito]


Fontes: Impresso: —Bem-aventurada Isabel Canori Mora (1774–1825) "La mia vita nel Cuore della Trinità — Diario della Beata Elisabetta Canori Mora, sposa e madre", Libreria Editrice Vaticana, 1996, 765 pp. Imprimatur do Vicariato de Roma, Pe. Luigi Moretti, secretário-geral, 31-8-1995"
Manuscrito: MS 132, igreja de San Carlo alle Quattro Fontane, Roma.
Versão digital: — Intratext. http://www.intratext.com/IXT/ITA1070/.


 O “sinédrio” que conspira dentro da Igreja

https://3.bp.blogspot.com/-Q1yb42gLV7s/UTfRIiHE35I/AAAAAAAARTA/FjJy1Kbm0kg/s400/Pio+VII,+Papa+de+1800+a+1823,+Jacques-Louis+David,+1805,+1280.jpg

Pio VII, Papa de 1800 a 1823. Jacques-Louis David, 1805

O Papa rodeado de "lobos" e o pranto dos anjos

    Em 11 de maio de 1814, rezando a Deus pelo Santo Padre, para que Ele lhe concedesse uma boa viagem, eu o vi viajando rodeado de lobos que faziam congressos e complôs para atraiçoá-lo. (...)

    No dia 2 de junho eu vi novamente o nosso Santo Padre rodeado de lobos. Vi dois anjos de tal maneira entristecidos a seu lado, que choravam. (...)

    No dia 5 de junho, festa da Santíssima Trindade, durante a comunhão voltei a ver pela terceira vez o Santo Padre. Eu vi o Sinédrio de lobos que o rodeavam e os anjos que choravam.

    Uma santa ousadia me inspirou a lhes perguntar qual era a razão de sua tristeza e de seu pranto.

    Observando com os olhos cheios de compaixão a cidade de Roma, eles assim disseram: “Cidade miserável, povo ingrato, a Justiça de Deus vos castigará”. [pág 162]


Concedido um tempo de penitência antes do Castigo

    Em 30 de outubro de 1814, enquanto assistia à Missa cantada na igreja do Santíssimo Menino Jesus, minha alma (...) foi de súbito envolvida pelo espírito do Senhor e rapidamente conduzida a um local grande e magnífico.

    Neste local (...) o Senhor me fez (...) conhecer Sua Vontade. Esta consiste em que eu me ofereça ao Pai Eterno como vítima para atender às graves necessidades da Santa Igreja, e pela sua má administração. (...)

    No mesmo momento fui transportada a um vale profundo repleto de agitações, angústias, esforços, amarguras, e de todas as penas análogas que imaginar se possa.

    Vendo algo tão tétrico e aflitivo, minha pobre alma ficou horrorizada e quase aniquilada pelo terror de semelhantes desgraças.

    Eu estava a ponto de recusar meu consentimento quando inesperadamente vi aparecer uma forma vivíssima de luz. Nosso Senhor Jesus Cristo se manifestou nela dizendo:

    “Minha filha dileta, oferece-te a Meu Pai Celestial em favor de minha Igreja. Eu te prometo Minha ajuda”.

    Para persuadir-me, Ele se dignou mostrar-me as calamidades da Igreja.

    Pela segunda vez eu voltei a ver o edifício em ruínas. Fui introduzida dentro dele e foram-me mostradas as desordens que acontecem dentro da Igreja.

    Eu vi como os responsáveis passam por cima da Justiça, com muita desonra para Deus.

    Eu vi a opressão dos pobres, vi os sacrilégios que são cometidos por muitos ministros de Deus, vi sua concupiscência, seu apego aos bens transitórios, o esquecimento do verdadeiro culto de Deus, vi o bem aparente praticado com finalidades escusas.

    Não se podem abarcar, quantos e quais sejam esses delitos. Conhecendo isto fiquei horrorizada. Temendo que Deus estivesse para destruir o mundo, eu tremia da cabeça aos pés. (...)

https://2.bp.blogspot.com/-409bVFY6s1Y/T1QH2XuHGbI/AAAAAAAAC8s/gMaEduxg3Bo/s640/Cristo+en+Majestad,+Fra+Angelico.jpg

Foi-me mostrada a má administração dos santuários. Vi a grande desonra causada a Deus pelos maus sacerdotes.

Depois eu fui conduzida através de uma escada a um local muito elevado onde me foi dado ver a justa indignação de Deus irritado conosco.

Não há palavras capazes de explicar suficientemente uma coisa tão terrível e espantosa. Por causa do medo que eu sentia, tentava me esconder nas entranhas da terra.

Eu achava que naquele momento Deus queria destruir o mundo, mas Jesus Cristo me fez compreender que me unisse a Ele, e que me oferecesse a Seu Divino Pai para dessa maneira aplacar Sua indignação. (...)

Ele se dignou suspender o tremendo castigo e permitiu para nós, pobres pecadores, um período de penitência.

Mas é breve o tempo que Ele marcou para aguardar a nossa penitência. [págs. 219 ss.]


 Cólera divina face ao “complô” dentro da Igreja

https://4.bp.blogspot.com/-doCubuYfRSc/UTfeKxWQ-fI/AAAAAAAARTQ/pJ4xu3viIZQ/s640/Leao+XII,+Papa+de+1823+a+1829.jpg

Leão XII, Papa de 1823 a 1829. Monumento na Basílica de São Pedro


Deus pede à Beata Isabel exultar com sua cólera. Ordem do confessor

Em 9 de março [1815] (...) Deus se apresentou ante mim simbolizado na figura de um forte guerreiro armado.

