"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
05/06/2018
Porque Papa Francisco dificilmente poderá aspirar ao título de Gandhi, Mahatma, grande alma.
 

Porque Papa Francisco dificilmente poderá aspirar ao título de Gandhi, Mahatma, grande alma.

05/06/2018

http://scd.br.rfi.fr/sites/brasil.filesrfi/imagecache/rfi_16x9_1024_578/sites/images.rfi.fr/files/aef_image/2018-01-16t230825z_1988060407_rc1d2b09f5a0_rtrmadp_3_pope-chile_0.jpg

Em La Plata, a segunda Diocese de importância na Argentina, foi bispo Hector Aguer. Uma personalidade notável de bispo e teólogo. Ele não simpatizava com Jorge Mario Bergoglio, quando era arcebispo de Buenos Aires. E o que o Pontífice reinante mostrou generosamente a ele nos diz este site em espanhol. Limitamo-nos a traduzir uma pequena parte que nos diz como dificilmente o Papa Francisco pode aspirar ao título de Gandhi, Mahatma, grande alma. Como você sabe quando um bispo faz 75 anos apresenta sua renúncia. Normalmente eles se permitem passar seis meses, um ano, e ainda mais - se não há razões de saúde - para recebê-lo. Mas para alguns - Mons. Leonardo em Bruxelas, Mons. Nigger, por exemplo, o cutelo cai imediatamente, ou quase. Vamos ver o que aconteceu com Mons. Aguer.

"Bem como o mesmo Mons. Aguer explicou em sua homilia de saudação, e como outras fontes concluíram, a renúncia foi apresentada quando ele completou 75 anos em 24 de maio. Sete dias depois, recebeu a chamada do encarregado da Nunciatura, que lhe transmitiu as ordens pontifícias: o Corpus Christi seria sua última liturgia pública; havia sido nomeado administrador apostólico, dom. Bochatey; ele teria que deixar a arquidiocese imediatamente, imediatamente após a celebração, não poderia residir nela como arcebispo emérito, e não poderia nem mesmo fazer a troca de entregas com seu sucessor, dom. 'Tucho' Fernández. No final da missa, o bispo greco-melquita pegou o microfone e ofereceu a Mons. Aguer sua casa para alojar-se, porque, literalmente, não tinha para onde ir. (Seu plano era retirar-ser para o antigo seminário menor de La Plata ”.

Fonte: http://www.marcotosatti.com/2018/06/05/bestiario-clericale-perche-bergoglio-non-sara-chiamato-mahatma-teologo-furioso-altre-amenita/

-------

Quem é Mons. Víctor Manuel Fernández "Tucho".

Num artigo publicado em CEBITEPAL, Mons. Víctor Manuel Fernández assegura que o Papa mudou a disciplina vigente sobre os divorciados que voltaram a se casar.

https://fratresinunum.files.wordpress.com/2017/08/jpg_1351304.png

Por InfoCatólica, 23 de agosto de 2017 | Tradução: FratresInUnum.com: O artigo que se intitula “O capítulo VIII de Amoris Laetitia: o que fica depois da tormenta”, de Mons. Fernández, Reitor da Pontifícia Universidade Católica da Argentina.

O texto começa assim:

Na hora de interpretar o capítulo oitavo de Amoris Laetitia, particularmente no que se refere ao acesso à comunhão eucarística dos divorciados em uma nova união, convém partir da interpretação que o mesmo Francisco fez de seu próprio texto, explícita em sua resposta aos Bispos da região de Buenos Aires.

Francisco propõe um passo adiante, que implica numa mudança na disciplina vigente. Mantendo a distinção entre bem objetivo e culpa subjetiva, e o princípio de que as normas morais absolutas não admitem exceção, distingue entre a norma e sua formulação e sobretudo reclama uma atenção especial aos condicionamentos atenuantes.

