"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
07/06/2018
Mulheres podem ser diáconas?
 

Mulheres podem ser diáconas?

publicado quinta-feira, 7 jun 2018

http://catholicherald.co.uk/content/uploads/2018/06/P1-Phoebe_gold-and-red-v2_TREATED-800x498.png

Santa Phoebe é considerada uma das primeiras diaconisas

por Christopher Altieri

Uma tempestade está se formando no Vaticano sobre diaconisas

No mês passado, o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o arcebispo Luis Ladaria SJ, levou as páginas do L'Osservatore Romano para reiterar e esclarecer a posição da Igreja sobre a impossibilidade de ordenar mulheres ao sacerdócio.

Seus comentários não foram solicitados e vieram do nada. Por que o arcebispo (que logo seria cardeal) sentiu a necessidade de reafirmar tal ensinamento bem conhecido, estabelecido com autoridade magistral por São João Paulo II em 1994? E por que agora?

Para alguns comentaristas, parecia uma repreensão velada ao cardeal extremamente influente Christoph Schönborn, arcebispo de Viena, que havia comentado com Die Presse em uma entrevista de páscoa: “A ordenação [de mulheres] é uma questão que certamente só pode ser resolvida por um Conselho. . Um papa não pode decidir isso sozinho. Essa é uma questão muito grande para ser resolvida na mesa de um papa.

As palavras cuidadosamente escolhidas pelo cardeal Schönborn se referiam ostensivamente - embora não explicitamente - à ordenação de mulheres como sacerdotes. Eles poderiam, no entanto, ser levados a abranger outra questão: a ordenação de mulheres como diáconos, que, como o cardeal Schönborn indicou na entrevista, não foi descartada como impossível. O assunto agora está de volta à agenda da Igreja depois que o Papa Francisco nomeou uma comissão para estudar a questão em 2016.

O tópico é delicado e complexo. A intervenção de duas figuras importantes da Igreja mostra que também é urgente.

Em suma, o ensinamento constante da Igreja Católica, reafirmado por João Paulo II em sua carta apostólica de 1994, Ordinatio Sacerdotalis, é que a Igreja nunca conferirá a ordenação sacerdotal às mulheres. Mesmo se ela quisesse, ela não podia. A constituição divina da Igreja dada por Cristo é tal que a Igreja só pode conferir a ordenação sacerdotal aos homens.

Em seu ensaio de L'Osservatore, o prefeito da CDF argumentou que São João Paulo tinha falado infalivelmente quando ele descartou padres mulheres por esses motivos. A infalibilidade não se aplica apenas aos pronunciamentos de um conselho ou pronunciamentos papais feitos ex cathedra, explicou ele, mas também ao ensino ordinário e universal da Igreja.

O arcebispo Ladaria escreveu: “João Paulo II na Ordinatio Sacerdotalis referiu-se a esta infalibilidade [ordinária]. Assim, ele não declarou um novo dogma, mas com a autoridade conferida a ele como sucessor de Pedro, formalmente confirmado e explicitado, a fim de remover qualquer dúvida, o que é o magistério comum e universal considerado em toda a história da Igreja como pertencente. para o depósito da fé ”.

Então, ordenar mulheres ao sacerdócio é impossível. Mas e o diaconado? E as primeiras mulheres cristãs conhecidas como diaconisas? A Comissão Teológica Internacional do Vaticano estudou a questão por dois mandatos de cinco anos, a partir do início dos anos 90.

Em 2002, publicou um relatório que concluiu: “As diaconisas mencionadas na tradição da Igreja antiga - como evidenciado pelo rito da instituição e pelas funções que exerceram - não eram pura e simplesmente equivalentes aos diáconos”.

O documento também dizia: “Ele se refere ao ministério de discernimento que o Senhor estabeleceu em sua Igreja para se pronunciar com autoridade sobre essa questão”.

Em resumo: seja o que for que a Igreja costumava fazer em relação às mulheres ordenadas para servir, nem os ritos de ordenação que receberam nem os tipos específicos de serviço para os quais foram ordenados eram os mesmos que aqueles recebidos pelos homens ordenados para o diaconado.

Em outras palavras, não havia dúvida de que as mulheres foram ordenadas para algo chamado “diaconato” na Igreja primitiva. Eles foram. Mas certas questões permanecem: qual era a natureza daquele “diaconato” para o qual foram ordenados, e que a ordenação tinha um caráter sacramental; e as mulheres poderiam ser ordenadas para o diaconado como existe hoje? Em todo caso, não havia razão teológica convincente que os autores do relatório pudessem descobrir para encerrar pelo menos a segunda parte da questão definitivamente.

É aí que as coisas duraram 14 anos, até que o Papa Francisco nomeou uma nova comissão para estudar mais o assunto.

As circunstâncias da criação dessa comissão são incomuns. Em maio de 2016, o Papa Francisco apresentou uma pergunta de uma religiosa que participava de uma reunião da União Internacional dos Superiores Gerais das Religiosas.