Com sua espada vingadora estava para fazer justiça pelas grandes injúrias que recebe dos seus. Rindo e exultando, convidava-me a exultar com Ele.

Porém, minha pobre alma estava tomada por uma tristeza tão profunda, que em lugar de exultar eu chorava amargamente.

Porque percebia claramente os estragos que Deus iria fazer com sua espada vingadora. (...)

O bom Deus (...) não somente me convidou a exultar com Ele, mas por meio de uma ilustração peculiar deu-me a conhecer quão reto e justo era o seu obrar. (...)

Mas meu coração não podia exultar.

Pelo contrário, na medida em que podia, opunha-me e resistia a Deus, ao mesmo tempo em que confessava com toda sinceridade que a criatura não pode nem deve se opor a seu Criador. (...)

Finalmente, em 25 de março de 1815, Sábado santo, eu manifestei a meu diretor espiritual a causa de minha aflição.

Ele me disse que eu não devia me opor a Deus, mas que, custassem o que custassem as penas, atendesse a sua divina vontade, ainda que todo o mundo devesse perecer.

Não só me aconselhou, mas me ordenou elevar uma oração inteiramente de acordo com a vontade divina. (...)

Eu fiz essa oração com muito recolhimento e sinceridade de afeto.

A oração agradou muito ao bom Deus, que a qualificou de oração digna d’Ele. Diante desse elogio minha alma se humilhou profundamente e apresentou meu pai espiritual a meu Senhor, fazendo notar que foi ele o autor da oração que lhe fora tão agradável. (...)

Foi-me então dito de lhe comunicar, para consolação dele, que seu nome estava inscrito no Livro da Vida.

Naquela manhã eu fui a Sant’Andrea delle Fratte. Quando ouvia a missa cantada, de repente pareceu-me ser transportada à cima de um monte altíssimo onde eu via o bom Deus todo recoberto de luz se comprazendo na sua justiça.

Com sua mão onipotente jogou sobre nosso mundo três pedras. Logo a seguir, em três partes diversas da terra o céu ficou toldado com nuvens caliginosas.

Eu via nosso mundo gemendo sob o peso de terríveis aflições. Meu espírito, tomando conhecimento de fatos tão deploráveis, já não mais se opunha a seu bom Deus.

Como que revestida de um novo espírito, eu experimentava em meu coração uma sujeição humilde às disposições divinas, e esquecida de mim, louvava e abençoava a Deus sem sentir a mais mínima pena, embora conhecesse o extermínio que Deus estava para fazer entre os vivos. [págs. 286-291]

Visão dos novos cardeais com caras de animais simbolizando seus vícios capitais

Refiro um fato acontecido a uma alma que conheço. Quando o Sumo Pontífice [N. T.: S.S. Pio VII] realizou a promoção de novos cardeais, dita alma rezou ao Senhor pedindo que desse graças a esses novos cardeais para sustentarem a Santa Igreja Católica. (...)

Uma vez feita a oração, adormeceu e em sonhos pareceu encontrar-se num local onde viu os ditos purpurados, que se assemelhavam a animais de acordo com os vícios predominantes neles.

Disse que essa visão a deixou horrorizada, e que no sonho se voltou para Deus chorando.

Então ela disse ter ouvido uma voz interior que lamentou a má conduta não só desses, mas de todos os que administram, e mostrou-lhe a desonra e a gravíssima falta que eles cometem contra a Divina Justiça. Deus assegurava que haveria de castigá-los severamente. [págs. 434-435]

Nossa Senhora cessa de pedir misericórdia para o mundo

https://2.bp.blogspot.com/-y6DlGlHXy9o/SL2taRd5CYI/AAAAAAAAByI/eLX_R-b5XDA/s640/La+Salette.jpg

Santuário de La Salette, França

Em 25 de dezembro de 1816 (...) durante a Missa de meio-dia.(...) meu Deus me obrigou a descer o olhar e contemplar este mundo sensível. (...)

Eu via Maria Santíssima com seu Santíssimo Filho nos braços. Eu A via triste e dolorosa. Sua tristeza produziu em meu coração uma viva compaixão e um ardente amor.

Movida de cordial afeto, perguntei-lhe a causa de sua dor. (...)


A Mãe de Deus voltou-se para mim e disse: “Contempla, oh minha filha, contempla a grande impiedade”.

Ouvindo estas palavras, vi que os nossos apóstatas tentavam de modo atrevido e temerário arrancar seu Santíssimo Filho de seu seio puríssimo.

Ante este grande atentado, a Mãe de Deus não mais pedia misericórdia para o mundo, mas justiça ao Divino Padre Eterno, o qual, revestido de sua inexorável justiça e cheio de indignação, se voltou para o mundo.

Naquele momento toda a natureza entrou em convulsão, o mundo perdeu sua ordem e a maior infelicidade que se possa contar ou imaginar se instalou sobre a terra.

Uma coisa tão deplorável e aflitiva que deixará o mundo reduzido à última desolação. Não posso dizer mais. (...) Que temor! Que espanto semelhante visão me trouxe! Não tenho palavras para poder explicar. [págs. 499-501, numeração do manuscrito]


Atrair a misericórdia divina sobre a Igreja

https://2.bp.blogspot.com/-TvmOfx4iLV4/UTfh--6Ru1I/AAAAAAAARTg/0lsKA7DdKio/s400/Dulle+Meg,+Pieter+Bruegel.jpg

Visão do estado do mundo. Acorrenta um demônio péssimo

Em 15 de novembro de 1818, durante as orações, (...) repentinamente foi-me mostrado o mundo. Eu o via submerso na confusão, sem ordem nem justiça.