Francisco admite que um discernimento pastoral no âmbito do “foro interno”, atento à consciência da pessoa, possa ter consequências práticas no modo de aplicar a disciplina. Esta novidade convida a recordar que a Igreja realmente pode evoluir, como já aconteceu na história, tanto na sua compreensão da doutrina como na aplicação de suas consequências disciplinares.

Mas, assumir isto no tema que nos ocupa, exige aceitar uma nova lógica sem esquemas rígidos. Contudo, isto não significa uma ruptura, mas uma evolução harmoniosa e uma continuidade criativa em relação aos ensinamentos dos Papas anteriores.

A realidade é que o que indica Mons. Fernández não é uma novidade nem uma continuidade criativa, mas uma proposição condenada explicitamente pelo Magistério da Igreja. Por exemplo, é contrário ao indicado na “Carta aos Bispos da Igreja Católica sobre a recepção da comunhão eucarística por parte dos fiéis divorciados que voltaram a se casar”, aprovada pelo Papa São João Paulo II e enviada aos Bispos pelo então Cardeal Joseph Ratzinger, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (logo depois, Papa Bento XVI), no dia 14 de setembro de 1994:

O fiel que convive habitualmente more uxorio com uma pessoa que não é a legítima esposa ou o legítimo marido, não pode receber a comunhão eucarística. Caso aquele o considerasse possível, os pastores e os confessores – dada a gravidade da matéria e as exigências do bem espiritual da pessoa(10) e do bem comum da Igreja – têm o grave dever de adverti-lo que tal juízo de consciência está em evidente contraste com a doutrina da Igreja(11). Devem também recordar esta doutrina no ensinamento a todos os fiéis que lhes estão confiados.

    […]

A convicção errada de poder um divorciado novamente casado receber a comunhão eucarística pressupõe normalmente que se atribui à consciência pessoal o poder de decidir, em última instância, com base na própria convicção(15), sobre a existência ou não do matrimónio anterior e do valor da nova união. Mas tal atribuição é inadmissível(16). Efectivamente o matrimónio, enquanto imagen da união esponsal entro Cristo e a sua Igreja, e núcleo de base e factor importante na vida da sociedade civil, constitui essencialmente uma realidade pública.

Também é contrário ao ensinamento do Papa Bento XVI na Exortação Apostólica pós-sinodal Sacramentum Caritatis:

O Sínodo dos Bispos confirmou a práxis da Igreja, fundamentada na Sagrada Escritura (cf. Mc 10, 2-12), de não admitir aos sacramentos os divorciados casados de novo, porque seu estado e sua condição de vida contradizem objetivamente essa união de amor entre Cristo e a Igreja que se significa e se atualiza na Eucaristia.

O arcebispo Fernández pretende que a novidade introduzida pelo Papa Francisco seja irreversível:

Depois de vários meses de intensa atividade dos setores que se opõem às novidades do capítulo oitavo de Amoris Laetitia – minoritários mas hiperativos – ou de fortes tentativas de dissimulá-las, a guerra parece ter chegado a um ponto morto. Agora convêm reconhecer o que é que concretamente nos deixa Francisco como novidade irreversível.

E explica por que afirma tal coisa:

Se o que interessa é conhecer como o próprio Papa interpreta o que ele escreveu, a resposta está muito clara em seu comentário às orientações dos Bispos da Região Buenos Aires. Depois de falar da possibilidade de que os divorciados numa nova união vivam em continência, eles dizem que “em outras circunstâncias mais complexas, e quando não se pode obter uma declaração de nulidade, a opção mencionada pode não ser de fato possível”. E a continuação, acrescentam que: “(…) não obstante, igualmente é possível um caminho de discernimento. Se se chega a reconhecer que, num caso concreto, há limitações que atenuam a responsabilidade e a culpabilidade (cf. 301-302), particularmente quando uma pessoa considere que cairia numa nova falta prejudicando aos filhos da nova união, Amoris Laetitia abre a possibilidade do acesso aos sacramentos da Reconciliação e da Eucaristia (cf. notas 336 e 351).

