"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
29/12/2017
Vaticano: dinheiro, sexo e presépio LGBT
 

Vaticano: dinheiro, sexo e presépio LGBT

28 de dezembro de 2017

http://www.alagoas24horas.com.br/wp-content/uploads/2017/12/MulherseminuatentaroubaresttuadeJesusdoprespiodoVaticano.jpg

Por Sandro Magister

Natal de tensão este ano no Vaticano, assim como o Papa Francisco, no discurso de saudações à curia, tomou isso com aqueles que ele definiu como "traidores" e "exploradores" - os primeiros já "delicadamente" demitidos por ele e os segundos ameaçados de serem demitidos -, novos golpes clamorosos contra ele caíram. Pelo menos três.

O primeiro gol contra é o cardeal hondurenho Óscar Rodríguez Maradiaga, 75, arcebispo de Tegucigalpa, mas muito mais famoso no exterior do que em sua pátria, muito amado por Francisco, que o tornou o coordenador do chamado C9, o Conselho dos 9 cardeais que ajudam o Papa na reforma da curia e no governo da Igreja universal.

http://www.vaticannews.va/content/dam/vaticannews/images-multimedia/francesco-attivit%C3%A0/ANSA890267aem.jpg/jcr:content/renditions/cq5dam.web.1280.1280.jpeg

"L'Espresso", em venda nos quiosques da véspera de Natal - mas com o lançamento em linha ao mesmo tempo do discurso do Papa à curia - publicado, com a assinatura de Emiliano Fittipaldi, uma investigação muito agressiva não só contra o cardeal, acusado de ter confiscado e dilapidado enormes somas, mas também contra seu colaborador e amigo mais próximo, o bispo auxiliar de Tegucigalpa, Juan José Pineda Fasquelle:

> L'ultimo scandalo vaticano: 35 mil euros por mese per il cardinale Maradiaga

Maradiaga reagiu ao afirmar que os montantes indicados não estavam disponíveis para ele pessoalmente, mas para a diocese, para as necessidades da Igreja hondurenha e que as acusações que agora o dirigem são antigas há mais de um ano e já foram respondidas. Com uma ação legal.

Sua resposta apareceu primeiro na "Nova Agência Católica" e depois, com mais detalhes, no jornal católico italiano "Avvenire", com mais novidades - concedidas pela Rádio Vaticano - que "em 26 de dezembro o cardeal falou por telefone com Papa Francisco, que expressou seu desagrado "por todo o mal que lhe fizeram, mas não se preocupe".

> Rodríguez Maradiaga: "Falsità sui fondi". E o Papa o revira

Mas em sua resposta o cardeal evitou assumir a defesa de seu bispo auxiliar Pineda. Em vez disso, ele confirmou que uma investigação foi realizada por um visitante apostólico enviado ao lugar pelo Papa, o argentino Alcides Jorge Pedro Casaretto, 80, bispo emérito de San Isidro.

O relatório do visitante apostólico está agora na mesa de Francisco, que teria reservado para si qualquer decisão. A única medida até agora realizada foi o envio de Pineda a Madri para um retiro espiritual com os jesuítas.

A investigação sobre o assistente e amigo de Maradiaga reportou acusações, tanto pela apropriação como pelo uso injustificado de grandes somas como favores em dinheiro e em espécie, em um círculo de amigos do sexo masculino de moral  duvidosa, em um contexto de corrupção e abuso sexual, como Edward Pentin trouxe à luz no "National Catholic Register":

> O Cardeal Maradiaga nega alegações financeiras, mas as questões permanecem sem resposta

"Não conheço os resultados da visita apostólica", concluiu Maradiaga. "L'Espresso disse meias verdades, que no final são as piores mentiras".
"Meias verdades" que em todo caso não podem deixar tranquilo nem o Cardeal nem o Papa.

*
O segundo gol contra tem a ver com o bispo argentino Gustavo Óscar Zanchetta, nomeado pelo papa Francisco no dia 19 de dezembro como assessor da Administração do Patrimônio da Santa Sé (APSA).

https://www.infobae.com/new-resizer/1LLC3h_8lYaQyeF9K8uSG_Gb7AE=/600x0/filters:quality(100)/s3.amazonaws.com/arc-wordpress-client-uploads/infobae-wp/wp-content/uploads/2017/08/01125508/Gustavo-Zanchetta-papa-francisco-1920.jpg

Nomeação surpreendente, porque na APSA o cargo de conselheiro não existe e foi inventado para a ocasião. Mas ainda mais surpreendente é o perfil do nomeado.

Zanchetta, de 53 anos, estava nas crônicas jornalísticas em julho passado, por ter abandonado a Diocese de Oran em branco, a que o papa Francisco havia designado em 2013. Ele justifica o abandono com um "problema" impreciso de saúde ", disse ele, deveria ser curado de forma urgente em outro lugar. E se instalou por algum tempo em Corrientes, a 900 quilômetros de distância, para aparecer ainda mais longe, em Madri, em aparente boa forma física.

Nos dias de seu abandono do cargo, prontamente oficiado pelo Papa, a mídia Argentina descreveu o desastroso estado em que Zanchetta tinha deixado a Diocese de Oran no aspecto administrativo, de forma semelhante como tinha acontecido na Diocese de que ele tinha sido anteriormente vigário, o de Quilmes. Além disso, correu a notícia da rejeição feita por ele, escondendo em seu "status" de "Bispo", a uma requisição de seu carro pela polícia, em busca de drogas.