Os sete vícios capitais desfilavam em parada triunfal, e por toda parte reinava a injustiça, a fraude, a libertinagem e toda espécie de iniquidade.

O povo estava entregue aos maus costumes, sem fé, sem caridade, totalmente imerso na crápula e nas perversas máximas da filosofia moderna. Todos os povos tinham mais a fisionomia de animais que de homens! (...)

Porém, o cenário do mundo mudou num instante.

Eis que a indignação de Deus subitamente envolveu o mundo todo, fazendo sentir àqueles povos de maus costumes o rigor de sua justiça, e retíssima justiça.

Minha pobre alma, vendo a indignação de Deus sobre aqueles miseráveis, gemia cheia de terror e de espanto, e com abundantes lágrimas deplorava sua miserável sorte. (...)

Num instante o mundo todo ficou imerso em grandíssima desolação. Oh, quantos gritos, quantas lágrimas, quantos suspiros se ouviam, provenientes de débeis vozes que ressoavam naquele teatro de tristeza!

Entre toda aquela gente iníqua, eu via um demônio feíssimo que percorria o mundo cheio de soberba e arrogância. Ele mantinha os homens numa penosa escravidão.

https://4.bp.blogspot.com/-VRUlLMdlr9w/UTfiNAOQkqI/AAAAAAAARTo/BJHTg_WrQK4/s400/Inferno,+Hans+Memling,+detalhe.jpg

Com orgulhoso império, pretendia que todos os homens ficassem sujeitos a ele, renunciando à fé de Jesus Cristo, mediante a inobservância de seus santos Mandamentos, entregando-se à libertinagem e às máximas perversas do mundo, adotando a vã e falsa filosofia dos nossos modernos e falsos cristãos.

Oh miséria verdadeiramente grande a se deplorar com infinitas lágrimas: eu via toda espécie de pessoas, de toda categoria, de toda idade, não só leigos, mas eclesiásticos de todas as dignidades, tanto seculares como regulares, que corriam atrás dessas falsas máximas. (...)

Deste modo passei os meses de novembro e dezembro de 1818.

Parecia-me, pois, que tendo sido atendido meu pobre oferecimento unido aos méritos infinitos de Jesus Cristo, Deus Eterno me dava permissão, pela Sua onipotência, de amarrar com minhas próprias mãos aquele demônio pervertedor. (...)

Ajudada pelo braço onipotente de Deus, parecia-me que com minha própria mão o reconduzia ao profundo abismo do inferno. (...)

Cumpri dita operação por meio da onipotência de Deus, que me dava muita força e autoridade para realizar tudo para a Sua maior glória. (...)

Realizada a referida ação, pareceu-me que o mundo todo respirava em paz, e que por meio de homens doutos e santos se restabelecia a justa ordem sobre a terra, com máxima glória para Deus e honra para nossa Santa Igreja Católica.

Parecia-me que cessavam os pecados e se fazia verdadeira penitência. Parecia-me que por toda parte reinava a paz e a justiça.

A fé de Jesus Cristo triunfava por todo lado e convertia os homens em seguidores do Santo Evangelho. [págs. 534-539]

Deus indignado, disposto a devastar o mundo

Na festa de São José, em 19 de março de 1820, depois da Santa Comunhão, que recebi na minha capela, (...) foi-me mostrado o braço onipotente de Deus armado com um forte e pesado látego, prestes a descarregá-lo repentinamente sobre nós, míseros mortais. (...)

Eu dizia: “Meu Jesus, defendei Vós a vossa causa. Dignai-Vos oferecer vosso Preciosíssimo Sangue. Aplacai a indignação de vosso Divino Pai”.

Eu pronunciava estas e outras palavras com todo o empenho de meu coração, com tanto fervor que enternecia o coração de Deus.

https://2.bp.blogspot.com/-2JU76rXKWYY/Td190vP43qI/AAAAAAAACqE/ls3029p747s/s400/Retrato+com+22+anos.jpg

Beata Isabel com 22 anos

Deus se dignou ouvir-me em virtude de Sua infinita bondade e permitiu-me aproximar de sua tremenda majestade e segurar seu forte braço armado, para que não descarregasse o terrível golpe de seu justo furor. Assim, naquele momento, a justiça de Deus foi suspensa.

Porém não foi aplacada, posto que, dada a grande quantidade de iniquidades que se cometem, Deus determinou enviar um terrível castigo sobre a Terra, para lavar desse modo tantas iniquidades que se praticam. (...)

Vai chegar esse tempo terrível e tremendo. Então, Deus fechará seus ouvidos e não ouvirá oração alguma.

Mas, levado por Seu zelo em vingar os insultos gravíssimos que Sua Divina Justiça recebe, armando Sua mão castigará severamente a todos.

A todos. Sem que ninguém possa resistir nem fugir de Sua mão vingadora. [págs. 612-619]


Visão da restauração da Igreja

https://2.bp.blogspot.com/-Y8tx7n4k9v8/UTfmjiGQdkI/AAAAAAAART4/xGIMhzzaHp8/s400/Sao+Pedro+paramentado.jpg

O grande triunfo da Igreja

Na festa do grande Príncipe São Pedro, no ano de 1820, eu rezava pelas necessidades da Santa Igreja Católica. (...)