De fato, já que esta é a postura do Papa – acrescenta – não cabe esperar que responda a outras perguntas sobre sua própria interpretação como seria o caso dos Dubia apresentados por quatro cardeais:

Francisco lhe enviou imediatamente uma carta formal dizendo que “o escrito é muito bom e explicita definitivamente o sentido do capítulo VIII”. Mas é importante advertir que acrescenta: “Não há outras interpretações” (carta de 05/09/2016). Portanto, é desnecessário esperar outra resposta do Papa.

O restante do artigo de Mons. Fernández é uma tentativa de justificar a ruptura de Amoris Laetitia com o Magistério precedente. E vai mais além ao contrariar o ensinamento do Catecismo, que indica no seu parágrafo 2353 que “A fornicação é a união carnal entre um homem e uma mulher fora do matrimônio… É gravemente contrária… Além disso, é um escândalo grave.” No entanto, o Arcebispo considera que nem sempre é pecado:

“(…) é lícito perguntar-se se os atos de uma convivência more uxório devem cair sempre, em seu sentido íntegro, dentro do preceito negativo que proíbe ‘fornicar’. Digo ‘em seu sentido íntegro’ porque não é possível sustentar que esses atos sejam, em todos os casos, gravemente desonestos em sentido subjetivo.

E também aponta a uma hipotética impossibilidade de cumprir os mandamentos em determinadas circunstâncias.

Francisco considera que, ainda conhecendo a norma, uma pessoa ‘pode estar em condições concretas que não lhe permitem atuar de maneira diferente e tomar outras decisões sem uma nova culpa. Como bem expressaram os Padres Sinodais, pode haver fatores que limitam a capacidade de decisão’. Fala de sujeitos que ‘não estão em condições seja de compreender, de valorizar ou de praticar plenamente as exigências objetivas da lei’. Num outro parágrafo o reafirma: ‘Em determindas circunstâncias, as pessoas encontram grandes dificuldades para agir de modo diverso’.

No entanto,  o Concílio de Trento, em seu cânon XVIII sobre a justificação, decreta:

Se alguém disser que é impossível ao homem ainda justificado e constituído em graça, observar os mandamentos de Deus, seja excomungado.

E diz a Escritura:

Não vos sobreveio tentação alguma que ultrapassasse as forças humanas. Deus é fiel: não permitirá que sejais tentados além das vossas forças, mas com a tentação ele vos dará os meios de suportá-la e sairdes dela. (1ª Cor 10,13)

Fonte: https://fratresinunum.com/tag/mons-victor-manuel-fernandez/

---

“Herético”. O veredito do Cardeal Müller sobre Fernandez, o primeiro conselheiro do Papa.

Em uma entrevista na última edição da “Herder Korrespondenz”, o Cardeal Gerhard L. Müller chamou nada menos que de “herege” a um tipo que se passa como “um dos conselheiros mais próximos do Papa”.

https://fratresinunum.files.wordpress.com/2016/05/jpg_1351304.png

Por Sandro Magister | Tradução: FratresInUnum.com: Eis o que disse o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé:

“O ensinamento sobre o papado enquanto instituição divina não pode ser relativizado por ninguém, porque isso significaria querer corrigir o próprio Deus. […] Já faz algum tempo, que tem alguém que está sendo apresentado por determinados meios de comunicação como um dos conselheiros mais próximos do Papa, segundo o qual se pode muito bem deslocar a sede papal para Medellin ou espalhar os dicastérios da cúria por diferentes igrejas locais. Isso é fundamentalmente errado e até mesmo herético [sogar häretisch]. Sobre essa matéria, basta ler a constituição dogmática “Lumen Gentium” do Concílio Vaticano II para reconhecer o absurdo eclesiológico destes jogos mentais. A sede do papa é a Igreja de São Pedro em Roma”.

Müller acrescentou que a missão explícita de São Pedro, de “guiar toda a Igreja como seu pastor supremo”, foi transmitida “para a Igreja de Roma e, com ela, a seu bispo, o papa”. E isso “não é um jogo organizativo, mas feito para preservar a unidade dada por Deus” e que também inclui “o papel do alto clero da Igreja romana, os cardeais, que ajudam o Papa no exercício do seu Primado”.