Este é o homem a quem Francisco confiou, na curia, um papel extremamente delicado, em estreito contato com o presidente da APSA, o cardeal Domenico Calcagno, que assiduamente freqüenta o Papa e é um oponente tenaz sobre a drástica reordenação de As finanças do Vaticano, tentadas sem sucesso pelo cardeal George Pell, prefeito da Secretaria de Assuntos Econômicos.

Hoje, o cardeal Pell está de licença e retornou à Austrália, com sua posição na curia que, de fato, ficou vago. A posição-chave do Auditor Geral ainda está vazia, depois que Libero Milone foi alijado abruptamente em 19 de junho.

Se este é o estado das coisas, a nomeação de Zanchetta só contribui para a confusão em que se encontra a tão decantada reforma da curia do Vaticano.

*

Mas como se isso não é suficiente, há também um terceiro gol contra, centrado no presépio preparado este ano na Praça São Pedro (ver foto).

Não há nem o boi, nem o burro, nem as ovelhas, nem os pastores. Jesus, José e Maria se sentem cansados, no fundo de uma cúpula de São Pedro em ruínas. É uma manjedoura sem graça e sem poesia, cuja intenção é em vez de representar uma por uma as sete obras de misericórdia corporais.

Quem ofereceu ao Papa uma manjedoura como esta foi o santuário da abadia de Montevergine, que sobe no topo de uma montanha em Avellino, não muito longe de Nápoles. No governo da Cidade do Vaticano informam que o projeto, então feito pelo artesão napolitano Antonio Cantone, foi previamente submetido ao julgamento do Secretário de Estado e do Papa Francisco, obtendo aprovação.

https://i0.wp.com/www.kalpana.it/photographs/italy_bologna_glbt/images/glbt08_22.JPG

Mas ainda mais entusiasta foi a aprovação do Arcigay de Nápoles e seu Presidente Antonello Alessandro, que disse a jornalista norte-americana Diane Montagna, de LifeSite News: "a presença desta manjedoura no Vaticano é para nós razão para ser mais Feliz do que nunca, porque para a comunidade homossexual e transexual de Nápoles é um símbolo importante de inclusão e integração. "

Na verdade, o santuário de Montevergine abriga uma imagem da Virgem-reproduzida na manjedoura da Praça de São Pedro-que tem sido adotado como padroeira por uma vasta comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais), que uma vez por ano, em 2 de fevereiro, dia da festa da apresentação de Jesus no templo, popularmente conhecido como "Festa da Candelaria", realiza uma ascensão festiva no sopé do santuário, chamado de "juta dei Femminielli", a ascensão do efeminado.

É uma "mistura de sagrado e profano", uma espécie de "orgulho homossexual ancestral", explicou Sannino. Em 2002, o então abade de Montevergine, Tarcisio Nazzaro, protestou contra o aspecto político que a peregrinação estava levando, no qual o deputado transexual Vladimir Luxúria tomou parte nesse ano.

Mas na "Candelaria" de 2014, Luxúria foi novamente apresentada no santuário para ler uma carta que tinha escrito ao Papa Francisco em nome da comunidade LGBT.

https://www.ilmattino.it/photos/HIGH/93/50/599350_20140920_ab.jpg

Riccardo Luca Guariglia

Em 2017, um representante LGBT, também desta vez com Luxuria, conheceu o novo abade Riccardo Luca Guariglia, que - depois se referiram - deu sua benção em um "clima de diálogo".

A aldeia de Ospedaletto d'Alpinolo, de onde começa a subida ao santuário, deu este ano a cidadania honorária a um casal de homossexuais e inaugurou para o "femminielli" um banheiro "sem gênero" e publicou na entrada um cartaz com a escrita: "Ospedaletto d'Alpinolo é contra homotransfobia e violência de gênero".

Não é surpreendente, então, que Sannino diga que está convencido de que uma maior abertura da Igreja em matéria de homossexualidade também depende de "tão conscientes" que os líderes do Vaticano são do nexo entre a manjedoura da Praça de São Pedro e a comunidade LGBT. Ele acrescentou que "a Igreja é extremamente lenta em suas transformações". "Mas espero que finalmente desenvolva uma abertura real baseada nas palavras do Papa:" Quem sou eu para julgar? ".

Enquanto isso, nestes dias de Natal, peregrinos e turistas que vêm a Roma de todo o mundo observam com perplexidade visível a manjedoura armada no centro da colunata de Bernini, e especialmente o "nu" muscular que parece desejar nada mais do que seja misericordiosamente vestido.

https://odogmadafe.files.wordpress.com/2017/12/pinknews.jpg

Como todos os anos, na tarde de 31 de dezembro, depois do "Te Deum", o Papa Francis também vai para a manjedoura da Praça de São Pedro, ninguém sabe "quão consciente" da bagunça em que ele ficou preso. E certamente a comunidade LGBT estará muito atenta a examinar e a interpretar cada gesto e olhar dele.

Fonte: http://magister.blogautore.espresso.repubblica.it/2017/12/28/vaticano-senza-pace-soldi-sesso-e-presepe-lgbt/

 
 
 

Artigo Visto: 875 - Impresso: 15 - Enviado: 3

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.215.142 - Visitas Únicas Hoje: 936 Usuários Online: 236