Pareceu-me então que eu via se abrir o Céu, e descer do alto com grande majestade, cortejado por muitos santos e anjos que cantavam hinos de glória, o grandíssimo Príncipe dos Apóstolos São Pedro vestido com os paramentos pontificais. Levava nas mãos um báculo com o qual marcava sobre a Terra uma vastíssima cruz. (...)

Apontava seu misterioso báculo para os quatro lados da referida cruz inscrita na Terra, e naquele momento eu via aparecer quatro árvores verdejantes, cobertas de flores e de frutos preciosíssimos.

As misteriosas árvores tinham forma de cruz. Estavam circundadas por uma luz brilhantíssima. (...)

    Os bons cristãos que tenham conservado em seu coração a Fé de Jesus Cristo, assim como os bons religiosos e religiosas que fielmente tenham conservado em seu coração o espírito de seu santo instituto, estarão todos sob essas árvores misteriosas, protegidos e livres do tremendo castigo. (...)

    Mas ai daqueles religiosos e religiosas inobservantes que desprezam as Santas Regras! Ai! Ai! Porque todos perecerão sob o terrível flagelo.

    E falo isto de todos os maus eclesiásticos seculares, e de toda classe de pessoas de todo estado e de toda condição, que andam atrás das máximas falsas da reprovável filosofia de hoje, entregues à libertinagem. (...)

    Todos esses infelizes perecerão sob o peso do braço exterminador da Divina Justiça de Deus, à qual ninguém poderá resistir. (...)

    Una vez realizada a referida operação pelo Santo Apóstolo, (...) ele voltou a subir ao Céu, acompanhado pelos santos anjos que desceram com ele.

    Logo depois de subirem ao Céu, o firmamento ficou toldado com uma cor azul tenebrosa que só de vê-lo causava terror.

    Um vento caliginoso de sopro impetuoso se fazia sentir por toda parte com seu assobio veemente e tétrico.

https://3.bp.blogspot.com/-_rZk2uHvFLM/UTfoP9gMweI/AAAAAAAARUA/4jDOszh5Vn8/s400/Queda+dos+anjos+rebeldes,+Pieter+Bruegel,+detalhe.jpg

    Queda dos anjos rebeldes, Pieter Bruegel, detalhe

    Voava pelo ar como um leão feroz, com seu fero rugido e seu horripilante eco. Por toda a terra espalhava o terror, o espanto. Porá a todos os homens e a todos os animais num estado de supremo pavor.

    Todo o mundo estará em convulsão e matar-se-ão uns aos outros. Assassinar-se-ão mutuamente sem piedade naquela hora de sangrenta pugna.

    A mão vingadora de Deus pesará sobre esses infelizes. Junto com sua onipotência perecerá seu orgulho, sua temeridade e sua desavergonhada ousadia.

    Deus se servirá das potências das trevas para exterminar esses homens sectários, iníquos e criminosos que visam derribar, erradicar a Igreja Católica, nossa Santa Mãe, de suas raízes mais profundas e jogá-la por terra. (...)

    Mas Deus rirá deles e de sua maldade. Com um só gesto de Sua mão direita onipotente punirá esses iníquos, permitindo às potestades das trevas que saiam do inferno.

    Essas grandes legiões de demônios percorrerão o mundo e, provocando grandes ruínas, executarão as ordens da Divina Justiça, à qual esses malignos espíritos estão submetidos.

    De maneira tal que não poderão fazer aos homens, aos seus bens, às sus famílias, às suas infelizes aldeias, cidades, casas e palácios, e a qualquer outra coisa que ficará em pé sobre a terra, dano maior ou menor do que permitirá Deus.

    Deus ordenará imperiosamente às potestades das trevas que façam uma cruel destruição de todos os rebeldes que temerariamente ousaram ofendê-Lo, com tanto atrevimento e ousadia.

https://3.bp.blogspot.com/-1GOQaVViXJc/UTfpK5fz0FI/AAAAAAAARUM/6-cs0N2hymM/s400/Triunfo+da+morte,+Pieter+Bruegel,+detalhe.jpg

    Triunfo da morte, Pieter Bruegel, detalhe

    Deus permitirá que esses homens iníquos sejam castigados pela crueldade de demônios ferozes, porque se submeteram voluntariamente à potestade do demônio e com ele se confederaram para causar dano à Santa Igreja Católica.

    Deus permitirá que esses espíritos malvados sejam punidos por meio de mortes cruéis e desapiedadas.

    Dado que meu pobre espírito entendeu bem esta disposição da Justiça Divina, foi-me mostrado a tórrido cárcere infernal.

    Eu via abrir-se da maior profundidade da terra uma caverna tenebrosa e espantosa cheia de fogo, de onde eu via saírem muitos demônios que assumindo uns uma figura e outros outra, uns de animal outros de homem, vinham todos infestar o mundo e fazer por toda parte massacres e ruínas. (...)

    Devastarão todos os lugares donde Deus foi e está sendo ultrajado, profanado, sacrilegamente tratado, onde se tem idolatrado.

    Todos esses locais serão demolidos, arruinados e perder-se-á todo vestígio deles. (...)

    Realizada dita operação e punidos os ímpios com cruel morte, demolidos esses lugares indignos, vi que o Céu se serenava de repente.

    E imediatamente vi que do alto descia sobre a Terra um majestoso trono.