Não é difícil adivinhar quem é que está na mira de Müller. Trata-se de Dom Víctor Manuel Fernández, reitor da Universidade Católica Argentina em Buenos Aires e confidente de longa data de Jorge Mario Bergoglio, bem como, de fato, seu teólogo de confiança e arquiteto principal de seus principais documentos, desde a “Evangelii Gaudium” a “Amoris Laetitia “, e esta última chega ao ponto de plagiar trechos de artigos escritos pelo próprio Fernández há dez anos atrás:

“Amoris Laetitia” tem um escritor fantasma. Chama-se Víctor Manuel Fernández.

Mas o que o Cardeal Müller não engoliu mesmo de Fernández, é o que ele disse em uma entrevista ao “Corriere della Sera” de 10 de Maio de 2015:

“A Cúria do Vaticano não é uma estrutura essencial. O Papa poderia muito bem ir viver fora de Roma, ter um dicastério em Roma e outro em Bogotá, e talvez se conectar por teleconferência com os peritos em liturgia residentes na Alemanha. Em torno do Papa o que existe é um sentido teológico, é o colégio de bispos para servir o povo. […] os próprios cardeais podem desaparecer, na medida em que não são essenciais”.

E Fernández disse ainda, acusando precisamente o Cardeal Prefeito, que em entrevista ao “La Croix”, em 29 de Março, havia atribuído à Congregação para a Doutrina da fé “a missão de estruturação teológica” de um  Pontificado eminentemente “pastoral” como é o de Francisco:

“Eu li que alguns dizem que a Cúria Romana é uma parte essencial da missão da Igreja, ou que um prefeito do Vaticano é a bússola segura que impede a Igreja de cair no pensamento light, ou que aquele prefeito assegura a unidade da fé e garante ao pontífice uma teologia séria. Mas os Católicos, ao lerem o Evangelho, sabem que Cristo assegurou uma guia e iluminação especial ao papa junto a todos os bispos, mas não a um prefeito ou a uma outra estrutura. Quando se ouve dizer coisas desse tipo, quase parece que o papa é apenas um representante deles, ou aquele que veio para perturbá-los e deve ser controlado”.

Mais de um ano se passou desde que o teólogo argentino disparou contra Muller, mas aparentemente o Papa não ficou nem um pouco incomodado, visto que o mantém cada vez mais próximo.

E agora que Müller emitiu contra Fernández o veredito de “heresia”, é certo que quem vai cair ainda mais baixo no conceito do papa será ele, o cardeal, que já não conta para nada como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, e muito menos para a “estruturação teológica” deste pontificado.

A este propósito, não é de excluir que o Papa se referia especialmente a Müller quando, em seu terceiro sermão no retiro para sacerdotes, em 2 de Junho, disse ao comentar o encontro de Jesus com a mulher adúltera:

“Às vezes me dá uma mistura de pena e indignação quando alguém se esforça para explicar a última recomendação, o ‘não peques mais” e utiliza esta frase para “defender” Jesus e não o fato de que Ele passou por cima da lei”.

Com efeito, o Cardeal Müller tinha, de fato, escrito ao tomar uma posição em 2013, tendo em vista o sínodo sobre a família:

“Outra tendência em favor da admissão de divorciados novamente casados aos sacramentos é aquela que invoca o argumento da misericórdia. Porque o próprio Jesus era solidário com os sofredores, doando-lhes o seu amor misericordioso, a misericórdia seria um sinal especial de autêntico discipulado. Isso é verdade, mas é um argumento fraco quando se trata de matéria teológica e sacramental, porque toda a ordem sacramental é exatamente obra da misericórdia divina e não pode ser revogada sem negar o mesmo princípio que a sustenta.