A pergunta - realmente três perguntas - dizia: “O que impede a Igreja de incluir mulheres entre os diáconos permanentes, como era o caso da Igreja primitiva? Por que não constituir uma comissão oficial para estudar o assunto? Você pode nos dar um exemplo de onde você vê a possibilidade de uma melhor integração de mulheres e mulheres consagradas na vida da Igreja? ”

O Papa Francisco respondeu: “Eu gostaria de constituir uma comissão oficial para estudar a questão: penso que será bom para a Igreja esclarecer este ponto; Eu concordo e falarei com a CDF para fazer algo dessa natureza ”.

O papa não perdeu tempo. Em agosto de 2016, ele criou exatamente essa comissão, composta por 12 especialistas nas áreas pertinentes: seis mulheres e seis homens, com o arcebispo Ladaria presidindo.

Tudo o que se segue é pura especulação, mas parece haver quatro caminhos possíveis de resposta, uma vez que o Papa Francisco receba os resultados da comissão de estudo:

1. Ele decide apresentar as mulheres ao diaconato ordenado ao lado dos homens.
2. Ele decide restaurar a antiga “Ordem das Diaconisas” que fazia parte da vida eclesiástica na Igreja primitiva.
3. Ele decide dizer não a qualquer proposta.
4. Ele decide não dizer nada.

A primeira opção parece a menos provável. Para começar, tal movimento iria voar em face da predominante compreensão teológica da “unidade das Ordens Sagradas” - a ideia de que os graus das Ordens Sagradas são totalmente possuídos por todos os bispos e articulados nos graus inferiores (diácono e sacerdote). por participação - segundo a qual cada pessoa que recebe Ordens deve ser capaz, ceteris paribus, de receber cada grau mais elevado.

Seria difícil apresentar às mulheres o mesmo diaconato sem dúvida sacramental, atualmente aberto apenas aos homens, de modo a preservar a unidade das Ordens e a ser estritamente limitado, de modo que o sacerdócio masculino (para não mencionar o episcopado) é indubitavelmente parte da constituição divina da Igreja permaneceria intacta.

Teólogos em Roma sugerem que alguns católicos em favor das mulheres diáconos a vêem como uma “porta lateral” no sacerdócio. Eles também observam que o motu proprio Omnium de Bento XVI de 2009 esclareceu que os diáconos, em virtude de suas ordens, não agem “na pessoa de Cristo, o Cabeça”, mas são “capacitados para servir o povo de Deus nos ministérios da liturgia”. a palavra e a caridade ”.

Não é fácil compreender as intenções precisas por trás da modificação, mas tem o efeito de fornecer uma camada de proteção legal e isolamento dos diáconos em geral dos graus mais elevados das Ordens Sagradas.

A segunda opção parece mais plausível: restaurar a Ordem das Diaconisas seria uma solução de compromisso. A Ordem poderia ser tratada como mais parecida com a das viúvas, virgens e outras da Igreja primitiva, e nenhuma delas supostamente teria caráter sacramental. Os bispos diocesanos presumivelmente seriam livres para decidir se deviam restaurar a Ordem dentro de suas jurisdições, e se houvesse, para experimentar e determinar a melhor maneira de usá-los.

A terceira opção, um simples não, parece improvável, especialmente porque Francis (ou qualquer outro papa) não tem que dizer ou fazer nada (opção quatro). Há muito pouca razão aparente, além disso, para provocar um ninho de descontentamento e desapontamento entre os partidários das mulheres diáconos, sem mencionar a dor desnecessária que uma resposta negativa causaria às pessoas ainda esperançosas de ver Francisco promover novos e maiores papéis para as mulheres. na liderança da Igreja. Francis, no entanto, mostrou-se disposto e até ansioso para "fazer uma bagunça".

……

Ainda assim, vale a pena mencionar que o Papa Francisco minimizou as perspectivas de mudança antes mesmo de criar a comissão de estudos mais recente. Respondendo a uma pergunta durante uma coletiva de imprensa em voo em junho de 2016, o Papa disse: “Há um presidente na Argentina que assessora presidentes de outros países: 'Quando você quer que algo não seja resolvido, faça uma comissão'”.

Ele passou a registrar a frustração com a cobertura da história. “[Jornalistas] disseram: 'A Igreja abre a porta para as diaconisas'. Realmente? ”Ele acrescentou:“ Eu estou um pouco bravo porque isso não está dizendo a verdade das coisas. ”

A situação, reconhecidamente, é mais do que um pouco confusa. Por um lado, o Papa Francisco dá a impressão de que ele está simplesmente dirigindo um grupo de especialistas para esclarecer uma questão de interesse e importância histórica e teológica, simplesmente porque ele disse que o faria.

Mas os jornalistas talvez possam ser perdoados por se perguntarem o que vem a seguir, especialmente porque o papa não é tão conhecido por dizer uma coisa e fazer outra, mas por dizer as duas coisas - e depois fazer o que quiser, sempre que decidir fazê-lo.

Christopher Altieri é um editor contribuinte do Catholic Herald

Fonte: http://catholicherald.co.uk/issues/june-8th-2018/could-women-be-deacons/

 
 
 

Artigo Visto: 247 - Impresso: 4 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.109.813 - Visitas Únicas Hoje: 245 Usuários Online: 106