    Nele eu via o Santo Apóstolo São Pedro, majestosamente vestido com os hábitos pontificais e cortejado por um imenso número de anjos que formavam uma coroa em volta dele.

https://4.bp.blogspot.com/-iCChBeY2nfo/UTfqBqN2giI/AAAAAAAARUU/Dd7RcqVesDQ/s400/Sao+Paulo,+Pra%C3%A7a+de+San+Pedro+no+Vaticano.jpg

    São Paulo, Praça de São Pedro no Vaticano

    Cantavam hinos de glória em louvor do Santo, homenageando-o como se fosse príncipe da Terra.

    Nesse momento vi que o Céu se abria novamente e descia com grande pompa e majestade o glorioso São Paulo.

    Com o poder e a autoridade de Deus, veloz como um clarão, percorria todo o mundo e acorrentava aqueles malignos espíritos infernais, levando-os diante do Santo Apóstolo São Pedro, que com uma ordem cheia de autoridade voltava e as confinava nas tenebrosas cavernas, das quais haviam saído por ordem do próprio Santo Apóstolo São Pedro. Todos voltaram ao precipício do inferno.

    Nesse momento vi aparecer um belo resplendor que anunciava a reconciliação de Deus com os homens.

    A pequena grei de Jesus Cristo foi levada pelos santos anjos diante do trono do grande príncipe São Pedro.

    Essa grei era aquele rebanho de bons cristãos que no tempo do tremendo castigo estará refugiado debaixo das misteriosas árvores, também mencionadas como gloriosos estandartes da Cruz, misteriosa insígnia de nossa Santa Religião Católica. (...)

    O santo escolheu o novo pontífice. Toda a Igreja foi reordenada segundo os verdadeiros ditames do Santo Evangelho.

    Foram restabelecidas as Ordens religiosas e todas as casas dos cristãos se tornaram outros tantos lares penetrados de religião.

        Era tão grande o fervor e o zelo pela glória de Deus que tudo era ordenado em função do amor de Deus e do próximo.

    Desta maneira tomou corpo num instante o triunfo, a glória e a honra da Igreja Católica.

    Ela era aclamada por todos, estimada por todos, venerada por todos.

    Todos decidiram segui-la, reconhecendo o Vigário de Cristo, o Sumo Pontífice. [págs. 623-631]


 Sacrifício para evitar que o Papado fosse banido de Roma

https://3.bp.blogspot.com/-mEKdEUgoZRk/UTfrmDi2-VI/AAAAAAAARUk/qNi2vyxGCjc/s640/1202xx+nieve+en+el+Vaticano+04.jpg

No passado mês de dezembro de 1820, no dia 8, festa da Imaculada Conceição de Maria Santíssima, por meio de uma ilustração divina, o Senhor manifestou-me Sua indignação justissimamente irada contra todo o gênero humano.

Ele me fez conhecer a impiedade, as infâmias, as enormes ingratidões cometidas contra sua Divina Lei e seu Santo Evangelho por todo tipo de pessoas, tanto eclesiásticos como leigos. (...)

Minha maior pena foi ver a Igreja de Deus posta toda no caos, plenamente desconjuntada e dispersa por causa da infidelidade dos sagrados ministros que deveriam sustentá-la, ainda que pagando com o próprio sangue.

Porém, em lugar disso, atraiçoam-na adotando as falsas máximas do mundo e se guiando pela política mundana.

Indignado por esta infidelidade, Deus havia decretado trasladar a outro local a Cátedra infalível da Verdade da Santa Igreja.

O grande Apóstolo São Pedro, zelador da honra de Deus, se me afigurou indignado, e São Paulo, qual guerreiro unido às milícias angélicas, queria trasladar a Cátedra de São Pedro da nefanda cidade de Roma.

Como poderei repetir a pena e a aflição que provocaram na minha pobre alma decisões tão trágicas e tão lúgubres para o cristianismo?

Cheia de tristeza e de dor, (...) dirigi-me a meu pai espiritual. (...) comuniquei-lhe tudo o que me tinha acontecido. (...) ele ordenou-me rezar com todo fervor ao Deus Altíssimo, a fim de que a Santa Igreja não fosse dispersa nem fosse permitido trasladar [a Cátedra de Pedro]. (...)

Apoiada minha alma na obediência, apresentei-me à oração com máximo respeito e reverência. (...) neste estado de coisas se me fez ver a humanidade santíssima de Jesus Cristo, que com voz comprazida, assim me falou:

“Filha abençoada de meu Pai. Teu sacrifício unido a meus méritos aplacará sua justíssima indignação. Tu hás de padecer grandes coisas por meu amor.

https://3.bp.blogspot.com/-oK-x4CuOsyo/UTfrlxPIlRI/AAAAAAAARUg/9DRCufdg6_M/s400/Crucifixao,+Agnolo+Gaddi.jpg

Crucifixão, Agnolo Gaddi

“Deverás travar forte batalha contra as potestades das trevas. Estas farão grande violência para te vencer, servindo-se das torturas mais bárbaras para torturar teu corpo. (...)

“Tua alma deverá sofrer uma desolação e uma agonia em certo sentido semelhantes à que Eu sofri na minha Paixão e Morte” (...) [págs. 632-633]


 Prêmio e promessa da vitória final da Igreja

https://1.bp.blogspot.com/-6jPyHOogCfE/UTftbvG7AAI/AAAAAAAARUw/SRNv9h2GrRo/s640/Sao+Pedro+1280.jpg

A Bem-aventurada frustra a manobra para erradicar o Papado de Roma.

    A promessa que me fez meu Deus (...) verificou-se logo. Tendo passado 17 dias desde o início de minha enfermidade, chegaram a Roma as tropas austríacas [para enfrentar] a revolução dos napolitanos.