“Através do que objetivamente soa como uma alusão falsa à misericórdia, incorre-se no risco da banalização da própria imagem de Deus, segundo a qual Deus não poderia fazer outra coisa senão perdoar. Ao mistério de Deus pertencem, além da misericórdia, também  a santidade e a justiça. Se resolvem ocultar esses atributos de Deus e não levam a sério a realidade do pecado, não se pode nem mesmo levar às pessoas a sua misericórdia.

“Jesus encontrou a mulher adúltera com grande compaixão, mas também disse: “Vai, e não peques mais” (Jo 8, 11). A misericórdia de Deus não dispensa dos mandamentos de Deus e das instruções da Igreja, antes, ela concede o poder da graça para a sua plena realização, para levantar-se após a queda e para uma vida de perfeição à imagem do Pai celeste “.

Mais do que isso, Müller escreveu em um livro-entrevista de 2014 e outro em 2016.

Fonte: https://fratresinunum.com/2016/06/17/heretico-o-veredito-do-cardeal-muller-sobre-fernandez-o-primeiro-conselheiro-do-papa/

---

Arcebispo, reitor e beijoqueiro.

https://fratresinunum.files.wordpress.com/2017/08/jpg_1351304.png

Por Catapulta-Argentina | Tradução: Fratres in Unum.com

Victor Manuel Fernández, amigo pessoal de Bergoglio desde os tempos de Buenos Aires, não fora confirmado pela Congregação para a Educação Católica, em tempos de Bento XVI, como reitor da Universidade Católica da Argentina, por sua inexpressividade acadêmica e por alguma qualquer outra incerteza… Logo que foi eleito, Bergoglio confirmou-o na mesma Universidade, elevando-lhe à dignidade de arcebispo e também de seu ghost-writer, sendo o principal autor da Encíclica Evangelii Gaudium. “Tucho” é o apelido com o qual é chamado por Francisco.

Um furibundo leitor me noticia, em termos bastante soezes, um livro do Arcebispo “Tucho” Fernández, reitor da ex-Universidade, ex-Católica e ex-Argentina, “Cura-me com a tua boca – A arte de beijar” (original: Sáname con tu boca – El arte de besar), publicado em 1996 e apresentado pela Editora nestes termos:

“Nestas páginas, o autor destaca a importância do beijo como sustento das relações, tanto amorosas como afetivas, ao mesmo tempo que ensina o leitor a beijar melhor”, acrescentando um comentário do próprio “Tucho”:

“Deixo claro que este livro não está escrito tanto a partir de minha própria experiência, mas a partir da vida das pessoas que beijam. E, nestas páginas, quero sintetizar o sentimento popular que as pessoas sentem quando pensam num beijo, o que experimentam os mortais quando beijam. Para isso, falei longamente com muitas pessoas que têm abundante experiência no tema e também com muitos jovens que aprendem a beijar de seu próprio modo. Além disso, consultei muitos livros, e quis morar como os poetas falam sobre o beijo. Deste modo, tentando sintetizar a imensa riqueza da vida, vieram à luz estas páginas a favor do beijo. Espero que lhe ajudem a beijar melhor, que lhe motivem a liberar o melhor do seu ser em um beijo”.

Como o licencioso livro está esgotado, sugiro ao Arcebispo, Reitor e Osculador uma segunda edição, na qual:

1) Nos transmita “a sua própria experiência”;

2) Nos relate se em alguma delas recitou ao ouvido versos sobre beijos, e que classe de beijos recebeu e de quem;

3) nos detalhe se alguns beijos foram “liberadores” do “melhor do seu ser”;

4) e, o mais importante, o que aconteceu depois da liberação.

Pergunto-me o que esperam os professores da ex-Universidade Católica da Argentina — os poucos bons, que ainda sobrevivem —, para dar um golpe e mandar este perturbado ao esgoto. Em Roma, seu padrinho, Francisco, lhe brindará com um seguro refúgio.

Fonte: https://fratresinunum.com/2015/01/12/arcebispo-reitor-e-beijoqueiro/

 
 
 

Artigo Visto: 275 - Impresso: 4 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.109.813 - Visitas Únicas Hoje: 245 Usuários Online: 106