"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
08/08/2017
As 10 Formas do Cardeal Burke de Superar a Crise de Confusão e Divisão na Igreja
 

As 10 Formas do Cardeal Burke de Superar a Crise de Confusão e Divisão na Igreja

08 de agosto de 2017

O cardeal dos EUA diz que desorientação e erro entraram na Igreja "de forma diabólica", mas encoraja os católicos a permanecerem firmes na fé, bem como corajosos e serenos, sabendo que a vitória de Cristo está "já escrita".

http://www.padremarcelotenorio.com/wp-content/uploads/2015/01/Cardeal-Burke.jpg

Edward Pentin

Num amplo e oportuno discurso, o Cardeal Raymond Burke procurou explicar a essência da profunda crise espiritual que enfrenta a Igreja e o mundo e ofereceu sugestões pastorais e incentivo aos fiéis sobre como lidar com isso.

Falando para um encontro "Church Teaches Forum" em Louisville, Kentucky, 22 de julho, o cardeal patrono da Ordem de Malta observou que, tendo em conta os "tempos difíceis no mundo e também na Igreja", o "ensino sólido" da Igreja "Nunca foi tão necessário".

O cardeal disse que o ataque generalizado contra a vida humana inocente e indefesa está levando a violência "sem precedentes" na vida familiar e na sociedade.

Ele também notou outros flagelos atuais: ideologia do gênero, negação da liberdade religiosa e objeção de consciência, materialismo ateísta e relativismo. Todos resultaram em um "medo legítimo de um confronto global que só pode significar destruição e morte para muitos", afirmou.

"Claramente, a situação atual do mundo não pode continuar sem levar a uma aniquilação total", acrescentou.

No entanto, "de uma forma diabólica, a confusão e o erro" que emanaram dos estragos da secularização, especialmente no Ocidente ", também entrou na Igreja", afirmou.

O cardeal Burke, um dos principais especialistas em direito canônico da Igreja, lamentou que a Igreja "se aproxime de uma cultura", mas "sem parecer conhecer sua própria identidade e missão" ou ter "a clareza e a coragem de anunciar o Evangelho da Vida E Amor Divino à cultura radicalmente secularizada ".

Como exemplo, ele citou as recentes observações do presidente da conferência episcopal alemã, o cardeal Reinhard Marx, que disse que a legalização do "casamento" do mesmo sexo na Alemanha não era uma grande preocupação para a Igreja; como também a intolerância demonstrada para aqueles que sofrem de atração do mesmo sexo. O cardeal Burke lembrou na sua audiência que a abordagem correta é distinguir entre o amor pela pessoa e o ódio dos católicos "deve sempre ter por atos pecaminosos".

Ele lembrou a vida de outro prelado alemão, o falecido cardeal Joachim Meisner, que sofria da "confusão cada vez maior" sobre o ensino da Igreja dentro da Igreja, mas que, no entanto, permaneceu "sereno" e determinado "continuar a lutar por Cristo."

O cardeal Burke observou como, "por qualquer motivo, muitos pastores estão em silêncio" sobre a crise atual ou "abandonaram a clareza" dos ensinamentos da Igreja e, em vez disso, abraçaram a "confusão e o erro que, erroneamente, pensam abordar de forma mais efetiva o colapso total Da cultura cristã ".

Possivelmente apocalíptico

Ele recordou um jovem sacerdote que recentemente perguntou por que, dada a "natureza possivelmente apocalíptica" do tempo presente na Igreja e no mundo, e a necessidade de ensinar a verdade da fé, há uma "aparente falta de clareza e coragem "Vindo da hierarquia.

O cardeal Burke disse que poderia ser um sacrifício para a "cultura materialista e relativista" que permeia a vida moderna que "encoraja a confusão e a divisão na Igreja". O cardeal também disse que se sentia incômodo quando a mídia secular já não ataca a Igreja como ela Costumava, como significa que a Igreja está "falhando no seu claro e corajoso testemunho ao mundo para a salvação do mundo".

Ele também advertiu sobre a governança da Igreja "mundana", onde aqueles que ensinam o que a Igreja sempre ensinou são vistos como "fundamentalistas rígidos" que impedem a abordagem pastoral desejada pelo Papa Francisco. E observou a "triste situação" dos membros da hierarquia "acusando-se publicamente de uma agenda política e mundana, como os políticos que se atacam para promover uma agenda política".

Embora ele não se referisse diretamente a eles, o cardeal salientou o peso de tais ataques, mais recentemente de um dos conselheiros mais próximos do Papa Francis.

Ele soou o alarme sobre uma falsa percepção do papado, que não deve ser retratado como tendo "poder absoluto" e que o Ofício de São Pedro "não tem nada a ver com a revolução" - como dizem alguns dos adeptos mais ardentes de Francisco - que é "principalmente um termo político" e mundano. Em vez disso, lembrou aos presentes que a plenitude do poder do Papa e o exercício de seu cargo são "precisamente para protegê-lo do tipo de pensamento mundano e relativista que leva à confusão e à divisão".