    A terrível seita dos carbonários queria invadir a cidade de Roma para promulgar sua perversa Constituição. Não faltavam partidários em nossa cidade de Roma e em grande número.

    Todos eles conspiravam para expulsar o Santo Padre Papa Pio VII, com o malicioso pretexto de guardá-lo em lugar seguro, de medo a uma insurreição popular. (...)

    Eles tinham tentado todas as fórmulas para expulsar o Santo Padre de Roma. Tinham lhe incutido muito temor e, com fortíssimos argumentos, o haviam persuadido a partir.

    De fato, uma noite tinham atrelado uma carruagem para conduzi-lo a Civitavecchia. Nos dias anteriores haviam preparado toda a equipagem para sua partida, dizendo que de momento o transfeririam a essa cidade.

    Mas, se os assuntos de governo andavam mal, posteriormente tê-lo-iam levado a outros lugares. Tudo isto era uma manobra dos próprios sectários que queriam derrubar o Santo Padre.

    Junto com sua partida, teriam saído muitos Cardeais, senhores e prelados. Todos já estavam em preparativos para abandonar Roma.

    Com este malicioso ardil pretendiam tomar as rédeas do governo de Roma e escravizá-lo à bárbara Constituição. Castigo bem merecido para esta população, por causa de sua grande insubordinação em relação ao governo eclesiástico. (...)

    Por meio de divinas ilustrações, eu percebia muito claramente todas essas tramas. (...) Eu disse a meu confessor que visse como dizer ao Santo Padre para não se deixar enganar pelos argumentos dos que o aconselhavam e lhe solicitavam a partida, mas que ficasse em Roma. (...)

    Meu pai espiritual respondeu prudentemente que não se podia transmitir essa advertência ao Santo Padre.

    O sentimento comum dos políticos era pôr em bom resguardo o Santo Padre, fazendo-o partir de Roma. Portanto, não se teria obtido o desejado. Eu fiquei persuadida desta justa razão.

    Ele me disse, porém, que elevasse fervorosas orações ao Senhor, a fim de que iluminasse o Santo Padre sobre o engano, desprezasse os conselhos humanos e decidisse não sair de Roma.

https://2.bp.blogspot.com/-5diZCjR3PFE/UTfvcfN3m1I/AAAAAAAARU8/mNNx16vMBd4/s640/Pio+VII,+Papa+de+1800+a+1823,+Jacques-Louis+David,+1805.jpg

    Pio VII, Papa de 1800 a 1823, Jacques-Louis David, 1805

    Ouvindo o sábio conselho de meu diretor, pus-me a rezar com todo empenho. (...)

    Eis que subitamente Deus concedeu tanta sutileza a minha alma, que ela pôde num instante penetrar no Palácio do Quirinale.

    Meu espírito pôde falar livremente, por via da inteligência, e manifestar ao Santo Padre meus sentimentos ditados pelo espírito do Senhor.

    E assim lhe fornecer todos os dados que eu acreditava necessários para sua permanência em Roma.

    De fato, ele pôs em prática, ponto por ponto, quanto o meu pobre espírito lhe tinha manifestado, não obstante todos os conselhos e grandes argumentos, e a carruagem que já estava atrelada para fazê-lo partir.

    Ele abandonou o parecer de todos seus conselheiros e disse-lhes que, em lugar de partir, queria repousar. Que não pretendia partir de modo algum.

    Esta deliberação repentina e inesperada do Santo Padre frustrou com um golpe todos os planos já feitos e acertados pelos malignos sectários.

    Nasceu neles uma grande confusão. Isto foi um trabalho da graça do Senhor, que os confundiu de tal maneira que as tropas napolitanas, em lugar de avançar contra Roma, como já tinham decidido, ficaram presas do medo.

    Precipitadamente abandonaram as próprias fortalezas sem disparar sequer um canhão. Deram-se precipitadamente à fuga.

    Percebendo este fato, as tropas austríacas avançaram e, sem disparar um tiro de canhão, sem combater, se apoderaram das fortalezas e marcharam sem obstáculos até Nápoles. (...)

    Assim a pobre cidade de Roma ficou livre dessa terrível invasão [págs. 653-659]


Vitória após o castigo universal

    Deus me fez conhecer grandes coisas de interesse da Igreja militante. Porém, não através de palavras sensíveis, mas por cognição intelectual e penetração interior, entretanto de um modo bastante mais claro que se me tivesse falado sensivelmente.

    Eis suas divinas palavras:

    “Minha dileta filha, tu hás vencido. Teu sacrifício constante e forte fez violência à minha justiça irritada. (...)

    “Eu tomo outra determinação. (...) suspendo por agora o severo castigo e dou lugar a minha misericórdia. Minha dileta filha, quero te pagar o que padeceste por meu amor.

    “Alegra-te, oh filha, objeto de minhas complacências! O cristianismo não será mais dispersado, nem Roma será privada de possuir o tesouro da Cátedra da verdade infalível da Santa Igreja.

    “Eu reformarei meu povo e minha Igreja. Enviarei sacerdotes zelosos para pregar minha Fé. Formarei um novo apostolado. Enviarei meu Divino Espírito Santo para renovar a Terra.

    “Reformarei as Ordens religiosas por meio de novos reformadores santos e doutos. Todos possuirão o espírito de meu dileto filho Inácio de Loyola.

