"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
03/12/2017
Um cardeal grita com o Papa
 

Um cardeal grita com o Papa

http://scd.pt.rfi.fr/sites/portugues.filesrfi/imagecache/rfi_16x9_1024_578/sites/images.rfi.fr/files/aef_image/2017-11-30t102230z_1864920311_rc1e08070c40_rtrmadp_3_pope-asia-bangladesh.jpg

Do Vaticano uma notícia, uma indiscrição e algumas vozes, que esperamos não sejam confirmadas. Mas vamos por ordem.

https://i1.wp.com/www.marcotosatti.com/wp-content/uploads/2017/12/Acta-Argentina-1.png?resize=431%2C510&ssl=1https://i0.wp.com/www.marcotosatti.com/wp-content/uploads/2017/12/Acta-Argentina-2.png?resize=231%2C300&ssl=1

Como você pode ver nas fotos postadas no site do Radio Spada no Facebook, na Acta Apostolicae Sedis, questão 10/2016, a carta particular do Papa foi publicada aos bispos argentinos, depois de emitirem diretrizes para a aplicação do Capítulo 8 (o dos famosos avisos de comunhão para os divorciados e casados novamente) por Amoris Laetitia. As diretrizes que, como já foi observado e enfatizado aqui, estão longe de ser claras.

A publicação da carta sobre Acta é acompanhada por uma breve nota do secretário de Estado, o cardeal Pietro Parolin, que com um "Rescriptumi ex audientia SS.mi" de junho de 2017 informa que o próprio papa quer os dois documentos - as orientações e a carta - sejam publicados no site eletrônico da Acta Apostolicae Sedis.

A notícia só pode alimentar a confusão e a incerteza em torno da controvertida exortação apostólica e da maneira de agir do Pontífice. O que parece, mais uma vez, longe da clareza e da retidão que muitos fiéis esperam. Não há resposta para os cardeais do Dubia, não há resposta para cartas, petições e outras iniciativas de estudiosos, teólogos e simples fieis desorientados pela ambiguidade intencional do documento. Mas, ao mesmo tempo, uma pátina de oficialidade é oferecida a uma carta dirigida a um membro de uma conferência episcopal.

Para que propósito? Para obrigar a todos a um religiosum obsequium a um magistério expressado em formas oblíquas e ambíguas, ou a responder sem comprometer uma resposta direta, o que poderia expor o Papa inequivocamente aos duvidosos e perplexos? Como um simples crente, o sentimento de que tudo isso dá é um incômodo para um comportamento que poderia ser chamado de pretexto, no pior sentido do termo.

Se é verdade o que ouvimos de duas fontes diferentes, talvez seja um incômodo compartilhado também no Vaticano. Um cardeal de grande renome, ex-diplomático e com um currículo importante à frente das Congregações e importantes escritórios na Secretaria de Estado, teria criticado o Papa por sua ação, dizendo em essência: Nós o elegemos para fazer reformas, não para destruir tudo. A notícia se espalhou pelo Vaticano porque a conversa, se conversa pode ser falada, ocorreu em altos níveis de decibéis, que superaram a frágil barreira de portas e paredes. O cardeal em questão foi um dos que apoiou a candidatura de Jorge Mario Bergoglio no conclave de 2013.

Finalmente, um rumor que esperamos não encontre confirmação. Em 7 de dezembro, o arcebispo Georg Gaenswein, ex-secretário do Papa Bento XVI, celebrou seus cinco anos como Prefeito da Casa Pontifícia. E, segundo rumores de uma boa fonte, não pode ser confirmada. Como, além disso, já aconteceu como sabemos com o Cardeal Müller. De acordo com a regra de cinco anos, que desencadeia acima de tudo e especialmente se a pessoa em questão não faz parte do círculo do Papa. Nas últimas semanas, Mons. Gaenswein estava fora de Roma devido a algum problema de saúde, mas agora ele está de volta. Se a voz fosse verdadeira, o problema da sua localização iria surgir. A hipótese de uma diocese na Alemanha é improvável; ele é muito católico. Talvez o secretariado de uma Congregação em Roma. Ou, como Muller, uma disposição disponibilizada. Esperamos que a nossa fonte esteja errada, no entanto.

Fonte: https://www.marcotosatti.com/2017/12/01/vaticano-una-notizia-ambigua-unindiscrezione-e-una-voce-che-speriamo-non-sia-confermata-su-mons-gaenswein/

Atualização em en.news:

O prelado pertence ao grupo de cardeais que, em 2013, votaram em Bergoglio. Uma análise da lista de participantes no conclave 2013 mostra que o cardeal que provavelmente participou desse incidente é Leonardo Sandri, 74 anos, Prefeito da Congregação para Igrejas Orientais.

en.news

há 9 horas

Open Revolt in the Vatican?

https://image-media.gloria.tv/gregor/g/iu/4u33o50cnzijst4fhzmtlmajmst4fhzmtlmam.jpg

The Vaticanista Marco Tosatti writes that “a cardinal of great renown, a former diplomat, with an important curriculum at the head of Congregations and important offices in the Secretariat of State”, reproached Francis for his reckless undermining of Catholic doctrine.

During a meeting with Francis the cardinal said in essence: “We elected you to make reforms, not to shatter everything.” According to Tosatti, the discussion became known because the two started raising their voices.

The prelate belongs to the cardinals who in 2013 voted for Bergoglio. A scan through the list of the participants in the 2013 conclave shows that the cardinal most likely involved in this incident is Leonardo Sandri, 74, the Prefect of the Congregation for the Oriental Churches.

Picture: Leonardo Sandri, #newsNuujpawibs

Fonte: https://gloria.tv/article/wVgt24VTjsfw3dMevouWHURLE

 
 
 

Artigo Visto: 975 - Impresso: 6 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 2.842.145 - Visitas Únicas Hoje: 202 Usuários Online: 56