Recordando as palavras do Catecismo que afirmam que a missão do Papa é manter a fé "de cada lapso e fortalecer seus irmãos nela", ele disse que é "absurdo" pensar que o Papa Francis pode ensinar algo diferente de seus antecessores. E ressaltou que nem todas as palavras do Papa Francis são ensinamentos papais ou magistério.

Além disso, o Cardeal Burke ressaltou que, na Idade Média, a Igreja falou de "dois corpos do Papa: o corpo do homem e do corpo do Vigário de Cristo". Quando o Papa fala de forma coloquial, como Francisco freqüentemente faz , Por exemplo, no plano papal ou em suas homilias matutinas, este é o "primeiro corpo" do homem que é o Papa, disse ele. Fazer uma tal distinção, continuou ele, "não é desrespeitoso do ofício petrino", nem faz um inimigo do papa Francis. Pelo contrário, ele disse, sem fazer a distinção que "facilmente perderíamos o respeito" pelo papado, se acreditássemos que tivéssemos de concordar com todas as suas opiniões pessoais. Tal abordagem constitui uma "idolatria do papado", disse ele.

Ele também lembrou como papas anteriores tomaram muito cuidado com suas palavras. O Papa Paulo VI, disse ele, "nunca permitiria a publicação de um dos seus sermões sem estudar minuciosamente o texto impresso" e uma vez disse a um jovem prelado: "Eu sou o Vigário de Cristo na Terra e tenho uma responsabilidade muito séria em Certifique-se de que nenhuma palavra minha poderia ser interpretada de maneira contrária ao ensino da Igreja ".

Declarações papais

Qualquer declaração do Papa, segundo o cardeal Burke, deve ser entendida "dentro do contexto do constante ensino e prática da Igreja", para que não cause confusão e divisão que faça "grandes danos" às almas e à evangelização. Ele lembrou as palavras de São Paulo (Gálatas 1: 6-10): que se "alguém lhe pregar um evangelho além do que você recebeu, que seja anátema!".

Citando as recentes palavras "chocantes" do superior geral dos jesuítas, que disseram que não podemos saber o que realmente disse Cristo, já que suas palavras não foram gravadas, o cardeal Burke notou uma "apostasia" não corrigida na Igreja que Nossa Senhora de Fátima advertiu. O triunfo do Coração Imaculado nos ensina a "relação correta com Deus e com os outros", disse ele, e lembrou a parábola completa da ovelha perdida: que o pastor "não a deixa em sua condição perdida, mas leva-a aos ombros Para trazê-la de volta ao rebanho."

O cardeal Burke fechou seu discurso refletindo sobre o que pode ser feito nestes "tempos extremamente difíceis" que "realisticamente parecem ser apocalípticos".

Sublinhando que os ensinamentos de Cristo não mudam, ele deu 10 maneiras de lidar com a crise:

1-Estudar o Catecismo com mais atenção e estar preparado para defender o ensino da Igreja;

2-Lembre-se dos "muitos sinais edificantes" de fidelidade a Cristo entre "muitos fiéis bons e firmes, sacerdotes e bispos";

3-Recorrer à Santíssima Virgem Maria, imitar a unicidade de seu coração com Jesus;

4-Invocar com freqüência, "durante todo o dia", a intercessão de São Miguel Arcanjo como há "definitivamente envolvimento diabólico na confusão, divisão e erro que sempre se espalha dentro da Igreja";

5-Rezem a São José todos os dias para proteger a Igreja da "confusão e divisão que são sempre obras de Satanás";

6-Rezem aos grandes Papas Santos que guiaram a Igreja em tempos difíceis;

7-Rezem pelos cardeais da Igreja para lhes dar " particularmente clareza e coragem";

8-Seja sereno, sabendo que nossa confiança está em Cristo, que as "portas do inferno" não prevalecerão contra a Igreja, e evitar um "desespero mundano" que se expressa em "maneiras agressivas e não caridosas".

9-Esteja pronto para "aceitar o ridículo, o mal-entendido, a perseguição, o exílio e até a morte" para permanecer um com Cristo na Igreja, seguindo o exemplo de São Atanásio e outros grandes santos.

10-Salvaguarde o amor ao Papa Francisco, orando fervorosamente por ele e buscando a intercessão de São Pedro em seu nome.

O cardeal Burke advertiu que o cisma é uma "maneira de pensar mundana" que é "sempre e em todo lugar errado".

Ele concluiu sua conversa ao dizer que, embora possamos estar no fim dos tempos, "não é para nós nos preocuparmos" com isso, mas sim "permanecer fiel, generoso e corajoso" ao servir a Cristo, sabendo que sua vitória já está escrita.

Com a ajuda da Santíssima Virgem, ele disse: "escreveremos, com Cristo, os capítulos interpostos pela nossa fidelidade, coragem e generosidade como verdadeiros cooperadores, como verdadeiros soldados de Cristo".

"Ele permanece para nós", disse ele, "para sermos bons e fiéis servos que esperam abrir a porta para o Mestre na Sua Vinda".

Fonte:http://www.ncregister.com/blog/edward-pentin/cardinal-burkes-10-ways-to-overcome-confusion-division-in-the-church

 
 
 

Artigo Visto: 480 - Impresso: 6 - Enviado: 3

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 2.684.666 - Visitas Únicas Hoje: 254 Usuários Online: 87