    “Darei um novo pastor à minha Igreja, douto, santo, repleto de meu espírito. Com seu santo zelo reformará a grei de Jesus Cristo”.

    Deu-me a conhecer muitas outras coisas relativas a esta reforma. Vários soberanos sustentarão a Igreja Católica e serão verdadeiros católicos, depositando seus cetros e coroas aos pés do Santo Padre, Vigário de Jesus Cristo.

https://3.bp.blogspot.com/-izIlP4xuTSk/SpqSrT0lvyI/AAAAAAAAFrE/4OHSfb93kOg/s640/Tudo+sobre+a+Idade+M%25C3%25A9dia+original.jpg

    Vários reinos abandonarão seus erros e voltarão ao seio da Fé católica. Povos inteiros se converterão e reconhecerão como verdadeira religião a Fé de Jesus Cristo.

    Naqueles momentos eu podia apontar todas estas coisas com clareza. Mas, (...) em virtude dos justos juízos de Deus, Ele não quer que suas divinas resoluções se tornem públicas.

    Desta reforma que está por fazer-se, eu sabia até os mais mínimos pormenores. Ainda quando estava aleitada, eu falava deles com muita clareza com minha filha caçula.

    Mas, agora que escrevo, nem eu nem minha filha nos lembramos de mais nada. Porque Deus os apagou de nossa mente. (...)

    O que eu posso dizer, sem embargo, é que esta grande Obra não se fará sem uma grande convulsão de todo o mundo, de todos os povos. (...)

    Naquele tempo, falando com minha filha, eu dizia:

    “Agora o Senhor abriu diante dos olhos de minha mente o livro da Divina Sabedoria, de tal maneira que eu leio o que falo. Mas quando o livro será fechado, eu não poderei te dizer mais nada”.

    E de fato o livro foi fechado e eu lhe disse:

    “Filha, o livro está fechado. Não posso ler mais nada. Quando o Senhor, pela sua bondade, voltar a abrir para mim o livro da Divina Sabedoria, então, se Deus quiser, voltarei a falar e direi tudo o que Ele quer”. [págs. 671-677]


 Poder concedido por Deus sobre os inimigos do Papado. Sacrifício da Beata Isabel Canori Mora pelo Papado

https://4.bp.blogspot.com/-dvXlN4j7C38/TLzIu0UsSyI/AAAAAAAAJn0/d358Y2fGse8/s640/Tiara+de+Gregorio+XVI%252C+1834%252C+fundo+negro.jpg

Tiara de Gregório XVI (Papa de 1831 a 1846)

Em 13 de abril de 1821 (...) meu espírito foi conduzido (...) a uma grandíssima sala. No meio dela eu vi uma mesa com três livros.

A mesa estava inteiramente adornada com emblemas que aludiam à seita dos convidados.

Observava estes reunidos em círculo em volta da mesa, sentados de modo desalinhado.

Esses homens tinham um aspeto feíssimo e sobre suas frontes se liam os sete vícios capitais e sua audácia de sustentar a maquinação que tramavam para perseguir a Santa Igreja Católica.

Cada um deles tinha a seu lado um espírito maligno com rosto de mouro e com corpo peludo como um urso. Eu via tudo isto sem ser observada por eles.

Com grande alvoroço abriram os referidos livros. Eu não conseguia ler o que continham.

Quando esses facínoras estavam folheando os grandes livros, meu espírito recebeu do Senhor a ordem de avançar contra eles, pegar sem impedimento os três livros e entregá-los às chamas de um fogo que via arder num canto daquela sala. (...)

Ouvia uma voz que me dizia internamente: “Se me amas, defende a minha honra. Pega aqueles livros e entrega-os às chamas”.

Meu espírito assim estimulado, sem consideração alguma e com presteza, avançou sobre a mesa, pegou os livros, e os jogou na hora nas chamas.

Deus, por sua bondade, havia comunicado a meu espírito uma tal luminosidade e agilidade, que parecia uma sombra ardente recoberta de luz.

Apenas me aproximei, eles ficaram estupefatos e tomados de desconcerto. Instantaneamente os espíritos malignos se afastaram deles.

Bem-aventurada Elizabeth Canori Mora (1774–1825)
Beata Isabel Canori Mora (1774–1825)
Esses homens ficaram muito confundidos e, dando socos na cabeça em sinal de desespero, foram embora. Então os mensageiros celestes viraram a mesa com todos os emblemas que havia encima.

Depois, voltei a ver aqueles infelizes desventurados.

Os espíritos malignos, que antes tinham estado ao lado deles como custódios e inspiradores de seu mal obrar, se haviam transformado naquele instante em bárbaros ministros da justiça e do furor de Deus.

Cada um daqueles homens era cruelmente agrilhoado pelo seu espírito maligno com correntes de ferro e um grosso colar no pescoço, e arrastados barbaramente para fora.

Ante esta cena de tal maneira sinistra meu espírito não deixava de rezar ao Deus Altíssimo por tais infelizes, para que Ele se dignasse conceder-lhes Sua Misericórdia.

Mas minha oração não foi atendida senão por dois jovens que cheios de lágrimas se voltaram para mim e pediam minha ajuda. [págs. 764-768, numeração do manuscrito]


A futura restauração da Igreja e os Apóstolos dos Últimos Tempos

https://2.bp.blogspot.com/-DYQKeNwBUcw/V4LFxw6GKDI/AAAAAAAAkds/IAvLZKj08SYL56oXXckSRcKXCw6zoQSSQCLcB/s768/A%2BBeata%2BIsabel%2BCanori%2BMora%2Bquando%2Btinha%2B22%2Banos.jpg


Da bem-aventurada Isabel Canori Mora, de sua admirável vida e de suas extraordinárias visões sobre o futuro da Igreja, temos publicado alguns posts. Confira clicando em:Beata Isabel Canori Mora - Vítima expiatória pelo Papado

Recebemos recentemente a contribuição de um dos nossos leitores que traduziu – “livremente” diz ele – alguns trechos da brilhante vida da bem-aventurada escrita por Daniella Klitsche de la Grange Annesi, famosa na Itália pela sua obra literária e jornalística. Cfr.: “La famiglia Klitsche de la Grange.

O livro em questão é “Una mistica dell'ottocento: La Venerabile Elisabetta Canori Mora, terziaria trinitária” (“Uma mística do século XIX: a venerável Elisabeth Canori Mora, terceira trinitária”), editado em Roma com as devidas licenças eclesiásticas pela Tipografia Agostiniana, em 1953.

Já o tínhamos lido e conferido com os manuscritos da bem-aventurada constatando a fidelidade aos escritos originais, e admirando a beleza do estilo literário com que a autora faz a ambientação da sofrida vida da Beata Elisabeth.

A falta de tempo nos tinha impedido escreve mais sobre essa admirável alma hoje nos altares da Cidade Eterna e dos anúncios proféticos que Nosso Senhor quis nos transmitir por meio dela.

Confiamos, porém, encontrar ainda uma fímbria de tempo para procedermos à tradução e publicarmos mais posts sobre ela.

Neste post publicamos os excertos traduzidos por nosso bom amigo e paciente leitor do nosso blog:

    “Elisabeth soube, porque leu em seu coração profundo, tudo quanto deve acontecer e se desenvolver inequivocamente, pouco mais de um século após sua morte. (em 1825) (...)

    “Lucina (uma das duas filhas da Bem-aventurada) narra que uma noite a mãe a chamou próxima de si, junto com Annuccia (a outra filha) e lhes disse:

    “— Agora vos narrarei muitas belas coisas, porque o Senhor me tem diante dos olhos o livro da divina sabedoria, assim que estou lendo o que falo, mas quando se fechar este livro eu não poderei mais vos dizer nada”.

https://4.bp.blogspot.com/-7bmv7FN8cEc/V4LFx-9xHpI/AAAAAAAAkdw/4NE6rWcCHMcV0evqp3ZT-5g8iR-NZcEewCLcB/s640/O%2Blivro%2Bde%2BDaniella%2BKlitsche%2Bde%2Bla%2BGrange%2BAnessi.jpg

    O livro de Daniella Klitsche de la Grange Anessi.

    “E anunciou acontecimentos grandiosos a propósito do que deveria acontecer no mundo e às nações que terão reconhecido a Igreja de Jesus Cristo, falou de Roma e de uma gloriosa reforma da qual conhecia as circunstâncias mais mínimas.

    “Porém, foi como se as filhas tivessem tido um sonho do qual procurassem em vão reagrupar os fios rompidos.

    “Deus não permitiu que dele se recordassem e Elisabeth não deixou memória deles “porque – assegura ela – o Senhor não quer, por Seus justos juízos, que se manifestem as suas divinas determinações”.

    “Ela, porém, como viu o infernal trabalho de ocultas seitas para abater o catolicismo, conheceu – a distância de um século, a formação daquele apostolado leigo chamado a levar em meio à sociedade corrompida as pequenas sementes da palavra de Cristo.

    “Viu a falsa filosofia, o materialismo e o egoísmo desembocar naquelas fatais guerras pelas quais – como ela preanunciava – deviam fazer cair em ruína cidade e inteiras províncias, arrasadas ao chão igrejas, trucidados sacerdotes inocentes, alterado e ameaçado o mundo inteiro.

    “Vi também, na desorganização geral, entre ondas de revoluções e de anarquia, permanecer imune de tantos flagelos uma pequena zona, centro espiritual do universo, e lá recolher-se o rebanho fiel a Cristo.

    “Presentes – sem dúvida – os novos triunfos de Roma, da sua Roma pela qual se tinha oferecida como vitima.

    “Mas, sobretudo voltou seus olhos para o clero secular e regular, e foi sua a nossa atual oração: ‘Enviai, oh Senhor, sacerdotes santos para vossa Igreja, operários dedicados pela vossa messe!’”

    (Autor: Daniella Klitsche de la Grange Annesi, “Una mistica dell'ottocento: La Venerabile Elisabetta Canori Mora, terziaria trinitária”, Roma, Nihil obstat e Imprimatur, Tipografia Agostiniana, 1953, págs. 206, 224 e 225).


Fontes: Impresso: —Bem-aventurada Isabel Canori Mora (1774–1825) "La mia vita nel Cuore della Trinità — Diario della Beata Elisabetta Canori Mora, sposa e madre", Libreria Editrice Vaticana, 1996, 765 pp. Imprimatur do Vicariato de Roma, Pe. Luigi Moretti, secretário-geral, 31-8-1995"
Manuscrito: MS 132, igreja de San Carlo alle Quattro Fontane, Roma.
Versão digital: — Intratext. http://www.intratext.com/IXT/ITA1070/.




Fonte:https://aparicaodelasalette.blogspot.com.br/p/isabel-canori-mora.html

 
 
 

Artigo Visto: 905 - Impresso: 23 - Enviado: 10

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 2.812.424 - Visitas Únicas Hoje: 398 Usuários Online: 147